Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Guaíba

O Guaíba é um lago de 496 km² que banha Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, e municípios da sua região metropolitana, sendo fundamental para o abastecimento hídrico da região.

Imagem do lago Guaíba banhando Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.
O Guaíba é um imenso lago que banha a cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, e sua região metropolitana.[1]
Crédito da Imagem: Commons
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O Guaíba é um lago de 496 km² de superfície localizado no Rio Grande do Sul, na região Sul do Brasil. Suas águas banham a capital do estado, Porto Alegre, e outros quatro municípios da sua região metropolitana. O lago Guaíba se estende por 50 quilômetros, desde o delta do rio Jacuí até a lagoa dos Patos. Ao longo de seu curso, é possível observar a presença de praias e ilhas lacustres.

As águas do Guaíba são importantes para o abastecimento da capital gaúcha e para o transporte de pessoas e mercadorias, sem contar sua relevância econômica e seu papel para a manutenção do equilíbrio ambiental na região. No entanto, problemas como a poluição hídrica afetam a qualidade do Guaíba. Além disso, as enchentes têm sido cada vez mais recorrentes nesse lago, causando danos severos, como perdas materiais e humanas, para Porto Alegre e os demais municípios atingidos.

Leia também: O que é uma laguna?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre o Guaíba

  • O Guaíba é um lago que banha a cidade de Porto Alegre (RS) e quatro outros municípios localizados na sua região metropolitana.

  • Tem extensão de 50 quilômetros, e vai do delta do rio Jacuí à lagoa dos Patos.

  • Sua área é de 496 km², enquanto sua bacia hidrográfica abrange 2,9 mil km².

  • Sua profundidade média é de 2 metros, com cerca de 20 quilômetros de largura.

  • Praias de água doce são encontradas nas suas margens, como a praia do Belém Novo e a praia da Florida. Além das praias, o Guaíba conta com algumas ilhas lacustres.

  • Ele é importante para o abastecimento urbano de Porto Alegre e região e para a realização do transporte lacustre de passageiros e de cargas.

  • Sua importância reside, ainda, nos papéis econômico e ambiental desempenhados por ele.

  • As enchentes têm sido um problema recorrente no Guaíba, que, em 2024, registrou uma cheia histórica de 5 metros. Porto Alegre foi uma das cidades mais afetadas.

  • A poluição hídrica é outro problema ambiental do Guaíba. A degradação da qualidade de suas águas é decorrente da ação antrópica por meio da urbanização e da atividade industrial.

Classificação do Guaíba

O Guaíba é, na maioria das vezes, tratado como um rio ou um curso d’água. No entanto, trata-se de um corpo hídrico bastante complexo e com características físicas bastante distintas de outros mananciais, as quais permitem associá-lo a um lago. Portanto, classifica-se o Guaíba como lago.

Dados gerais do Guaíba

  • Comprimento do Guaíba: 50 km.

  • Nascente do Guaíba: delta do rio Jacuí.

  • Profundidade do Guaíba: 2 metros.

  • Afluentes do Guaíba: rio Jacuí, rio dos Sinos, rio Caí e rio Gravataí.

  • Foz do Guaíba: lagoa dos Patos.

  • Onde o Guaíba deságua: lagoa dos Patos, que fica no Rio Grande do Sul.

  • Caudal médio: 1,2 milhão de litros por segundo.

  • Bacia hidrográfica do Guaíba: bacia do Guaíba, com 2919 km².

Localização do Guaíba

O Guaíba é um lago que fica no Sul do Brasil, mais precisamente no Rio Grande do Sul. Esse corpo hídrico fica na parcela leste do estado, e banha a sua capital, a cidade de Porto Alegre, e os seguintes municípios de sua região metropolitana:

  • Barra do Ribeiro;

  • Eldorado do Sul;

  • Guaíba;

  • Viamão.

Características do Guaíba

O Guaíba é um corpo hídrico que abrange área de 496 quilômetros quadrados, e banha Porto Alegre, uma das principais cidades da região Sul do país. Sua bacia hidrográfica, entretanto, compreende mais de 2 mil quilômetros quadrados e trata-se de um manancial muito complexo que, apesar de ser classificado como um lago, apresenta características de rio, como a presença de um canal central semelhante aos encontrados em leitos de cursos d’água.

Correntezas são identificadas no canal do Guaíba, o que não acontece nos lagos. Outro aspecto que torna o Guaíba um corpo complexo é o seu regime de circulação de águas, que não é unidirecional como em um rio qualquer. Por conta disso, diz-se que o Guaíba se comporta tanto como um lago, em suas margens, quanto como um rio.|1|

Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, sendo banhada pelo lago Guaíba.
O Guaíba é um dos corpos hídricos mais importantes do Rio Grande do Sul.

O lago Guaíba tem origem da junção das águas de quatro rios. Confira quais são eles abaixo, e quanto esses cursos contribuem para a formação do Guaíba, segundo informações da prefeitura de Porto Alegre:

  • Rio Jacuí, responsável por 84,6% das águas do Guaíba.

  • Rio dos Sinos, que contribui com 7,5% das suas águas.

