Whatsapp

Carta

Redação

PUBLICIDADE

A carta é um gênero textual de correspondência, o qual visa a estabelecer uma comunicação direta entre os interlocutores, para transmitir diferentes tipos de mensagens. Por seu contexto de circulação, as cartas podem ser divididas em:

  • carta pessoal
  • carta comercial
  • carta oficial

A carta pessoal abarca uma estrutura e linguagem mais flexível. As cartas comercial e oficial apresentam textos concisos e impessoais e com linguagem padrão. De modo geral, as cartas apresentam a estrutura: local, data, vocativo, corpo do texto, despedida e assinatura.

Leia também: Carta aberta – tipo de carta específico com caráter argumentativo

Tipos de carta

Existem diversos tipos de cartas que servem para diferentes propósitos sociocomunicativos. Analisando pelo grau de proximidade entre os interlocutores, a carta pode ser pessoal, empresarial ou comercial, e oficial ou pública. Essa divisão determina o tipo de linguagem que se estabelece entre remetente e destinatário.

  • Carta pessoal: estabelece comunicação entre pessoas próximas ou com vínculo individual. Isso favorece o uso de uma linguagem coloquial, aplicação de expressões populares e gírias, além de assuntos subjetivos e/ou íntimos. A estrutura da carta pessoal também é aberta, tendo em vista que o autor pode escolher como deseja organizar as informações compartilhadas.
  • Carta empresarial ou comercial: é aquela que veicula no ambiente profissional e estabelece comunicação entre diferentes profissionais. Esse tipo de carta exige uma linguagem mais formal e impessoal. A mensagem deve ser objetiva e concisa, e toda relação pessoal deve ser evitada.
  • Carta oficial ou pública: é o documento utilizado nas instituições públicas. Esse tipo também exige uma linguagem impessoal, formal e acessível. Muitas vezes a carta oficial não tem um destinatário único, e por isso exige um distanciamento entre os interlocutores.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O gênero carta, ainda, subdivide-se dentro dessas categorias. Diante dos diferentes contextos de circulação e do grau de proximidade entre os interlocutores, as cartas podem ser classificadas com base no conteúdo e na função que desempenham:

  • Carta de reclamação: utilizada para expor alguma insatisfação a um destinatário que tenha posição de poder para realizar alguma interferência na questão.
  • Carta oficial: utilizada para expor e documentar alguma mensagem, formalizando o que foi dito.
  • Carta de candidatura: utilizada para comunicar alguma autoridade sobre o desejo de  candidatar-se a algum cargo e/ou função.
  • Carta de apresentação: utilizada para fazer uma apresentação de uma pessoa, uma carreira ou um projeto, por exemplo, a algum destinatário de interesse.
  • Carta de solicitação: utilizada para formalizar um pedido a algum destinatário de maior valor hierárquico, expressando a necessidade e/ou direito de auxílio. 
  • Carta de amor: utilizada para expressar afetos pessoais do remetente ao destinatário.
  • Carta de desculpas: utilizada para expressar um pedido de perdão em relação a algum fato desconfortável entre os interlocutores.

Características e estrutura da carta

Historicamente, a carta está relacionada à correspondência tradicional, o envelope contém as informações dos interlocutores.
Historicamente, a carta está relacionada à correspondência tradicional, o envelope contém as informações dos interlocutores.

Como exposto, a carta possui diferentes tipos, o que, consequentemente, implica diferentes estruturas e linguagens em sua composição. Antes de analisar ou escrever qualquer carta, é necessário observar as características específicas ao subtipo que está sendo utilizado. Desse modo, o texto será mais adequado às exigências do contexto comunicativo.

Apesar dessa multiplicidade, é possível elencar algumas características comuns à maioria dos tipos de carta:

  • Cabeçalho: a parte inicial da carta pode variar a depender do subtipo utilizado. Entretanto, o mais comum é que se identifique a cidade e a data em que a carta foi escrita no canto superior do texto. Em casos de cartas impessoais, é comum também a presença do nome do destinatário, do cargo ocupado e da instituição. É possível, ainda, que haja algum elemento visual, como logotipo.
  • Corpo do texto: é onde a mensagem é transmitida de fato. No caso das cartas pessoais, o tamanho e a organização dessa parte pode variar a depender de variáveis individuais. Em cartas oficiais ou comerciais, o corpo do texto deve apresentar uma mensagem clara e concisa, o que acarreta muitas cartas de curto tamanho.
  • Desfecho: é a parte final do texto, que pode estar acoplada ao corpo do texto ou destacada abaixo dele. Nessa parte, o autor apresenta uma conclusão da sua mensagem, expressa uma mensagem cordial e se despede.
  • Assinatura: as cartas são comumente assinadas ao final da página. A assinatura é essencial principalmente nas cartas comerciais e oficiais. Sua localização pode ser em um dos cantos ou centralizada.

