Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Oswaldo Cruz

História do Brasil

PUBLICIDADE

Oswaldo Cruz foi um médico e sanitarista que ficou marcado pelo combate de epidemias no Brasil. Ele esteve por trás do desenvolvimento de um soro antipestoso bem como do desenvolvimento de institutos que produziam soros no país. Também atuou para combater epidemias de doenças que afetavam o Rio de Janeiro no começo do século XX.

Acesse também: O que você sabe sobre peste bilbônica (também conhecida como peste negra)?

Primeiros anos

Oswaldo Gonçalves Cruz nasceu na cidade de São Luiz do Paraitinga, no interior do estado de São Paulo, no dia 5 de agosto de 1872. Era filho Amália Taborda Bulhões Cruz e de Bento Gonçalves Cruz, que ganhava a vida como médico. Oswaldo Cruz foi o filho mais velho do casal e o único do sexo masculino, tendo também cinco irmãs.

São Luiz do Paraitinga, onde Oswaldo Cruz nasceu, no dia 5 de agosto de 1872.
São Luiz do Paraitinga, onde Oswaldo Cruz nasceu, no dia 5 de agosto de 1872.

Em 1877, a família de Oswaldo Cruz mudou-se para o Rio de Janeiro, e lá ele recebeu toda a sua educação. No Rio de Janeiro, seu pai montou uma clínica médica e tinha boa clientela, e o ofício médico foi transmitido para o filho. Com 14 anos de idade, em 1886, Oswaldo Cruz matriculou-se na Faculdade de Medicina.

Carreira médica

Em 1892, Oswaldo Cruz obteve doutorado em medicina, e os biógrafos do sanitarista destacam que, desde a universidade, ele já demonstrava interesse pela microbiologia, pois sua tese de doutoramento abordava “a veiculação microbiana sobre as águas”. Essa tese encaixava-se nos novos estudos que analisavam o papel de microrganismos na propagação de doenças.

Aos 22 anos, Oswaldo Cruz já era responsável por administrar a clínica de seu pai e possuía um bom laboratório em sua casa, obtido como presente de casamento do pai de sua esposa, Emília da Fonseca. O sogro de Oswaldo Cruz era um comerciante português bem-sucedido.

Em 1896, Oswaldo Cruz obteve auxílio de seu sogro para continuar seus estudos na Europa. Assim, ele foi enviado para a França, onde estudou microbiologia, soroterapia e imunologia, no Instituto Pasteur. Oswaldo Cruz também estudou medicina legal no Instituto de Toxicologia, e Jaime Larry Benchimol complementa afirmando que ele, ainda, estudou urologia durante o tempo na França|1|.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Em 1899, Oswaldo Cruz retornou ao Brasil, e aqui montou uma clínica para atendimento urológico e um laboratório, ambos no Rio de Janeiro. Ainda em 1899, Oswaldo Cruz foi designado, com Adolfo Lutz e Vital Brazil, outros importantes sanitaristas da época, para averiguar a epidemia de peste bubônica que acontecia na cidade de Santos.

Na época havia um soro antipestoso que era usado para combater a doença, mas o Brasil não o produzia. Para combater a peste bubônica aqui, decidiu-se pela criação de dois institutos que seriam capazes de produzir o soro. Dessa iniciativa surgiu o Instituto Butantan, em São Paulo, e o Instituto Soroterápico Federal, no Rio de Janeiro. Em maio de 1900, os dois institutos já haviam produzido os primeiros soros antipestosos do país.

Em 1901, inaugurou-se um local para realização de vacinação contra a peste bubônica no Rio de Janeiro: a Policlínica de Botafogo. Esse local foi extremamente importante para a trajetória médica de Oswaldo Cruz porque lá ele realizou alguns estudos sobre a febre amarela. Em 1902, Oswaldo Cruz foi convidado a assumir a diretoria do Instituto Soroterápico Federal.

Acesse também: Quais foram as grandes epidemias da história?

Diretoria-Geral de Saúde Pública

À frente do DGSP, Oswaldo Cruz combateu três doenças que afetavam o Rio de Janeiro: varíola, febre amarela e peste bubônica.
À frente do DGSP, Oswaldo Cruz combateu três doenças que afetavam o Rio de Janeiro: varíola, febre amarela e peste bubônica.

Em 1903, Oswaldo Cruz foi convidado pelo presidente Rodrigues Alves e pelo ministro da Justiça à época, José Joaquim Seabra, para assumir a Diretoria-Geral de Saúde Pública (DGSP), órgão que correspondeu ao atual Ministério da Saúde. À frente desse órgão, Oswaldo Cruz teria que combater três doenças que causavam estrago na capital: varíola, febre amarela e peste bubônica.

No caso da febre amarela, Oswaldo Cruz estava atualizado com estudos que sugeriam que a doença era transmitida por mosquitos e não pelo contato entre seres humanos. Assim, Oswaldo Cruz privilegiou o combate do mosquito como principal forma de combater a doença, e equipes de higiene foram formadas para percorrer as casas no Rio de Janeiro e destruir possíveis focos do mosquito.