  • Rio Caí, com 5,2% de participação.

  • Rio Gravataí, com parcela de 2,7%.

Em função disso, considera-se o delta do rio Jacuí como a nascente do Guaíba, situando-se na altura da Usina do Gasômetro, na região central de Porto Alegre. As águas desse lago desembocam na lagoa dos Patos, que, apesar de receber esse nome, se trata de uma laguna, ou seja, tem conexão com o mar. Assim, as águas do Guaíba que se integram com a lagoa dos Patos são direcionadas para o oceano Atlântico.

O Guaíba é um lago com 50 quilômetros de extensão e profundidade média de apenas 2 metros. No entanto, existem trechos em que a profundidade chega a 12 metros, o que acontece no Canal de Navegação. A largura do Guaíba é de 20 quilômetros em média, e as suas margens apresentam faixas de terra que variam de 85 a 100 quilômetros.

Praias do Guaíba

Ao longo das margens do Guaíba, identifica-se a presença de praias muito utilizadas para o lazer pela população porto-alegrense e da região metropolitana da capital. Essas praias são formadas por água doce, é claro. Além disso, estando em uma das margens, é possível enxergar a margem oposta. Cabe ressaltar, ainda, que não são todas as praias do Guaíba consideradas próprias para os banhistas, haja vista a poluição do lago. As praias do Guaíba são as seguintes:

Praias do Guaíba

Praias da margem leste

Praias da margem oeste

Praia do Belém Novo

Praia da Florida (cidade de Guaíba)

Praia do Lami

Praia da Alegria (cidade de Guaíba)

Praia de Itapuã (cidade de Vilamão)

Praia da Picada (cidade de Barra do Ribeiro)

Praia de Ipanema

 

Praia das Pombas (cidade de Vilamão)

 

Ilhas do Guaíba

Para além de praias, o Guaíba possui um conjunto de ilhas lacustres situadas desde o seu ponto de origem até seu ponto de descarga na lagoa dos Patos. Nota-se que algumas delas não ficam na altura da cidade de Porto Alegre, mas sim de outros municípios da região e que são banhados pelas águas do lago. As ilhas do Guaíba são:

  • ilhas do delta do Jacuí, em Porto Alegre;

  • ilha do Presídio (ou ilha das Pedras Brancas), em Porto Alegre, mas administrada pelo município de Guaíba;

  • ilha das Pombas, no município de Viamão;

  • ilha de Francisco Manoel, em Porto Alegre;

  • ilha do Junco, em Viamão, na entrada da lagoa dos Patos.

Importância do Guaíba

Embarcação no lago Guaíba sendo usada para o transporte hidroviário.
O Guaíba é importante para o transporte hidroviário e para o abastecimento urbano.[2]

O Guaíba é um dos corpos hídricos mais importantes do Rio Grande do Sul. É dele que provém a água utilizada para o abastecimento da cidade de Porto Alegre, o que acontece desde o princípio da história desse município. Assim, a população porto-alegrense, de 1.332.845 pessoas (IBGE, 2022), o comércio e a indústria locais dependem diretamente do Guaíba para a obtenção de água no seu dia a dia. O Guaíba é utilizado, também, economicamente para o transporte fluvial de cargas e passageiros, sendo possível ir de uma cidade a outra através das águas desse lago.

Ainda no âmbito econômico, o Guaíba tem importância para o turismo da cidade de Porto Alegre e dos demais municípios por ele banhado. Na capital, por exemplo, muitos pontos turísticos e/ou históricos estão situados ao longo de sua orla, como é o caso da Usina do Gasômetro, ou próximo do Guaíba, a exemplo do Anfiteatro Pôr do Sol e o Estádio Beira-Rio. Ademais, o Guaíba é fundamental para a manutenção dos ecossistemas locais, inclusive aqueles formados nas suas águas e margens.

Enchentes do Guaíba

Vista aérea da enchente do Guaíba que atingiu a cidade de Porto Alegre em 2024.
Vista aérea da enchente do Guaíba que atingiu a cidade de Porto Alegre em 2024.

Enchentes são fenômenos de origem natural que acontecem durante o período de cheia de um rio ou lago, e as suas águas extravasam para o leito maior. No caso de continuidade do aumento do nível desse corpo d’água, a planície de inundação é ocupada, e as cidades situadas nessa área são diretamente afetadas. Sabe-se, entretanto, que a ocorrência de enchentes é acelerada pela intervenção humana no meio, o que tem sido observado recentemente no Guaíba.

Por conta das alterações climáticas, decorrentes do aquecimento global, chuvas muito intensas, consideradas eventos excepcionais, têm acontecido com cada vez mais frequência no Sul do Brasil. Isso faz com que haja cheias recorrentes no Guaíba, provocando enchentes nas cidades banhadas por ele, como a capital sul-rio-grandense.

No ano de 2024, chuvas volumosas fizeram com que o nível do Guaíba ficasse em 4,77 metros e ultrapassasse os 5 metros no dia 4 de maio, superando a cheia história do ano de 1941, que foi de 4,76 metros. Como consequência, Porto Alegre foi inundada por água e vivencia a pior enchente da sua história, com milhares de pessoas desabrigadas. Não somente Porto Alegre e sua região metropolitana foram afetadas pelas chuvas fortes e enchentes no ano de 2024, como também cerca de 78% dos municípios do Rio Grande do Sul, com quase 400 mil pessoas desalojadas ou desabrigadas.

