Whatsapp

Síndrome respiratória aguda grave (Sars)

Doenças e patologias

PUBLICIDADE

Síndrome respiratória aguda grave ou Sars é uma doença causada por um vírus da família dos coronavírus, que inclui vírus causadores de resfriados, da síndrome respiratória do Oriente Médio (Mers) e da Covid-19. A Sars é considerada a primeira doença transmissível grave do século XXI. Foi considerada uma ameaça global em março de 2003, porém surgiu inicialmente na China, em 2002. A doença foi controlada rapidamente graças a medidas eficientes de identificação e isolamento dos casos.

Leia também:  Coronavírus: a família de vírus que causou a pandemia de Covid-19 

O que é a síndrome respiratória aguda grave?

A síndrome respiratória aguda grave (Sars) é uma síndrome respiratória grave provocada por um coronavírus. O alerta global da Organização Mundial da Saúde (OMS) ocorreu no dia 12 de março de 2003 e descrevia-a como uma pneumonia atípica grave, transmitida de uma pessoa para outra, sem causa conhecida. Os primeiros casos ocorreram em novembro de 2002 na China, e a OMS foi notificada em fevereiro de 2003. A doença se espalhou por vários países, provocando a morte de cerca de 800 pessoas.

A Sars é uma doença causada pelo Sars-CoV, da mesma família de vírus responsáveis por causar resfriados.
A Sars é uma doença causada pelo Sars-CoV, da mesma família de vírus responsáveis por causar resfriados.

Como a doença não tem vacina ou tratamento eficiente, a forma encontrada para frear sua transmissão foi identificar os casos, realizar isolamento ou quarentena e identificar os contatos próximos estabelecidos entre os doentes. A epidemia foi controlada ainda em 2003, com a OMS declarando que todos os surtos de Sars foram contidos no mundo no dia 5 de julho desse ano. O vírus responsável pela doença não causou novos casos desde 2004 e, durante a epidemia, atingiu 26 países em cerca de seis meses.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Agente causador da Sars

A Sars é causada pelo vírus Sars-CoV (coronavírus associado à Sars), um vírus da família dos coronavírus, que inclui vírus que circulam entre pessoas e outros animais e se destacam por, ao serem visualizados em microscopia eletrônica, lembrarem uma coroa (a palavra corona, em latim, significa “coroa”). O Sars-CoV teve seu genoma sequenciado em 2003 e mostrou não ter relação com outros coronavírus previamente conhecidos.

Antes da epidemia provocada pelo Sars-CoV, os vírus da família dos coronavírus eram considerados causadores apenas de infecções leves. Após o Sars-CoV, outras cepas de coronavírus surgiram e estão associadas a quadros graves de insuficiência respiratória: o Mers-CoV e o Sars-CoV-2.

Transmissão da Sars

A Sars é transmitida por meio do contato direto de gotículas respiratórias, expelidas pelo doente ao tossir, espirrar e falar, com as membranas mucosas, como boca, nariz e olhos. O vírus pode ser transmitido também pelo ar e, indiretamente, por meio do contato com superfícies contaminadas. Um indivíduo saudável pode se contaminar ao tocar os objetos contaminados e, posteriormente, levar a mão à boca, ao nariz ou aos olhos.

Leia também: Isolamento vertical e horizontal – entenda a diferença

Sintomas da Sars

O Sars-CoV, após o contágio, pode permanecer incubado de dois a sete dias. Após esse período, surgem os sintomas da doença, os quais incluem febre alta (acima de 38 ºC), calafrios, dor de cabeça, dor muscular e mal-estar.

Os sintomas respiratórios, inicialmente, são leves. Após cerca de uma semana, iniciam-se tosse seca e falta de ar, a qual pode ser acompanhada ou progredir para níveis baixos de oxigênio no sangue. A pior evolução da doença cursa com ventilação mecânica. A maioria dos pacientes com Sars desenvolve pneumonia. A doença apresenta letalidade de 9,5%.

Tratamento da Sars

A Sars é uma doença viral que não apresenta tratamento específico, havendo apenas medidas de suporte, como hidratação e uso de próteses respiratórias. O tratamento do paciente é feito de maneira isolada de outros para evitar a propagação da doença.