No caso da peste bubônica, Oswaldo Cruz deu prioridade ao extermínio do grande vetor da doença: os ratos. Equipes foram formadas para exterminá-los em toda a cidade, e os cidadãos foram incentivados, pela DGSP, a capturarem os ratos em troca de uma recompensa em dinheiro. Fala-se que, nessa ação, cerca de 50 mil ratos foram mortos no Rio de Janeiro.

A grande polêmica da atuação de Oswaldo Cruz enquanto esteve na chefia da DGSP foi a campanha de vacinação contra a varíola. O sanitarista decidiu criar uma campanha de vacinação obrigatória na cidade, e essa iniciativa não agradou à população. A falta de informações, o temor da vacina e a brutalidade da vacinação fizeram com que uma grande revolta popular estourasse no Rio de Janeiro.

Essa revolta se iniciou no dia 10 de novembro de 1904, e houve vandalismo em alguns bairros da cidade. No meio disso, uma tentativa de golpe militar aconteceu, e dezenas de pessoas foram mortas. Somente no dia 23 de novembro é que a situação na capital começou a normalizar-se. A obrigatoriedade da vacinação foi retirada, mas, anos depois, a população começou a procurar a vacina quando novos surtos de varíola aconteceram.

Acesse também: Gripe espanhola, a doença que matou mais de 30 mil brasileiros

Últimos anos

Oswaldo Cruz seguiu na DGSP depois da Revolta da Vacina e realizou estudos sobre as condições sanitárias de outras regiões do país. Ele, ainda, procurou elaborar um plano de combate da tuberculose, mas sem muito sucesso. Em 1909, Oswaldo Cruz abandonou o cargo da Diretoria-Geral de Saúde Pública para dedicar-se ao Instituto Oswaldo Cruz (antigo Instituto Soroterápico Federal).

Em 1910, Oswaldo Cruz foi convidado a fazer parte de uma expedição que acompanharia as obras da estrada de ferro Madeira-Mamoré, que era construída na região Norte do Brasil. O objetivo dessa expedição, a qual Oswaldo Cruz chefiava, era combater a malária que afetava os trabalhadores e impedia a continuidade das obras.

Nesse período, Oswaldo Cruz já era um sanitarista de reconhecimento internacional, e isso pôde ser percebido quando ele recebeu uma medalha de ouro durante o 14º Congresso Internacional de Higiene e Demografia realizado em Berlim. A homenagem a Oswaldo Cruz se deu pelo seu trabalho no combate a diferentes epidemias no Brasil.

Em 1913, ele foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras e, em 1915, afastou-se do Instituto Oswaldo Cruz por motivos de saúde. Mudou-se para Petrópolis, tornando-se prefeito da cidade. No dia 11 de fevereiro de 1917, Oswaldo Cruz faleceu devido a uma crise de insuficiência renal.

Notas

|1| BENCHIMOL, Jaime Larry. Reforma urbana e Revolta da Vacina na cidade do Rio de Janeiro. In.: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (orgs.). Brasil republicano: o tempo do liberalismo oligárquico: da Proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. p. 233.

 

Por Daniel Neves
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Oswaldo Cruz"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/oswaldo-cruz.htm. Acesso em 24 de setembro de 2021.

Artigos Relacionados
Clique aqui e aprenda um pouco mais sobre o Dia Mundial de Luta Contra a Aids. Confira o conceito dessa doença e suas formas de prevenção, como o uso da camisinha.
Acesse o texto para conhecer a vida de Anísio Teixeira. Entenda como foi sua trajetória na educação brasileira, e saiba detalhes de sua morte misteriosa.
A febre amarela é uma doença viral cuja vacinação é bastante eficaz na sua prevenção.
Saiba detalhes sobre a Fundação Oswaldo Cruz, mais conhecida como Fiocruz. Conheça a história, as atividades, as vacinas e as unidades da fundação no Brasil.
Você conhece a história da vacina? Clique aqui e saiba mais sobre essa importante revolução na medicina. Neste texto falaremos quando a primeira vacina foi criada, quem foi responsável por essa criação e como foi o processo para o desenvolvimento da vacina. Esclareceremos também os componentes desse importante método preventivo.
Aprenda mais sobre a malária, uma doença que pode levar à morte se não tratada. Entenda qual é a sua forma de transmissão, sintomas e tratamento.
Você sabe o que é uma pandemia? Descubra o que significa esse termo e algumas das principais pandemias que marcaram a nossa história.
Conheça os motivos que desencadearam o levante popular na cidade do Rio de Janeiro, no ano de 1904, conhecido como “Revolta da Vacina”.
Um governo marcado por diversas ações modernizantes.
Você já ouviu falar da varíola? Clique aqui e conheça mais sobre essa doença viral que causou a morte de várias pessoas no planeta. Saiba seus sintomas e tratamento.