Trovadorismo

Literatura

PUBLICIDADE

É chamado de trovadorismo o primeiro movimento artístico que se deu na poesia europeia, sobretudo a partir dos séculos XI e XII. Composto por cantigas líricas e satíricas, escritas pelos trovadores, que dão nome ao movimento, era um híbrido entre a linguagem poética e a música.

Acompanhados de instrumentos musicais e de dança, os trovadores viajavam entoando suas cantigas. Foi um dos gêneros literários mais populares da Idade Média, ao lado das novelas de cavalaria, expressão da prosa no período.

Saiba mais: Cinco poemas da literatura portuguesa

Contexto histórico

Os trovadores recitavam as cantigas com o acompanhamento de instrumentos musicais.
Os trovadores recitavam as cantigas com o acompanhamento de instrumentos musicais.

O trovadorismo desenvolveu-se durante o período medieval, principalmente a partir do século XII. À época, não existiam ainda os Estados nacionaisa Europa encontrava-se dividida em feudos, grandes propriedades controladas pelos suseranos. O valor, na Idade Média, não era fundamentado no dinheiro, mas na posse territorial. Por esse motivo, o cotidiano medieval era marcado por muitas guerras, batalhas e invasões com o intuito da conquista de território.

Estabeleceu-se, então, uma relação de suserania e vassalagem: o suserano, senhor do feudo, precursor da nobreza europeia, oferecia proteção aos seus vassalos que, em troca, produziam os bens de consumo: cultivavam, fiavam, forjavam as armas etc.

Com o declínio do Império Romano, a partir dos séculos IV e V, o latim vulgar, língua oficial de Roma, passou a sofrer modificações entre os povos dominados. Foi nesse longo período da Idade Média que começaram a surgir as línguas neolatinas, como o português, o espanhol, o francês, o italiano, o romeno e o catalão. No entanto, foi apenas no século XIV que o português surgiu como língua oficial; as cantigas dos trovadores foram, portanto, escritas em um outro dialeto: o provençal.

Veja também: A origem da língua portuguesa

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do trovadorismo

As obras do trovadorismo são chamadas cantigas, pois eram escritas para serem declamadas (não havia cultura do livro na Idade Média, a população era em grande parte analfabeta e ainda não havia sido inventado o livro impresso), e frequentemente eram acompanhadas de instrumentos musicais, como a lira, a flauta, a viola.

Enquanto o compositor (de origem) era chamado de trovador, o músico era chamado de menestrel. Chamava-se segrel o trovador profissional, cavaleiro que ia de corte em corte divulgando suas cantigas em troca de dinheiro.

Havia ainda o jogral, cantor de origem popular que interpretava cantigas de outrem e compunha as suas próprias. As baladeiras ou soldadeiras eram as dançarinas e cantoras que também os acompanhavam nas apresentações e dramatizações das cantigas.

Trovador tocando uma lira, instrumento musical que deu o nome ao gênero lírico.
Trovador tocando uma lira, instrumento musical que deu o nome ao gênero lírico.

O trovadorismo foi um movimento itinerante, isto é, os grupos de trovadores e menestréis viajavam pelas cortes, burgos e feudos, divulgando em suas composições acontecimentos políticos e propagando ideias, como a do comportamento amoroso esperado de um cavaleiro apaixonado.

O amor é um dos temas centrais do trovadorismo. É o eixo condutor das cantigas de amor e das cantigas de amigo. É comum o tema da coita (coyta), palavra que designa a dor do amor, do trovador apaixonado que sente no corpo a não realização amorosa. Daí a origem da palavra “coitado”: aquele que foi desgraçado, vítima de dor ou mazela.

Os trovadores escreveram ainda outros dois tipos de cantiga: as de escárnio e as de maldizer, dedicadas a satirizar e ridicularizar.

É comum que haja paralelismo nas cantigas: cada ideia desenvolve-se a cada duas estrofes — ou, na verdade, cobras. A nomenclatura da época era diferente: a estrofe chamava-se cobra, o verso chamava-se palavra.

Trovadorismo em Portugal

O trovadorismo galego-português desenvolveu-se, em termos gerais, em finais do século XII. Os pesquisadores apontam sua gênese em uma cantiga de Paio Soares de Taveirós dedicada a Maria Pais Ribeiro, a favorita do rei Sancho I, que viveu entre os anos de 1154 e 1211.

É importante salientar que a literatura portuguesa do século XII não possuía ainda uma noção de identidade nacional plenamente instituída. O território fazia parte do Condado Portucalense e do Condado da Galícia, terras dadas como presente de casamento a soldados cruzados que desposaram duas moças nobres.

