Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Textos narrativos

Os textos narrativos são um grupo de textos que se caracterizam pela narração de acontecimentos, situações, histórias verídicas ou fictícias.

Mulher segura livro em biblioteca
Os textos narrativos são aqueles que se ocupam da narração de acontecimentos verídicos ou fictícios.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Os textos narrativos são aqueles que se caracterizam estruturalmente pela narração de acontecimentos reais ou ficcionais. Nos textos desse tipo, são narrados acontecimentos, histórias ou situações, fictícias ou verídicas, em ordem cronológica ou não. Nesses textos, são apresentadas personagens que se relacionam com os fatos, narrados em tempos e em espaços específicos.

Entre os textos narrativos, encontramos diferentes gêneros que priorizam um ou outro elemento narrativo em sua construção. Mesmo que não seja uma fórmula textual rígida, os diferentes textos narrativos geralmente apresentam-se de acordo com a seguinte estruturação: introdução, desenvolvimento e desfecho.

Leia também: Tipos textuais — o conjunto de estruturas que possibilitam a construção de textos diversos

Tópicos deste artigo

Resumo sobre textos narrativos

  • Os textos narrativos se caracterizam pela narração de acontecimentos.

  • Os acontecimentos narrados podem ser verídicos ou fictícios e narrados em ordem cronológica ou psicológica.

  • Como elementos narrativos, destacam-se: espaço, tempo, enredo, personagens, narrador, modo, motivo e resultado.

  • Os textos narrativos apresentam a seguinte estruturação: introdução, desenvolvimento e desfecho.

Elementos do texto narrativo

Os textos narrativos costumam ser construídos conforme os seguintes elementos textuais:

  • espaço;

  • tempo;

  • enredo;

  • personagens;

  • narrador;

  • modo;

  • motivo;

  • resultado.

Muitos textos narrativos apresentam esses elementos em sua composição, mas eles não são imprescindíveis. Mesmo que seja possível produzir textos com todos esses elementos, eles aparecerão em textos narrativos conforme o estilo e o objetivo do autor. Os únicos elementos imprescindíveis ao texto narrativo são as personagens e o enredo, pois para que exista narração, é necessário que exista quem protagonize acontecimentos.

  • Espaço

O espaço se refere ao local onde a narrativa se desenrola. Os acontecimentos podem ser ambientados em um ambiente físico, social ou até mesmo psicológico.

  • Tempo

O tempo se refere à duração da ação e ao desenrolar dos acontecimentos, podendo ser cronológico ou psicológico. Quando cronológico, a sucessão dos acontecimentos é expressa pelas horas, dias, anos, décadas etc. Já o tempo psicológico se refere às vivências subjetivas e/ou às lembranças das personagens. Nesses casos, a narração dos acontecimentos narrativos depende de suas experiências subjetivas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Enredo

Os acontecimentos vivenciados pelas personagens que ocorrem no tempo e no espaço narrativo são nomeados enredo. São esses acontecimentos que tramam o destino das personagens na narrativa.

  • Personagens

É com as personagens que o texto narrativo se desenrola, pois são elas quem agem na história ou são afetadas pelo enredo. As personagens podem ser caracterizadas por suas características físicas e psicológicas, além de serem tipificadas como personagens principais (protagonista e antagonista) ou secundárias (coadjuvantes).

  • Narrador

O narrador é o elemento narrativo responsável pela narração. É ele quem conta a história. Não há apenas um tipo de narrador, e ele pode ser classificado em:

  • narrador personagem;

  • narrador observador;

  • narrador onisciente.

O narrador personagem aparece quando o texto é narrado em 1ª pessoa, sendo o narrador um dos personagens, participando dos fatos. Já o narrador observador apenas conhece e relata os fatos, sem qualquer participação, narrando em 3ª pessoa. Por fim, o narrador onisciente é caracterizado por conhecer em detalhes as personagens, seus pensamentos e suas intenções, sendo o texto narrado em 3ª pessoa.

  • Modo, motivo e resultado

O elemento modo diz respeito ao detalhamento dos meios que possibilitam os acontecimentos na narrativa, evidenciando como foi possível que encadeamentos de fatos e ações determinassem o resultado da narrativa.

O motivo se destaca como o porquê das ações que acontecem em uma narrativa. Por último, há o resultado como elemento que se ocupa de evidenciar as consequências das ações tomadas ou sofridas pelas personagens nos textos narrativos.

