Denotação e conotação

Literatura

PUBLICIDADE

A linguagem denotativa, denotação, e a linguagem conotativa, conotação, são formas distintas de expressão:

  • na denotação, usamos o sentido dicionarizado das palavras para passar mensagens de maneira objetiva e literal;
  • na conotação, usamos o sentido figurado para transmitir mensagens de modo subjetivo e criativo.

Leia também: Função emotiva ou expressiva – função da linguagem em que o emissor é o foco

O que é denotação?

Denotação ou linguagem denotativa é a linguagem caracterizada pelo uso de palavras com sentido literal. É o tipo de linguagem comumente usado em mensagens objetivas e em discursos que visam à transmissão precisa de fatos, opiniões ou argumentos.

A linguagem denotativa permeia alguns gêneros jornalísticos, materiais didáticos e científicos, manuais, entre outros materiais que exigem linguagem literal e objetiva.

  • Exemplos de denotação

Vejamos alguns enunciados que usam a linguagem denotativa:

  • Ontem, eu esqueci a minha mochila na escola. Precisei voltar até lá para buscar.
  • Clarice Lispector nasceu na Ucrânia, em 1920, e morreu no Brasil, em 1977. A escritora e jornalista é autora de diversos romances e contos.
  • Cientistas de todo o planeta seguem pesquisando a cura para a doença que se tornou uma epidemia.
  • Antes de assar o bolo, é necessário preaquecer o forno a 180 ºC.
  • Este remédio é contraindicado em caso de suspeita de dengue.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que é conotação?

Conotação ou linguagem conotativa é a linguagem caracterizada pelo uso de palavras com sentido figurado, isto é, que vai além do sentido literal e dicionarizado e, portanto, é mais livre para múltiplas interpretações, porque pode transmitir diversas mensagens ao mesmo tempo ou até diferentes mensagens, dependendo da compreensão de quem acessa seu conteúdo. É o tipo de linguagem comumente usado em mensagens subjetivas e enfáticas, em expressões poéticas, líricas ou que busquem estimular o interlocutor de alguma forma.

Na linguagem conotativa, é comum o uso de figuras de linguagem, especialmente da metáfora e da metonímia. A linguagem conotativa permeia materiais publicitários, obras literárias e artísticas em geral, diálogos e discursos que busquem estabelecer vínculo emocional ou de grande apelo entre interlocutores.

  • Exemplos de conotação

  • Muitos casos novos da doença saltavam aos olhos dos pesquisadores.
  • Ele ficou todo derretido com as declarações dela.
  •  Tem pavor de avião. Morre de medo quando vamos ao aeroporto.
  •  Que saudades! Não nos falamos há mil anos!
  •  Se a gente espremer esse jornal, sai sangue.

Conotação e denotação em textos não verbais

A denotação e a conotação também podem ser vistas na linguagem não verbal. No exemplo seguinte, vemos duas representações distintas de um coração:

- À esquerda, o coração pode ser interpretado de maneira denotativa, isto é, busca-se mostrar, no desenho, um coração como ele realmente é. Trata-se de uma representação típica de estudos anatômicos.

- À direita, o gesto das mãos tem sentido conotativo e busca representar um coração, que, por sua vez, passa a ideia de amor e afeto.

Denotação e conotação são usadas para estabelecer comunicação de modos distintos.
Denotação e conotação são usadas para estabelecer comunicação de modos distintos.

Leia também: Quais são as funções da linguagem?

Exercícios resolvidos

Questão 1 – (Fundação Sousândrade)

Texto A

O discurso foi excelente. Direto, sem ser raso. Técnico, sem ser chato. Sensível, sem ser piegas. No horário nobre da quarta-feira passada, o presidente Barack Obama falou durante 47 minutos em sessão conjunta do Congresso com o objetivo de virar o jogo a favor de sua proposta de reforma do sistema de saúde. Depois de promovê-la a prioridade número 1 de sua agenda doméstica, e vê-la ser estraçalhada nas inúmeras reuniões que deputados e senadores fizeram com eleitores no recesso parlamentar de agosto, Obama está sendo convidado a descer do palanque para ser apresentado à realidade. E a realidade é o avesso de sua utopia: a maioria, exatamente 51% na última pesquisa, é contra a reforma da saúde. Traduzindo: os americanos não querem um sistema público de saúde para competir com as empresas privadas e não gostam da ideia de o governo administrar o sistema atual para evitar abusos das seguradoras. Por trás disso, há uma mensagem cujas raízes remontam à história do país: a maioria dos americanos desconfia da honestidade, dos propósitos e da competência dos governos — qualquer governo.

