Concordância nominal

Gramática

PUBLICIDADE

A concordância nominal trata especificamente da concordância de gênero e número que deve ocorrer entre um nome (o substantivo) e os outros termos da sentença que o modificam (adjetivos, artigos, pronomes e até mesmo numerais). Além dessa regra geral, há casos específicos que podem gerar muitas dúvidas, como o que ocorre com as expressões “é proibido”, “menos”, “anexo”, “meio” etc.

Como se dá a concordância nominal?

Em uma sentença, quando o substantivo é acompanhado por outros termos, é necessário que haja concordância entre eles, isto é, os termos que acompanham o substantivo devem estar de acordo com ele em gênero (masculino ou feminino) e em número (singular ou plural). A regra mais comum na língua portuguesa a respeito do gênero e do número dos substantivos é a de terminação das palavras de acordo com essas características:

 

masculino

feminino

singular

-o

-a

plural

-os

-as


Veja a frase a seguir:

Meu filho é bonito.

(pronome + substantivo + verbo + adjetivo)

Caso o substantivo da frase passe para o feminino, os termos que o acompanham terão que fazer a mesma transição para que haja concordância nominal. Veja:

Minha filha é bonita.

(pronome + substantivo + verbo + adjetivo)

O mesmo acontece se alterarmos o número do substantivo (do singular para o plural):

Minhas filhas são bonitas.

(pronome + substantivo + verbo + adjetivo)

O substantivo pode ser acompanhado por adjetivos, artigos, pronomes e até mesmo numerais. Esses termos devem estar de acordo com o gênero e o número do substantivo que eles acompanham. Bastante simples, certo?

Embora algumas palavras da língua portuguesa não sigam a terminação mais comum (-o, -a, -os, -as), a regra da concordância nominal tende a ser a mesma sempre: o gênero e o número do substantivo definem o gênero e o número dos termos que o modificam.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Casos específicos de concordância nominal

Há, no entanto, alguns casos específicos de concordância nominal que geram muitas dúvidas. Vamos entender melhor o que acontece em alguns deles.

  • A palavra “menos”

Por ser uma palavra invariável, “menos” sempre será escrito dessa forma, mesmo quando acompanhar um substantivo no feminino. A palavra “menas" não existe.

Ela tinha menos caixas do que ele.

Leia também: Há menas ou menos pessoas?

  • A palavra “anexo”

Quando funciona como adjetivo, a palavra “anexo” (sem preposição) varia de acordo com o substantivo que acompanha:

  • O arquivo anexo contém o relatório elaborado.

  • A planilha anexa contém o relatório elaborado.

  • Os arquivos anexos contêm vários relatórios.

  • As planilhas anexas contêm vários relatórios.

Alguns gramáticos já aceitam a construção “em anexo”, esta sim permanecendo invariável. No entanto, ocorrem algumas adaptações:

  • No arquivo em anexo está o relatório elaborado.

  • Na planilha em anexo está o relatório elaborado.

  • Há vários relatórios nos arquivos em anexo.

  • Os relatórios estão nas planilhas em anexo.

Leia também: Anexo ou em anexo?

  • A palavra “meio”

Quando a palavra “meio” possui função de adjetivo, ela deve concordar com o substantivo que qualifica:

  • Já passa de meio-dia e meia [hora].

  • Você é cheio de meias palavras.

  • Temos um milhão e meio [milhão] de votantes.

Tome cuidado para não confundir com o advérbio “meio”, que não flexiona:

  • A mulher está meio cansada. (“meio” altera o adjetivo “cansada”, e não o substantivo “mulher”, por isso exerce função de advérbio e é invariável)

Leia também: Meia ou meio nervosa?

  • Os termos “é necessário”, “é proibido” e suas variações

Quando se trata especificamente desses termos, os adjetivos deles podem ficar invariáveis se não houver artigo explicitando o gênero e o número do substantivo a que eles se referem:

  • É proibido entrada de animais.

  • É necessário sabedoria.

  • É permitido venda de mercadorias neste local.

No entanto, caso outros elementos acompanhem o substantivo, os adjetivos devem concordar em gênero e número:

  • É proibida a entrada de animais.

  • É necessária muita sabedoria.

  • É permitida a venda de mercadorias neste local.

Leia também: É proibido ou é proibida?

  • Cores

A concordância envolvendo cores gera muitas dúvidas. Na regra geral, as cores devem concordar com o substantivo a que se referem, quando são variáveis:

  • A mochila é amarela.

  • Os lençóis são azuis.

Caso o nome da cor faça referência a um substantivo (laranja, rosa etc.), a cor é invariável.

  • As mochilas são laranja.

  • Os lençóis são rosa.

Quando o nome da cor é constituído de dois adjetivos (o segundo envolvendo tonalidades), costuma-se deixar o primeiro invariável na forma do masculino e o segundo fazendo a concordância:

  • A mochila é amarelo-clara.

  • Os lençóis são azul-escuros.

Porém, se o segundo adjetivo fizer referência a um substantivo, voltamos à regra da cor ser invariável.

  • As mochilas são verde-água.

  • Os lençóis são azul-celeste.

A concordância que envolve o substantivo, adjetivo, pronome, artigo e numerais é denominada concordância nominal.
A concordância que envolve o substantivo, adjetivo, pronome, artigo e numerais é denominada concordância nominal.

Exercícios resolvidos

Questão 1 - Qual alternativa não apresenta erros de concordância?

a) Isso lhes garante excelente perspectivas de vencer o campeonato.

b) É proibido a passagem de pessoas não autorizadas.

c) Eu não gosto desses vícios seu.

d) Das pessoas envolvidas, dois mil não sabem como ficarão depois de tudo isso.

e) Tenho muitas roupas azul-marinho.

Resolução

Alternativa E, pois “azul-marinho” é invariável, seguindo a mesma regra de “azul-celeste” e outras cores compostas por dois adjetivos em que o último faz referência a um substantivo. As outras alternativas deveriam ser: “excelentes perspectivas”, “é proibida a passagem”, “desses vícios seus” e “das pessoas envolvidas, duas mil não sabem”.

Questão 2 - (FUNRIO – IFPA) O professor pediu aos alunos que lhe mandassem por e-mail pequenos resumos dos dois livros discutidos em aula, mas aproveitou para incluir uma questão gramatical: era obrigatório usar a palavra “anexo” na mensagem. Qual das alternativas abaixo mostra o trecho da mensagem que atendeu corretamente o pedido do professor e está de acordo com as normas da língua-padrão?

a) Professor, segue anexo os dois resumos pedidos.

b) Mando-lhe em anexo os dois resumos pedidos.

c) Anexos os resumos pedidos, encaminho-los a vós.

d) Enviam-se em dois anexos com o que foi pedido.

e) Vou estar enviando agora os dois resumos anexados.

Resolução

Alternativa B está correta, pois o uso de “em anexo” é invariável, não apresentando desvios da norma-padrão da língua portuguesa. As construções das outras alternativas apresentam desvios da norma-padrão não só com relação ao uso da palavra “anexo”, mas na construção das sentenças.

 

Por Guilherme Viana
Professor de Português 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VIANA, Guilherme. "Concordância nominal"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/concordancia-nominal-regra-geral.htm. Acesso em 20 de outubro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

Mediante os enunciados linguísticos em evidência, explicite seus conhecimentos acerca da concordância nominal, com vistas a registrar suas impressões: 

É proibido entrada de visitantes nesta área do parque.
É proibida a entrada de visitantes nesta área do parque.

 

Questão 2

Partindo do pressuposto de que algumas classes de palavras se caracterizam como invariáveis, analise as orações abaixo, optando por atribuir-lhes o termo correspondente.

a – A garota parece ------------- confusa. (meio/meia)

b -  Comemos ------------pizza durante o rodízio com amigos. (meio/meia)

c – São -------------------as reclamações sobre a mudança de itinerário. (bastante/bastantes)

d – Por hoje já basta, pois estamos ---------------------cansadas. (bastante/bastantes)

e – Perdemos ----------------------chances de demonstrarmos nosso talento. (bastante/bastantes)

Mais Questões