Videoaula sobre os elementos da narrativa

Estrutura do texto narrativo

Os textos narrativos podem ser estruturados conforme as seguintes partes:

  • Introdução: é a parte inicial da narrativa. Nela são apresentadas as primeiras personagens do texto e a ambientação, evidenciando o local e o tempo da história.

  • Desenvolvimento: é a parte da narrativa em que o enredo se desenvolve. No desenvolvimento, há foco nas ações e em situações conflituosas que modificam as experiências, as relações e a vida das personagens. Além disso, o desenvolvimento dos acontecimentos faz com que ocorra o ápice da narrativa, o clímax, em que o conflito ou a maior mudança ocorre na vida das personagens.

  • Desfecho: é a parte da narrativa que acontece após o clímax e em que são evidenciadas as relações existentes entre os diferentes acontecimentos narrados no texto e as suas consequências.

Leia também: Técnicas de estrutura da narrativa

Exemplos de textos narrativos

Há diversos gêneros textuais sob o tipo textual narrativo. Dentre eles, se destacam o conto, a fábula, o romance, a novela e a crônica. Veja abaixo um exemplo de texto narrativo.

O ALIENISTA

Machado de Assis

CAPÍTULO I – DE COMO ITAGUAÍ GANHOU UMA CASA DE ORATES

As crônicas da vila de Itaguaí dizem que em tempos remotos vivera ali um certo médico, o Dr. Simão Bacamarte, filho da nobreza da terra e o maior dos médicos do Brasil, de Portugal e das Espanhas. Estudara em Coimbra e Pádua. Aos trinta e quatro anos regressou ao Brasil, não podendo el-rei alcançar dele que ficasse em Coimbra, regendo a universidade, ou em Lisboa, expedindo os negócios da monarquia.

— A ciência, disse ele a Sua Majestade, é o meu emprego único; Itaguaí é o meu universo.

Dito isso, meteu-se em Itaguaí, e entregou-se de corpo e alma ao estudo da ciência, alternando as

curas com as leituras, e demonstrando os teoremas com cataplasmas. Aos quarenta anos casou com D. Evarista da Costa e Mascarenhas, senhora de vinte e cinco anos, viúva de um juiz de fora, e não bonita nem simpática. Um dos tios dele, caçador de pacas perante o Eterno, e não menos franco, admirou-se de semelhante escolha e disse-lho. Simão Bacamarte explicou-lhe que D. Evarista reunia condições fisiológicas e anatômicas de primeira ordem, digeria com facilidade, dormia regularmente, tinha bom pulso, e excelente vista; estava assim apta para dar-lhe filhos robustos, sãos e inteligentes. Se além dessas prendas, — únicas dignas da preocupação de um sábio, — D. Evarista era mal composta de feições, longe de lastimá-lo, agradecia-o a Deus, porquanto não corria o risco de preterir os interesses da ciência na contemplação exclusiva, miúda e vulgar da consorte.

D. Evarista mentiu às esperanças do Dr. Bacamarte, não lhe deu filhos robustos nem mofinos. A índole natural da ciência é a longanimidade; o nosso médico esperou três anos, depois quatro, depois cinco. Ao cabo desse tempo fez um estudo profundo da matéria, releu todos os escritores árabes e outros, que trouxera para Itaguaí, enviou consultas às universidades italianas e alemãs, e acabou por aconselhar à mulher um regímen alimentício especial. A ilustre dama, nutrida exclusivamente com a bela carne de porco de Itaguaí, não atendeu às admoestações do esposo; e à sua resistência, — explicável, mas inqualificável, — devemos a total extinção da dinastia dos Bacamartes.

Mas a ciência tem o inefável dom de curar todas as mágoas; o nosso médico mergulhou inteiramente no estudo e na prática da medicina. Foi então que um dos recantos desta lhe chamou

especialmente a atenção, — o recanto psíquico, o exame de patologia cerebral. Não havia na colônia, e ainda no reino, uma só autoridade em semelhante matéria, mal explorada, ou quase inexplorada. Simão Bacamarte compreendeu que a ciência lusitana, e particularmente a brasileira, podia cobrir-se de “louros imarcescíveis”, — expressão usada por ele mesmo, mas em um arroubo de intimidade doméstica; exteriormente era modesto, segundo convém aos sabedores. [...]


No trecho do conto O alienista, Machado de Assis apresenta um narrador onisciente que conhece e relata em pormenores a situação inicial da narrativa. Além disso, são facilmente identificados o tempo e o espaço em que estão situados alguns personagens e o protagonista, Simão Bacamarte.

