Terremotos no Brasil

Geografia do Brasil

PUBLICIDADE

A história dos terremotos no Brasil já registrou tremores de mais de seis graus na escala Richter, o que é considerado um alto nível e pode causar danos materiais e à saúde. Atualmente, não se tem projeções futuras de quando poderá ocorrer novos tremores em nosso território.

Esses fenômenos podem ser causados por vulcanismo, movimentação das placas tectônicas e falhas geológicas. No Brasil o caso mais comum são as falhas geológicas. Elas ocorrem com maior frequência na região Nordeste, devido à intensa movimentação interna da Terra nessa localidade.

Leia também: Por que há tantos terremotos no Chile?

Causas dos terremotos no Brasil

No Brasil, os terremotos são causados por dois motivos, o primeiro refere-se ao desgaste das placas tectônicas, que promove um leve tremor da terra, quase imperceptível. Já o segundo ocorre pelo choque das placas tectônicas, em que há o epicentro do terremoto, ou seja, local onde ele é sentido com mais força e propaga-se por todos os lados. Nem sempre a área de contato da placa é o epicentro do tremor.

A imagem a seguir mostra o epicentro do terremoto e a propagação das ondas de energia pela terra, fazendo as áreas que ele atinge tremerem.

Epicentro de um terremoto.
Epicentro de um terremoto.

O Brasil não sofre com ação dos terremotos de maneira intensa, pois o país localiza-se no centro da placa tectônica sul-americana. Dessa forma, a movimentação dessa placa tectônica não gera em nosso território o movimento convergente, ou seja, não há fortes terremotos no Brasil.

Os tremores sentidos em nosso país são formados por falhas geológicas, que são fraturas ou quebras das placas, ou seja, pelo desgaste natural das placas tectônicas. Esses movimentos internos são capazes de fazer a terra tremer e de gerar um abalo sísmico leve, sendo bastante comuns. As exceções são os tremores mais fortes, capazes de serem sentidos, de derrubar objetos ou causar rachaduras em paredes, esses, poucas vezes, foram vistos e sentidos no Brasil, pois são comuns em localidades onde há o choque das placas tectônicas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Onde ocorrem os terremotos no Brasil?

Os terremotos no Brasil não são comuns ou recorrentes, porém, ao ocorrerem, localizam-se numa mesma localidade, na região Nordeste, mais precisamente nos estados do Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Estudiosos entendem que a recorrência nessas regiões deva-se à geologia do lugar.

A região é formada por diversos fragmentos de rochas antigas, e há várias falhas geológicas nesses fragmentos rochosos. Há também sua camada de solo pouco extensa, que varia de 3 m a 20 m de profundidade. Além desses fatores, considera-se a exposição da rocha em diversos pontos, o que é conhecido como afloramento rochoso.

Sabe-se que a formação desses tremores em solo brasileiro é oriunda das falhas rochosas. A quebra total ou parcial das rochas promove as falhas normais, esse movimento rochoso pode ocasionar a movimentação do solo, tanto em intensidade maior quanto em menor intensidade, provocando assim o terremoto.

Veja também: Camadas da Terra – representação da estrutura interna do nosso planeta

Terremotos registrados no Brasil

O Brasil já registra diversas ocorrências de tremores ao longo de sua história, uns mais fortes, outros mais fracos. Vamos evidenciar os tremores mais fortes já sentidos e observados em território brasileiro:

1955 – No Mato Grosso, Serra do Trombador, foi registrado um terremoto de magnitude 6,6 graus na escala Richter, sem danos a pessoas ou cidades, por ter ocorrido em regiões pouco habitadas.

1955 – No Espirito Santo, em Vitória, ocorreu um terremoto de escala 6,3 graus, na ocasião prédios e casas balançaram. Não houve mortos, feridos ou danos maiores.

1980 – No Ceará, em Pacajus, região metropolitana de Fortaleza, houve tremores de 5,2 na escala Richter, eles foram sentidos também na capital.

1986 – No Rio Grande do Norte, na cidade de João Câmara, registrou-se um terremoto de 5,1 graus na escala Richter, com danos a residências do local.

Efeitos nas residências promovidos pela ação dos terremotos.
Efeitos nas residências promovidos pela ação dos terremotos.

2007 – Na divisa entre o Acre e o Amazonas, houve um tremor de 6,1 graus. O tremor não causou nenhum dano, apenas foi sentido em regiões próximas.

2007 – Em Minas Gerais, na cidade de Itacarambi, um tremor de 4,9 na escala Richter foi registrado. Mesmo com uma escala considerada pequena, houve a morte de uma criança e seis pessoas ficaram feridas.

2008 – Ocorrendo em São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Rio de Janeiro, esse tremor de escala 5,2 foi sentido por diversas pessoas, em diversas regiões desses estados, nenhum dano foi registrado.

No dia 30 de agosto de 2020 foi registrado o terremoto mais recente em solo brasileiro, pelo Laboratório de Sismologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, o tremor teve 4,6 graus na escala Richter, não houve nenhum dano material sério ou morte. O tremor foi sentido pelos moradores do Vale do Jiquiriçá e da região do Recôncavo Baiano, com a queda de alguns objetos e mobiliário.

Previsão de terremotos no Brasil

Quando se trata da ocorrência de fenômenos naturais é difícil prever um novo acontecimento. Ao falarmos de terremotos, essa imprecisão é ainda maior, pois se trata de um fenômeno que ocorre por motivos variados, como o tectonismo, o vulcanismo ou a ocorrência de falhas geológicas. No caso brasileiro, a dinâmica interna da Terra e sua movimentação explicaria tal ocorrência.

Alguns geólogos são responsáveis pelos estudos na área, diversos laboratórios de sismologia das universidades brasileiras fazem o acompanhamento e registro do fenômeno, podendo assim monitorar suas áreas de ocorrência e intensidade, mas sem previsão de ocorrência.

 

Por Gustavo Henrique Mendonça
Professor de Geografia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MENDONçA, Gustavo Henrique. "Terremotos no Brasil"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/terremotos-no-brasil.htm. Acesso em 26 de novembro de 2020.