Construção de Brasília

História do Brasil

PUBLICIDADE

A construção de Brasília foi a concretização de um projeto nacional que existia desde o século XIX, cujo intuito era o de levar a capital do nosso país para o planalto central. Essa obra aconteceu entre 1957 e 1960 e foi viabilizada pelo governo de Juscelino Kubitschek.

Juscelino idealizou a construção de Brasília para que fosse a síntese perfeita do seu plano de modernização do Brasil. Durante as obras, o presidente não poupou recursos para que a cidade projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa fosse erguida. Os trabalhadores que a fizeram ficaram conhecidos como candangos. A cidade foi inaugurada em 21 de abril de 1960.

Acesse também: Constituição Cidadã, a Constituição que está em vigor em nosso país

Governo JK

A construção de Brasília foi realizada entre 1957 e 1960, durante o governo de Juscelino Kubitschek.[1]
A construção de Brasília foi realizada entre 1957 e 1960, durante o governo de Juscelino Kubitschek.[1]

A construção de Brasília foi realizada na segunda metade da década de 1950, durante o governo de Juscelino Kubitschek. Esse foi um período de agitação política e de relativo desenvolvimento econômico em nosso país. Kubitschek foi eleito presidente ao vencer disputa apertada na eleição de 1955, obtendo 36% dos votos.

JK era um quadro tradicional do Partido Social Democrático (PSD), o maior partido do Brasil durante a Quarta República. Ele tinha sido prefeito de Belo Horizonte e governador de Minas Gerais, e, na disputa eleitoral, prometeu implantar um projeto de desenvolvimento e industrialização do Brasil. Em seu slogan de campanha, ele propôs avançar o Brasil “50 anos em 5”.

Sua vitória iniciou uma crise política, uma vez que a União Democrática Nacional (UDN), partido de oposição, não aceitava que o poder continuasse nas mãos dos aliados de Getúlio Vargas. Um golpe começou a ser articulado contra a sua posse, mas Henrique Teixeira Lott, ministro da guerra, realizou um contragolpe em novembro de 1955, garantindo a posse de JK, em 31 de janeiro de 1955.

  • Desenvolvimentismo econômico

A construção de Brasília foi o evento mais simbólico do referido projeto de desenvolvimento econômico brasileiro, o qual procurava investir pesadamente em áreas entendidas como estratégicas. Esse projeto fazia parte de uma concepção de um novo Brasil.

Essa priorização do desenvolvimento econômico é conhecida pelos especialistas como desenvolvimentismo, e, no governo de JK, ela foi manifestada pelo Plano de Metas. Esse plano econômico visava estruturar o caminho para que o governo pudesse realizar o desenvolvimento do país nos cinco anos do mandato de JK.

O Plano de Metas foi implantado já em 1º de fevereiro de 1956, o segundo dia do governo de JK. Ele estipulava 31 objetivos a serem cumpridos dentro de cinco áreas estratégicas do país: energia elétrica, transporte (infraestrutura), indústria de base, alimentação e educação. O Plano causou grande mobilização do governo para que essas áreas fossem desenvolvidas (alimentação e educação foram menos priorizadas e receberam poucos recursos).

O Plano foi um sucesso, trazendo resultados significativos nas áreas da indústria, da energia elétrica e do transporte. Grande parte desse sucesso deveu-se à construção de Brasília, uma vez que ela movimentou a economia e mobilizou uma vasta quantidade de recursos para viabilizar a transferência da capital.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quando surgiu a ideia de transferência da capital?

A ideia de transferência da capital para o interior do Brasil existia desde o século XIX. José Bonifácio de Andrada e Silva, conhecido como patrono da independência do Brasil, sugeriu, em 1823, a transferência da capital do país para o interior como forma de protegê-la de eventuais ataques promovidos por forças estrangeiras. Ele chegou a sugerir o nome “Brasília” para a nova capital.

Essa ideia não ganhou corpo e permaneceu esquecida durante todo o período monárquico. Com a Proclamação da República, em 1889, um novo governo ocupou o poder do Brasil e uma nova Constituição foi elaborada, em 1891. Essa Constituição determinava, em um de seus artigos, que uma região do planalto central seria reservada para, futuramente, abrigar a nova capital do país.

Fotos do planalto central em estudos realizados durante o governo de Eurico Gaspar Dutra.[1]
Fotos do planalto central em estudos realizados durante o governo de Eurico Gaspar Dutra.[1]

Com isso, inaugurou-se uma série de estudos e trabalhos para viabilizar esse projeto. O presidente Floriano Peixoto criou a Comissão Exploradora do Planalto Central do Brasil, que realizou a Missão Cruls, responsável por enviar um grupo para o planalto central a fim de estudar e delimitar a área que receberia a nova capital. Os trabalhos vinculados a essa comissão foram realizados até 1897.

Em 1922, o presidente Epitácio Pessoa realizou o lançamento da pedra fundamental da nova capital em Planaltina, e, depois, somente Eurico Gaspar Dutra e Getúlio Vargas, nas décadas de 1940 e 1950, realizaram ações mínimas nesse sentido. Isso porque a Constituição de 1946 também trazia a possibilidade de transferência da capital.

Os historiadores afirmam que, nas memórias deixadas por Juscelino, ele atribuiu o projeto da construção da nova capital a uma ação súbita, quase que por acaso. Muitos historiadores questionam essa informação demonstrado que a construção de Brasília, na verdade, cumpriu muitos propósitos políticos para ele.

