Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Simbiose

Simbiose é um termo usado para fazer referência a uma associação íntima entre organismos de espécies diferentes. O termo foi usado pela primeira vez em 1879.

Os líquens estabelecem relações simbióticas.
Os líquens estabelecem relações simbióticas.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Simbiose é um termo que vem do grego e significa “viver junto”. Esse termo foi utilizado pela primeira vez em 1879 para definir uma associação íntima estabelecida entre organismos de diferentes espécies.

Alguns autores consideram simbiose um sinônimo de mutualismo. Entretanto, outros autores consideram também o parasitismo como uma forma de simbiose. Assim sendo, a simbiose engloba tanto relações ecológicas harmônicas como desarmônicas.

Saiba mais: Conceitos de Ecologia — alguns importantes conceitos dessa área que estuda a interação dos serves vivos

Tópicos deste artigo

Resumo sobre simbiose

  • O termo simbiose foi utilizado pela primeira vez por Anton Bary, em 1879.

  • Simbiose significa “viver junto”.

  • O termo simbiose é usado para fazer referência a uma associação íntima estabelecida entre seres de espécies diferentes.

  • Muitos autores utilizam o termo simbiose para se referir apenas a relações onde há benefício mútuo.

  • O mutualismo e o parasitismo são tipos de relações simbióticas.

O que é simbiose?

O termo simbiose foi utilizado pela primeira vez em 1879, por Anton Bary, para se referir a uma relação na qual indivíduos de espécies diferentes vivem juntos em uma associação íntima. Considerando essa definição, podemos concluir que a simbiose representa diferentes relações ecológicas, e não apenas o mutualismo, como alguns autores propõem.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)
  • Definições de outros autores

No livro A Economia da Natureza, de Ricklefs, a simbiose é definida como uma

associação íntima, e frequentemente obrigatória, de duas espécies, normalmente envolvendo coevolução. As relações simbióticas podem ser parasíticas ou mutualísticas.

Seguindo o mesmo raciocínio, a simbiose é definida, no livro Biologia Vegetal, de Raven, como uma

associação íntima entre dois ou mais organismos diferentes que pode ser, embora não necessariamente, benéfica para ambos.

Considerando as definições apresentadas, não adotaremos, nesse texto, o termo simbiose como sinônimo de mutualismo.

Saiba mais: Teoria endossimbiótica — algumas organelas celulares teriam surgido mediante uma associação simbiótica

Tipos de simbiose

Assim como a definição de simbiose, os tipos de simbiose também são motivo de discordância entre autores. Enquanto alguns citam o parasitismo e o mutualismo como relações simbióticas, outros incluem também o comensalismo, relação ecológica entre espécies diferentes em que uma é beneficiada e a outra não é beneficiada nem prejudicada.

Aqui, consideraremos como relações simbióticas o parasitismo e o mutualismo, duas associações íntimas estabelecidas entre organismos de espécies diferentes (relação interespecífica).

  • O que é mutualismo?

O mutualismo é uma relação interespecífica em que todos os organismos envolvidos são beneficiados. Um exemplo de mutualismo pode ser observado quando analisamos um líquen, o qual é formado pela associação de um fungo e uma alga ou um fungo e uma cianobactéria.

Nessa associação, algas ou cianobactérias, que são organismos autotróficos, fornecem matéria orgânica ao fungo. Este, por sua vez, cria as condições ideais para o desenvolvimento desses organismos, disponibilizando sais minerais e tornando o ambiente úmido.

O mutualismo pode ser classificado em mutualismo facultativo e mutualismo obrigatório. O mutualismo facultativo é aquele em que os participantes se beneficiam, porém podem viver de maneira independente.

Um exemplo de mutualismo facultativo ocorre entre o caranguejo-eremita e anêmonas-do-mar. O caranguejo atua garantindo o transporte da anêmona, enquanto a anêmona confere proteção ao caranguejo.

Por sua vez, o mutualismo obrigatório é uma relação que se interrompida, pode prejudicar a sobrevivência de um dos envolvidos. Esse é o caso dos líquens.

  • Videoaula sobre mutualismo

  • O que é parasitismo?

O parasitismo é uma relação interespecífica nociva para um dos envolvidos. Essa relação ecológica ocorre quando uma espécie vive sobre ou dentro de outro organismo, retirando dele o seu alimento. O organismo que retira os nutrientes de outro é chamado de parasita, enquanto o organismo parasitado é chamado de hospedeiro.

Piolho marrom em um pente branco com fios de cabelo
 O parasitismo é uma relação interespecífica em que um dos envolvidos é prejudicado com a interação.

Diferentemente da predação, no parasitismo o parasita raramente mata seu hospedeiro, uma vez que um necessita do outro para a obtenção de seus nutrientes. Entretanto, ao longo do tempo, o parasita pode enfraquecer e prejudicar o desenvolvimento do hospedeiro.

Podemos classificar os parasitas em ectoparasitas e endoparasitas. Ectoparasitas se desenvolvem do lado externo do corpo do hospedeiro. É o caso dos piolhos. Já os endoparasitas vivem dentro do corpo do hospedeiro. É o caso das lombrigas e tênias.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Escritor do artigo
Escrito por: Vanessa Sardinha dos Santos Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Goiás (2008) e mestrado em Biodiversidade Vegetal pela Universidade Federal de Goiás (2013). Atua como professora de Ciências e Biologia da Educação Básica desde 2008.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Simbiose"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/simbiose.htm. Acesso em 22 de maio de 2024.

De estudante para estudante