Fundo Menu
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Mucormicose

Mucormicose, também chamada de “fungo preto”, é uma infecção fúngica oportunista grave causada pelos fungos da ordem Mucorales.

Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

A mucormicose, também chamada de zigomicose ou “fungo preto”, é uma doença provocada por fungos da ordem Mucorales. É considerada uma infecção oportunista, uma vez que, geralmente, acomete pacientes que apresentam problemas imunológicos. Raramente é desencadeada em pacientes imunocompetentes. Vale salientar que a mucormicose é uma doença não transmissível, e a contaminação pelo fungo ocorre, na maioria dos casos, por meio da inalação dos esporos.

O tratamento envolve o uso de antifúngicos e cirurgias para a retirada da área acometida pelo fungo. Recentemente foi relatado um aumento no número de caso de mucormicose e em associação com casos de covid-19. Especialistas acreditam que o surgimento da doença em pacientes com covid-19 possa ter relação com os medicamentos utilizados no tratamento dessa doença, os quais reduzem a imunidade no indivíduo.

Leia mais: Sistema imunológico – garante a proteção do nosso corpo

Tópicos deste artigo

O que é mucormicose?

A mucormicose é uma infecção oportunista, potencialmente fatal, causada por fungos pertencentes à ordem Mucorales, sendo o gênero mais frequente o Rhizopus. Essa infecção é grave e, geralmente, acomete pessoas que apresentam o sistema imunológico fragilizado. Alguns dos pacientes mais acometidos pela doença são aqueles em quimioterapia, sob corticoterapia, transplantados de órgãos sólidos, com cetoacidose diabética ou diabetes mal controlada, ou que sofreram grandes queimaduras.

Transmissão da mucormicose

A mucormicose é provocada por fungos da ordem Mucorales.
A mucormicose é provocada por fungos da ordem Mucorales.

A mucormicose é adquirida, principalmente, por via inalatória, por meio da inalação de esporos produzidos pelo fungo causador. Os fungos causadores da mucormicose podem ser encontrados em diferentes locais, como no solo, nas plantas, nos vegetais em decomposição, e no esterco animal. Com menos frequência, a mucormicose pode ser contraída pelo contato dos esporos com ferimentos na pele. A mucormicose é uma doença não transmissível.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Manifestações clínicas da mucormicose

As manifestações clínicas da mucormicose podem variar, podendo ocorrer o comprometimento rinocerebral, cutâneo, pulmonar, gastrointestinal e disseminado. O comprometimento rinocerebral é o que se apresenta com maior frequência.

Essa infecção inicia-se, geralmente, nos seios paranasais e provoca edema da face e periorbital (ao redor dos olhos). A doença evolui rapidamente para necrose da pele e do palato, dor nos olhos, queda da pálpebra superior, protusão do globo ocular, paralisia facial, pupila dilatada mesmo após estimulação luminosa (midríase paralítica), coma profundo e óbito. A taxa de mortalidade é de, aproximadamente, 50% nessa situação.

O segundo lugar mais acometido pela mucormicose é o pulmão, situação conhecida como mucormicose pulmonar. As manifestações clínicas dessa condição incluem febre, tosse, dificuldade para respirar, dor torácica, produção de escarro e expectoração de sangue proveniente da árvore traqueobrônquica ou do parênquima pulmonar.

A mucormicose pode provocar necrose da pele e palato.
A mucormicose pode provocar necrose da pele e palato.

Diagnóstico e tratamento da mucormicose

O diagnóstico da mucormicose é feito com base na análise das manifestações clínicas do paciente em associação com a realização de biópsias, exame histopatológico e exames de imagem. Como a mucormicose é uma doença provocada por fungos, o tratamento inclui o uso de antifúngicos. Em algumas situações, é necessária a realização de cirurgias que visam a retirar as partes do corpo afetadas pelo fungo.

Mucormicose e covid-19

A mucormicose ganhou destaque durante a pandemia de covid-19 devido ao aumento de casos da doença em maio de 2021, na Índia. Na ocasião, foi relatado que muitos dos indivíduos infectados pelo fungo eram pacientes com covid-19 ou que haviam se recuperado recentemente da doença.

A relação entre a covid-19 e o desenvolvimento de mucormicose pode ser explicada, de acordo com especialistas, pelo fato de que os medicamentos usados no tratamento de covid-19 podem aumentar a fragilidade do nosso sistema imunológico, deixando o indivíduo mais suscetível a doenças oportunistas.

É importante destacar que se acredita que o número elevado de pacientes com mucormicose na Índia deve-se ao fato de que o país possui uma das maiores taxas de diabetes em adultos em todo o mundo, sendo essa doença um fator de risco para o desenvolvimento da doença fúngica.



Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia 

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Mucormicose"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/mucormicose.htm. Acesso em 04 de julho de 2022.

De estudante para estudante


PUBLICIDADE

Estude agora


Como fazer a inscrição no Enem 2021

Vai fazer o Enem 2021 neste ano e quer tirar todas as suas dúvidas sobre a forma de se inscrever no exame mais...

Cem anos de solidão | Análise Literária

Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais da obra “Cem anos de solidão”, um dos romances mais...