Topo
pesquisar

Alimentação infantil

Saúde na escola

PUBLICIDADE

Alimentação infantil é um assunto extremamente sério, uma vez que é por meio da alimentação saudável que conseguimos garantir que as crianças desenvolvam-se de maneira adequada e fiquem protegidas de várias doenças. A alimentação balanceada deve conter todos os nutrientes de que a criança precisa e varia de acordo com a idade. A seguir falaremos sobre a alimentação infantil em diferentes fases do desenvolvimento.

Alimentação infantil nos seis primeiros meses

Nos primeiros seis meses de vida da criança, a alimentação deve ser baseada apenas no consumo de leite materno. Não é necessário oferecer nenhum outro tipo de alimento para o bebê, nem mesmo água ou chá. Isso é o que chamamos de amamentação exclusiva ou aleitamento materno exclusivo.

Muitas pessoas pensam que a água é fundamental, principalmente, em dias quentes. Entretanto, no leite materno já é encontrada a quantidade de água ideal para o bebê, bem como de proteínas e gorduras fundamentais para seu desenvolvimento. Não podemos esquecer-nos também de que, no leite materno, vários fatores imunológicos são encontrados, o que garante a proteção da criança contra infecções. Assim sendo, a amamentação é essencial.

É recomendado que o aleitamento materno seja realizado de maneira exclusiva nos primeiros seis meses.
É recomendado que o aleitamento materno seja realizado de maneira exclusiva nos primeiros seis meses.

De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), o aleitamento materno apresenta uma série de benefícios para a mãe e para o bebê, sendo o principal deles a proteção contra infecções gastrointestinais e desnutrição. Além disso, a Organização destaca que bebês amamentados parcialmente ou não amamentados possuem um maior risco de morte por diarreia e outras infecções.

Leia mais: Dicas de como preparar alimentos mais saudáveis

Alimentação infantil dos seis meses aos dois anos de idade

As crianças devem ter uma alimentação saudável para que se desenvolvam de maneira adequada.
As crianças devem ter uma alimentação saudável para que se desenvolvam de maneira adequada.

Assim que a criança completa seis meses de vida, pode-se iniciar a introdução de novos alimentos. Isso não significa, no entanto, que o leite materno deve ser excluído de sua alimentação. A recomendação é que ele seja oferecido até os dois anos ou mais.

Essa fase de introdução de novos alimentos nem sempre será fácil, uma vez que o bebê está adaptando-se a novos sabores e texturas e pode recusar uma série de alimentos. É importante lembrar que se o bebê ou a criança recusar o alimento na primeira vez, é fundamental tentar oferecê-lo novamente em outras refeições. Nessas ocasiões, o alimento recusado pode ser oferecido de uma forma diferente, mais atraente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Veja também: Dicas de lanches criativos e saudáveis para as crianças nas escolas

De acordo com a cartilha do Ministério da Saúde, Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de dois anos, se a criança ainda mama no peito ao completar seis meses de vida, devem ser oferecidas duas papas de frutas e uma papa salgada, e quando a criança completar sete meses, deves ser oferecidas duas papas de frutas e duas papas salgadas. Ainda de acordo com a publicação, ao completar oito meses, o bebê já pode alimentar-se do mesmo alimento que a família, desde que esse não contenha muitos condimentos e gorduras.

Confira algumas dicas do Ministério da Saúde a fim de garantir uma alimentação saudável para crianças de zero a dois anos:

Dez passos para uma alimentação saudável para crianças menores de dois anos

(Informações adaptadas da cartilha do Ministério da Saúde)

  1. Dê somente leite materno até os seis meses, sem oferecer água, chás ou qualquer outro alimento.

  2. A partir dos seis meses, introduza de forma lenta e gradual outros alimentos, mantendo o leite materno até os dois anos de idade ou mais.

  3. A partir dos seis meses, dê alimentos complementares (cereais, tubérculos, carnes, leguminosas, frutas e legumes) três vezes ao dia, se a criança estiver em aleitamento materno.

