Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Desastres ambientais

Os desastres ambientais são causados principalmente pela ação antrópica no meio e resultam em problemas graves, como perda de biodiversidade, surgimento de doenças e mortes.

Tragédia de Brumadinho, ocorrida em Minas Gerais, como exemplo de desastres ambientais.
Desastres ambientais, como o de Brumadinho (MG), causam sérios danos ao meio natural e aos seres humanos.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Desastres ambientais são eventos desencadeados no meio natural, ou que afetam elementos da natureza, e que apresentam efeitos negativos para os seres humanos. Os desastres ecológicos, como são também chamados, são causados principalmente pela ação antrópica, seja ela atrelada à exploração intensiva dos recursos naturais e à alteração do meio ou às atividades industriais.

São muitos os exemplos de desastres naturais no Brasil e no mundo, como o rompimento da barragem de Brumadinho (2019) e o acidente de Chernobyl (1986), o que nos mostra que tais eventos apresentam natureza diversa. Suas consequências são a perda de biodiversidade, o desequilíbrio ambiental, o surgimento de doenças, a morte de seres humanos e danos à infraestrutura, que geram prejuízos financeiros.

Leia também: 7 desastres ecológicos causados pelo homem no mundo

Tópicos deste artigo

Resumo sobre desastres ambientais

  • Desastres ambientais são eventos que acontecem no meio natural e que apresentam consequências negativas para os ecossistemas e para os seres humanos.
  • São desencadeados, em sua maioria, pela ação predatória dos seres humanos na natureza e pelas falhas e negligências em processos industriais e de transporte.
  • Os desastres ambientais podem ser geológicos, hidrológicos, meteorológicos, climatológicos, biológicos e tecnológicos.
  • Alguns dos maiores desastres ambientais do Brasil foram o rompimento das barragens de mineração em Brumadinho e Mariana (MG) e o acidente com césio 137 em Goiânia (GO).
  • Alguns dos maiores desastres ambientais do mundo foram o acidente de Chernobyl (Ucrânia), o derramamento de petróleo no Golfo do México e o vazamento de cianeto em Bophal (Índia).
  • A perda da biodiversidade, o desequilíbrio ambiental, os danos à infraestrutura, as doenças e a morte de pessoas são algumas consequências dos desastres ambientais.

O que são desastres ambientais?

Chamados também de desastres ecológicos, os desastres ambientais são eventos desencadeados no meio natural e que apresentam consequências devastadoras para os ecossistemas e também para os seres humanos. Tais desastres ambientais podem ser provocados pela própria ação da natureza, passando a ser classificados apenas como desastres naturais. No entanto, na maioria das vezes, eles são causados pela ação transformadora que os seres humanos exercem sobre o meio.

Causas dos desastres ambientais

Os desastres naturais podem ser provocados pelas próprias forças da natureza, como no caso da ocorrência de fortes tempestades, tornados, furacões, terremotos, tsunamis e erupções vulcânicas, por exemplo. Sabe-se, entretanto, que é a ação dos seres humanos sobre o meio natural que atua como o principal causador dos desastres ecológicos. Essas ações incluem:

  • exploração intensiva dos recursos naturais;
  • descaracterização do meio natural;
  • falhas durante a execução de processos e no manuseio de equipamentos industriais;
  • não cumprimento de protocolos e leis sanitárias;
  • negligência com a manutenção de infraestruturas, veículos e equipamentos industriais, bem como para com protocolos de segurança em áreas de risco.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Tipos de desastres ambientais

A Defesa Civil brasileira categoriza os desastres naturais nos seguintes tipos:

  • Desastres geológicos: provocados pelas forças internas do planeta Terra e pelos processos responsáveis por moldar a forma da superfície, como terremotos, erupções vulcânicas, deslizamentos de terra, tombamentos e erosões.
  • Desastres hidrológicos: associados às consequências da precipitação para o meio natural e urbano, como inundações, enchentes e alagamentos.
  • Desastres meteorológicos: provocados por fenômenos atmosféricos como ciclones, frentes e tempestades.
  • Desastres climatológicos: relacionados às condições do clima de uma área, como secas extremas, períodos de chuvas muito intensas, baixa umidade do ar. A defesa civil inclui aqui, também, os incêndios florestais, muitos dos quais são acelerados pelo período de estiagem e calor extremo.
  • Desastres biológicos: provocados por epidemias, infestações e pragas.
  • Desastres tecnológicos: provocados pelas atividades de exploração do meio natural, como a mineração, pelas indústrias e pelos serviços que integram o funcionamento e a manutenção infraestrutura. São aqueles provocados pela ação direta dos seres humanos sobre a natureza.

