Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Arthur Conan Doyle

Arthur Conan Doyle foi um escritor escocês cujas obras fazem parte do período vitoriano da literatura inglesa. Foi o criador do famoso detetive Sherlock Holmes.

O escritor Arthur Conan Doyle por volta de 1920.
O escritor Arthur Conan Doyle por volta de 1920.
Crédito da Imagem: Shutterstock.com
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Arthur Conan Doyle foi um famoso autor escocês. Ele nasceu na cidade de Edimburgo, em 22 de maio de 1859. Mais tarde, estudou em colégio de jesuítas, fez faculdade de medicina, trabalhou como médico e ficou conhecido ao criar histórias com o excêntrico detetive Sherlock Holmes.

 O escritor, que faleceu em 7 de julho de 1930, em Crowborough, na Inglaterra, foi um dos principais autores do período vitoriano da literatura inglesa. Suas principais obras são narrativas policiais que valorizam a razão e o intelecto. O romancista também escreveu livros de ficção científica e obras sobre o espiritismo.

Leia também: 1984 — qual é a mensagem do romance mais famoso de George Orwell?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Arthur Conan Doyle

  • Arthur Conan Doyle foi um escritor escocês, nasceu em 1859 e faleceu em 1930.

  • Além de romancista e contista, Doyle também trabalhou como médico.

  • Suas principais obras são narrativas policiais que valorizam a ciência e a razão.

  • Seu personagem mais famoso é o excêntrico detetive Sherlock Holmes.

  • O autor também escreveu ficção científica, como o livro O mundo perdido.

Biografia de Arthur Conan Doyle

Arthur Conan Doyle nasceu em 22 de maio de 1859, em Edimburgo, na Escócia. Com oito anos de idade, foi estudar em um colégio interno. Tinha uma relação muito estreita com a mãe, de origem irlandesa, e lhe escrevia muitas cartas. Já o pai do autor sofria de alcoolismo e epilepsia, o que o fez ficar desempregado.

A mãe do autor então se viu responsável pelo sustento da família, e alugava quartos para conseguir alguma renda. A família também recebia ajuda dos tios do autor. Com 16 anos de idade, o jovem Arthur ingressou em um colégio jesuíta, onde permaneceu durante um ano. Em 1876, iniciou a faculdade de medicina na Universidade de Edimburgo. Nessa época, abandonou o catolicismo e se tornou agnóstico.

Em 1880, trabalhou como médico assistente em um baleeiro que atuava no Ártico. Nessa viagem, adquiriu malária e também caçou baleias. Formado, em 1881, foi viver em Portsmouth, na Inglaterra, onde trabalhou como médico. Sua primeira publicação literária ocorreu em 1884, na revista The Cornhill.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nesse ano, casou-se com Louisa Hawkins (1857-1906). Por essa época, foi convocado para o serviço médico no exército britânico. Mais tarde, iniciou curso de oftalmologia em Viena, no ano de 1890, mas logo desistiu. O escritor só passou a ser conhecido em 1891, quando publicou o conto “Um escândalo na boemia”, na revista The Strand.

A partir de então, abandonou a profissão de médico e passou a viver da escrita. O sucesso do personagem Sherlock Holmes foi imenso, mas o autor decidiu matar seu protagonista. Os leitores protestaram, de forma que Doyle ressuscitaria o detetive em 1903. Quando a esposa do romancista adquiriu tuberculose, eles foram para o Egito, em 1895.

Na ocasião, o autor foi correspondente de guerra para o The Westminster Gazette. Depois de voltar à Inglaterra, foi para a África do Sul, em 1900, para atuar como médico, durante a guerra. Depois do conflito, para defender os britânicos das críticas, escreveu o artigo A guerra na África do Sul. Por isso, recebeu o título de Sir no ano de 1902.

Em 1906, tentou sua segunda candidatura ao Parlamento (a primeira fora em 1900), mas novamente sem sucesso. Após o falecimento da esposa, em 1906, Conan Doyle se casou novamente, em 1907, com Jean Leckie (1874-1940), por quem já era apaixonado quando ainda era casado com Louisa.

Com a nova esposa, o autor se mudou para Crowborough. Em 1916, participou da Primeira Guerra Mundial. Nesse ano, converteu-se ao espiritismo e passou a estudar os fenômenos espíritas. O autor faleceu, devido a uma doença coronária, em 7 de julho de 1930, em Crowborough, na Inglaterra.

Veja também: Jane Austen — tudo sobre a vida da célebre autora de Orgulho e preconceito

Características da obra de Arthur Conan Doyle

As principais obras de Conan Doyle são narrativas policiais, as quais apresentam estas características:

  • enaltecimento da razão;

  • solução de crimes;

  • linguagem científica;

  • caráter aventuresco;

  • elementos do período vitoriano;

  • valorização do intelecto;

  • culto à inteligência;

  • realismo;

  • crítica à superstição;

  • antirromantismo.

