Brasília

Geografia

PUBLICIDADE

Brasília está situada no Planalto Central e surgiu após anos de questionamentos históricos e geográficos sobre a transferência de poder político do litoral para o interior do país, em algum ponto central.

Fundada em 21 de abril de 1960, Brasília é palco de intensas transformações e repleta de diversidades, tanto do ponto de vista econômico, em relação à distribuição de renda, quanto do ponto de vista social, ao se analisar a população que contempla a capital e todo seu entorno, nas regiões administrativas.

Leia também: República Populista – momento histórico em que Brasília foi construída

Dados gerais de Brasília

  • Gentílico: brasiliense.
  • Localização: localizada no Planalto Central, Centro-Oeste brasileiro, a 15°47’ de latitude sul e a 47°56′ de longitude.
  • País: Brasil.
  • Unidade federativa: Distrito Federal (DF).
  • Região metropolitana: a área metropolitana de Brasília (AMB) é composta por onze cidades. São elas: Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Cidade Ocidental, Cristalina, Formosa, Luziânia, Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso de Goiás. Conhecer essas cidades é essencial para o planejamento urbano de Brasília, pois muitos habitantes desses municípios buscam serviços básicos (saúde, educação, lazer) na capital federal.
  • Municípios limítrofes: Brasília é uma área que foi construída para sediar o Governo Federal, na década de 1950. Com isso, ao seu redor, existem as Regiões Administrativas (RAs), que estão no entorno da capital federal.

No total, são 33 RAs:

RA I: Plano Piloto – Brasília
RA II: Gama
RA III: Taguatinga
RA IV: Brazlândia
RA V: Sobradinho
RA VI: Planaltina
RA VII: Paranoá
RA VIII: Núcleo Bandeirante
RA IX: Ceilândia
RA X: Guará
RA XI: Cruzeiro
RA XII: Samambaia
RA XIII: Santa Maria
RA XIV: São Sebastião
RA XV: Recanto das Emas
RA XVI: Lago Sul
RA XVII : Riacho Fundo
RA XVIII: Lago Norte
RA XIX: Candangolândia
RA XX: Águas Claras
RA XXI: Riacho Fundo II
RA XXII: Sudoeste/Octogonal
RA XXIII: Varjão
RA XXIV: Park Way
RA XXV: SCIA
RA XXVI: Sobradinho II
RA XXVII: Jardim Botânico
RA XXVIII: Itapoã
RA XXIX: SIA
RA XXX: Vicente Pires
RA XXXI: Fercal
RA XXXII: Sol Nascente/Pôr do Sol
RA XXXIII: Arniqueira

Já o Distrito Federal faz divisa com alguns municípios de Goiás e um de Minas Gerais. São eles:

  • Ao norte: Planaltina de Goiás, Padre Bernardo e Formosa;
  • Ao sul: Luziânia, Cristalina, Santo Antônio do Descoberto, Cidade Ocidental, Valparaíso e Novo Gama;
  • A leste: Formosa e Cabeceira Grande (MG);
  • A oeste: Alexânia, Santo Antônio do Descoberto, Padre Bernardo e Águas Lindas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Geografia de Brasília

Veja a seguir alguns dados sobre a capital federal. Esses dados são baseados nas pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. Dentro dos parênteses estão os anos de cada pesquisa.

  • Densidade demográfica: 444,66 habitantes por km² (2010);
  • Índice de desenvolvimento humano municipal: 0,824 (2010);
  • Escolarização (6 a 14 anos): 97,5% (2010);
  • Mortalidade infantil: 11,08 óbitos por mil nascidos vivos (2017);
  • PIB per capita (em reais): 80.502,47 (2017);
  • Total de veículos: 1.812.473 (2018);
  • Área total: 5.760,783 km² (2018);
  • População total: 3.015.258 (2019);
  • Clima: tropical continental¹;
  • Altitude : média de 1000 m acima do nível do mar²;
  • Fuso horário: 45º oeste de Greenwich.

Observações:

  • ¹Situada no Centro-Oeste brasileiro, Brasília recebe influência do clima que predomina nessa região. Esse clima possui duas estações bem definidas, um verão chuvoso e um inverno seco. A temperatura média de Brasília varia entre 13ºC e 28ºC. Essa grande amplitude térmica ocorre devido à altitude da região, que pode chegar a 1300 m acima do nível do mar. As chuvas concentram-se entre outubro e abril, período em que há maior precipitação no Centro-Oeste do Brasil. Entretanto, pode haver períodos de três a cinco meses sem cair uma gota d’água na região.
  • ²O DF, que está no Planalto Central brasileiro, possui uma altitude que varia entre 800 a 1350 m acima do nível do mar. Nessa região é muito comum a existência de relevos relativamente altos e planos, como as chapadas. O pico mais alto localiza-se na Serra do Sobradinho, com 1341 m de altitude, apelidado de Pico do Roncador.

Breve histórico de Brasília

O povoamento do Planalto Central, para alguns historiadores, remonta aos séculos XVII e XVIII, com as primeiras bandeiras, expedições que adentravam o interior do Brasil em busca de ouro e pedras preciosas. Porém, essa ocupação, em muitos casos, era temporária, não atingindo com êxito um povoamento sólido, capaz de desenvolver a economia regional. *

A intenção de transferir a capital do país para alguma área interiorana apareceu em alguns momentos históricos. José Bonifácio – figura política de grande influência no Brasil Império – e, antes dele, Marquês de Pombal, no século XVIII, foram nomes que alimentaram essa ideia.

Localização atual do Distrito Federal
Localização atual do Distrito Federal

Em 1956, com um terreno demarcado no interior de Goiás, o então presidente da República, Juscelino Kubitschek, encaminhou ao Congresso Nacional a “Mensagem de Anápolis”, que propunha o nome Brasília para a nova capital, entre outros assuntos ligados à construção da cidade. Em 1957, o projeto urbanístico de Lucio Costa foi escolhido como vencedor dentre 26 concorrentes ávidos para o projeto de construção da nova capital. Em 1957, Juscelino sancionou a lei que determinava a fundação de Brasília três anos depois.

  • Fundação de Brasília

De acordo com a lei sancionada por Juscelino, a fundação de Brasília ficou marcada para o dia 21 de abril de 1960. Foram 41 meses de construção, com inúmeros prédios, rodovias, implantação do serviço de água e esgoto, além do lago artificial da cidade, o Lago Paranoá. Para conhecer maiores detalhes acerca da construção da nova capital brasileira, acesse o nosso texto: Construção de Brasília.

O Lago Paranoá e a Ponte JK.
O Lago Paranoá e a Ponte JK.
  • Demografia de Brasília

No primeiro ano da construção de Brasília, em 1957, havia 12.283|1| pessoas morando em Planaltina e nos arredores da região, a maioria formada por imigrantes atraídos pelo processo de construção da nova cidade. Estima-se que, na década de 1960, mais de 90% da população brasiliense era composta por migrantes.

Essa população, que veio em busca de trabalho e oportunidades, principalmente no setor público, moldou Brasília, o que resultou em uma mistura de sotaques, caras e cores. Na época, os trabalhadores migrantes eram chamados de “candangos”, termo africano pejorativo que significa “ruim” e fazia alusão aos trabalhadores braçais na fundação da capital.

De acordo com a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), atualmente os imigrantes respondem por 51,9% da população do DF, sendo 26,5% da Região Nordeste e 14,4% da Região Sudeste.

Ainda de acordo com o mesmo órgão, 29,3% da população do DF possui ensino fundamental incompleto e apenas 15,9% possuem grau de escolaridade superior, incluindo graduação, especialização, mestrado e/ou doutorado.

Veja também: Darcy Ribeiro – fundador e primeiro reitor da Universidade de Brasília

  • Economia de Brasília

Por ser um território geograficamente limitado, o DF não tem condições de incentivar os setores primário e secundário da economia (agropecuária e indústria, respectivamente).

Até os anos 1990, grande parte da economia do DF e, consequentemente, de Brasília girava em torno da construção civil e pequenas produções agrícolas para o mercado interno. Só a partir desse período que os setores de serviços e turismo ganharam força, configurando-se, hoje, como os mais importantes para o Produto Interno Bruto da região.

De acordo com a Codeplan, em 2012, o percentual de empregados no setor de serviços era de 69,11%, em sua maioria no Plano Piloto (47%). Tais números mostram a força dos serviços em Brasília, como bancos, universidades, consultórios médicos, segmento de informação (TV por assinatura, internet, celular), entre outros.

A Codeplan, em parceria com o IBGE, também nos revela que 93% do Produto Interno Bruto do DF é preenchido com o setor de serviços. Esse dado é refletido no PIB per capita da região, que é o mais alto do Brasil.

Considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco, Brasília conta com um turismo cultural e econômico muito forte. Muitos turistas visitam a cidade para tratar de negócios, mas também aproveitam os espaços culturais da cidade. Devido ao forte turismo, o Ministério do Turismo classifica Brasília na categoria A, o que revela o grande fluxo de turistas e a grande empregabilidade no setor hoteleiro, movimentando a economia.

  • Cultura de Brasília

Em 1987 Brasília foi considerada Patrimônio Cultural da Humanidade. Falar de cultura em Brasília é falar da própria cidade. Suas linhas arquitetônicas modernas, inspiradas nos desenhos de Oscar Niemeyer, e a urbanização arrojada desenhada por Lúcio Costa fazem de Brasília um prato cheio para quem quer conhecer uma cidade planejada e acolhedora.

Alguns monumentos históricos merecem destaque, como a Praça dos Três Poderes, a Catedral Metropolitana de Brasília, o Museu Vivo da Memória Candanga, o Museu JK, que conta a vida do presidente fundador da cidade, e inúmeros outros.

Vista aérea de Brasília, com a Catedral no Centro e a Esplanada ao fundo.
Vista aérea de Brasília, com a Catedral no Centro e a Esplanada ao fundo.

O rap e o rock nacionais também são marcas fortes na cultura brasiliense. Artistas de fama nacional surgiram ali, como o grupo Tribo da Periferia e a banda de rock nacional Legião Urbana.

Além disso, o cinema também possui papel importante. Anualmente ocorre o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, no Cine Brasília.

Leia também: Cultura material e cultura imaterial – diferentes tipos de manifestações culturais

  • Governo de Brasília

No início, o DF foi dividido em oito regiões administrativas, cada uma com um administrador-geral, que era nomeado pelo prefeito. Essa forma de governar vigorou até 1969, quando o primeiro governador do DF foi nomeado pelo presidente da República.

O primeiro governador foi Hélio Prates da Silveira, permanecendo no mandato por cinco anos, de 1969 a 1974. De lá pra cá, o DF já teve 16 governadores, com destaque para Joaquim Domingos Roriz, que governou a região quatro vezes, sendo uma por nomeação do Presidente da República e três de forma democrática. Além disso, foi o primeiro governante eleito democraticamente, em 1994.

  • Infraestrutura de Brasília

De acordo com a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), empresa pública de direito privado que fornece água e saneamento básico para o DF, Brasília é a região administrativa que mais possui domicílios com acesso ao saneamento básico e acesso ao abastecimento de água. Dos 86.583 domicílios ocupados, 86.338 possuem rede de água e 86.387 possuem rede de esgoto.

Em todo o DF, mais de 98% dos domicílios possuem abastecimento de água por rede geral. Entretanto, esse número cai se analisarmos regiões específicas, como Jardim Botânico, que conta com pouco mais de 89% de rede de água.

o esgoto sanitário é tratado em 87% das residências do DF, percentual esse que é maior no Plano Piloto. A coleta de lixo, realizada pelo Serviço de Limpeza Urbana do Distrito Federal, atende a 96% das residências, dados esses coletados pela última Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios, realizada em 2011. Todos os habitantes pagam uma taxa de limpeza pública para a manutenção desses serviços.

O acesso à saúde é regulamentado pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, que conta com 16 hospitais públicos, quase 4 mil leitos, 65 centros de saúde e 44 postos de saúde espalhados pelo DF.

Notas

|1| Dado retirado do documento Distrito Federal em Síntese – Informações socioeconômicas e geográficas 2012. Brasília: Editora Codeplan, 2013, página 39.

 

Por Átila Matias
Professor de Geografia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

MATIAS, Átila. "Brasília"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/brasilia.htm. Acesso em 29 de outubro de 2020.