10 maiores desastres ambientais no Brasil

A seguir, os dez maiores desastres ambientais no Brasil, dispostos em ordem cronológica.

1. Vale da Morte em Cubatão (SP) – década de 1980

Paisagem cultural de Cubatão (SP), local onde ocorreu um dos maiores desastres ambientais no Brasil.
Cubatão (SP) ficou conhecida como Vale da Morte na década de 1980 por conta da intensa poluição atmosférica. [1]

No início da década de 1980, a cidade de Cubatão era um dos principais polos da indústria química pesada do Brasil. A intensa atividade industrial fez com que fossem emitidos grandes volumes de gases poluentes na atmosfera, tornando a cidade uma das mais poluídas do mundo na época.

Centenas de pessoas adoeceram em decorrência da poluição severa, visto que muitas substâncias tóxicas estavam em suspensão no ar. As consequências afetaram também os recém-nascidos. Fenômenos como chuvas ácidas eram comuns, e houve a poluição de cursos d’água e do solo.

2. Incêndio da Vila Socó em Cubatão (SP) – 1984

Um incêndio de grandes proporções aconteceu na Vila Socó, bairro que comportava 6 mil habitantes e que hoje é conhecido como Vila São José, na cidade industrial de Cubatão. A origem do incêndio foi um vazamento de gasolina dos oleodutos da Petrobras na manhã do dia 24 de fevereiro de 1984. O derramamento do combustível nos arredores da Vila Socó durou cerca de 12 horas e foi da ordem de 700 mil litros. O incêndio teve início à noite, por volta das 22h30, e deixou 93 mortos.

3. Contaminação por césio-137 em Goiânia (GO) – 1987

A contaminação por césio-137 é o maior acidente radiológico do mundo e o segundo maior acidente radioativo do mundo. A contaminação por césio-137 em Goiânia começou com um aparelho radiológico abandonado no antigo Instituto Goiano de Radiologia.

Cápsula onde estava o césio-137, que levou à ocorrência em Goiânia de um dos maiores desastres ambientais do Brasil.
Cápsula onde estava o césio-137. [2]

Dois moradores do Bairro Popular encontraram a máquina e venderam suas peças em um ferro-velho, entre as quais estava a cápsula de césio. Após ser aberta, o dono do ferro-velho percebeu à noite o brilho azul emanado pela substância em pó que estava dentro dela, e a levou para casa, despertando o interesse de sua família pelo objeto. A radiação presente na cápsula de césio-137 contaminou todos aqueles que tiveram contato com ela, incluindo os catadores, a família do dono do ferro-velho e funcionários do local. O número de mortes diretas foi de quatro pessoas, mas diversas pessoas foram contaminadas.

A Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) precisou ser acionada para acionar os protocolos de descontaminação dos locais por onde a amostra passou. Para saber mais detalhes sobre o acidente com césio-137 em Goiânia, clique aqui.

4. Vazamento de petróleo na Baía de Guanabara (RJ) – 2000

Um milhão de litros de petróleo bruto foi derramado na Baía de Guanabara, no litoral do estado do Rio de Janeiro, em função do rompimento de um oleoduto da Petrobras que conectava a Refinaria Duque de Caxias ao terminal Ilha d'Água, na Ilha do Governador. O acidente aconteceu em 18 de janeiro de 2000, e originou uma mancha de óleo que se estendeu por 40 km². Milhares de pessoas foram afetadas pelo derramamento, especialmente os pescadores locais, além dos prejuízos à fauna e à flora.

5. Vazamento da barragem industrial em Cataguases (MG) – 2003

Esse desastre foi desencadeado pelo rompimento de uma barragem contendo rejeitos da indústria de celulose, que provocou o espalhamento de um volume de 900 mil m³ da substância chamada licor negro (formado por ligninia e sódio) na região da cidade de Cataguases, situada na Zona da Mata de Minas Gerais. Como resultado, houve a poluição dos rios Paraíba do Sul e Pomba, afetando a bacia hidrográfica e a população ribeirinha que depende desses cursos d’água para a sua subsistência.

6. Rompimento de barragem de mineração em Miraí (MG) – 2007

Pouco tempo depois do desastre de Cataguases, a região da Zona da Mata mineira vivenciou um novo rompimento de barragem de efluentes, dessa vez oriundos da mineração. O acidente aconteceu na zona rural da cidade de Miraí em 10 de janeiro de 2007, liberando um volume de 2 milhões de m³ de rejeitos que deixou milhares de pessoas desabrigadas. Os rios Fubá e Córrego Bom Jardim foram diretamente afetados.