Veja outro exemplo de texto narrativo, agora o trecho de um romance:

Recordações do Escrivão Isaías Caminha

Lima Barreto

I

A tristeza, a compreensão e a desigualdade de nível mental do meu meio familiar, agiram sobre mim de modo curioso: deram-me anseios de inteligência. Meu pai, que era fortemente inteligente e ilustrado, em começo, na minha primeira infância, estimulou-me pela obscuridade de suas exortações. Eu não tinha ainda entrado para o colégio, quando uma vez me disse: Você sabe que nasceu quando Napoleão ganhou a batalha de Marengo? Arregalei os olhos e perguntei: quem era Napoleão? Um grande homem, um grande general... E não disse mais nada. Encostou-se à cadeira e continuou a ler o livro. Afastei-me sem entrar na significação de suas palavras; contudo, a entonação de voz, o gesto e o olhar ficaram-me eternamente. Um grande homem!...

O espetáculo do saber de meu pai, realçado pela ignorância de minha mãe e de outros parentes dela, surgiu aos meus olhos de criança, como um deslumbramento. Pareceu-me então que aquela sua faculdade de explicar tudo, aquele seu desembaraço de linguagem, a sua capacidade de ler línguas diversas e compreendê-las constituíam, não só uma razão de ser de felicidade, de abundância e riqueza, mas também um título para o superior respeito dos homens e para a superior consideração de toda a gente.

Sabendo, ficávamos de alguma maneira sagrados, deificados... Se minha mãe me parecia triste e humilde — pensava eu naquele tempo — era porque não sabia, como meu pai, dizer os nomes das estrelas do céu e explicar a natureza da chuva… Foi com estes sentimentos que entrei para o curso primário. Dediquei-me açodadamente ao estudo. Brilhei, e com o tempo foram-se desdobrando as minhas primitivas noções sobre o saber.

Acentuaram-se-me tendências; pus-me a colimar glórias extraordinárias, sem lhes avaliar ao certo a significação e a utilidade. Houve na minha alma um tumultuar de desejos, de aspirações indefinidas. Para mim era como se o mundo me estivesse esperando para continuar a evoluir… Ouvia uma tentadora sibila falar-me, a toda a hora e a todo o instante, na minha glória futura. Agia desordenadamente e sentia a incoerência dos meus atos, mas esperava que o preenchimento final do meu destino me explicasse cabalmente. Veio-me a pose, a necessidade de ser diferente. Relaxei-me no vestuário e era preciso que minha mãe me repreendesse para que eu fosse mais zeloso. Fugia aos brinquedos, evitava os grandes grupos, punha-me só com um ou dois, à parte, no recreio do colégio; lá vinha um dia, porém, que brincava doidamente, apaixonadamente. Causava com isso espanto aos camaradas: Oh! O Isaías brincando! Vai chover...

A minha energia no estudo não diminuiu com os anos, como era de esperar; cresceu sempre progressivamente. A professora admirou-me e começou a simpatizar comigo. De si para si (suspeito eu hoje), ela imaginou que lhe passava pelas mãos um gênio. Correspondi-lhe à afeição com tanta força d’alma, que tive ciúmes dela, dos seus olhos azuis e dos seus cabelos castanhos, quando se casou. Tinha eu então dois anos de escola e doze de idade. Daí a um ano, saí do colégio, dando-me ela, como recordação, um exemplar do Poder da Vontade, luxuosamente encadernado, com uma dedicatória afetuosa e lisonjeira. Foi o meu livro de cabeceira. Li-o sempre com mão diurna e noturna, durante o meu curso secundário, de cujos professores, poucas recordações importantes conservo hoje. Eram banais! Nenhum deles tinha os olhos azuis de Dona Ester, tão meigos e transcendentes que pareciam ler o meu destino, beijando as páginas em que estava escrito! [...]


O trecho acima é o início do romance Recordações do escrivão Isaías Caminha, de Lima Barreto. Nele, é apresentado um narrador personagem que ambienta a narrativa em suas memórias, e alguns personagens que se relacionam com o protagonista surgem. Como o título indica, o enredo da narrativa se desenvolverá por meio das recordações do escrivão.

 

Por Elivelto Cardoso e Silva
Professor de Português

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Elivelto Cardoso e. "Textos narrativos"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/textos-narrativos.htm. Acesso em 03 de julho de 2022.

PUBLICIDADE

Estude agora


Como fazer a inscrição no Enem 2021

Vai fazer o Enem 2021 neste ano e quer tirar todas as suas dúvidas sobre a forma de se inscrever no exame mais...

Cem anos de solidão | Análise Literária

Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais da obra “Cem anos de solidão”, um dos romances mais...