Obesidade infantil

Saúde e Bem-estar

PUBLICIDADE

A obesidade é uma doença crônica caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura no corpo, acúmulo esse responsável por uma série de problemas de saúde. Essa doença afeta tanto crianças quanto adultos, sendo importante destacar que crianças obesas apresentam mais chances de tornarem-se adultos obesos.

Neste texto abordaremos a obesidade infantil, destacando suas causas e consequências e apresentando alguns dados relevantes sobre o problema.

Leia também: Alimentação infantil - conforme a idade e dicas de alimentos a serem evitados

Causas da obesidade infantil

A obesidade infantil pode apresentar diferentes causas, uma vez que ocorre por uma associação entre fatores genéticos, comportamentais e ambientais. Apesar de poder ocorrer, por exemplo, devido a alterações hormonais, dois dos principais fatores responsáveis pelo desenvolvimento dela são os hábitos alimentares incorretos e o sedentarismo.

A obesidade infantil pode desencadear problemas de saúde graves na vida adulta.
A obesidade infantil pode desencadear problemas de saúde graves na vida adulta.

Atualmente o que observamos é um aumento no consumo de alimentos ricos em gorduras, de carboidratos e de alimentos ultraprocessados. Os chamados fast food, que comercializam alimentos, normalmente, muito calóricos, têm ganhado cada vez mais espaço em uma sociedade que, muitas vezes, conta com pouco tempo para o preparo de suas refeições. Com isso, temos uma alimentação cada vez menos saudável sendo oferecida às nossas crianças.

Além de terem uma alimentação inadequada, é muito comum observarmos crianças passando horas assistindo à televisão, jogando videogame ou simplesmente navegando na internet pelo smartphone. Esses hábitos sedentários estão cada vez mais presentes na vida dos jovens, contribuindo fortemente para o desenvolvimento da obesidade infantil.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Como a obesidade infantil é determinada?

Geralmente, para determinar se um indivíduo é ou não obeso, utiliza-se o Índice de Massa Corpórea (IMC), entretanto, esse índice não é adequado para crianças e adolescentes. De acordo com o Ministério da Saúde, mais parâmetros são utilizados para esse grupo, e, além de analisar o IMC, o que deve ser feito de acordo com a idade, considera-se fatores como estatura para a idade, peso em relação à estatura e peso em relação à idade.

Leia também: Limitações do Índice de Massa Corporal (IMC)

Consequências da obesidade infantil

A obesidade infantil é um problema de saúde grave e que deve ser tratado com seriedade. Ela pode ser responsável pelo aparecimento de doenças crônicas na vida adulta do indivíduo, como é o caso da pressão alta e diabetes. Não podemos esquecer-nos ainda de que a obesidade infantil desencadeia hipercolesterolemia (níveis altos de colesterol no sangue), assaduras, dermatites, e problemas ortopédicos e respiratórios.

A obesidade pode ainda desencadear problemas psicológicos, uma vez que muitas crianças acima do peso sofrem com bullying e com dificuldade de aceitação da própria imagem. Sendo assim, a obesidade pode causar depressão, isolamento social e baixa autoestima. Podemos perceber, portanto, que a obesidade infantil vai além de simples estética.

Leia mais: HDL e LDL - lipoproteínas que garantem a circulação do colesterol no nosso corpo

O que fazer para evitar a obesidade infantil?

Estimular o consumo de alimentos saudáveis é fundamental para evitar a obesidade infantil.
Estimular o consumo de alimentos saudáveis é fundamental para evitar a obesidade infantil.

A obesidade infantil pode ser combatida com a adoção de hábitos de vida bastante simples. Veja, a seguir, algumas dicas para ter-se uma infância mais saudável e combater esse problema de saúde:

  • Realizar mais brincadeiras ao ar livre e ficar menos tempo assistindo TV, jogando videogame ou navegando na internet;

  • Praticar esportes;

  • Incluir verduras, legumes e frutas na alimentação;

  • Reduzir o consumo de alimentos ricos em gorduras e carboidratos, tais como batata frita, hambúrgueres, bolos, doces e biscoitos recheados;

  • Estabelecer horários para a realização das refeições e não “beliscar” entre elas;

  • Dormir bem;

  • Fazer consultas médicas de rotina para avaliar se outros fatores podem estar contribuindo para o aumento de peso.

Leia também: Açúcar na alimentação – cinco dicas e consequências

Dados sobre obesidade infantil

Veja, no quadro, alguns dados importantes sobre a obesidade infantil:

Obesidade infantil

  • De acordo com o Ministério da Saúde, 12,9% das crianças brasileiras, de cinco a nove anos, são obesas.

  • De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, o número de crianças e adolescentes, com idade entre cinco e 19 anos, obesos no planeta aumentou 10 vezes nas últimas quatro décadas.

  • De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, na América Latina e no Caribe, o sobrepeso afeta 7,3% de crianças menores de cinco anos de idade.

  • De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, em 2016, havia 50 milhões de meninas e 74 milhões de meninos com obesidade no mundo.

  • Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), a fome e a desnutrição estão diminuindo no planeta, enquanto o sobrepeso e a obesidade têm aumentado de maneira preocupante, afetando, principalmente, as mulheres e as crianças.


 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Obesidade infantil"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/saude/obesidade-infantil.htm. Acesso em 13 de agosto de 2020.