7. Vazamento de petróleo na Bacia de Campos (RJ) – 2011

No ano de 2011, um volume equivalente a 3,7 mil barris de petróleo foi despejado no oceano Atlântico na região da Bacia de Campos, no litoral do Rio de Janeiro, em uma área cuja exploração era realizada pela empresa norte-americana Chevron. A mancha de óleo se estendeu por 160 quilômetros quadrados, afetando principalmente os animais marinhos, incluindo as aves.

8. Incêndio na Ultracargo em Santos (SP) – 2015

Os tanques de combustível de uma subsidiária da empresa Ultracargo pegaram fogo em um terminal em Santos, no litoral de São Paulo, em 2015. O incêndio teve início na manhã do dia 2 de abril, e teve duração de oito dias no total. Os danos ambientais foram vários, desde a poluição do ar até a liberação de efluentes nos ecossistemas litorâneos e nos corpos hídricos próximos. Uma das consequências da poluição do ar foi a ocorrência de chuva ácida, que provoca danos ao patrimônio e ao meio ambiente.

9. Rompimento da barragem de mineração em Mariana (MG) – 2015

Pássaros na proximidade da lama do rompimento da barragem de Mariana (MG), um dos maiores desastres ambientais do Brasil.
O rio Doce, um dos principais de Minas Gerais, foi poluído pelos rejeitos da barragem rompida no ano de 2015 na cidade de Mariana.

 

A barragem de Fundão, administrada pela mineradora Samarco, rompeu no dia 5 de novembro de 2015 na região de Mariana (MG), atingindo muitas comunidades rurais e distritos. Um dos distritos mais afetados pela lama tóxica da mineração foi Bento Rodrigues. Estima-se que 47,8 milhões de m³ de rejeitos foram liberados com o rompimento, provocando a inundação das áreas urbanas próximas, a morte de pessoas e animais e a poluição do solo e de cursos d’água.

 

Entre os rios que receberam substâncias poluentes e tóxicas está o rio Doce, um dos mais importantes da região. Até hoje a pesca é proibida nesse curso d’água, e a recuperação da qualidade de suas águas ainda é um trabalho em andamento. Para saber mais detalhes sobre o rompimento da barragem em Mariana, clique aqui.

10. Rompimento de barragem de mineração em Brumadinho (MG) – 2019

A barragem de mineração da mina de Córrego do Feijão, na zona rural da cidade de Brumadinho (MG), rompeu no dia 25 de janeiro de 2019. A administração do local era de responsabilidade da empresa Vale. O rompimento provocou a liberação de 11 milhões de m³ de lama e resíduos tóxicos, deixando milhares de pessoas desabrigadas e fazendo 272 vítimas fatais. O colapso da barragem provocou sérios desequilíbrios ambientais, visto que atingiu ecossistemas da Mata Atlântica e o rio Paraopeba, importante para o abastecimento hídrico regional. Para saber mais detalhes sobre o rompimento da barragem em Brumadinho, clique aqui.

10 maiores desastres ambientais no mundo

A seguir, os dez maiores desastres ambientais no mundo, dispostos em ordem cronológica.

1. Doença de Minamata, no Japão – 1956

A doença de Minamata é uma condição desenvolvida pela ingestão de mercúrio na água ou nos alimentos (como frutos do mar e peixes), tendo recebido esse nome por ter sido identificada pela primeira vez na cidade japonesa de Minamata em 1956. Os habitantes de Minamata desenvolveram essa doença por conta da contaminação das águas da baía local pelos efluentes industriais, que continham mercúrio, lançados pela empresa Chisso Minamata. Mais de 20 mil pessoas foram contaminadas na cidade japonesa, e milhares morreram em decorrência da doença.

2. Vazamento de petróleo no delta do rio Níger, na África – 1958

Uma série de vazamentos de combustível aconteceram na região do delta do rio Níger, na Nigéria, após a descoberta de petróleo e do início da sua exploração comercial na região a partir de 1958. Estima-se que, desde então, entre 9 e 13 milhões de barris de petróleo foram derramados no delta do Níger.

3. Nuvem de dioxina em Seveso, na Itália – 1976

Aviso de área contaminada por dioxina na cidade de Seveso, na Itália, em 1976, um dos maiores desastres ambientais no mundo.
Aviso de área contaminada por dioxina na cidade de Seveso, na Itália, em 1976.

A ocorrência de uma explosão em uma fábrica de produtos químicos na cidade italiana de Seveso provocou o lançamento de uma substância extremamente tóxica na atmosfera, a dioxina (TCDD) em 10 de julho de 1976. A contaminação do ar provocou a morte de milhares de animais, o surgimento de doenças nos habitantes (de diarreias a irritação na pele) e a contaminação dos solos.

4. Acidente na usina nuclear de Three Mile Island, na Pensilvânia (EUA) – 1979

Parte de um dos reatores da usina nuclear de Three Mile Island, situada no condado de Dauphin, na Pensilvânia, derreteu em função por conta de problemas nos equipamentos em conjunto com falha humana. Esse é considerado o pior acidente nuclear dos Estados Unidos, que provocou a emissão de gases poluentes na atmosfera.

5. Vazamento de cianeto em Bophal, na Índia – 1984

Entre os dias 2 e 3 de dezembro de 1984, o vazamento de cianeto de uma fábrica de pesticidas na cidade de Bophal, na Índia, lançou mais de 40 toneladas de gases tóxicos na atmosfera. Entre eles estava o isocianato de metila, que tem efeito letal. O número de mortes chegou a 8 mil em apenas três dias, sendo este considerado o pior desastre ambiental da história.

6. Acidente na usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia – 1986

Cidade de Pripyat, local onde ocorreu o acidente na usina de Chernobyl, um dos maiores desastres ambientais no mundo.
A cidade de Pripyat precisou ser imediatamente evacuada após o acidente na usina de Chernobyl. [3]

Uma falha humana na usina nuclear de Chernobyl em Pripyat, na antiga União Soviética e atualmente território ucraniano, fez com que houvesse a explosão e posterior exposição do seu reator. O acidente, que aconteceu em 26 de abril de 1986, lançou enorme quantidade de partículas radioativas no ar. Até hoje, quase quatro décadas após o ocorrido, o local não é seguro para se habitar. Para saber mais detalhes sobre o acidente em Chernobyl, clique aqui.

7. Vazamento de petróleo do navio Exxon Valdez, na costa do Alasca – 1989

Também provocado por erros humanos, o navio petroleiro Exxon Valdez se chocou com as rochas presentes na faixa costeira do Alasca (Estados Unidos), e esse acidente provocou o vazamento de mais de 40 milhões de litros de petróleo bruto no oceano. Milhares de animais foram mortos, e os danos causados para o meio ambiente foram devastadores.

8. Vazamento de cianeto de Baia Mare, na Romênia – 2000

Esse desastre foi provocado pelo colapso de um reservatório associado a uma mina de exploração de ouro na cidade de Baia Mare, na Romênia. O vazamento liberou 34 milhões de galões de cianeto nas águas locais, atingindo o curso de importantes rios, como o Danúbio e o Tisza.

9. Despejo de resíduos tóxicos na Costa do Marfim – 2006

Quase 500 toneladas de lixo tóxico contendo soda cáustica e resíduos de petróleo foram despejadas no sistema de esgoto da cidade de Abidjã, na Costa do Marfim, em 2006. O responsável foi um navio cargueiro pertencente à empresa Transfigura, provocando doenças em vários habitantes do país e causando a morte de 15 pessoas.

10. Derramamento de óleo da Deepwater Horizon, no Golfo do México – 2010

Mancha de óleo causada pelo derramamento de petróleo no Golfo do México (2010), um dos maiores desastres ambientais no mundo.
Mancha de óleo provocada pelo derramamento de petróleo no Golfo do México em 2010.

A explosão na plataforma de exploração Deepwater Horizon, à época sob a gestão da British Petroleum (BP), provocou o derramamento de 780 milhões de litros de petróleo cru nas águas do oceano Atlântico na região do Golfo do México em 2010. Por conta disso, esse passou a ser considerado o maior acidente do tipo da história, afetando severamente a fauna e a flora marinha locais.

Consequências dos desastres ambientais

Os desastres ambientais sempre produzem consequências negativas para o meio natural e para os seres humanos, conforme pudemos ver nos casos apresentados acima. Em linhas gerais, os desastres ecológicos ocasionam:

  • redução e destruição dos ecossistemas;
  • perda de biodiversidade;
  • desequilíbrio ambiental, com prejuízo aos ciclos biogeoquímicos;
  • poluição e contaminação dos solos, dos corpos hídricos e do ar;
  • desenvolvimento e proliferação de doenças entre seres humanos;
  • danos à infraestrutura e perdas materiais;
  • perdas humanas com a morte de pessoas causada direta ou indiretamente pelos desastres ambientais;
  • deslocamento de pessoas de suas residências (desabrigados e desalojados);
  • prejuízos econômicos para o Estado e para a população de um modo geral.