Acesse também: Vice-presidentes que assumiram o governo do Brasil

Como foi a construção de Brasília?

Afirma-se que o ponto de partida para que Juscelino Kubitschek construísse uma nova capital para o Brasil deu-se durante a sua campanha eleitoral. Em 1955, em um comício realizado em Jataí, cidade no estado de Goiás, Juscelino foi questionado por um eleitor chamado Antônio Soares Neto sobre a construção de uma nova capital em cumprimento da Constituição.

A resposta de Juscelino foi a de afirmar que ele obedeceria à Constituição e que colocaria em prática o projeto. Essa história é geralmente contada para explicar onde e quando nasceu essa ideia em JK. Quando ele assumiu a presidência, o projeto de construir Brasília foi levado ao Congresso e aprovado em 19 de setembro de 1956.

A lei nº 2.874 inaugurou o processo de construção da nova capital e nomeou-a Brasília. Para que a obra fosse realizada, o governo criou a Companhia Urbanizadora Nova Capital, empresa conhecida como Novacap. Juscelino entregou o comando dela para uma pessoa de sua confiança, o engenheiro e deputado do PSD Israel Pinheiro.

Essa estratégia foi muito utilizada por JK na construção da nova capital. Ele nomeou técnicos e especialistas de sua confiança nos postos-chave da obra e deu-lhes carta branca para construir a cidade. O presidente também não poupou recursos, e uma jornada de trabalho exaustiva foi implantada para cumprir-se o prazo de entrega da capital.

O arquiteto da construção foi Oscar Niemeyer, diretor do Departamento de Arquitetura da Novacap. O projeto urbanístico foi de autoria de Lúcio Costa, arquiteto que conquistou essa função após ser anunciado como o vencedor do concurso organizado pela Novacap para essa finalidade (obter o projeto urbanístico), em 1957.

Os quatro homens mais importantes na construção de Brasília, portanto, foram:

  • Juscelino Kubitschek, presidente que não poupou recursos ou esforços para a edificação de Brasília;

  • Israel Pinheiro, diretor da Novacap;

  • Oscar Niemeyer, arquiteto que idealizou os principais prédios de Brasília;

  • Lúcio Costa, realizador do projeto urbanístico da cidade.

A construção de Brasília foi feita em meio a inúmeros desafios. A cidade com aeroporto mais próxima, Anápolis, ficava a mais de 100 km, e as estradas que ligavam até Brasília eram de terra. Todo o material necessário para viabilizar a obra era levado a Brasília com grande dificuldade. Além disso, o fato de tudo ser levado de avião aumentava os custos da obra.

Do ponto de vista humano, a construção de Brasília também teve alto custo. A maioria dos trabalhadores vinha do Nordeste, mas muitos também vinham de Goiás e Minas Gerais e ficaram conhecidos como candangos. O trabalho era exaustivo, as condições de vida eram ruins, e os trabalhadores ainda sofriam com a violência das autoridades, havendo até casos deles que foram assassinados pelas forças policiais.

Em 21 de abril de 1960, a cidade projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa foi inaugurada.[1]
Em 21 de abril de 1960, a cidade projetada por Oscar Niemeyer e Lúcio Costa foi inaugurada.[1]

A cidade de Brasília foi pensada para ser o símbolo do projeto de modernização e desenvolvimento de JK. A arquitetura inovadora da cidade passava essa ideia, e o projeto materializava o ideal do presidente de interligar os dois Brasis (litoral e interior) como momento-chave para a formação de um novo território, mais moderno e desenvolvido.

A construção de Brasília contou com a forte oposição da UDN. Os udenistas aproveitaram-se da situação para atacar o governo de Juscelino, e os excessivos gastos com a construção da nova capital foram duramente criticados. Apesar das críticas, intento de Juscelino obteve sucesso, e, em 21 de abril, Brasília, a nova capital brasileira, foi oficialmente inaugurada. Não sabe até hoje quanto foi gasto para construí-la.

Créditos das imagens

[1] FGV/CPDOC

 

Por Daniel Neves
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Construção de Brasília"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/construcao-de-brasilia.htm. Acesso em 02 de dezembro de 2020.

Lista de Exercícios
Questão 1

A construção de Brasília deu-se durante o governo de Juscelino Kubitschek, mas, antes da posse do político mineiro, o cenário político brasileiro estava bastante conturbado. A posse de Kubitschek só foi garantida por meio de uma manobra militar conduzida pelo ministro da Guerra, Henrique Teixeira Lott. Estamos falando:

a) do movimento 11 de Novembro.

b) da Revolta dos Sargentos.

c) da Revolta de Jacareacanga.

d) do Manifesto dos Coronéis.

e) do Manifesto dos Mineiros.

Questão 2

O plano desenvolvimentista proposto por Juscelino Kubitschek no Brasil recebeu o nome de Plano de Metas, contendo 31 objetivos estabelecidos em cinco áreas estratégicas para garantir-se o crescimento do Brasil. Entre as cinco áreas estratégicas, selecione a alternativa INCORRETA:

a) Transporte

b) Energia elétrica

c) Indústria de base

d) Saúde

e) Alimentação

Mais Questões
Geografia Brasília
Juscelino Kubitschek: Plano de Metas e Brasília
História do Brasil Governo Juscelino Kubitschek (JK)
As contradições de um breve governo ameaçado pela possibilidade de um golpe militar.
História do Brasil Café Filho
Getúlio Vargas retornou à presidência após elaborar uma ótima estratégia durante a eleição de 1950. [1]
História do Brasil Segundo governo de Vargas