D. Afonso I Henriques transformou os dois condados em um reinado, mas ele mesmo só foi reconhecido como monarca ao reconquistar essas terras resguardado pelo poder e força da cristandade. A identidade dos trovadores, portanto, não era portuguesa, mas ibérica e hispânica. A origem desses compositores era Leão, Galícia, o reino português, Castela etc.

Foi Dom Dinis I, no final do século XIII, quem estabeleceu a língua galego-portuguesa como oficial do reino, junto às primeiras universidades. E ele mesmo era um rei-trovador. O monarca poeta queria que Portugal se constituísse como nação de fato, incentivando a identidade cultural e o trovadorismo. O movimento foi, portanto, muito importante para o desenvolvimento do idioma e da cultura portuguesa.

Saiba mais: Orfismo: a primeira fase do modernismo em Portugal

Autores e obras do trovadorismo

Houve grande número de autores das cantigas galego-portuguesas, parte deles de origem desconhecida, anônima. Sabe-se, contudo, que a arte trovadoresca é, em sua grande maioria, de autoria dos grandes senhores medievais ibéricos. Além dos trovadores, havia também os jograis, autores que provinham das classes populares, que não apenas interpretavam as cantigas mas também as compunham.

Ilustração de um jogral medieval tocando um alaúde.
Ilustração de um jogral medieval tocando um alaúde.

Dos autores mais conhecidos, destacam-se João Soares de Paiva, autor mais antigo presente nos manuscritos, João Zorro, Martin Codax, Paio Soares de Taveirós, João Garcia de Guilhade, Vasco Martins de Resende e os reis D. Dinis I e Afonso X.

As obras do trovadorismo constituem de pergaminhos e manuscritos. O que chegou até nossos dias está compilado nos Cancioneiros. São mais conhecidos os pergaminhos Vindel e Sharrer, por possuírem notação musical. Com base neles, foram feitas gravações contemporâneas de algumas cantigas, como “Ondas do mar de Vigo”, do jogral Martin Codax, permitindo que possamos ouvir as cantigas conforme foram idealizadas por seus autores.

Cantigas

As cantigas dividem-se em dois tipos: lírico e satírico.

  • Cantigas líricas

Cantigas líricas são as de temática amorosa, e possuem dois tipos: cantigas de amor e cantigas de amigo.

  • Cantigas de amor

Gênese da poesia amorosa que surgiria nos séculos seguintes, a cantiga de amor é cantada em 1ª pessoa. Nela, o trovador declara seu amor por uma dama, geralmente acometido pela coita, a dor amorosa diante da indiferença da amada.

A confissão amorosa é direta, e o trovador comumente dirige-se à dama como “mia senhor” ou “mia senhor fremosa” (“minha senhora” ou “minha formosa senhora”), em analogia às relações de senhorio e vassalagem medievais. O apaixonado é, portanto, servo e vassalo da amada e enuncia seu amor com insistência e intensidade.

Mesura1 seria, senhor2,
de vos amercear
3 de mi,
que vós em grave
4 dia vi,
e em mui grave voss’amor,
tam grave que nom hei poder
d’aquesta coita mais sofrer
de que muit’há fui sofredor.

Pero sabe Nostro Senhor
que nunca vo-l’eu mereci,
mais sabe bem que vós servi,
des que vos vi, sempr’o melhor
que nunca pudi fazer;
por em querede-vos doer
de mim, coitado pecador.

[...]

(D. Dinis, em Cantigas de D. Dinis, B 521b, V 124)

[1] mesura: “cortesia”

[2] senhor: “senhora”. Os sufixos terminados em “or” não possuíam flexão feminina.

[3] amercear: “compadecer-se, sentir compaixão”

[4] grave: “difícil, infeliz”

Nessa cantiga, o trovador espera que a dama tenha a cortesia de sentir compaixão por ele. Sofrendo, diz que foi infeliz o dia em que a conheceu e mais infeliz ainda o amor que por ela sentiu, tão difícil que não pode mais sofrer da coita, pois que há muito é sofredor. Sabe Deus que ele nunca mereceu esse sofrimento, sabe Deus que ele sempre ofereceu à dama o seu melhor e diz que ela é que quer vê-lo padecer, coitado pecador.

  • Cantigas de amigo

Embora compostas por trovadores homens, representam sempre uma voz feminina. É a dama quem vai expor seus sentimentos, sempre de maneira discreta, pois, para o contexto provençal, o valor mais importante de uma mulher é a discrição. A donzela dirige-se por vezes à sua mãe, a uma irmã ou amiga, ou ainda a um pastor ou alguém que encontre pelo caminho. Existem sete categorias de cantigas de amigo:

- as albas, que cantam o nascer do Sol;
- as bailias, que cantam a arte da dança;
- as barcarolas, de temática marítima;
- as pastoreias, de temática bucólica;
- as romarias, de celebração religiosa;
- as serenas, que cantam o pôr do Sol;
- as de pura soledade, que não se enquadram em nenhum dos temas anteriores.

Oy eu, coytada, como vivo em gran cuydado
por meu amigo que ey alongado!
Muito me tarda
o meu amigo na Guarda

Oy eu, coytada, como vivo em gran desejo
por meu amigo que tarda e non vejo!
Muyto me tarda
o meu amigo na Guarda

(D. Sancho I ou Alfonso X [autoria duvidosa], Cancioneiro da Biblioteca Nacional, B 456)

Nessa cantiga, verifica-se que a donzela também sofre as penosas dores do amor, da distância entre ela e o amado, oficial da guarda, que há muito não vê. Percebemos, entretanto, que o discurso amoroso é mais sutil, não é dirigido diretamente ao rapaz; trata-se de um lamento de saudade.

  • Cantigas satíricas

Destinam-se a ironizar ou difamar determinada pessoa. Existem dois tipos de cantigas satíricas: as de escárnio e as de maldizer.

  • Cantigas de escárnio

São mais irônicas e trabalham sobretudo com trocadilhos e palavras de duplo sentido, sem mencionar diretamente nomes. São críticas indiretas: é um “mal dizer” de maneira encoberta, insinuada.

Ai dona fea, fostes-vos queixar
que vos nunca louv'en[o] meu cantar;
mais ora quero fazer um cantar
em que vos loarei todavia;
e vedes como vos quero loar:
dona fea, velha e sandia!

Dona fea, se Deus mi perdom,
pois havedes [a]tam gram coraçom
que vos eu loe, em esta razom
vos quero já loar todavia;
e vedes qual será a loaçom:
dona fea, velha e sandia!

Dona fea, nunca vos eu loei
em meu trobar, pero muito trobei;
mais ora já um bom cantar farei
em que vos loarei todavia;
e direi-vos como vos loarei:
dona fea, velha e sandia!

(João Garcia de Gilhade, Cancioneiro da Biblioteca Nacional, B 1485 V 1097)

Nessa cantiga de escárnio, o trovador responde a uma dama que se teria queixado de nunca ter recebido dele nenhuma trova. Irônico, ele diz que fará, então, uma cantiga para louvá-la, chamando-a “dona feia, velha e louca [sandia]”.

  • Cantigas de maldizer

São aquelas em que os trovadores apontam direta e nominalmente o alvo de suas sátiras, de forma propositalmente ofensiva e fazendo uso de vocabulário grosseiro.

Da mulher vossa, ó meu Pero Rodrigues
Jamais creiais no mal que falam dela.
Pois bem sei eu que ela por vós mui zela,
Quem não vos quer vos traz somente intrigas!
Pois quando deitou ela em minha cama,
A mim mui bem de ti ela falava,
Se a mim deu o corpo, é a vós quem ela ama.

(Martim Soares, versão de Rodrigues Lapa, em Crestomatia arcaica)

Veja também: Humanismo: período de grande desenvolvimento da literatura

Cancioneiros

As cantigas do trovadorismo chegaram até nosso conhecimento pelo registro dos Cancioneiros. Trata-se de livros, geralmente manuscritos, que são compilados com as letras e, às vezes, notações musicais das canções, além de ilustrações. São três os principais Cancioneiros.

  • Cancioneiro da ajuda: compilação de textos do século XIII, foi descoberto na biblioteca do Colégio dos Nobres apenas no início do século XIX. Possui 310 cantigas, em sua maioria de lírica amorosa, e permaneceu inacabado, o que é perceptível por possuir iluminuras com as pinturas incompletas ou ainda apenas com o desenho traçado.
Folha do manuscrito do Cancioneiro da ajuda, conjunto de poemas escritos no século XII. [1]
Folha do manuscrito do Cancioneiro da ajuda, conjunto de poemas escritos no século XII. [1]
  • Cancioneiro da Biblioteca Nacional: manuscrito copiado na Itália no começo do século XVI, por inciativa do humanista Angelo Colocci, com base em outro manuscrito de origem medieval desconhecida. Contém 1560 poemas de cerca de 150 trovadores e menestréis galego-portugueses, compostos entre os séculos XII e XIV, nos gêneros lírica amorosa e sátira.
  • Cancioneiro da Vaticana: também copiado por Angelo Colocci, na Itália, recebe esse nome por ter sido encontrado na Biblioteca do Vaticano. É composto de 1205 cantigas, das quais 138 são de autoria de D. Dinis.

