Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Noémia de Sousa

Literatura

Noémia de Sousa é uma escritora moçambicana. Sangue negro é seu único livro e reúne a poesia escrita pela autora entre 1948 e 1951, ano em que ela se exilou em Portugal.
Capa do livro Sangue negro, de Noémia de Sousa, publicado pela editora Kapulana.[1]
Capa do livro Sangue negro, de Noémia de Sousa, publicado pela editora Kapulana.[1]
PUBLICIDADE

Noémia de Sousa (Carolina Noémia Abranches de Sousa) nasceu em 20 de setembro de 1926, no distrito de Catembe, em Moçambique. Mais tarde, em 1951, exilou-se em Lisboa, devido a perseguições políticas sofridas em seu país natal. Nessa época, já tinha escrito a sua obra poética, publicada, em 2001, no livro Sangue negro.

A mãe dos poetas moçambicanos, que morreu em 04 de dezembro de 2002, em Portugal, produziu textos de teor nacionalista, caracterizados pela composição em versos livres. Neles, prevalece a voz feminina e negra, a qual se empenha em destacar a cultura africana; mas, também, mostrar os problemas sociais de Moçambique.

Leia também: Paulina Chiziane – autora moçambicana cujas obras abordam o universo feminino

Resumo sobre Noémia de Sousa

  • A poetisa moçambicana Noémia de Sousa nasceu em 1926 e faleceu em 2002.

  • Sua poesia foi escrita entre 1948 e 1951, ano em que a escritora exilou-se em Portugal.

  • Os textos da autora são de cunho nacionalista e trazem uma voz feminina e negra.

  • Sua obra Sangue negro, de 2001, é o único livro publicado por Noémia de Sousa.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Biografia de Noémia de Sousa

Noémia de Sousa (Carolina Noémia Abranches de Sousa) nasceu em 20 de setembro de 1926, em Catembe, Moçambique. Morou nesse distrito até os seis anos de idade, quando foi viver em Lourenço Marques (atual Maputo). Antes, porém, com quatro anos de idade, aprendeu a ler e escrever com seu pai, um funcionário público que valorizava o conhecimento e a literatura.

Com oito anos de idade, a poetisa ficou órfã de pai. A mãe dela, então, precisou sustentar, sozinha, os seis filhos. Além dessa perda, a menina também precisou enfrentar o preconceito racial e, como relata a própria autora em uma entrevista, foi ridicularizada por um homem branco por estar lendo um livro, quando tinha aproximadamente dez anos de idade.

O fato de ter sido alfabetizada por seu pai foi um diferencial na vida da autora, pois, na época, as pessoas negras em Moçambique não tinham acesso à educação. E, apesar de Noémia ter conseguido ingressar em uma escola, segundo a própria escritora, ela era a única pessoa negra na instituição.

Mais tarde, com dezesseis anos, depois de trabalhar durante o dia, a escritora estudava, à noite, na Escola Técnica, onde cursava Comércio. Além disso, publicou seu primeiro poema — “Canção fraterna” — no Jornal da Mocidade Portuguesa. Escreveu também para o semanário O Brado Africano.

Ela assinava seus textos apenas com iniciais e acabava surpreendendo aqueles que descobriam ser ela a autora. Assim, sua participação no Movimento de Unidade Democrática Juvenil (MUDJ), suas amizades com certos intelectuais, além de seus textos e pensamentos considerados subversivos, levaram a autora a ser monitorada pela Polícia Internacional de Defesa do Estado (PIDE).

Por isso, em 1951, ela exilou-se em Lisboa. Ao sair de Moçambique, encerrou sua carreira como poetisa. No entanto, em 1986, escreveu um poema em homenagem ao presidente moçambicano Samora Machel (1933-1986), por ocasião de sua morte, intitulado 19 de Outubro.

Antes, porém, em 1962, ela casou-se com o poeta Gualter Soares, com quem teve uma filha. E, por volta de 1964, fugindo da ditadura em Portugal, foi viver na França, onde trabalhou como jornalista. Mas, em 1973, voltou a Portugal e passou a trabalhar na agência Reuters.

Apesar de a autora não ter livros publicados, seus textos poéticos eram famosos e divulgados a partir da publicação de antologias de poesia moçambicana. Desse modo, Noémia de Sousa, por sua obra literária e suas ideias, era bastante conhecida quando morreu em 04 de dezembro de 2002, em Lisboa.

Leia também: Conceição Evaristo – considerada um grande expoente da literatura contemporânea

Características da obra de Noémia de Sousa

A poetisa Noémia de Sousa é considerada a mãe dos poetas moçambicanos. Quase todas as suas poesias, com exceção de uma, foram escritas em apenas três anos, de 1948 a 1951. E apresentam as seguintes características:

  • Versos livres.

  • Aspecto nacionalista.

  • Crítica sociopolítica.

  • Prevalência da voz feminina.

  • Afirmação da negritude.

  • Exaltação da cultura africana.

  • Traços do gênero narrativo.

  • Caráter intimista e memorialístico.

  • Forte emotividade.

  • Elementos nostálgicos.

  • Adjetivação e exclamação abundantes.