Além disso, é preciso ressaltar que o autor também escreveu ficção científica, como o livro O mundo perdido, além de obras sobre o espiritismo.

Obras de Arthur Conan Doyle

Romance

  • Um estudo em vermelho (1887)

  • Micah Clarke (1889)

  • O signo dos quatro (1890)

  • O cão dos Baskervilles (1902)

  • O mundo perdido (1912)

  • O cinto venenoso (1913)

  • O vale do medo (1915)

  • A terra da bruma (1926)

Contos

  • As aventuras de Sherlock Holmes (1892)

  • As memórias de Sherlock Holmes (1894)

  • A volta de Sherlock Holmes (1905)

  • O último adeus de Sherlock Holmes (1917)

  • O livro de casos de Sherlock Holmes (1927)

Sherlock Holmes, personagem de Arthur Conan Doyle

Estátua de Sherlock Holmes em Londres. O personagem de Arthur Conan Doyle fez um enorme sucesso.
Estátua de Sherlock Holmes em Londres. O personagem de Arthur Conan Doyle fez um enorme sucesso.

O detetive Sherlock Holmes foi criado por Arthur Conan Doyle, no final do século XIX. A inspiração para o personagem foi um professor do autor, de quando Doyle estudava medicina, chamado Joseph Bell (1837-1911). O personagem é frio, avesso a emoções e com uma invejável capacidade lógica, intelectual e dedutiva.

O endereço do herói é 221B Baker Street, em Londres. O melhor amigo do detetive é Watson. Já seu arqui-inimigo é o professor Moriarty. A data de nascimento de Sherlock Holmes é imprecisa, provavelmente entre 1852 e 1854. O detetive não tem crenças e defende a razão, a ciência e o poder de dedução.

A imagem clássica do personagem é um homem racional, misterioso, com um sobretudo preto e uma lupa. A sua inteligência incrível é aliada ao poder de observação do personagem. Ele detém conhecimento científico, forense e de química. É um homem excêntrico, arrogante, cheio de autoconfiança, usuário de cocaína e apreciador do violino.

Saiba mais: Edgar Allan Poe — um dos maiores autores de contos de terror do mundo

Frases de Arthur Conan Doyle

A seguir, vamos ler algumas frases de Arthur Conan Doyle, retiradas de suas obras O signo dos quatro, As aventuras de Sherlock Holmes e O vale do medo:

  • “Quando você elimina o impossível, o que resta, por mais improvável que seja, deve ser a verdade.”

  • “Eu nunca abro exceções; a exceção invalida a regra.”

  • “A lógica salva você do tédio.”

  • “Se a mediocridade não reconhece nada superior a si mesma, a excelência reconhece imediatamente o verdadeiro gênio.”

Curiosidades sobre Arthur Conan Doyle

  • O autor escreveu sua primeira história com quatro anos de idade: trinta e seis palavras sobre um tigre e um caçador.

  • Arthur Conan Doyle era fã do detetive Auguste Dupin, criado pelo escritor estado-unidense Edgar Allan Poe (1809-1849).

  • Com 14 anos de idade, Conan Doyle lia livros de Júlio Verne (1828-1905), em francês.

  • As primeiras histórias de Holmes foram publicadas na revista The Strand, com ilustrações de Sidney Paget (1860-1908), que usou o irmão, Walter (1862-1935), como modelo, de forma que Walter Paget passou a ser reconhecido nas ruas de Londres.

  • O romancista escreveu livros sobre o espiritismo, tais como: Nova revelação (1918), Mensagem vital (1919) e História do espiritismo (1926).

Fontes

DIOGO, Ana Cristina Antunes Serigado de Oliveira. A relação racionalismo vs sobrenatural nas obras de Sir Arthur Conan Doyle: The hound of the Baskervilles e “The Sussex vampire”. 2007. Dissertação (Mestrado em Estudos Ingleses) – Universidade Aberta, Lisboa, 2007.

LE FIGARO. Arthur Conan Doyle a dit... Disponível em: http://evene.lefigaro.fr/citations/arthur-conan-doyle.

MATOS, Francis Raime Zagury. Sherlock Holmes em tom maior: o efeito da música em Um estudo em rosa, primeiro episódio da série televisiva Sherlock da BBC. 2020. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária) – Centro Universitário Campos de Andrade, Curitiba, 2020.    

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Arthur Conan Doyle"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/arthur-conan-doyle.htm. Acesso em 21 de junho de 2024.

De estudante para estudante