Resumo

  • Foi um movimento poético-musical;
  • Desenvolveu-se na Idade Média, entre os séculos XI e XIV;
  • As composições chamavam-se cantigas e eram geralmente acompanhadas de música e dança;
  • Cantigas de amor (cavaleiro declara amor e coita à dama);
  • Cantigas de amigo (sempre na voz feminina);
  • Cantigas de escárnio (ironia e crítica indireta); 
  • Cantigas de maldizer (ofensivas e diretas, citando nomes);
  • As cantigas chegaram aos nossos dias graças ao Cancioneiros;
  • Os trovadores oficiais tinham linhagem nobre, incluindo reis, mas havia também os jograis, nascidos nas camadas populares;
  • Apreciada pela corte, a obra trovadoresca foi importante instrumento de consolidação da cultura e do idioma português.

Crédito de imagem

[1] Palácio da Ajuda Nacional (Domínio público)/Commons

 

Por Luiza Brandino
Professora de Literatura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

BRANDINO, Luiza. "Trovadorismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/trovadorismo.htm. Acesso em 22 de setembro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(Mackenzie - 2005)

Assinale a afirmativa correta com relação ao Trovadorismo.

Texto I

Ondas do mar de Vigo,

se vistes meu amigo!

E ai Deus, se verrá cedo!

Ondas do mar levado,

se vistes meu amado!

E ai Deus, se verrá cedo!

Martim Codax

Obs.: verrá = virá levado = agitado.

Texto II

1. Me sinto com a cara no chão, mas a verdade precisa ser dita ao

2. menos uma vez: aos 52 anos eu ignorava a admirável forma lírica da

3. canção paralelística (...).

4. O “Cantar de amor” foi fruto de meses de leitura dos cancioneiros.

5. Li tanto e tão seguidamente aquelas deliciosas cantigas, que fiquei

6. com a cabeça cheia de “velidas” e “mha senhor” e “nula ren”;

7. sonhava com as ondas do mar de Vigo e com romarias a San Servando.

8. O único jeito de me livrar da obsessão era fazer uma cantiga.

Manuel Bandeira

a) Um dos temas mais explorados por esse estilo de época é a exaltação do amor sensual entre nobres e mulheres camponesas.

b) Desenvolveu-se especialmente no século XV e refletiu a transição da cultura teocêntrica para a cultura antropocêntrica.

c) Devido ao grande prestígio que teve durante toda a Idade Média, foi recuperado pelos poetas da Renascença, época em que alcançou níveis estéticos insuperáveis.

d) Valorizou recursos formais que tiveram não apenas a função de produzir efeito musical, como também a função de facilitar a memorização, já que as composições eram transmitidas oralmente.

e) Tanto no plano temático como no plano expressivo, esse estilo de época absorveu a influência dos padrões estéticos greco-romanos

Questão 2

(Mackenzie – SP)

Assinale a alternativa incorreta a respeito do Trovadorismo em Portugal.

a) Durante o Trovadorismo, ocorreu a separação entre poesia e a música.

b) Muitas cantigas trovadorescas foram reunidas em livros ou coletâneas que receberam o nome de cancioneiros.

c) Nas cantigas de amor, há o reflexo do relacionamento entre o senhor e vassalo na sociedade feudal: distância e extrema submissão.

d) Nas cantigas de amigo, o trovador escreve o poema do ponto de vista feminino.

e) A influência dos trovadores provençais é nítida nas cantigas de amor galego-portuguesas.

Mais Questões
Detalhe da escultura “Davi”, de Michelangelo, um dos ícones da arte do Renascimento
História Geral Renascimento
A valorização das luzes, movimentos e santos: pontos fundamentais da arte barroca.
História Geral Arte barroca
Literatura Humanismo
A literatura medieval teve grande avanço com a disseminação dos idiomas nacionais.
História Geral Literatura Medieval
O Humanismo fundamentou filosoficamente o movimento renascentista europeu
História Geral Humanismo renascentista
Os cavaleiros medievais seguiam um Código de conduta da Cavalaria
História Geral Cavalaria Medieval
O amor cortês desenvolveu-se por volta do século XII e destacou-se como um tipo de comportamento amoroso idealizador
História Geral Amor cortês medieval