Topo
pesquisar

Lei da velocidade para reações não elementares

Química

A lei da velocidade para reações não elementares não é determinada apenas olhando a equação química. Nesse caso, é preciso realizar o experimento várias vezes.
A equação da lei da velocidade para as reações não elementares só pode ser conseguida por meio da realização do experimento
A equação da lei da velocidade para as reações não elementares só pode ser conseguida por meio da realização do experimento
PUBLICIDADE

Conforme explicado no texto Lei da velocidade das reações químicas, a equação usada para representar a lei da velocidade de uma reação é dada pelo produto entre a constante característica da reação numa determinada temperatura e as concentrações dos reagentes elevadas aos seus respectivos expoentes: v = k . [A]α. [B]β.

Veja um exemplo:

2NO(g) → N2O2(g)

A equação da velocidade dessa reação é dada por: v = k . [NO]2.

Isso significa que em todos os casos o expoente da concentração do reagente será exatamente igual ao seu coeficiente na reação?

Não. Isso só aconteceu nesse caso porque se trata de uma reação elementar, ou seja, é uma reação que ocorre numa única etapa, sem compostos intermediários. Nos casos em que a reação não for elementar, os expoentes devem ser determinados experimentalmente. Mas, como isso é feito? E como é possível saber se a reação é elementar ou não?

Bem, vamos considerar outra reação:

CO + NO2 → CO2 + NO

Digamos que um cientista realizou essa reação diversas vezes, alterando a concentração dos reagentes de formas diferentes, mas mantendo a temperatura constante. Ele obteve os seguintes dados:

Dados do experimento realizado para descobrir os expoentes na equação da velocidade

Observe que, da primeira para a segunda etapa, ele dobou a concentração do CO, o que não alterou a velocidade da reação.

Mudança na concentração do CO

Portanto, o expoente dessa substância é zero. Como qualquer número elevado a zero é igual a 1, o CO não participa da equação da velocidade da reação.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Agora, veja que do 2º experimento para o 3º dobrou-se a concentração do NO2, o que fez com que a velocidade da reação quadruplicasse.

Mudança na concentração do NO2

Assim, o expoente da concentração dessa substância na equação da velocidade das reações é igual a 2 (4/2).

Desse modo, descobrimos qual é a equação da velocidade dessa reação: v = k . [NO2]2.

Veja que nesse caso o expoente na equação não foi igual ao coeficiente na reação. Portanto, podemos concluir que essa reação não é elementar. Depois de verificar experimentalmente a lei da velocidade, o cientista deveria então sugerir um mecanismo que explicasse essa reação, ou seja, ele deveria propor um conjunto de etapas coerentes com os dados experimentais desse processo.

Foi proposto o seguinte mecanismo:

Etapa 1 (lenta):  NO2(g) +  NO2(g) → NO3(g) + NO(g)
Etapa 2 (rápida):NO3(g) + CO(g) → CO2(g) + NO2(g)

Equação global:CO + NO2 → CO2 + NO

Veja que a lei da velocidade experimental coincide com a etapa mais lenta:

vglobal = vetapa lenta

k . [NO2]2 = k . [NO2] . [NO2]

Isso nos mostra que, em qualquer mecanismo, a etapa determinante da taxa de desenvolvimento de uma reação será sempre a etapa lenta, ou seja, a taxa de desenvolvimento da reação global será proporcional apenas às concentrações dos reagentes que participaram da etapa lenta.

É importante determinar corretamente esses expoentes porque são eles que irão indicar qual é a ordem da reação.


Por Jennifer Fogaça
Graduada em Química

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FOGAçA, Jennifer Rocha Vargas. "Lei da velocidade para reações não elementares"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/lei-velocidade-para-reacoes-nao-elementares.htm. Acesso em 26 de junho de 2019.

Lista de Exercícios
Questão 1

Uma certa reação química genérica, representada pela equação abaixo:

A + 4 B → X + Y

É formada após a ocorrência de três etapas, as quais estão representadas a seguir:

Reação I: A + 2 B → C + D (etapa lenta)

Reação II: C + B → X

Reação III: D + B → Y (etapa rápida)

Qual das alternativas abaixo contém a expressão da velocidade para essa reação genérica?

a) v = k.[A]2.[B]1

b) v = k.[A]1.[B]2

c) v = k.[A]1.[B]1

d) v = k.[B]2

Questão 2

Quando o dióxido de nitrogênio é colocado para reagir com o gás flúor, o composto fluoreto de nitrila é originado, segundo a equação abaixo:

2 NO2(g) + F2(g) → 2 NO2F(g)

Foram realizados alguns estudos cinéticos com essa reação, nos quais foram alteradas as concentrações molares dos reagentes, resultando em determinados valores de velocidade, como podemos observar na tabela a seguir:

Qual das alternativas abaixo contém a ordem da reação e a sua expressão da velocidade?

a) Ordem 1, v = k[NO2]1

b) Ordem 2, v = k[NO2]1[F2]1

c) Ordem 3, v = k[NO2]2[F2]1

d) Ordem 1, v = k[F2]1

Mais Questões
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola