Argentina

A Argentina é um país sul-americano situado na porção meridional do continente. Possui 45 milhões de habitantes e tem os Andes como fronteira natural com o Chile.

A Argentina é um país localizado na América do Sul e tem como capital a cidade de Buenos Aires. Possui mais de 2,7 milhões de km² de extensão, sendo assim o segundo maior do subcontinente. O território argentino apresenta grande variedade paisagística e climática, com destaque para uma parcela da Cordilheira dos Andes, a oeste, e a extensa região da Patagônia, ao sul.

A Argentina tem mais de 45 milhões de habitantes, que desfrutam de boa qualidade de vida, e a segunda maior economia da América do Sul. O país é um grande produtor de soja, trigo e carne bovina, que são alguns de seus principais produtos de exportação.

Veja também: Bandeira da Argentina — um dos símbolos nacionais mais importantes do país

Resumo sobre a Argentina

Dados gerais sobre a Argentina

Etimologia de Argentina

Antes de estabelecer seu nome como hoje o conhecemos oficialmente, o país era chamado, no século XVI, de Terra Argentea, que fazia referência à “terra ao lado Rio Prateado [da Prata]”. A palavra Argentina tem origem no termo em latim argentum, que significa prata.|1|

Mapa da Argentina

Mapa da Argentina.

Geografia da Argentina

A Argentina é um país da América do Sul, situado na porção mais meridional do subcontinente sul-americano. Com área superficial de 2.796.427 km², é o segundo maior país da região. O território argentino é banhado a leste pelo oceano Atlântico e faz fronteira com cinco países:

O país apresenta 3800 km de extensão norte-sul, o que afeta diretamente a distribuição de climas em seu território. No extremo sul da Argentina está localizado o arquipélago da Terra do Fogo, cuja maior parcela pertence ao território chileno, e é onde se situa o encontro dos oceanos Atlântico e Pacífico.

→ Clima da Argentina

Devido à sua ampla extensão latitudinal, a Argentina experimenta diversos tipos de clima. Além disso, seu território fica na zona intertropical do planeta, predominando a ocorrência de climas mais amenos. Os principais tipos climáticos presentes no país são:

O clima tropical ocorre nas terras ao norte da Argentina, predominando temperaturas relativamente elevadas e chuvas abundantes entre o final da primavera e o verão. As áreas de clima temperado compreendem boa parcela do território argentino. Nelas, as temperaturas são amenas (entre 8 °C e 24 °C), e as chuvas são bem distribuídas durante o ano. Sobretudo nos pampas, observa-se a formação de geadas no inverno.

Na região da Patagônia, no centro-sul do país, predomina o clima árido, em função do baixo teor de umidade e chuvas escassas durante o ano. Tal característica é explicada pela presença da Cordilheira dos Andes, a oeste, que atua como uma barreira orogenética, impedindo que a umidade dos ventos que sopram do lado ocidental cheguem até as localidades a leste. Nessa região, as temperaturas são muito baixas e os ventos são bastante secos. Destaca-se a presença de neve nos picos mais elevados, especialmente nos Andes.

→ Relevo da Argentina

Vista do Monte Fitz Roy, que fica na região montanhosa da Patagônia, na fronteira entre a Argentina e o Chile.
Vista do Monte Fitz Roy, que fica na região montanhosa da Patagônia, na fronteira entre a Argentina e o Chile.

O relevo da Argentina é formado:

A elevação média na Argentina é de 595 metros. Por outro lado, seu pico mais elevado é também o maior da América do Sul. Trata-se do Aconcágua, nos Andes, situado a 6.969 metros acima do nível do mar.

Saiba mais: Monte Everest — montanha onde se encontra o ponto mais alto do mundo

→ Vegetação da Argentina

A cobertura vegetal da Argentina é muito diversa. Os terrenos mais elevados são recobertos por bosques e vegetação de altitude, e a cobertura vegetal, de modo geral, é formada:

 → Hidrografia da Argentina

O maior lago do país é compartilhado com o Chile e, em sua parcela argentina, recebe o nome de lago Buenos Aires. Além disso, grande parte do norte e nordeste da Argentina está inserida na Bacia Plantina, uma das bacias hidrográficas mais importantes da América do Sul. Dentre os principais rios que banham o território argentino, estão:

Saiba também: Bacia Amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo

Demografia da Argentina

A Argentina é o terceiro país mais populoso da América do Sul. Seu contingente populacional é, hoje, de 45.606.000 habitantes, conforme os dados das Nações Unidas. O país apresenta, em contrapartida, uma densidade demográfica (distribuição da população em uma determinada área) bastante baixa, de 16,7 hab./km², sendo seu território classificado como pouco povoado.

Isso ocorre porque a população não se encontra bem distribuída pelo país, e a maioria dos argentinos vive na capital ou próximo a ela. Nas áreas ao sul, principalmente na região da Patagônia, a população é escassa.

Mais de 92% dos argentinos vivem nas cidades, o que torna a Argentina um país urbanizado. Um terço da sua população, aproximadamente, está concentrada na capital, Buenos Aires. A cidade tem um contingente de 15.057.300 habitantes. Outras grandes cidades argentinas são Córdoba e Rosário, com 1,5 milhão de pessoas cada, Mendonza e São Miguel, ambas também com mais de 1 milhão de habitantes.

A taxa de crescimento da população argentina é de 0,84% ao ano, menor do que a média mundial, e tem caído rapidamente. Isso porque o número de nascimentos já é menor do que o número de mortes, ao mesmo tempo que a emigração supera a migração. A idade mediana da população da Argentina é de 32,4 anos, e esse valor vai se tornando cada vez maior à medida que decorre o processo de envelhecimento populacional. Hoje, a expectativa de vida no país é de 78 anos.

Leia também: Venezuela — país sul-americano com população bastante miscigenada

Economia da Argentina

A economia da Argentina é a segunda maior da América do Sul. O país registrou recentemente um Produto Interno Bruto (PIB) de 483 bilhões de dólares, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), além de seu PIB per capita superar os 10 mil dólares.

A Argentina é um dos membros fundadores do Mercosul, bloco econômico fundado em 1991 que reúne membros e observadores (estes não necessariamente do continente sul-americano) em uma união aduaneira, caracterizada pela criação de uma zona de livre comércio e a ação de uma Tarifa Externa Comum.

O setor terciário responde pela maior parcela do PIB argentino, além de concentrar 66% da mão de obra. O parque industrial do país, que compreende as atividades do setor secundário, é amplo e diversificado. Dentre as principais indústrias argentinas estão a alimentícia e a de bebidas, com destaque para as produções:

No entanto, a agropecuária é o principal ramo produtivo da Argentina. Além disso, os produtos derivados da agricultura compõem a maior parte da cesta de exportações do país, em especial:

O país é, ainda, grande produtor de cana-de-açúcar, uva, batata, semente de girassol e cevada. Na pecuária, a Argentina se destaca como produtora de carne bovina e leite.

O setor primário é responsável pela exploração de recursos naturais, que no caso argentino são:

→ Videoaula sobre o Mercosul

História da Argentina

Em relação à região correspondente à atual Argentina, seu território era habitado por nativos quando os primeiros europeus lá chegaram, liderados pelo espanhol Juan Díaz de Solís, o que ocorreu ainda na primeira metade do século XVI.

Duas décadas após as primeiras expedições, no ano de 1536, foi fundada a cidade de Buenos Aires, sob o nome de Ciudad del Espíritu Santo e Puerto de Santa María del Buen Ayre. Diz-se, no entanto, que a futura capital argentina foi fundada duas vezes, pois em 1580 ela foi definitivamente estabelecida enquanto assentamento e ponto importante de chegada de imigrantes europeus nas décadas e séculos posteriores.

Até o final do século XVIII, a Argentina era parte do vice-reino do Peru, que consistia em uma colônia da Espanha. Em 1717, ele começou a se desmembrar, e, mais tarde, em 1776, foi criado o vice-reino do Rio da Prata. A independência desse novo território foi conquistada pouco tempo depois, em 1816.

Com isso, o território passou a se chamar Províncias Unidas do Rio da Prata, deixando assim o domínio espanhol depois de um período de seis anos de disputas. A Argentina foi o último país a se desvincular ainda naquele ano e se tornar uma nação independente.

É importante destacar a ocorrência da Guerra da Cisplatina, entre 1825 e 1828, um conflito entre o Império do Brasil e as Províncias Unidas do Rio da Prata pelo controle da Cisplatina, que hoje é o atual Uruguai, o qual se tornou independente.

