Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Cafeína

A cafeína é uma das drogas mais consumidas em todo o mundo e age, dentre outras formas, aumentando a sensação de alerta e reduzindo a fadiga.

Café em grãos e xícaras com café
A cafeína está presente em diferentes plantas, como o café e o cacau.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

 A cafeína é uma substância muito consumida em todo o mundo, fazendo parte de diversos alimentos e até mesmo de medicamentos. Várias pessoas fazem uso da cafeína como forma de se manterem acordadas e mais atentas para realizarem atividades. Esse efeito é conseguido pelo fato de a cafeína se tratar de um forte estimulante do sistema nervoso central. Grandes quantidades de cafeína podem provocar taquicardia, insônia, ansiedade, tremores e dores de cabeça. O consumo de mais de 10 gramas pode ser fatal para um adulto.

Leia também: Chocolate — afinal, faz bem ou mal para o organismo?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre cafeína

  • A cafeína é uma molécula alcaloide derivada da xantina.

  • Pode ser encontrada, por exemplo, no café, guaraná e cacau.

  • Está presente na nossa alimentação, em suplementos, em produtos destinados à perda de peso e em diuréticos.

  • É uma droga que age estimulando o sistema nervoso central.

  • Provoca, dentre outros efeitos, o aumento do estado de alerta, da energia, da capacidade de concentração e redução da sonolência e do cansaço.

O que é cafeína?

A cafeína é uma molécula alcaloide derivada da xantina, e sua fórmula molecular é C8H10N4O2. Quimicamente, a cafeína é também chamada de 1,3,7-trimetilxantina. Trata-se de uma substância psicoativa muito popular que se destaca pelo seu papel como estimulante do sistema nervoso central. A substância é responsável por uma série de efeitos benéficos ao organismo. Entretanto, seu consumo exagerado pode ser fatal.

Tratando-se de um alcaloide, a cafeína é encontrada em diferentes espécies de plantas. Apesar de ser, geralmente, associada apenas ao café, mais de 60 espécies vegetais contêm cafeína. Esse é o caso, por exemplo, do cacau, do guaraná e da erva-mate. Alguns dos alimentos que consumimos que apresentam cafeína são o café, alguns chás, bebidas derivadas da coca e chocolates. Em todo o mundo, porém, a principal forma de ingestão de cafeína se dá por meio de café e chás.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Não são apenas alimentos que possuem cafeína. Essa substância também está presente em diferentes suplementos, diuréticos e produtos relacionados à perda de peso. Analgésicos, principalmente para dor de cabeça, frequentemente contêm cafeína.

Veja também: Quais são os riscos do consumo exagerado de açúcar?

Cafeína é droga?

A Organização Mundial da Saúde considera como droga toda substância, natural ou sintética, que quando introduzida no organismo modifica uma ou mais de suas funções. Essa definição faz com que diferentes substâncias sejam chamadas de drogas. Medicamentos, álcool, cigarro, maconha, crack, cocaína e até mesmo a cafeína são, portanto, drogas, pois alteram a forma como o nosso corpo funciona.

No caso da cafeína, a substância atua como um estimulante do nosso sistema nervoso central. Vale destacar que, assim como outras drogas, a cafeína também pode provocar dependência e síndrome de abstinência.

Os sintomas da abstinência podem ser percebidos cerca de 12 a 24 horas após o fim do seu consumo e podem durar mais de uma semana. O sintoma mais frequente é a dor de cabeça, mas o indivíduo pode apresentar ainda redução na sensação de alerta, mudança de humor, desmotivação, irritabilidade e dificuldade de concentração.

Como a cafeína atua no organismo?

Logo após ingerida, a cafeína é absorvida no trato intestinal, atingindo o pico médio de concentração entre 30 e 45 minutos após o consumo. Ela age no sistema nervoso central, onde atua provocando o aumento de sua atividade.

A principal explicação para esse efeito é a capacidade da cafeína de bloquear o efeito da adenosina, atuando como antagonista nos receptores dessa substância. A adenosina, quando se liga a eles, produz efeitos calmantes. Já a cafeína, por bloquear essa ação, produz um efeito de alerta após ser consumida.

Mulher tomando café
A ingestão de cafeína aumenta a energia e diminui o cansaço.

A cafeína promove diferentes efeitos no nosso corpo, sendo responsável, por exemplo, por aumentar o estado de alerta, atuar positivamente sobre o humor, reduzir a fadiga, aumentar a capacidade de realizar determinadas tarefas, aumentar a energia e diminuir o cansaço e a sonolência.

Em doses elevadas, a cafeína pode produzir ansiedade, insônia, taquicardia, palpitações, náuseas, dores de cabeça e tremores. Vale destacar, no entanto, que algumas pessoas são sensíveis à cafeína e podem apresentar esses efeitos indesejáveis mesmo quando não consomem a substância de maneira exagerada.

Leia também: “O que é natural não faz mal” — os mitos em torno de produtos naturais

Cafeína pode fazer mal à saúde?

Como salientado anteriormente, doses abundantes de cafeína podem provocar intoxicação, gerando taquicardia, tremores, insônia, nervosismo e inquietação. A cafeína pode até mesmo levar uma pessoa à morte se doses elevadas da substância forem consumidas.

É importante deixar claro que, em uma pessoa adulta com aproximadamente 70 kg, uma dose de 10 g de cafeína pode ser letal. Isso equivale a cerca de 100 xícaras de café, uma vez que uma xícara tem entre 80 mg e 180 mg de cafeína. O consumo seguro da substância gira em torno de, no máximo, 400 mg por dia.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Cafeína"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/drogas/cafeina.htm. Acesso em 30 de junho de 2022.

De estudante para estudante


PUBLICIDADE

Estude agora


Cem anos de solidão | Análise Literária

Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais da obra “Cem anos de solidão”, um dos romances mais...

Quem foi Nelson Mandela?

Assista a nossa videoaula para conhecer a história de Nelson Mandela (1918-2013). Confira também, no nosso...