Na superfície, o debate sobre a saúde nos Estados Unidos provoca divergências técnicas. Na proposta de Obama, todos os americanos serão obrigados a ter plano de saúde. Mas qual o leque mínimo dos benefícios? Obama promete que o governo vai subsidiar quem não puder comprar um plano. Mas de quanto será o subsídio? Obama disse, pela primeira vez, que o custo da reforma em dez anos será, no máximo, de 900 bilhões de dólares e o grosso do dinheiro virá da redução do desperdício e das fraudes. Mas de onde saiu o cálculo do que escorre pelo ralo do desperdício e das fraudes? Encerrado o discurso de Obama, a atenção da imprensa e dos políticos foi concentrada nessas dúvidas.

André Petry. In: Revista Veja, 16 de setembro de 2009.

A conotação é o lugar em que ecoam as experiências culturais da comunidade de uma língua, na medida em que o uso da expressão e palavras revela juízo de valor de maneira marcante. Considerando essa afirmação de J. Carlos Azeredo, identifique o emprego da linguagem conotativa, preservando o contexto, nas opções a seguir.

A) “[...] o presidente Barack Obama falou durante 47 minutos [...]”

B) “Técnico, sem ser chato.”

C) “[...] do que escorre pelo ralo do desperdício e das fraudes?”

D) “Obama promete que o governo vai subsidiar [...]”

E) “[...] a maioria dos americanos desconfia da honestidade, dos propósitos [...]”

Resolução

Alternativa C. O uso da metáfora “escorre pelo ralo do desperdício” não pode ser interpretado literalmente, sendo, portanto, característico da conotação.

Questão 2 – (FUNCAB)

Texto 1

Passe adiante

Tenho vários DVDs de shows, e houve uma época em que os assistia atenta ou simplesmente deixava rodando como um som ambiente enquanto fazia outras coisas pela casa. Até que os esqueci de vez. Conhecedor do meu acervo, meu irmão outro dia pediu:

— Posso pegar emprestado uns shows aí da tua coleção?

— Claro!

Ele escolheu quatro e levou com ele. E subitamente me deu uma vontade incontrolável de voltar a assistir aqueles shows. Aqueles quatro, não é estranho?

Logo a vontade passou, mas fiquei com o alerta na cabeça. Me lembrei de uma amiga que uma vez disse que havia comprado um vestido que nunca usara, ele seguia pendurado no guarda-roupa. Um dia ela me mostrou o tal vestido e intimou:

— Pega pra ti, me faz esse favor. Jamais vou usar.

Trouxe-o para casa. Muito tempo depois ela me confidenciou, às gargalhadas, que não havia dormido aquela noite. Passou a ver o vestido com outros olhos. Por que ela não dera uma chance a ele?

Maldita sensação de posse, que faz com que a gente continue apegada ao que deixou de ser relevante. Incluindo relacionamentos.

Uma outra amiga vivia reclamando do namorado, dizia que eles não tinham mais nada em comum e que ela estava pronta para partir para outra. E porque não partia?

— Porque não quero deixá-lo dando sopa por aí.

Como é que é?

Ela não terminava com o cara porque não queria que ele tivesse outra namorada, dizia que não suportaria. Reconhecia a mesquinhez da sua atitude, mas, depois de tantos anos juntos, ela ainda não se sentia preparada para admitir que ele não seria mais dela.

DVDs, roupas, amores: claro que não é tudo a mesma coisa, mas o apego irracional se parece. É a velha e surrada história de só darmos valor àquilo que perdemos. Será que existe solução para essa neura? Atribuir ao nosso egoísmo latente talvez seja simplista demais, porém, não encontro outra justificativa que explique essa necessidade de “ter” o que já nem levamos mais em consideração.