O século XIX foi marcado ainda pela promulgação de uma constituição no país e pela intensa corrente migratória europeia que adentrou o território argentino a partir da década de 1860. O maior número de migrantes tinha origem espanhola. Muitas instabilidades econômicas e sobretudo políticas caracterizaram a história da Argentina durante todo o século XX.

A década de 1930 foi conhecida como Década Infame, quando ocorreu o primeiro golpe militar do país. Dezesseis anos depois, houve outro marco na historiografia política argentina, com a chegada de Juan Domingo Perón ao poder, inaugurando a era do peronismo, período da história do país em que Perón foi presidente.

Em 1955, Perón foi deposto, mas voltou ao cargo de presidente no ano de 1973. Seguindo o que ocorreu em outros países sul-americanos no período, a Argentina esteve sob uma ditadura militar entre 1976 e 1982, marcada pela escalada de violência e precarização da economia.

O país voltou a ser uma democracia em 1983, após perder para o Reino Unido uma disputa territorial pelas ilhas Malvinas. Os anos subsequentes a 1990 foram marcados por uma intensa crise econômica e posterior recuperação, cenário que se repetiu nos anos 2020.

Acesse também: Ditaduras latino-americanas — a série de regimes ocorridos no subcontinente

Cultura da Argentina

A cultura argentina é formada por elementos das culturas dos povos nativos sul-americanos e europeus, principalmente. Cerca de 97% da população da Argentina têm alguma herança europeia, ao passo que os indígenas e descendentes de africanos representam, respectivamente, 2,4% e 0,4% dos moradores daquele país. A língua oficial é o espanhol, e a religião que apresenta o maior número de adeptos é a católica romana, seguida dos evangélicos.

Uma das principais formas de expressão cultural na Argentina é a música. O país é internacionalmente conhecido pelo tango, ritmo que nasceu em Buenos Aires no século XIX a partir de influências caribenhas, europeias e africanas. A produção cinematográfica argentina tem grande importância para a indústria na América Latina e tem ganhado cada vez mais espaço nos principais festivais internacionais de cinema.

O país tem também uma ampla tradição na literatura e nos quadrinhos. É de lá o cartunista Quino (Joaquim Salvador Lavado, 1932–2020), criador da personagem Mafalda. A gastronomia da Argentina se destaca pelos preparos com carne vermelha e pratos como a empanada. Além do vinho, outra bebida tradicional do país é o mate, que conhecemos como chimarrão.

Infraestrutura da Argentina

A Argentina proporciona aos seus habitantes um dos melhores índices de qualidade de vida dentre os países da América do Sul. Esse padrão se reflete em alguns de seus indicadores sociais e demográficos, como na baixíssima taxa de analfabetismo (em torno de 1%) e na alta expectativa de vida, como vimos anteriormente.

Sendo um país essencialmente urbano, a rede de infraestrutura atende uma grande parcela da população das cidades, chegando também à zona rural. Aproximadamente 98% das pessoas que vivem nas cidades têm acesso a saneamento básico, o que inclui água potável e esgoto.

A energia elétrica chega a 99% dos moradores das cidades e a 85% nas áreas rurais. A geração de energia no país é ainda bastante dependente de fontes não renováveis, mas não exclusivamente, pois:

No que se refere ao transporte:

Governo da Argentina

A Argentina consiste em uma democracia representativa com sistema de governo republicano presidencialista. Tanto o presidente da república quanto o seu vice são eleitos em conjunto (na mesma chapa eleitoral) por meio do voto direto, tendo um mandato de quatro anos com possibilidade de reeleição. Nesse sistema, o presidente é, ao mesmo tempo, chefe de governo e chefe de Estado.

O parlamento argentino, conhecido como Congresso Nacional, é bicameral. É formado pelo Senado e pela Câmara de Deputados, sendo os membros de ambos eleitos por meio do voto direto. No caso dos senadores, o mandato é de seis anos, e um terço dos membros é renovado a cada intervalo de dois anos. Já os deputados possuem mandato de quatro anos, e a renovação também ocorre de dois em dois anos.

Curiosidades sobre a Argentina

Notas

|1| Redação. Qual a origem dos nomes dos países da América Latina? BBC News Brasil, 25 jun. 2016. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-36630446. Acesso em 14 jan. 2022.

 

Por Paloma Guitarrara
Professora de Geografia


Fonte: Brasil Escola - https://brasilescola.uol.com.br/geografia/argentina.htm