Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Virginia Woolf

Virginia Woolf foi uma escritora modernista inglesa. Suas obras são caracterizadas, principalmente, pelo monólogo interior. Um de seus livros mais famosos é “Mrs. Dalloway”.

Virginia Woolf, em 1902, retratada por George Charles Beresford (1864-1938).
Virginia Woolf, em 1902, retratada por George Charles Beresford (1864-1938).
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Virginia Woolf (Adeline Virginia Stephen) nasceu em 25 de janeiro de 1882, em Londres, uma cidade inglesa. Se casou com Leonard Woolf, de quem herdou o sobrenome e com quem fundou a editora Hogarth Press. Porém, desde os seus 13 anos de idade, ela precisou lidar com profundas crises depressivas.

A escritora, que se suicidou em 28 de março de 1941, em Londres, faz parte do modernismo britânico. Seus textos são caracterizados pelo monólogo interior e apresentam caráter feminista. Uma de suas obras mais conhecidas é o romance Mrs. Dalloway, além do ensaio Um teto todo seu.

Saiba mais: William Shakespeare — outro importante autor inglês

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Virginia Woolf

  • A autora inglesa Virginia Woolf nasceu em 1882 e faleceu em 1941.

  • Além de escritora, também trabalhou como professora voluntária de História e Literatura.

  • A obra de Woolf é caracterizada pelo monólogo interior e reflexões existenciais.

  • A escritora é um dos principais nomes do modernismo britânico.

  • Mrs. Dalloway é um dos mais conhecidos romances de Virginia, que também publicou o ensaio feminista Um teto todo seu.

Biografia de Virginia Woolf

Virginia Woolf (Adeline Virginia Stephen) nasceu em 25 de janeiro de 1882, em Londres, na Inglaterra. Era filha do segundo casamento de Julia Stephen (1846-1895), com o jornalista Leslie Stephen (1832-1904). Assim como seus irmãos, foi educada em casa, por tutores.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Sua casa tinha uma biblioteca, e seus pais sempre recebiam a visita de artistas e intelectuais. Assim, a romancista cresceu em um ambiente propício a despertar o seu interesse pelos livros. Tinha nove anos de idade quando criou um jornal, que circulava no ambiente familiar: Hyde Park Gate News.

Porém, sofreu abuso sexual cometido por um meio-irmão, segundo relata em Momentos de vida. Quando a mãe faleceu, em 1895, a escritora teve sua primeira crise de depressão. A autora passou por mais uma crise depressiva quando o pai faleceu, em 1904. Nessa ocasião, foi amparada por Violet Dickinson (1865-1948), com quem mantinha uma forte amizade e se correspondia desde 1902.

Suas cartas demonstram, muitas vezes, um teor homoerótico. Por intermédio dela, Virginia começou a publicar artigos em periódicos como o The Guardian a partir de 1905. Nesse ano, também passou a trabalhar, voluntariamente, como professora de História e Literatura no Morley College uma vez por semana, durante três anos.

Em 1906, Woolf, em companhia da irmã e de dois irmãos, viajou à Grécia, onde o irmão Thoby (1880-1906) contraiu tifo e morreu logo depois em Londres. O casamento com o teórico Leonard Woolf (1880-1969), com quem mantinha forte amizade, ocorreu em 1912. O casal não tinha relações sexuais, mas possuía uma relação de companheirismo e troca intelectual.

Em 1915, Woolf publicou seu primeiro romance: A viagem. Já em 1917, Virginia e o marido fundaram a editora Hogarth Press. Mais tarde, em 1925, ela experimentou o sucesso literário com a publicação de Mrs. Dalloway. Nesse ano, conheceu a poetisa Vita Sackville-West (1892-1962), que se tornou sua amante e a inspirou a escrever o romance Orlando.

Na década de 1930, Virginia era uma escritora conceituada e dava palestras frequentemente. Contudo, ainda era acometida pelas crises depressivas. E sempre teve o apoio de seu marido. Porém, a escritora cometeu suicídio, no rio Ouse, em 28 de março de 1941, quando o país estava sofrendo com a Segunda Guerra Mundial.

Obras de Virginia Woolf

Romance

  • A viagem (1915)

  • Noite e dia (1919)

  • O quarto de Jacó (1922)

  • Mrs. Dalloway (1925)

  • Ao farol (1927)

  • Orlando: uma biografia (1928)

  • As ondas (1931)

  • Flush: uma biografia (1933)

  • Os anos (1937)

  • Entre os atos (1941)

Contos

  • Segunda ou terça (1921)

  • A casa assombrada e outros contos (1944)

  • A festa de Mrs. Dalloway (1973)

  • A viúva e o papagaio (1982)

  • A casa de Carlyle e outros esboços (2003)

Biografia

  • Roger Fry: uma biografia (1940)

Autobiografia

  • Os diários de Virginia Woolf (1897-1941)

  • Momentos de vida (1976)

Veja também:

Mrs. Dalloway

Capa do livro Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf, publicado pela editora Companhia das Letras.
Capa do livro Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf, publicado pela editora Companhia das Letras.

O romance Mrs. Dalloway é um dos mais conhecidos de Virginia Woolf. Ele relata fatos e pensamentos ocorridos em um dia da vida da senhora Clarissa Dalloway, casada com Richard Dalloway. O narrador analisa a fundo essa personagem, fruto de uma rica família e criada para o casamento e os cuidados do lar. Assim como em outras obras da autora, não são os fatos o que mais importa, mas o mundo interior dos personagens.

