Concordância verbal

Gramática

PUBLICIDADE

Na concordância verbal, o verbo adapta-se ao número e à pessoa do sujeito, isto é, a conjugação do verbo varia de acordo com o número (singular ou plural) e com a pessoa do sujeito (primeira, segunda ou terceira pessoa). No entanto, é possível encontrar casos específicos que são formados por estruturas que fogem à estrutura mais básica da sintaxe (sujeito simples + verbo + complemento), trazendo, assim, os sujeitos compostos e indeterminados, expressões que indicam quantidade aproximada, porcentagem, orações sem sujeito etc., o que acaba demandando recomendações específicas para que seja feita a concordância.

Como se dá a concordância verbal?

A concordância verbal ocorre quando a conjugação do verbo se adapta ao sujeito em número e em pessoa. O sujeito pode estar no singular ou no plural e pode ser em 1ª, 2ª ou 3ª pessoa. Veja:

 

singular

plural

eu

nós

tu

vós

ele/ela

eles/elas


A conjugação do verbo concorda com o sujeito ao qual está se referindo. Veja nos enunciados abaixo:

  • Nós amamos muito esse filme.
    (Sujeito + verbo + complemento)

  • Tu amas muito esse filme.
    (Sujeito + verbo + complemento)

  • Elas amam muito esse filme.
    (Sujeito + verbo + complemento)

Lembre-se de que, quando se trata de sujeito composto (ou seja, sujeito que possui mais de um núcleo), a conjugação será no plural. Havendo o sujeito eu ou nós, o verbo é conjugado na 1ª pessoa. Se não houver 1ª pessoa, mas houver tu ou vós, o verbo é conjugado na 2ª pessoa. Por fim, o verbo é conjugado na 3ª pessoa caso não haja nenhum sujeito da 1ª e nem da 2ª pessoas:

  • Treinamos no mesmo time tu e eu. (nós = 1ª pessoa do plural)

  • Tu e teu marido gostais das mesmas coisas. (vós = 2ª pessoa do plural)

  • O cristal e o diamante brilhavam muito. (eles = 3ª pessoa do plural)

Leia também: Qual a diferença entre a concordância verbal com sujeito simples e composto?

Casos específicos de concordância verbal

Há muitas dúvidas de concordância verbal em alguns casos específicos. Vamos aprender sobre eles!

→ Concordância com pronomes relativos

Quando o sujeito da oração é o pronome relativo que (não sendo predicativo de outra oração), o verbo concorda com o termo antecedente:

  • Eu que descobri tudo.

  • Não eram ele e a irmã que estavam sem comer?

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quando o sujeito da oração é o pronome relativo quem, o verbo tende a ir para a 3ª pessoa do singular, mas também pode concordar com o termo antecedente:

  • Eu quem descobriu tudo. (ou ainda: Eu quem descobri tudo.)

  • Não eram ele e a irmã quem estava sem comer? (ou ainda: Não eram ele e a irmã quem estavam sem comer?)

Leia também: Concordância verbal com sujeito deslocado: como fazer?

→ Concordância em orações sem sujeito

Nas orações sem sujeito, o verbo fica na 3ª pessoa do singular, mesmo que outros elementos na sentença estejam no plural:

  • Choveu muito durante vários dias.

  • passa das duas horas!

→ Concordância na locução verbal

Quando ocorre locução verbal, ou seja, quando um verbo auxiliar acompanha um verbo principal, apenas o verbo auxiliar fará concordância com o sujeito:

  • O diretor e a coordenadora poderiam fazer mais reuniões.

  • Tu deves encomendar muitos doces para a festa.

→ Concordância com verbo haver

Com sentido de ter ou quando funciona como locução verbal, concorda com o sujeito a que se refere:

  • Nós duas havemos de ter fé para enfrentar essa dificuldade.

  • Muitos homens haviam desistido de falar com ele.

Com sentido de existir, permanece no singular, por se tratar de oração sem sujeito:

  • muitas coisas belas naquele lugar.

  • Haja os problemas que houver, não desistiremos.

Ressalta-se que o verbo existir concorda normalmente com o sujeito:

  • Existe algo belo naquele lugar.

  • Existem muitas coisas belas naquele lugar.

→ Concordância com pronome “se”

Quando possui função de índice de indeterminação do sujeito, o pronome se está inserido em uma oração em que o sujeito é indeterminado. Por isso, o verbo permanecerá invariavelmente na 3ª pessoa do singular:

  • Trata-se de questões inéditas e delicadas.

  • Mora-se muito bem nessa região.

Quando possui função de partícula apassivadora, o pronome se está inserido em uma oração com sujeito. Por isso, o verbo concordará com o sujeito:

  • Venderam-se muitos brinquedos. (Muitos brinquedos foram vendidos.)

  • Vendeu-se apenas um brinquedo. (Apenas um brinquedo foi vendido.)

Quando possui função de pronome reflexivo, também concorda com o sujeito ao qual o verbo faz referência:

  • Maquiam-se para o espetáculo os bailarinos do grupo.

  • Penteia-se diariamente em frente ao espelho. (Ele se penteia diariamente em frente ao espelho.)

Veja também: Casos de concordância entre verbos e o pronome se

  • Sujeito representado por expressão que indica quantidade aproximada

Quanto o sujeito é uma expressão que indica quantidade aproximada de seres (a maioria de, grande parte de), a concordância tende a vir no singular, mas pode ocorrer no plural:

  • Boa parte dos ouvintes relatou um incômodo com aquelas palavras.

  • A maioria dos estudantes quiseram continuar com a viagem.

→ Sujeito representado por porcentagem

É mais comum que o verbo concorde com o termo que especifica a porcentagem:

  • Na pesquisa, 98,1% dos entrevistados preferem ficar em casa.

Se o termo não estiver explícito, é mais comum que o verbo concorde com o número:

  • Na entrevista, 98,1% preferem ficar em casa, enquanto 1,9% prefere sair.

  • Sujeito ligado por série aditiva enfática (não só... mas; tanto... quanto; não só... como)

Se o sujeito composto é ligado por série aditiva enfática, a conjugação do verbo pode ir ao plural ou concordar com o termo mais próximo:

  • Tanto o sol quanto a lua são astros que embelezam o céu.

  • Tanto o sol quanto a lua é um astro que embeleza o céu.

  • Não só a vida como a morte é imprevisível.

  • Não só a vida como a morte são imprevisíveis.

→ Sujeito ligado por com

Se o sujeito composto é ligado pela conjunção com, a conjugação do verbo é facultativa: tende a seguir o número do primeiro sujeito, realçando-o em detrimento dos outros que o acompanham, mas pode ir ao plural para ressaltar a participação simultânea de todos os sujeitos na ação.

  • O filho mais velho, com a esposa e a filha, mudou-se assim que conseguiu a promoção.

  • A gerente com o vendedor e toda a equipe fizeram uma grande ação na loja.

  • Sujeito ligado por ou e por nem

Se o sujeito composto é ligado pela conjunção ou e nem, a conjugação do verbo pode concordar com o termo mais próximo caso a conjunção indique exclusão (tratando-se de apenas um sujeito) ou equivalência (tratando-se do mesmo sujeito).

  • A avó ou a nossa mãe duas vezes deve ser sempre ouvida e respeitada.

  • Nem a doença nem a cura será a consequência da sua decisão.

No entanto, caso a ação possa ser atribuída a todos os sujeitos, a conjugação será no plural:

  • A pimenta ou a páprica deixaram a comida muito forte.

  • Nem o menino nem a menina puderam sair para brincar.

A concordância verbal diz respeito à adequação de número e pessoa do verbo com o sujeito, segundo a regra geral.
A concordância verbal diz respeito à adequação de número e pessoa do verbo com o sujeito, segundo a regra geral.

Exercícios resolvidos

Questão 1

I. Deve haver muitos problemas naquele lugar.

II. Devem haver muitos problemas naquele lugar.

III. Deve existir muitos problemas naquele lugar.

IV. Devem existir muitos problemas naquele lugar.

Das sentenças acima, quais estão dentro da norma-padrão da língua portuguesa?

a) I e III.

b) II e IV.

c) I e IV.

d) II e III.

e) I, II, III e IV.

Resolução

Alternativa C, pois não há flexão de número para o verbo “haver” quando este possui sentido de “existir”. Portanto, o verbo “dever”, que acompanha o verbo “haver”, permanece no singular. Entretanto, o mesmo não ocorre quando se trata do próprio verbo “existir”. Neste caso, o verbo “existir” flexiona o número para concordar com o sujeito no plural, então o verbo “dever” fica no plural.

Questão 2 - Assinale a alternativa que apresenta correta concordância verbal.

a) Têm-se muito o que discutir.

b) Sou eu que terá as próximas férias.

c) A maioria dos pais e dos mestres não concordou com a discussão.

d) Doa-se muitos móveis por ano.

e) Eu, você e ele havia lutado por aquilo.

Resolução

Alternativa c), pois o verbo “concordar” está de acordo com o termo “a maioria” (no singular). Na alternativa a), o verbo “ter” deveria estar no singular (tem-se), por se tratar de oração sem sujeito. Na alternativa b), o verbo deveria concordar com o sujeito que antecede o pronome “que” (sou eu quem terei). Na alternativa d), o verbo deveria estar no plural, concordando com o sujeito (doam-se muitos móveis). Na alternativa e), o verbo auxiliar deveria concordar com o sujeito composto (nós havíamos lutado).

 

Por Guilherme Viana
Professor de Português

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VIANA, Guilherme. "Concordância verbal"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/concordanciaverbal.htm. Acesso em 29 de outubro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(IBGE) Assinale a opção em que há concordância inadequada:

a) A maioria dos estudiosos acha difícil uma solução para o problema.

b) A maioria dos conflitos foram resolvidos.

c) Deve haver bons motivos para a sua recusa.

d) De casa à escola é três quilômetros.

e) Nem uma nem outra questão é difícil.

Questão 2

(IBGE) Indique a opção correta, no que se refere à concordância verbal, de acordo com a norma culta:

a) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova.

b) Choveu pedaços de granizo na serra gaúcha.

c) Faz muitos anos que a equipe do IBGE não vem aqui.

d) Bateu três horas quando o entrevistador chegou.

e) Fui eu que abriu a porta para o agente do censo.

Mais Questões