Império Romano

História Geral

PUBLICIDADE

O Império Romano foi a terceira fase da civilização romana, segundo a periodização utilizada pelos historiadores. Esse período iniciou-se em 27 a.C., com a coroação de Otávio como imperador de Roma, e estendeu-se até 476 d.C., quando o último imperador, Rômulo Augusto, foi destituído do trono. Tal evento colocou fim no império em sua porção ocidental.

Esse é o período da centralização do poder em Roma, pois ele migrou das mãos do Senado para a figura do imperador. O império é a fase do auge dessa civilização, pois ela havia alcançado seu máximo domínio territorial, mas, eventualmente, sua crise ocorreu, levando ao seu fim, no século V d.C.

Acesse também: A questão agrária em Roma proposta pelos irmãos Tibério e Caio Graco

Crise da república

A fase do Império Romano foi consequência da crise que Roma enfrentou nos dois últimos séculos da república. Essa crise deu-se por meio de convulsões sociais, revoltas de escravos, mas, sobretudo, por disputas de poder que levaram a guerras civis. A expansão territorial que Roma passou durante o período republicano resultou no surgimento de novas demandas políticas que reivindicavam certa centralização do poder.

A historiadora Mary Beard|1| afirma que a expansão territorial romana, por meio da anexação territorial das províncias (termo usado para definir as regiões conquistadas), criou debates no interior da política romana a respeito da administração do império e questões sobre o poder partilhado. Assim o poder que estava nas mãos do Senado passou a ser questionado.

Além disso, os generais romanos que participavam das campanhas de conquista de Roma ganharam popularidade e passaram a ter ambições políticas. Isso está relacionado principalmente com a profissionalização dos exércitos em Roma no século II a.C., o que contribuiu para que os militares se tornassem figuras realmente importantes.

A disputa pelo poder gerou guerras que desestabilizaram o império, fazendo com que fossem criados os triunviratos como forma de conter as disputas. Existiram dois triunviratos no final da República Romana, e ambos resultaram em novas guerras, novamente pelo controle do poder. O primeiro triunvirato viu Júlio César emergir como vencedor da disputa com Crasso e Pompeu. Em 46 a.C., ele se tornou ditador vitalício, possuindo plenos poderes sobre Roma.

Júlio César foi assassinado por membros do Senado em 44 a.C., e foi necessário formar um segundo triunvirato, composto por seus apoiadores. Esse triunvirato foi formado por Otávio, Marco Antônio e Lépido e também resultou em guerra. Ao final dessa disputa, Otávio saiu como vencedor.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Por mais que alguns membros do Senado não quisessem abrir mão de seu poder político para dar espaço a uma figura centralizadora, como um imperador, não houve saída, pois Otávio, ao vencer a disputa contra Marco Antônio, tornou-se poderoso demais. Além disso, ele passou a contar com o apoio do povo, algo importante nesse período.

Isso fez com que o Senado desse poder absoluto para Otávio, transformando-o em Princeps Senatus, isto é, o primeiro dos senadores, dando-lhe poderes exclusivos sobre o Senado. Posteriormente, Otávio recebeu o título de Imperator, o que correspondia ao posto de comandante-em-chefe dos exércitos romanos, e, por fim, recebeu o título de Augusto, que lhe dava uma conotação sagrada, tornando-o figura alvo de veneração religiosa.

Governo de Augusto

Com a crise da república, Otávio Augusto tornou-se imperador romano e governou o império de 27 a.C. a 14 d.C. [1]
Com a crise da república, Otávio Augusto tornou-se imperador romano e governou o império de 27 a.C. a 14 d.C. [1]

A ascensão de Otávio e a quantidade de títulos que ele recebeu do Senado transformaram-no em uma figura com poder centralizado. Na prática, os historiadores entendem esse acontecimento como o fim da República Romana, pois o poder concentrado nas mãos do Senado foi transferido para as mãos de Otávio.

Apesar dos poderes irrestritos dignos de um imperador, Otávio tinha grande habilidade política e comandava o império mantendo a aparência política do período republicano. Seu reinado ficou marcado como um período de grande estabilidade política, além de prosperidade econômica e paz interna.