Principalmente da senhora Dalloway, cujo fluxo de consciência revela o seu íntimo e suas inquietações. De qualquer forma, a ação se passa em Londres, em um dia em que Clarissa está ocupada na preparação de uma festa. A ação principal consiste no caminho que a senhora Dalloway percorre para comprar flores e decorar o ambiente da festa.

Desse modo, são expostos os pensamentos da protagonista, mas também de outro personagem central, isto é, Septimus Warren Smith, ex-soldado da Primeira Guerra Mundial. Ele enfrenta problemas psiquiátricos causados pelos traumas de guerra e possui a lembrança e a saudade de Evans, um amigo morto na guerra, por quem ele, possivelmente, era apaixonado.

Ao voltar da floricultura, Clarissa recebe a visita de um antigo namorado: Peter Walsh. Isso faz a senhora Dalloway relembrar da rebelde amiga Sally Seton, por quem foi apaixonada na juventude. Mas agora Clarissa apenas vive uma monótona vida imposta pela classe social a que pertence e é mãe da jovem e distante Elizabeth.

Durante a festa de Clarrisa, à qual Peter comparece, Lady Bradshaw fala do suicídio de Septimus, paciente de seu marido. Esse toque de realidade na festa burguesa, cheia de pessoas superficiais, é a única ligação que a senhora Dalloway tem com Septimus, a quem não conheceu. Ele foi consumido pela loucura, enquanto ela, pela normalidade.

Um teto todo seu

O texto Um teto todo seu é um ensaio feminista de Virginia Woolf que expõe o caráter dominador masculino e a situação de opressão em que, historicamente, a mulher está inserida. Nesse sentido, mostra a ausência da mulher no debate sociopolítico e a importância da sua presença nas discussões sociais.

A questão da independência econômica da mulher também é discutida nesse artigo, de forma que sua liberdade dependeria disso. A mulher escritora é o principal foco das reflexões de Woolf, além da literatura como um todo. Para Woolf, uma mulher precisa ter “um teto todo seu”, ou seja, independência financeira, para ser uma escritora.

Características da obra de Virginia Woolf

Virginia Woolf é uma autora modernista, e sua obra apresenta as seguintes características:

  • protagonismo feminino;

  • reflexão sobre o papel social da mulher;

  • traços autobiográficos;

  • crítica social;

  • fragmentação;

  • homoerotismo;

  • caráter irônico e metafórico;

  • questões de gênero e identidade;

  • análise da estrutura familiar;

  • elementos do cotidiano;

  • revisão histórica;

  • análise psicológica;

  • linguagem lírica;

  • monólogo interior.

Legado e importância de Virginia Woolf

Virginia Woolf, uma das mulheres mais inteligentes do século XX, tem uma importância não só literária, mas também política. No campo literário, a autora inovou ao criar romances centrados no monólogo interior e na profunda reflexão existencial. Características, aliás, que, mais tarde, vão estar presentes na obra da escritora brasileira Clarice Lispector (1920-1977).

No âmbito político, foi uma das principais feministas do século XX. Além de seus ensaios, seus romances serviram para fazer uma reflexão sobre o lugar ocupado pela mulher na sociedade. Atualmente, é uma personagem histórica importante não só para a literatura mundial, mas também para o movimento feminista e LGBTQIA+.

Saiba também: Clarice Lispector — autora cuja escrita é marcada pelas questões psicológicas

Frases de Virginia Woolf

A seguir, vamos ler algumas frases de Virginia Woolf, retiradas de suas obras Orlando, Entre atos, Um teto todo seu e Ao farol:

“A vida é um sonho, é o despertar que nos mata.”

“Todos os segredos da alma de um autor, todas as suas experiências, todas as qualidades de sua mente estão gravadas em sua obra.”

“Há pessoas que realmente têm dons, o problema é encontrá-los.”

“Impossível pensar bem, amar bem, dormir bem se não se comeu.”

“Feche suas bibliotecas com cadeado, se desejar, mas você não poderá afixar na liberdade de consciência nem porta, nem cadeado.”

“Uma luz aqui requer uma sombra ali.”

Curiosidades sobre Virginia Woolf

  • O livro As horas (1998, vencedor do Pulitzer e também adaptado para o cinema), do escritor estadunidense Michael Cunningham, realiza um diálogo intertextual com o romance Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf.

  • Em 1904, Virginia e seus irmãos criaram o grupo de Bloomsbury, que, mais tarde, passou a ser integrado também por artistas e intelectuais que frequentavam a casa dos Stephen. O interesse pela relação entre os integrantes desse grupo começou a partir dos anos 1960.

  • Foi por meio desse grupo, inicialmente localizado no bairro Bloomsbury, onde viviam os Stephen, que Virginia conheceu seu futuro marido Leonard Woolf.

  • A obra Um teto todo seu foi considerada um dos 100 livros do século pelo jornal francês Le Monde.

  • Virginia Woolf não apreciou o hoje clássico e famoso romance Ulisses, de James Joyce, e recusou publicar a obra em sua editora.

 

Por Warley Souza
Professor de Literatura

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Virginia Woolf"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/literatura/virginia-woolf.htm. Acesso em 21 de maio de 2024.

De estudante para estudante