É preciso abrir espaço. Limpar a papelada das gavetas, doar sapatos e bolsas que estão mofando, passar adiante livros que jamais iremos abrir. É uma forma de perder peso e convidar a tão almejada “vida nova” para assumir o posto que lhe é devido. Fácil? Bref. Um pedaço da nossa história vai embora junto. Somos feitos — também — de ingressos de shows, recortes de jornal, fotos de formatura, bilhetes de amor.

Sem falar no medo de não reconhecermos a nós mesmos quando o futuro chegar, de não ter lá na frente emoções tão ricas nos aguardando, de a nostalgia vir a ser mais potente do que a tal “vida nova”.

Qual é a garantia? Um ano para geladeiras, três anos para carros 0 km, cinco anos para apartamentos. Pra vida, não tem. É se desapegar e ver no que dá, ou ficar velando para sempre os cadáveres das vontades que passaram.

(Medeiros, Martha. Revista O Globo, 20/05/2012.)

Assinale a opção em que foi utilizado o sentido denotativo da linguagem.

A) “Reconhecia a mesquinhez da sua atitude [...]”

B) “[...] não quero deixá-lo dando sopa por aí.”

C) “É a velha e surrada história de só darmos valor [...]”

D) “[...] pronta para partir para outra.”

E) “Passou a ver o vestido com outros olhos.”

Resolução

Alternativa A. A construção usa o sentido literal, ou seja, denotativo. Nas outras alternativas, há uso de sentido figurado e, portanto, conotativo.

 

Por Guilherme Viana
Professor de Gramática

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VIANA, Guilherme. "Denotação e conotação"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/denotacao-conotacao.htm. Acesso em 18 de janeiro de 2021.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

 

Atenha-se a uma leitura minuciosa do texto em evidência e, em seguida, responda ao que se pede:

Metáfora

Uma lata existe para conter algo
Mas quando o poeta diz: "Lata"
Pode estar querendo dizer o incontível

Uma meta existe para ser um alvo
Mas quando o poeta diz: "Meta"
Pode estar querendo dizer o inatingível

Por isso, não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata
Na lata do poeta tudo nada cabe
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível

Deixe a meta do poeta, não discuta
Deixe a sua meta fora da disputa
Meta dentro e fora, lata absoluta
Deixe-a simplesmente metáfora

                          Gilberto Gil

                                     Composição: Gilberto Gil - 1982
* Levando-se em consideração os sentidos expressos pela linguagem, comente acerca do discurso presente na criação de Gilberto Gil.

Questão 2

Aos estabecermos familiaridade com os enunciados linguísticos subsequentes, notamos que estes integram determinadas circunstâncias comunicativas presentes na linguagem cotidiana. Assim sendo, analise-os levando-se em consideração o sentido contextual por eles expresso.

A garota está com a pulga atrás da orelha.
Nossa! Fulano é uma cobra!
Não posso fazer mais compomisso, pois estou com a corda no pescoço.

 

 

Mais Questões
Artigos Relacionados
Descubra o que estuda a semântica, a ciência dos significados das palavras.
Saiba mais sobre as diferenças entre a linguagem literária e a linguagem não literária.
Saiba o que é poema e conheça suas características. Também descubra quais são as diferenças entre poema e poesia.
Você sabia das características que fazem com que o narrador se divirja do autor? Caso não, clique e passe a conferir a partir de já!
Há diferenças entre a poesia, o poema e a prosa? Que tal se certificar desses detalhes clicando aqui, neste espaço?
Características da linguagem literária: Conheça os principais elementos que constituem o discurso literário.
Aprenda o que é metonímia, seus tipos e seu efeito no discurso. Entenda também a diferença entre metonímia e metáfora, bem como o que é sinédoque e antonomásia.
Aspectos da linguagem não literária: Conheça os principais elementos que constituem o discurso não literário.
Aprenda mais sobre a função emotiva ou expressiva, uma das funções da linguagem, e tenha um excelente desempenho em suas avaliações.
Leia este artigo sobre a função conativa da linguagem, a qual tem a função de influenciar o comportamento do destinatário da mensagem.