A manutenção da paz interna e a estabilidade política permitiram que a agricultura passasse por um grande desenvolvimento e que, consequentemente, a economia romana melhorasse. Isso porque, apesar de possuir poderes absolutos, Otávio não desafiou o Senado e tampouco retirou seus privilégios.

Ele também concedeu benefícios para as tropas romanas por conta de seus serviços prestados e realizou melhorias no sistema de cobrança de impostos. Essas e outras medidas criaram uma estabilidade política e social que permitiu o desenvolvimento econômico em Roma. Entretanto, além da estabilidade interna, o sucesso nas campanhas militares externas acasionou a obtenção de novas riquezas e novos escravos, este último, um item crucial na economia romana.

No quesito militar, Otávio ficou famoso por conquistar novas terras para o Império Romano e também por resguardar as fronteiras romanas das ameaças que estavam no limes, os limites do território. A segurança das fronteiras romanas contra os povos bárbaros (como os romanos chamavam os povos que habitavam além das fronteiras) era fundamental para a sustentação do império.

Durante o reinado de Otávio, várias obras públicas foram realizadas em Roma e em outras partes do império. [2]
Durante o reinado de Otávio, várias obras públicas foram realizadas em Roma e em outras partes do império. [2]

Com a economia em alta, Otávio deu início a uma campanha de revitalização de Roma e de apoio aos artistas. Tanto nessa cidade quanto em outros locais do império, Otávio ordenou a construção de uma série de importantes construções, como estradas, banhos públicos, aquedutos etc. A realização dessas obras era uma forma de garantir a fidelidade das províncias ao imperador.

A quantidade de obras realizadas a mando de Otávio em Roma levou-o a exaltar-se afirmando que, quando ele assumiu o posto, havia encontrado uma cidade feita de argila e que, em seu reinado, transformou-a em uma cidade de mármore. No entanto, apesar dessa prosperidade, ele também enfrentou problemas nos campos militar e político.

A prosperidade e a política iniciada por Otávio ficaram conhecidas como Pax Romana (paz romana), estendendo-se por aproximadamente 200 anos e sendo finalizada apenas com a morte de Marco Aurélio, em 180 d.C. Otávio faleceu em 14 d.C., aos 76 anos de idade, e indicou seu filho adotivo, Tibério, como sucessor.

Acesse também: A origem mítica da cidade de Roma

Características do Império Romano

Na fase imperial, como o próprio nome sugere, o poder foi exercido pelos imperadores, figuras que detinham o mando político, militar e religioso sobre todo o território romano. O tripé do poder político em Roma passava pelo imperador, responsável pela administração de todo o império; pelo exército, responsável pela manutenção da ordem interna e das campanhas de conquistas; e pelos governos das províncias conquistadas, figuras essenciais na manutenção do poder nessas regiões.

A economia sustentava-se pelo que era produzido nas províncias conquistadas. Sendo assim, a disponibilidade de alimentos em Roma era resultado da produção de grãos na Península Ibérica e no norte da África, por exemplo. A atuação dos escravos era fundamental para o funcionamento dessa economia, uma vez que toda a sua produção dependia dessa atividade.

Os escravos, por sua vez, eram obtidos nas guerras de conquista que os romanos realizavam. Era fundamental para a economia romana que as províncias mantivessem uma produção de riquezas constante. Por isso, o poder centralizado em Roma intervia constantemente nelas como forma de garantir a sua produtividade e as suas riquezas.

Dinastias e imperadores do Império Romano

Entre os mais famosos imperadores romanos está Nero, conhecido por ter incendiado Roma, em 64 d.C.
Entre os mais famosos imperadores romanos está Nero, conhecido por ter incendiado Roma, em 64 d.C.

A fase imperial romana, como mencionado, estendeu-se de 27 a.C. até o ano de 476 d.C. Ao longo desse período, diversos imperadores passaram pelo comando romano e foram agrupados pelos historiadores em quatro dinastias que existiram de 27 a.C. até 235 d.C. Após o último imperador da Dinastia Severa, Alexandre Severo, ter sido assassinado, os historiadores consideram que se iniciou a crise do século III d.C.

Dentre todas essas dinastias, destacaram-se os imperadores Otávio Augusto, Tibério, Calígula, Nero, Vespasiano, Tito, Nerva, Trajano, Marco Aurélio, Caracala, Geta, Alexandre Severo, entre outros. Nero, por exemplo, tornou-se famoso na história por ter sido acusado como o responsável por um incêndio de grandes proporções que atingiu Roma em 64 d.C.

Acesse também: Grande incêndio que aconteceu em Roma no ano de 64 d.C.

Crise do Império Romano

A partir do século III d.C., os historiadores consideram que se iniciou o período de crise do Império Romano. A primeira manifestação dessa crise deu-se na economia, que demonstrou sinais de enfraquecimento. Isso porque, ao longo do período imperial, a dependência da economia romana, sobretudo na porção ocidental do império, do trabalho dos escravos tornou-se excessiva.

Isso porque, com a expansão territorial, houve um grande fluxo de escravos sendo enviados para trabalharem no império. Isso tornou o sistema escravista romano dependente das guerras de expansão, e, quando os conflitos tornaram-se mais defensivos do que ofensivos, a capacidade de obtenção de escravos caiu drasticamente.

Sem a quantidade de escravos suficientes para atender as demandas do império, a economia estagnou-se. Além disso, a dependência desses trabalhadores fez com que a capacidade técnica da produção de riquezas não evoluísse, o que manteve a produção baixa. Com a estagnação da economia, a situação agravou-se e o império passou a não ter dinheiro suficiente para a administração de todas as demandas.

Uma forma de solucionar a falta de recursos era diminuindo as tropas militares, responsáveis por consumir grande parte das verbas, e aumentar impostos. A primeira forma deixava as fronteiras desprotegidas e suscetíveis a serem invadidas; já a segunda causava a indignação do povo, instigando revoltas pelo império.

Foram realizadas algumas medidas com o intuito de reformar o império, e, assim, foram decretados congelamentos de preços, divisão do império em duas partes e até a transferência da capital de Roma para Constantinopla. A divisão do Império Romano aconteceu em 395 e deu origem ao Império Romano do Ocidente, sediado em Roma, e ao Império Romano do Oriente, sediado em Constantinopla. Entretanto nenhuma dessas reformas solucionou os problemas existentes.

Para agravar a situação, a corrupção e a disputa pelo poder em Roma contribuiram para desestabilizar o império, que estava no caminho do desmoronamento. O fator que teve peso decisivo no fim dele foram as invasões germânicas, que começaram a acontecer em larga escala a partir do século III d.C.

Leia mais: Alta Idade Média: as transformações que aconteceram na Europa após o fim do Império Romano

Invasões germânicas

O rei Odoacro liderou os hérulos, que invadiram Roma em 476 d.C. e destituíram o último imperador romano.
O rei Odoacro liderou os hérulos, que invadiram Roma em 476 d.C. e destituíram o último imperador romano.

Os germânicos eram povos que habitavam além da fronteira norte do Império Romano, nas terras conhecidas como Germânia. Esses povos começaram a migrar por diversos fatores especulados pelos historiadores, como a procura por terras e clima melhores para poderem sobreviver, e alguns migravam simplesmente porque fugiam de outros povos em migração.

De toda forma, movimentavam-se inúmeros povos germânicos, como francos, alamanos, suevos, ostrogodos, saxões, vândalos, hérulos etc. Todos eles migravam para o interior do Império Romano, e como Roma tinha diminuído a sua quantidade de militares, suas fronteiras ficaram desprotegidas. Os problemas militares e econômicos e as invasões germânicas aconteceram ao mesmo tempo.

Assim, Roma foi incapaz de proteger suas terras, que começaram a ser invadidas por diversos desses povos ao longo dos séculos III, IV e V d.C. A própria cidade de Roma sofreu com a situação, pois, em 410, os visigodos saquearam a cidade, e, em 476, os hérulos, liderados pelo rei Odoacro, invadiram-na e destituíram o último imperador romano, Rômulo Augusto.

Depois disso, o Império Romano do Ocidente desintegrou-se, e as terras que faziam parte dessa porção foram ocupadas por diferentes povos germânicos. Nesses locais, a mistura da cultura germânica com a cultura latina resultou em profundas transformações e inaugurou o período da Idade Média. A parte oriental transformou-se no Império Bizantino e existiu até 1453. Caso queria aprofundar-se nesse movimento migratório que ajudou a selar destino de um dos maiores impérios da humanidade, leia: Invasões germânicas.

Notas
|1|
BEARD, Mary. SPQR: uma história da Roma Antiga. São Paulo: Planeta, 2017.

Créditos das imagens

[1] stoyanh e Shutterstock

[2] Filip Emanuel Tecuta e Shutterstock

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Império Romano"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/imperio-romano.htm. Acesso em 29 de setembro de 2020.

Lista de Exercícios
Questão 1

(FGV/2016) Podendo-se encontrar na crise do mundo romano do século III o início da profunda perturbação de que sairá o Ocidente medieval, é legítimo considerar as invasões bárbaras do século V como o acontecimento que precipita as transformações, que lhes dá um aspecto catastrófico e que lhes modifica profundamente a aparência.

LE GOFF, J. A civilização do Ocidente medieval. Trad. Lisboa: Estampa, 1983. v. 1, p. 29.

A crise do mundo romano e a transição para a Idade Média

a) foram decorrentes do fortalecimento do cristianismo, que, a partir do século III, tornou-se a religião oficial do Império Romano.

b) tiveram, entre suas características, a diminuição do ingresso de mão de obra escrava e o processo de ruralização social.

c) foram marcadas pelas catástrofes naturais e pelas epidemias de peste e lepra que estimularam o deslocamento para as cidades.

d) levaram ao fortalecimento das instituições públicas romanas e ao desenvolvimento das atividades mercantis no Mediterrâneo.

e) foram particularmente catastróficas na parte oriental do mundo romano, pela proximidade geográfica com os povos germânicos.

Questão 2

(UEL/2018) Durante o século II, o Império Romano atingiu sua máxima extensão territorial, dominando quase toda a atual Europa, o norte da África e partes do Oriente Médio. No final do século IV, porém, essa unidade começaria a ser desfeita com a divisão do império em duas porções: a ocidental, com a capital em Roma, e a oriental, com a capital em Bizâncio. Nos séculos IV e V, a fragmentação territorial aprofundou-se ainda mais e o Império Romano do Ocidente acabou desaparecendo para dar lugar a diversos reinos germânicos.

Quanto à desagregação e queda do Império Romano do Ocidente, assinale a alternativa correta:

a) O êxodo rural causado pelos ataques dos povos germânicos resultou num crescimento desordenado das cidades, criando instabilidade e desordem política nos centros urbanos e forçando a abdicação do último imperador romano.

b) O paganismo introduzido no Império Romano pelas tribos germânicas enfraqueceu o cristianismo e causou a divisão entre cristãos católicos e ortodoxos, encerrando o apoio da Igreja ao imperador e, consequentemente, fazendo ruir o império.

c) A língua oficial do Império Romano, o latim, ao fundir-se com os idiomas falados pelos invasores, deu origem às línguas germânicas, dificultando a administração dos territórios que se tornaram cada vez mais autônomos até se separarem de Roma.

d) A disputa entre os patrícios romanos e a plebe pelas terras férteis facilitou a invasão do império pelos “povos bárbaros”, pois o exército romano foi obrigado a deixar as fronteiras desguarnecidas para defender os proprietários das terras das constantes rebeliões.

e) Com o fim das conquistas territoriais, o escravismo e a produção entraram em declínio, isso somado às invasões bárbaras e à ascensão do cristianismo, que aceleraram a fragmentação e queda de Roma.

Mais Questões