Chuvas intensas e pontos de alagamento haviam sido registrados na capital em 2023, o que fez subir o nível do Guaíba por duas vezes. Antes disso, chuvas intensas seguidas do rápido acréscimo no volume de água do Guaíba ocorreram, em proporções semelhantes, pouco mais de meio século atrás.

Veja também: Enchentes no Brasil — fenômenos naturais potencializados pela urbanização desordenada

Poluição do Guaíba

A poluição hídrica é o maior problema ambiental no Guaíba. Aliás, um estudo, desenvolvido na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), indica que esse é um impacto ambiental da urbanização que se faz presente no lago desde, pelo menos, o século XVIII.

A poluição das águas do Guaíba se dá pelos dejetos urbanos, como esgoto e lixo, jogados diretamente no lago sem tratamento, além do descarte proveniente de indústrias e fábricas, contribuindo para a degradação desse corpo hídrico. Um aspecto que intensifica a poluição do Guaíba é a dinâmica hidrológica regional, visto que as águas de vários mananciais são direcionadas para o lago, carregando consigo outros poluentes que chegam até o Guaíba.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Curiosidades sobre o Guaíba

  • O lago Guaíba comporta 1,5 km³ de água, o equivalente a 1,5 trilhão de litros.

  • Uma das datas comemorativas de Porto Alegre é o Dia do Lago Guaíba, celebrado no último domingo de novembro.

  • A palavra guaíba tem origem no tupi-guarani, e significa “encontro das águas”.

Nota

|1|RESENDE, Sarah. Rio ou lago? Entenda o que é o Guaíba, que transbordou e agravou as enchentes no Rio Grande do Sul. G1, 07 mai. 2024. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/05/07/rio-ou-lago-entenda-o-que-e-o-guaiba-que-transbordou-e-agravou-as-enchentes-no-rio-grande-do-sul.ghtml.

Créditos das imagens

[1]ANDRE SILVESTRI / Wikimedia Commons (reprodução)

[2]Boaventuravinicius / Wikimedia Commons (reprodução)

Fontes

ANDRADE, Mauro M. et al. Hidrodinâmica do Rio Guaíba: resultados preliminares. XXII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. 2017, Proceedings... Florianópolis, Brazil. ABRH, 2017. Disponível em: https://anais.abrhidro.org.br/job.php?Job=3151.

G1. Nº de pessoas fora de casa chega a 395 mil no RS; Porto Alegre tem dia sem chuva, e Sul do estado sofre após Lagoa dos Patos transbordar. G1 RS, 09 mai. 2024. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/05/09/rs-chega-a-107-mortes-apos-temporais-e-cheias-numeros-de-desalojados-e-feridos-aumentam.ghtml.

GUIMARÃES, Saulo Pereira. Cronologia de enchente no Rio Grande do Sul revela tragédia anunciada; veja. UOL Notícias, 10 mai. 2024. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2024/05/10/cronologia-enchente-chuvas-rio-grande-do-sul-2024-tragedia-sem-precedente.htm.

PAZ, Maurício. Enchente do Guaíba passa a cheia histórica de 1941; fotos mostram comparação. G1, 03 mai. 2024. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/05/03/enchente-do-guaiba-passa-a-cheia-historica-de-1941-fotos-mostram-comparacao.ghtml.

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE. Lago Guaíba. Prefeitura de Porto Alegre, [s.d.]. Disponível em: https://prefeitura.poa.br/sites/default/files/usu_doc/sites/dmae/Lago%20Guaiba%20%20-%20vers%C3%A3o%20final.pdf.

RESENDE, Sarah. Rio ou lago? Entenda o que é o Guaíba, que transbordou e agravou as enchentes no Rio Grande do Sul. G1, 07 mai. 2024. Disponível em: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2024/05/07/rio-ou-lago-entenda-o-que-e-o-guaiba-que-transbordou-e-agravou-as-enchentes-no-rio-grande-do-sul.ghtml.

REDAÇÃO. Porto Alegre: enchente de 1941 durou 22 dias e deixou 70 mil desabrigados. UOL Notícias, 09 mai. 2024. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2024/05/09/como-foi-enchente-historica-porto-alegre-1941.htm.

REDAÇÃO. Rio ou lago: afinal, o que é o Guaíba, atingido por temporal no RS? UOL Notícias, 04 mai. 2024. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2024/05/04/guaiba-e-rio-ou-lago.htm.

SILVA, Thauane. Pesquisa aponta histórico da poluição do Lago Guaíba. Jornal da Universidade – Ciência, 30 ago. 2019. Disponível em: https://www.ufrgs.br/ciencia/pesquisa-aponta-historico-da-poluicao-do-lago-guaiba/.

Escritor do artigo
Escrito por: Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Guaíba"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/brasil/guaiba.htm. Acesso em 23 de junho de 2024.

De estudante para estudante