  • Uso recorrente de anáfora e aliteração.

  • Presença de parataxe e apóstrofe.

  • Temáticas:

    • infância;

    • esperança;

    • injustiça;

    • opressão;

    • cotidiano do subúrbio.

Obras de Noémia de Sousa

Sangue negro é o único livro de Noémia de Sousa, publicado em 2001, pela Associação dos Escritores Moçambicanos. Entre os poemas constantes dessa publicação, merecem destaque:

  • “Nossa voz”.

  • “Súplica”.

  • “Se me quiseres conhecer”.

  • “Deixa passar o meu povo”.

  • “Negra”.

  • “Samba”.

  • “O homem morreu na terra do algodão”.

  • “Poema de João”.

  • “Poema a Jorge Amado”.

  • “Sangue Negro”.

  • “Quero conhecer-te África”.

Veja também: Os melhores poemas de Mia Couto

Poemas de Noémia de Sousa

No poema “Se me quiseres conhecer”, escrito em 1949, a voz poética diz para seu interlocutor — possivelmente, o(a) leitor(a) — o que ele deve fazer para conhecer e compreender o eu lírico, que se compara a um “pau preto” talhado e trabalhado por um irmão da etnia maconde.

A escultura é assim descrita — órbitas vazias de desespero, boca rasgada pela angústia, mãos grandes, corpo com feridas visíveis e invisíveis provocadas pela escravidão, torturada, altiva e mística —, de forma a confundir-se com a própria África, caracterizada pelos “gemidos dos negros no cais”, batuques, rebeldia, melancolia e esperança:

Se me quiseres conhecer,
estuda com os olhos bem de ver
esse pedaço de pau preto
que um desconhecido irmão maconde
de mãos inspiradas
talhou e trabalhou
em terras distantes lá do Norte.

Ah, essa sou eu:
órbitas vazias no desespero de possuir a vida,
boca rasgada em feridas de angústia,
mãos enormes, espalmadas,
erguendo-se em jeito de quem implora e ameaça,
corpo tatuado de feridas visíveis e invisíveis

pelos chicotes da escravatura…
Torturada e magnífica,
altiva e mística,
África da cabeça aos pés,
— ah, essa sou eu:

Se quiseres compreender-me
vem debruçar-te sobre minha alma de África,
nos gemidos dos negros no cais
nos batuques frenéticos dos muchopes
na rebeldia dos machanganas
na estranha melancolia se evolando
duma canção nativa, noite dentro...

E nada mais me perguntes,
se é que me queres conhecer…
Que não sou mais que um búzio de carne,
onde a revolta de África congelou
seu grito inchado de esperança.

no poema “Sangue Negro”, também de 1949, o eu lírico dirige-se à África, a qual ele chama de “minha Mãe”. E fala do período em que esteve afetivamente distante dela. O eu lírico feminino pede perdão à Mãe África por ter se mantido alheio e reconhece que, em sua alma, o seu sangue negro e africano “é mais forte que tudo”:

Ó minha África misteriosa e natural,
minha virgem violentada,
minha Mãe!

Como eu andava há tanto desterrada,
de ti alheada
distante e egocêntrica
por estas ruas da cidade!
engravidadas de estrangeiros

Minha Mãe, perdoa!

Como se eu pudesse viver assim,
desta maneira, eternamente,
ignorando a carícia fraternamente
morna do teu luar
(meu princípio e meu fim)...
Como se não existisse para além
dos cinemas e dos cafés, a ansiedade
dos teus horizontes estranhos, por desvendar...
Como se nos teus matos cacimbados
não cantassem em surdina a sua liberdade,
as aves mais belas, cujos nomes são mistérios ainda fechados!

[...]

À tua filha tresvairada,
abre-te e perdoa!

[...]

Mãe, minha Mãe África
das canções escravas ao luar,
não posso, não posso repudiar
o sangue negro, o sangue bárbaro que me legaste...
Porque em mim, em minha alma, em meus nervos,
ele é mais forte que tudo,
eu vivo, eu sofro, eu rio através dele, Mãe!

Crédito da imagem

[1] Editora Kapulana (reprodução)

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Noémia de Sousa"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/noemia-de-sousa.htm. Acesso em 17 de outubro de 2021.

Artigos Relacionados
Saiba quem foi Carolina Maria de Jesus. Conheça suas principais obras e veja por que seu livro Quarto de despejo fez tanto sucesso.
Entenda a importância do trabalho literário e teórico de Conceição Evaristo. Leia sua biografia, a lista de suas principais obras e exemplos de poemas.
Quantos escritores negros você conhece? Entenda o conceito de literatura negra e leia poemas e trechos de grandes autores negros brasileiros em diversos períodos.
Conheça o escritor moçambicano Mia Couto. Saiba quais são as características de suas principais obras e, além disso, veja algumas frases desse autor.
Saiba quem é a escritora moçambicana Paulina Chiziane. Veja quais são as principais características de suas obras. Além disso, conheça seu livro mais famoso.
Saiba quem é Pepetela, importante nome da literatura angolana contemporânea. Veja quais prêmios ele ganhou. Conheça as características de suas obras.