Veja também: Carta argumentativa – gênero que visa a apresentar um ponto de vista a um destinatário

Passo a passo de como escrever uma carta

Para fazer uma boa carta, é necessário considerar todos os elementos contextuais que envolvem a comunicação. Deve-se analisar o destinatário, o nível de proximidade e o conteúdo que será compartilhado. Nos casos de cartas impessoais, é importante se atentar aos pronomes de tratamento com o interlocutor, aos dados, às informações, às provas ou aos argumentos relevantes ao tema, além do cuidado com a economia verbal e clareza de sentido.

Feitas as considerações iniciais, o autor pode se orientar segundo os seguintes passos:

  • Inicie sua carta com a marcação do local e da data em que ela foi feita.
  • Se necessário, identifique o nome, cargo e instituição do destinatário.
  • Utilize um vocativo (pessoal ou formal) para marcar o início do diálogo.
  • Se for uma carta formal, apresente uma linguagem direta, evite informações irrelevantes e opiniões pessoais. Expresse sua mensagem com clareza e foco.
  • Se for uma carta pessoal, organize as informações do modo que seja mais significativo e interessante aos envolvidos.
  • Acrescente anexos sempre que necessário para comprovação do que foi relatado ou solicitado.
  • Despeça-se gentilmente ao final do texto.
  • Assine seu nome.

Exemplos

Alguns exemplos de tipos de cartas:

  • Carta pessoal

Rio de Janeiro, 01 de dezembro de 2018

Querida mainha,

Como a senhora está? Estou morta de saudades de casa e mal posso esperar pelo Natal, quando iremos finalmente nos reunir novamente e relembrar os velhos tempos. Estar longe de casa tem sido um grande desafio e só mesmo a senhora para me ajudar e me dar as forças de que necessito. Obrigada por tudo!

Ah sim! Os estudos estão indo bem! Estou encerrando as provas, mas até agora me saí bem e acho que não irei para exame. Como andam os padrinhos? Eles conseguirão ir para o Natal? Espero que sim! Diga a meu irmão que é bom que meu quarto esteja limpo e cheiroso quando eu voltar, não quero saber da bagunça dele por lá! Haha! Enfim… te amo muuuuuito, mainha! Saudades, saudades, saudades!

Beijos carinhosos da sua filha,

Liz.

 

Como é possível perceber no exemplo, os interlocutores têm um vínculo pessoal e íntimo: mãe e filha. A comunicação, assim, estabelece-se marcada por elementos inerentes ao contexto familiar específico. A autora cita a saudade da mãe, pergunta sobre padrinhos e chega a comentar sobre o irmão. Além disso, o cuidado com a linguagem não é tão rígido, tendo em vista que a autora usa expressões informais como “muuuuuito”, que marca a intensidade pelo acréscimo exagerado da vogal “u”.

  • Carta formal

São Paulo, 23 de março de 2019

Srª Alice Sá

Rua X, nº 0

Prezada,

Temos a satisfação de comunicar que resolvemos admiti-la em nossa empresa, tendo em vista seu alto desempenho no teste. As condições para atuação são:

ENCARGOS – ficarão a seu cargo os serviços da supervisora tal.

HORÁRIO – das 8 às 17 horas, com 1 hora para refeição.

ORDENADO – Salário inicial: R$ 1.120 (mil cento e vinte).

Aguardamos seu pronunciamento,

Atenciosamente

João Silva

CHEFE DO SETOR X

 

Nesse segundo exemplo, percebe-se que a organização e estrutura da carta diferem da pessoal. A linguagem é concisa e objetiva, não há marcações de elementos subjetivos ou íntimos no conteúdo. O corpo do texto é curto e as informações compartilhadas são apenas as essenciais ao propósito comunicativo. A assinatura está centralizada e é acompanhada do cargo profissional do autor.

 

Por Talliandre Matos
Professora de Redação

Listagem de Artigos

Assista às nossas videoaulas