Whatsapp

Invasões Bárbaras

História Geral

PUBLICIDADE

A formação de um vasto império proporcionou aos romanos uma série de dificuldades ligadas à manutenção dos limites territoriais com outros povos europeus. Durante o século IV os povos germânicos foram gradativamente atraídos pela disponibilidade de terras férteis e o clima ameno das possessões romanas. Paralelamente, essas populações também sofriam com a pressão militar exercida pelos hunos, habilidosos guerreiros mongóis que forçavam a entrada dos germânicos no Império Romano.

Naquele período, os romanos tinham o costume de chamar esses invasores estrangeiros de “bárbaros”. Essa palavra de origem grega era genericamente destinada a todo aquele que não tinha capacidade de assimilar a língua e os costumes romanos. Apesar dessa distinção, as invasões bárbaras foram responsáveis diretas por um intenso intercâmbio cultural que modificou profundamente a formação étnica, política, econômica, linguística e religiosa do mundo ocidental.

Inicialmente, a aproximação entre os romanos e bárbaros ocorreu de maneira pacífica ao longo da fronteira natural estabelecida pelo Rio Reno. No século XII a.C., a tentativa de expansão dos territórios romanos estabeleceu o envio de tropas para as imediações do rio Elba. Tal ação poderia ser o primeiro passo para que o Império Romano pudesse estabelecer novos domínios na Germânia. Contudo, os povos dessa região acabaram impondo a fronteira romana para trás do rio Reno.

Progressivamente, o contato com os bárbaros permitiu a entrada de estrangeiros na própria estrutura de poder romana. Alguns germânicos eram contratados para realizar a guarda pessoal dos imperadores. Ao mesmo tempo, os povos que habitavam a fronteira foram reconhecidos como federados, tendo a função de evitar que outros povos estrangeiros adentrassem os domínios romanos. Entretanto, no momento que os hunos atacaram as tribos germânicas, a entrada de estrangeiros se intensificou.

Fugindo do terror imposto pelos hunos, os visigodos romperam a fronteira do Império e pediram ajuda das autoridades romanas. O Imperador Valente decidiu abrigá-los na Macedônia com a condição de garantirem a proteção das fronteiras daquela região. Contudo, a presença dos visigodos se tornou uma ameaça no momento em que estes estrangeiros tentaram controlar politicamente o espaço macedônico. Logo em seguida, outras tribos buscaram a Europa como refúgio.

Observando a fragilidade militar dos romanos, algumas tribos germânicas vislumbraram a possibilidade de conquistar algumas partes do Império. Por volta de 402, o rei Alarico, da tribo dos visigodos, promoveu uma série de campanhas militares que deveriam conquistar a Península Itálica. Para que não tomasse a cidade de Roma, este monarca recebeu das autoridades romanas uma vultosa indenização em terras e tributos. Logo em seguida, os visigodos tomaram a Península Ibérica e a região sul da Gália.

Por volta de 406, as tribos germânicas dos quados, vândalos, suevos e alanos também adentraram o militarmente combalido território romano. Os vândalos conquistaram o norte da África e, sob o comando de Genserico, formaram seu reino com capital em Cartago. Em 455, aproveitaram de seu fortalecimento econômico e militar para saquear a cidade de Roma.

Os francos conquistaram a porção norte da Gália. Os burúngios, em 433, se fixaram na região do rio Ródano. Jutos, anglos e saxões promoveram em conjunto a conquista da ilha da Bretanha. O Império Romano se mostrava todo desfigurado com a formação de novos reinos que tomaram toda Europa Ocidental. Aos romanos ainda restava o controle da Península Itálica. Contudo, no ano de 476, os hérulos, comandados pelo rei Odoraco, depuseram Rômulo Augústulo, o último imperador do Império Romano do Ocidente.


Por Rainer Sousa
Mestre em História

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
A invasão dos povos germânicos provocou transformações diversas ao Império Romano.
A invasão dos povos germânicos provocou transformações diversas ao Império Romano.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "Invasões Bárbaras"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/invasoes-barbaras.htm. Acesso em 12 de abril de 2021.

Lista de Exercícios
Questão 1

Todos eles têm membros compactos e firmes, pescoços grossos, e são prodigiosamente disformes e feios que os poderíamos tomar por animais bípedes ou pelos toros desbastados em figuras que usam nos lados das pontes. [...] Tendo porém o aspecto de homens, embora desagradáveis, são rudes no seu modo de vida, de tal maneira que não tem necessidade nem de fogo nem de comida saborosa; comem as raízes das plantas selvagens e a carne semicrua de qualquer espécie de animal que colocam entre suas coxas e os dorsos dos cavalos para as aquecer um pouco.”

Citado em EPINOSA, Fernanda. Antologia de textos históricos medievais. Lisboa: Sá da Costa, 1972.

O texto acima demonstra a impressão de um bispo sobre povos cuja organização social e cultural diferia da sua. Analisando os elementos descritos no texto, pode-se dizer:

  1. que é a fala de um português ao entrar em contato com os indígenas no atual Brasil.
  2. que é a fala dos puritanos ingleses após o conhecimento travado com os índios da América do Norte.
  3. que é a fala dos astecas, definindo as características dos invasores espanhóis.
  4. que é a fala de um romano sobre os povos bárbaros que invadiram o Império.
  5. que é a fala dos hebreus, definindo os egípcios.

Questão 2

(UFG – adaptado) No contexto da passagem do mundo antigo para o mundo medieval, duas ondas migratórias, cada uma com suas especificidades, caracterizaram o movimento de populações a que denominamos de “invasões germânicas” ou de “invasões bárbaras”. A primeira instalou Visigodos na Espanha, ostrogodos na Itália, vândalos na Tunísia, burgúndios no norte da Itália. A segunda vaga é a da conquista da Gália (pelos francos) e da Inglaterra (pelos anglo-saxões). Sobre esses deslocamentos populacionais, suas características e relevância, julgue os itens:

I – Algumas tribos germânicas foram pressionadas pelo avanço dos hunos e uma forma de negociação (a federação) permitiu a instalação pacífica de ostrogodos e visigodos no interior das fronteias do Império.

II – Os germanos eram originários da Península Escandinava, falavam uma língua indo-europeia, praticavam a agricultura, a pecuária, a pilhagem e tinham uma organização social baseada no clã.

III – O fortalecimento da civilização urbana, o progresso das relações comerciais e o crescimento das vilas (centros de produção agrícolas autossuficientes e voltados para o mercado) são características da primeira onda migratória.

Estão corretas:

  1. Todas as alternativas.
  2. As alternativas I e II.
  3. As alternativas II e III.
  4. As alternativas I e III.
  5. Nenhuma das alternativas.

Mais Questões
Artigos Relacionados
Religião Bárbara, intervenção religiosa, integração entre povos, tribos germânicas, Igreja Católica, cristianização, conversão religiosa, Império Romano, crise do Império Romano, Cristianismo, romanização ocidentalização, transformações históricas, mundo medieval.
Clique e entenda quem são os bárbaros. Veja como esse conceito surgiu entre os gregos, e conheça o caso dos povos germânicos, entendidos como bárbaros pelos romanos.
Saiba mais sobre os vândalos, povo bárbaro que ficou famoso pelos saques no fim do Império Romano.