Créditos de imagem

[1] Will Rodrigues / Shutterstock

[2] Banco de imagens da AIEA / Wikimedia Commons (reprodução)

[3] Luigi Ottani / Shutterstock

Fontes

ALMEIDA, Bárbara. Em Cataguases, barragem rompida foi desativada após acidente em 2003. G1, 06 nov. 2015. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2015/11/em-cataguases-barragem-rompida-foi-desativada-apos-acidente-em-2003.html.

ANTUNES, Rafael; BRUM, Renata; OLIVEIRA, Roberta. Zona da Mata ainda se recupera de rompimento de barragem há 9 anos. G1 Zona da Mata, 07 nov. 2015. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2015/11/zona-da-mata-ainda-se-recupera-de-rompimento-de-barragem-ha-9-anos.html.

BBC. Como nuvem letal matou mais de 8 mil pessoas em 72 horas. BBC News Brasil, 03 dez. 2014. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/12/141203_gas_india_20anos_rp.

CFR. 1912 – 2020 Ecological Disasters. Council of Foreign Relations (CFR), [s.d.]. Disponível em: https://www.cfr.org/timeline/ecological-disasters.

ECYCLE. Costa do Marfim: sobreviventes de acidente com lixo tóxico permanecem sem visibilidade. Ecycle, 24 ago. 2016. Disponível em: https://www.ecycle.com.br/costa-do-marfim-sobreviventes-de-acidente-com-lixo-toxico-permanecem-no-escuro/.

CRUZ, Elaine Patrícia. Vila Socó: há 40 anos, incêndio matou pelo menos 93 pessoas. Agência Brasil, 24 fev. 2024. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2024-02/vila-soco-ha-40-anos-incendio-matou-pelo-menos-93-pessoas.

G1. Mariana: tragédia completa 7 anos de impunidade e atrasos na reparação às vítimas. G1 Minas, 05 nov. 2022. Dispinível em: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2022/11/05/mariana-tragedia-completa-7-anos-de-impunidade-e-atrasos-na-reparacao-as-vitimas.ghtml.

GONÇALVES, Darly Prado. Principais desastres ambientais no Brasil e no mundo. Jornal da UNICAMP, 01 dez. 2017. Disponível em: https://www.unicamp.br/unicamp/ju/noticias/2017/12/01/principais-desastres-ambientais-no-brasil-e-no-mundo.

KLEINE-BROCKHOFF, Moritz. 1976: Explosão provoca vazamento de dioxina em Seveso. DW, [s.d.]. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/1976-explos%C3%A3o-provoca-vazamento-de-dioxina-em-seveso/a-871315.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Entenda a diferença entre os tipos de desastres naturais e tecnológicos registrados no Brasil. Disponível em: https://www.gov.br/mdr/pt-br/ultimas-noticias/entenda-a-diferenca-entre-os-tipos-de-desastres-naturais-e-tecnologicos-registrados-no-brasil.

NADAI, Mariana. O que foi o acidente com o césio-137 em Goiânia (GO)? Mundo Estranho, 20 abr. 2023. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/o-que-foi-o-acidente-com-o-cesio-137.

ORTIZ, Fabíola. Baía de Guanabara: vazamento da Petrobras completa 14 anos. O Eco, 28 fev. 2014. Disponível em: https://oeco.org.br/reportagens/28021-baia-de-guanabara-vazamento-da-petrobras-completa-14-anos/.

PIMENTEL, Thaís. Quantidade de lama que vazou de barragem em Mariana equivale a um ‘Pão de Açúcar’, diz presidente da Fundação Renova. G1, 05 jul. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/desastre-ambiental-em-mariana/noticia/quantidade-de-lama-que-vazou-de-barragem-em-mariana-equivale-a-um-pao-de-acucar-diz-presidente-da-fundacao-renova.ghtml.

SALATIEL, José Renato. Desastre ambiental - Consequências do vazamento de petróleo no golfo do México. UOL Educação, [s.d.]. Disponível em: https://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/desastre-ambiental-consequencias-do-vazamento-de-petroleo-no-golfo-do-mexico.htm.

UOL NOTÍCIAS. Vazamento da BP derramou 780 milhões de litros de petróleo, segundo nova estimativa dos EUA. UOL Notícias, 02 ago. 2010. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2010/08/02/vazamento-da-bp-derramou-780-milhoes-de-litros-de-petroleo-segundo-nova-estimativa-dos-eua.htm.

Escritor do artigo
Escrito por: Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Desastres ambientais"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/desastres-ambientais.htm. Acesso em 27 de maio de 2024.

De estudante para estudante