Prevenção da Sars

A Sars, por ser transmitida, principalmente, pelo contato com partículas emitidas pelo doente ao falar, tossir ou espirrar, tem como forma de prevenção evitar o contato direto com o doente e sempre incentivar as pessoas doentes a cobrirem o nariz e a boca ao tossir ou espirrar. Além disso, é fundamental a lavagem frequente das mãos com álcool e sabão ou utilizar álcool 70% para a higienização. Os profissionais da saúde, ao tratar os doentes com Sars, devem se proteger utilizando adequadamente os equipamentos de proteção individual.

Leia também: 10 formas de se prevenir de gripes e resfriados

Relação entre Sars e Covid-19

 

O Sars-CoV-2 e o Sars-CoV são vírus que podem provocar síndrome respiratória aguda grave.
O Sars-CoV-2 e o Sars-CoV são vírus que podem provocar síndrome respiratória aguda grave.

Os vírus Sars-CoV e Sars-CoV-2 são da família dos coronavírus e são responsáveis por provocar síndrome respiratória aguda grave. Enquanto o Sars-CoV provoca a Sars, o Sars-CoV-2 (coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2) desencadeia a Covid-19. O Sars-CoV-2 apresenta menor taxa de mortalidade que o Sars-CoV, entretanto, uma diferença marcante entre eles é o fato de o primeiro ser mais transmissível.

Saiba mais: Dicas para se prevenir da H1N1 (gripe A)

Infecções respiratórias que podem se tornar uma síndrome respiratória aguda grave

Algumas infecções respiratórias podem se agravar e se tornar uma síndrome respiratória aguda grave, sendo esse o caso de infecções pelo H1N1 e Sars-CoV-2. De acordo com o Ministério da Saúde, é considerado como síndrome respiratória aguda grave o “indivíduo com síndrome gripal que apresente: dispneia/desconforto respiratório ou pressão persistente no tórax ou saturação de O2 menor que 95% em ar ambiente ou coloração azulada dos lábios ou rosto”.

Por síndrome gripal, o Ministério da Saúde entende que a possui o indivíduo com “quadro respiratório agudo, caracterizado por, pelo menos, dois (2) dos seguintes sinais e sintomas: febre (mesmo que referida), calafrios, dor de garganta, dor de cabeça, tosse, coriza, distúrbios olfativos ou distúrbios gustativos”.

Após o início da pandemia de Covid-19 em 2020, os casos de síndrome respiratória aguda aumentaram de maneira abrupta. Vale salientar, no entanto, que nem todos os casos da síndrome são explicados pela infecção por Sars-CoV-2, pois, como mencionado, outras infecções respiratórias podem desencadear o problema. O aumento do número de casos sem explicação, no entanto, pode indicar subnotificação de vítimas fatais em decorrência da Covid-19.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Síndrome respiratória aguda grave (Sars)"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/sindrome-respiratoria-aguda-grave-sars.htm. Acesso em 10 de maio de 2021.

Artigos Relacionados
Conheça 10 formas de prevenir-se de gripes e resfriados e entenda como os hábitos de higiene são importantes para evitar enfermidades.
Entenda o que são os coronavírus, o que eles causam no homem, quais são as formas de tratamento e como se prevenir!
Saiba mais sobre a COVID-19 clicando aqui. Confira as principais informações sobre a mais recente pandemia do século.
Você sabe a diferença entre COVID-19, gripe e resfriado? Clique aqui e aprenda mais sobre essas doenças virais presentes no Brasil! Saiba o que são e seus sintomas!
Compreenda a diferença entre gripe e resfriado, conheça os principais sintomas e aprenda a se prevenir dessas doenças causadas por vírus.
Aprenda a diferença entre isolamento vertical e horizontal clicando aqui. Entenda também os impactos decorrentes da adoção dessas medidas.
Conheça a Síndrome Respiratória do Oriente Médio, uma doença grave que já matou centenas de pessoas ao redor do mundo.
Os vírus são seres diminutos que só exprimem atividades vitais no interior de células hospedeiras.