  4. A alimentação complementar deve ser oferecida de acordo com os horários de refeição da família, em intervalos regulares e de forma a respeitar o apetite da criança.

  5. A alimentação complementar deve ser espessa desde o início e oferecida de colher. Começar com consistência pastosa e, gradativamente, aumentá-la até chegar à alimentação da família.

  6. Ofereça à criança diferentes alimentos ao dia. Uma alimentação variada é uma alimentação colorida.

  7. Estimule o consumo diário de frutas, verduras e legumes nas refeições.

  8. Evite açúcar, café, enlatados, frituras, refrigerantes, balas, salgadinhos e outras guloseimas nos primeiros anos de vida. Usar sal com moderação.

  9. Cuide da higiene no preparo e manuseio dos alimentos. Garanta o seu armazenamento e conservação adequados.

  10. Estimule a criança doente e convalescente a alimentar-se oferecendo sua alimentação habitual e seus alimentos preferidos, e respeitando a sua aceitação.


Leia também: Dicas para evitar a intoxicação alimentar

Alimentação infantil após os dois anos de idade

Após os dois anos de idade, a criança, na maioria dos casos, já não recebe o leite da mãe. Nesse momento, ela se alimenta praticamente do mesmo modo que os outros integrantes da família, sendo essencial, portanto, que as pessoas próximas deem o exemplo de como alimentar-se bem.

 É importante que os adultos sejam exemplo para as crianças.
É importante que os adultos sejam exemplo para as crianças.

Veja a seguir algumas dicas importantes para garantir a alimentação saudável das crianças:

  • Evitar alimentos ricos em gordura.

  • Evitar alimentos com muito sal.

  • Evitar alimentos com grande quantidade de açúcares.

  • Estimular a ingestão diária de frutas, verduras e legumes.

  • Oferecer à criança alimentação rica em cores, ou seja, com uma grande variedade de alimentos coloridos. Além de garantir uma maior disponibilidade de nutrientes, os alimentos coloridos atraem a criança.

  • Estimular que a criança beba água entre as refeições.

  • Garantir que a criança tenha em sua alimentação, principalmente, alimentos in natura ou minimamente processados.

  • Garantir que a criança alimente-se em horários regulares e realize de cinco a seis refeições por dia, sendo elas: café da manhã, lanche matinal, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia.

Leia também: Por que as crianças não devem ir à escola sem tomar café da manhã?

Alimentos que devem ser evitados nos primeiros anos de vida

Nos primeiros anos de vida de uma criança, é fundamental ter cuidado com a alimentação. Uma alimentação inadequada pode desencadear problemas como sobrepeso, obesidade, aumento dos níveis de colesterol e anemia.

Desses problemas, um que merece destaque é a obesidade infantil, que vem aumentando nos últimos anos. De acordo com o Ministério da Saúde, 12,9% das crianças brasileiras, de cinco a nove anos, são obesas, estando esses números relacionados com a falta de prática de atividade física e, é claro, os hábitos alimentares inadequados.

 Nos primeiros anos das crianças, não é recomendado oferecer doces.
Nos primeiros anos das crianças, não é recomendado oferecer doces.

Diante desse quadro, é fundamental que cuidemos da alimentação de nossas crianças, evitando, principalmente nos primeiros anos de vida, alguns tipos de alimentos. Entre os alimentos que não são recomendados para crianças nos primeiros anos de vida, estão:

  • Refrigerantes

  • Sucos artificiais

  • Café preto

  • Produtos embutidos e enlatados

  • Bolos e bolachas recheadas

  • Doces, chocolates, achocolatados, sorvetes e balas

  • Frituras

  • Alimentos industrializados

  • Alimentos que possuem aditivos e conservantes artificiais

  • Salgadinhos

Leia também: Sugestão de cardápio semanal para a lancheira escolar
 

Por Ma. Vanessa dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Alimentação infantil"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/alimentacao-infantil.htm. Acesso em 23 de outubro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola