Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Diverticulite

A diverticulite é uma condição na qual os divertículos intestinais tornam-se inflamados, podendo ocasionar dores intensas.

Ilustração mostrando detalhes sobre a diverticulite.
A diverticulite é uma condição clínica relacionada ao sistema gastrointestinal. Ela ocorre com base na inflamação dos divertículos.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A diverticulite é uma condição que afeta o sistema gastrointestinal, caracterizada pela inflamação de pequenas bolsas chamadas divertículos, que se formam na parede do intestino. Os sintomas variam de um leve desconforto abdominal a dores intensas, náuseas e alterações no padrão de evacuação.

A diverticulite pode ser desencadeada quando os divertículos ficam obstruídos, permitindo o acúmulo de resíduos e bactérias. Isso pode resultar em inflamação e infecção no local. O tratamento inclui antibióticos, mudanças na alimentação e, em casos graves, intervenção cirúrgica.

Leia também: Retocolite ulcerativa — uma doença caracterizada pela inflamação da mucosa do intestino

Tópicos deste artigo

Resumo sobre diverticulite

  • A diverticulite é uma condição gastrointestinal em que pequenas bolsas (divertículos) da parede do intestino inflamam ou infeccionam.

  • Os sintomas variam de desconforto abdominal leve a dores intensas, geralmente no lado esquerdo inferior do abdômen, acompanhados de náuseas, vômitos e constipação.

  • Fatores como dieta pobre em fibras, envelhecimento e predisposição genética podem contribuir para sua ocorrência.

  • O diagnóstico precisa ser feito de forma minuciosa para descartar outras doenças gastrointestinais.

  • O tratamento envolve repouso, antibióticos para tratar infecções, e mudanças na dieta incluindo mais fibras e líquidos.

  • Em casos graves, o profissional da saúde pode sugerir uma cirurgia para remover parte do intestino afetado.

  • Adotar uma alimentação rica em fibras associada à hidratação adequada é fundamental para prevenir a ocorrência da diverticulite.

O que é diverticulite?

A diverticulite é uma doença caracterizada pela inflamação ou infecção dos divertículos. Quando ocorre a inflamação, os divertículos podem desenvolver abscesso ou perfuração, ainda que essa seja uma complicação incomum, visto que apenas cerca de 4% das pessoas costumam desenvolvê-la.

A diverticulite pode se manifestar de forma aguda ou crônica. Normalmente, ela se inicia como um problema agudo, que pode desaparecer repentinamente ou mediante um tratamento de curta duração. No entanto, em algumas pessoas, episódios recorrentes de diverticulite podem se manifestar, levando ao desenvolvimento de uma inflamação crônica. As razões pelas quais a doença avança para um estado crônico ainda estão em fase de investigação, embora acredita-se que isso possa ocorrer devido a um caso agudo que não tenha sido completamente tratado ou em decorrência de alguma condição crônica do cólon.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O que é um divertículo?

Divertículos são projeções gastrointestinais (semelhantes à ponta de uma luva) que têm a capacidade de reter pequenas quantidades de fezes. Sob condições propícias, colônias de bactérias podem encontrar ali um local para se estabelecer. Essas formações podem surgir em diferentes segmentos do sistema gastrointestinal, porém são mais comumente encontradas entre as fibras musculares que compõem a parede do intestino grosso. Os divertículos podem ser classificados em dois tipos, dependendo da sua origem:

  • Divertículo hipotônico: surge devido ao enfraquecimento da musculatura lisa do intestino.

  • Divertículo hipertônico: surge por conta do aumento anormal do tônus da musculatura lisa do intestino e do aumento da pressão dentro do cólon.

Diferenças entre diverticulite e diverticulose

Ilustração mostrando como a lesão de um divertículo no intestino, o que caracteriza a diverticulose, leva à diverticulite.
A diverticulose ocorre pela presença de divertículos nos intestino. A lesão de um desses divertículos leva à diverticulite.

A diverticulose se caracteriza pela presença de inúmeros divertículos no intestino. Essa é uma condição frequentemente observada em pessoas com mais de 60 anos, e geralmente é assintomática. Quando ocorre uma lesão em um desses divertículos, desenvolve-se a diverticulite, tornando-se essencial a busca por atendimento médico. As principais causas para o desenvolvimento de diverticulose são:

  • dieta alimentar pobre em fibras;

  • perda da elasticidade da musculatura intestinal ao longo dos anos;

  • aumento da pressão no interior do cólon.

Causas da diverticulite

A ocorrência de diverticulite está frequentemente relacionada a uma infecção ou inflamação dos divertículos. Essas pequenas protrusões na parede do intestino podem proporcionar um ambiente propício para bactérias, especialmente se pequenos fragmentos de fezes ficarem retidos nessas estruturas. Quando uma infecção bacteriana ocorre, a inflamação do divertículo se instaura, levando a um possível inchaço e ruptura. Além disso, os divertículos podem inflamar e se romper por outras razões, como o deslocamento de fezes ressecadas através do intestino ou como consequência de colite (inflamação do cólon). Nessas circunstâncias, o divertículo pode ser suscetível à infecção pelas próprias bactérias presentes no cólon.

Sintomas da diverticulite

A diverticulite manifesta-se por meio de sintomas distintos, tais como:

  • dor abdominal (frequentemente localizada no quadrante inferior esquerdo e que pode variar de leve a severa);

  • febre;

  • dificuldade para evacuar (constipação);

  • náusea e episódios de vômito;

  • presença de sangue nas fezes ou sangramento retal;

  • ocorrência de fístulas.

Importante: A diverticulite não diminui a expectativa de vida dos indivíduos afetados. No entanto, em casos em que os divertículos desenvolvem abscessos ou ocorre perfuração, é imperativo buscar tratamento imediato. A ruptura do abscesso ou a perfuração do divertículo podem permitir que bactérias intestinais invadam a cavidade peritoneal, resultando em uma complicação grave conhecida como peritonite, que requer atendimento médico urgente.

Veja também: O que é a síndrome do intestino irritável?

Diagnóstico da diverticulite

Os sintomas da diverticulite se assemelham aos de outras doenças gastrointestinais. Devido a essa semelhança, é necessário que o profissional de saúde conduza um diagnóstico diferencial, a fim de descartar a possibilidade de outras condições, como a doença de Crohn, a apendicite, câncer de cólon, entre outras. Para tal finalidade, é importante a investigação minuciosa e a combinação de informações, incluindo histórico do paciente, exame clínico e procedimentos de imagem, como ultrassonografia e tomografia computadorizada.

Representação de um intestino grosso com divertículos, cuja inflamação caracteriza a diverticulite.
Exames de imagem podem auxiliar no diagnóstico da diverticulite.

Alimentos a serem evitados por quem tem diverticulite

É recomendável diminuir o consumo de alimentos que possam retardar o trânsito intestinal ou agravar a formação de gases, tais como carne vermelha, frituras, produtos processados, refrigerantes e alimentos açucarados. Por muito tempo, acreditou-se que ingerir sementes e castanhas poderia aumentar o risco de diverticulite, uma vez que poderiam ficar alojadas nos divertículos. Contudo, atualmente, sabe-se que essa possibilidade é mínima, e, na realidade, esses alimentos proporcionam uma boa fonte de fibras e proteínas vegetais.

Importante: É aconselhável evitar o uso de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides, como aspirina e ibuprofeno, pois essas substâncias podem elevar o risco de sangramento gastrointestinal em pessoas afetadas pela diverticulite.

Tratamento da diverticulite

O tratamento da diverticulite, na ausência de sinais de gravidade, envolve uma combinação de antibióticos, analgésicos e uma dieta leve, aliada ao aumento da ingestão de água. A maioria dos casos (aproximadamente 80%) evolui para a cura em algumas horas.

Caso não ocorra melhora dos sintomas ou se houver recorrências frequentes, o profissional de saúde pode indicar uma intervenção cirúrgica para remover a porção do intestino afetada pelos divertículos. Além disso, a drenagem de abscessos pode ser sugerida, quando estes são de pequeno porte, por meio de uma técnica conhecida como punção cutânea.

Prevenção da diverticulite

Pessoa tendo uma refeição saudável e estando próxima a uma garrafa de água, dois halteres e um tapete.
Dieta rica em fibras, consumo adequado de água e exercícios físicos auxiliam na prevenção da diverticulite.

A prevenção da diverticulite está ligada a uma dieta equilibrada, na qual a inclusão de alimentos com elevado teor de fibras desempenha um papel fundamental para o funcionamento saudável do processo digestivo. Vegetais, cereais integrais, frutas e grãos são exemplos de alimentos que se destacam por sua riqueza em fibras.

Complementarmente, é aconselhável manter uma ingestão diária de,, pelo menos dois litros de água, uma vez que isso auxilia na formação adequada do bolo fecal. A prática regular de atividades físicas também desempenha um papel relevante na prevenção da diverticulite, já que impulsiona o metabolismo e, por conseguinte, o trânsito intestinal. Em algumas circunstâncias, o profissional da saúde pode recomendar o uso de suplementos de fibra e probióticos.

A diverticulite tem origem hereditária?

Embora a diverticulite pareça surgir de forma ocasional, a diverticulose pode ter um componente genético envolvido. Essa predisposição genética pode aumentar as probabilidades de desenvolver divertículos em algum momento da vida.

Fontes

CARR, S. & VELASCO, A. L. Colon Diverticulitis. StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing, c2023. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK541110/.

JUNQUEIRA, L. C. U. & CARNEIRO J. Histologia Básica. 12 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. 558 p.

LINZAY, C. D. & PANDIT, S. Acute Diverticulitis. StatPearls. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing, c2023. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459316/.

MUNIE, S. T. & NALAMATI, S. P. M. Epidemiology and Pathophysiology of Diverticular Disease. Clin Colon Rectal Surg, v. 31, n. 4, p. 209-213, 2018.

STRATE, L.L. & MORRIS, A. M. Epidemiology, Pathophysiology, and Treatment of Diverticulitis. Gastroenterology., v. 156, n. 5, p. 1282-1298, 2019.

VARELLA BRUNA, M. H. Diverticulite e diverticulose. Site Drauzio Varella, 2011. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/diverticulite-e-diverticulose/. 

Escritor do artigo
Escrito por: Heloísa Fernandes Flores Bacharela, licenciada e mestre em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo. Atualmente, é doutoranda em Entomologia e cursa uma especialização em Gestão Escolar na mesma instituição. Desenvolve pesquisas com análise de conteúdo de livro didático e evolução de insetos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FLORES, Heloísa Fernandes. "Diverticulite"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/doencas/diverticulite.htm. Acesso em 17 de julho de 2024.

De estudante para estudante