Topo
pesquisar

Pênis

Biologia

O pênis é um órgão presente no sistema reprodutor masculino que se destaca pela presença de tecido erétil que se enche de sangue no momento da ereção.
O pênis é um órgão que faz parte do sistema genital masculino.
O pênis é um órgão que faz parte do sistema genital masculino.
PUBLICIDADE

O pênis é um órgão do sistema reprodutor masculino que apresenta função essencial na reprodução humana. Além disso, no interior do pênis, observa-se a passagem da uretra, a qual também serve de caminho para a eliminação da urina. A seguir, falaremos mais a respeito desse importante órgão presente no corpo dos homens.

Anatomia do pênis

O pênis um órgão que faz parte do sistema genital masculino e está relacionado com a reprodução e também com a eliminação da urina, uma vez que a uretra passa pelo interior do órgão. Ele possui três colunas de um tecido erétil e uma uretra. Em volta das colunas, encontramos tecido subcutâneo não adiposo, e, recobrindo o órgão, encontramos pele.

A pele que reveste o pênis caracteriza-se por ser mais fina e também mais escura do que aquela presente no restante do corpo do homem. Pelos não são observados ao longo do pênis, estando esses presentes apenas na região da base. A pele na região terminal dobra e projeta-se sobre a chamada glande, formando o chamado prepúcio.

O tecido erétil presente no pênis recebe essa denominação devido à capacidade de se encher de sangue e tornar a estrutura mais rígida no momento da ereção. Duas dessas três colunas estão localizadas dorsalmente e formam os chamados corpos cavernosos do pênis. Esses corpos cavernosos são divididos por feixes, os quais formam os chamados espaços cavernosos.

A outra coluna restante, denominada de corpo esponjoso ou corpo cavernoso da uretra, está localizada ventralmente e é atravessada pela uretra. Os corpos esponjosos, assim como os corpos cavernosos, apresentam feixes formando espaços, entretanto, esses são mais finos e elásticos. A uretra, nessa região, apresenta as chamadas glândulas de Littré, que se caracterizam pela secreção de muco. O corpo esponjoso, na sua poção terminal, expande-se formando a glande do pênis.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Leia também: Câncer de próstata

Ereção

A ereção é o processo que garante um maior fluxo sanguíneo no pênis, tornando-o rígido e ereto. A ereção ocorre após um estimulo sexual, que desencadeia uma estimulação parassimpática, que faz com que as artérias que suprem o pênis fiquem dilatadas. Com essa dilatação, uma maior quantidade de sangue chega ao órgão, o que acaba ocasionando a compressão das veias do pênis.

Desse modo, o sangue fica retido no órgão, tornando-o ereto. Logo após a ejaculação, a estimulação parassimpática diminui, e o pênis volta ao estado flácido. Um ponto interessante a se destacar é que no estado erétil o pênis apresenta cerca de 4,5 cm a mais do que em seu estado flácido.

Vale salientar, que em algumas situações podem fazer com que ocorra uma dificuldade de ereção. Dentre esses fatores podemos citar os fatores emocionais, idade avançada e consumo de álcool e drogas.

Fimose e circuncisão

A fimose é uma condição em que o homem apresenta um orifício do prepúcio pequeno, o que dificulta a retração do prepúcio sobre a glande. Essa dificuldade de retração acaba dificultando a limpeza no local, o que pode favorecer o surgimento de infecções e até mesmo de câncer de pênis.

Na circuncisão, o prepúcio é removido.
Na circuncisão, o prepúcio é removido.

A fimose é uma das condições em que se recomenda a realização da chamada circuncisão. Esse procedimento consiste na remoção da pele que forma o prepúcio. Além da fimose, a circuncisão é recomendada em caso de balanopostite, condição que causa inflamação do prepúcio e da glande, e feita também por motivos culturais.

Câncer de pênis

O câncer de pênis é um tipo de câncer raro, principalmente em países desenvolvidos. Em 2015, de acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer, esse tipo de câncer foi responsável por 402 mortes. Os fatores de risco para o desenvolvimento desse problema são:

  • Presença de fimose;

  • Doenças sexualmente transmissíveis, em especial o HPV;

  • Má higiene.

O tratamento desse tipo de câncer envolve cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Em casos avançados da doença, pode até mesmo ocorrer a amputação do órgão. Estima-se que ocorram cerca de 1000 amputações do órgão a cada ano no Brasil.

O HPV está relacionado com câncer de pênis em homens e com câncer de colo do útero em mulheres.
O HPV está relacionado com câncer de pênis em homens e com câncer de colo do útero em mulheres.

Vale destacar que a doença pode ser prevenida com medidas bastante simples, como higiene da região genital, uso de camisinha durante as relações sexuais e a realização de circuncisão nos casos em que o procedimento é recomendado.

Leia também: Como usar a camisinha masculina

Aumento peniano

O tamanho do pênis é, muitas vezes, um motivo de preocupação para o homem, que acaba procurando procedimentos que visam a aumentar o tamanho do órgão. De acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, a maioria dos homens que procura esse procedimento possui um pênis normal e apresenta uma interpretação incorreta do tamanho do seu órgão.

Os homens, ao procurarem técnicas de aumento peniano, muitas vezes, não se preocupam com as consequências do procedimento e com a efetividade do processo. Desse modo, é comum que, após submetidos ao procedimento, tenham que lidar com a frustração e com complicações, como infecções e disfunção erétil.

Apesar de muitos locais afirmarem eficiência no procedimento, a realização do aumento peniano em pênis normal não é um procedimento que possui credibilidade pela comunidade médica. Em um parecer sobre os procedimentos de aumento peniano, a Sociedade Brasileira de Urologia é enfática ao dizer que: através do seu Departamento de Medicina Sexual e Reprodução, contraindica essa prática e reforça que não há estudos ou dados científicos que confiram credibilidade, eficácia ou segurança de qualquer técnica de aumento das dimensões penianas.

Vale salientar que existem técnicas cirúrgicas que visam a aumentar a haste peniana, porém essas técnicas não são usadas para pessoas com o tamanho normal do pênis e visam a garantir uma melhora funcional para o paciente.

Essas técnicas, de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia, são usadas para casos de micropênis, epispádias (abertura uretral aparece na superfície dorsal do pênis), alguns casos de hipospádias (abertura uretral aparece na superfície ventral do pênis), amputações parciais, defeitos traumáticos, retrações ou encurtamentos devido à Doença de Peyronie e retrações penianas em pacientes lesados medulares, com o intuito de permitir uma melhor colocação de próteses e coletores urinários.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Pênis"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/penis.htm. Acesso em 19 de julho de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola