Anfíbios

Biologia

PUBLICIDADE

Anfíbios (Classe Amphibia) são animais vertebrados que se destacam por ter representantes que passam parte do seu ciclo de vida na água e outra parte no ambiente terrestre. O termo anfíbio deve-se a essa característica, sendo derivado de amphibious, que se significa “ambos tipos de vida”. Apesar desse modo de vida marcante, nem todas as espécies do grupo possuem-no, sendo possível encontrar representantes estritamente aquáticos ou estritamente terrestres.

Os anfíbios podem ser classificados em três grupos: Anura, Urodela e Apoda. Desses, o grupo dos anuros destaca-se como o mais diversificado, apresentando muitos representantes bastante conhecidos, tais como sapos e rãs. Atualmente no planeta são reconhecidas cerca de 7000 espécies diferentes de anfíbios, sendo 900 encontradas em nosso país. É importante destacar que fatores como perda de habitat e mudanças climáticas têm provocado a extinção de várias espécies desses animais.

Leia também: Sapos, rãs e pererecas - conheça a diferença entre esses três grupos de animais

Características gerais dos anfíbios

Os anfíbios são animais vertebrados ectotérmicos (não são capazes de regular a temperatura corporal por mecanismos internos, sendo fundamental para isso fontes externas), e uma de suas características mais marcantes é a presença de um ciclo de vida com uma fase larval aquática e uma fase adulta terrestre. Apesar de não ocorrer em todos os representantes, essa característica faz com que esses animais sejam considerados de “vida dupla”.

Os sapos são uns dos mais conhecidos representantes dos anfíbios.
Os sapos são uns dos mais conhecidos representantes dos anfíbios.

Os anfíbios merecem destaque por outras características importantes, tais como a realização de trocas gasosas pela pele, apresentando, desse modo, respiração cutânea. Em algumas espécies, a respiração cutânea complementa a respiração pulmonar, entretanto, em algumas espécies terrestres, observa-se a ausência de pulmão, apresentando exclusivamente a respiração cutânea. Não podemos esquecer-nos também de que os anfíbios que vivem no ambiente aquático apresentam respiração branquial.

A respiração cutânea faz com que esses animais necessitem manter sua pele úmida a fim de permitir a troca gasosa. Devido a isso, a maioria dos anfíbios é encontrada em ambientes úmidos, tais como florestas. Podem ser também encontrados em ambientes mais secos, mas essas espécies, geralmente, passam grande parte do tempo sob folhas ou em tocas que lhes garantem maior umidade. Além disso, os anfíbios têm uma pele com glândulas que secretam substâncias que garantem essa umidade.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Não podemos esquecer-nos também da presença de glândulas que secretam veneno, as quais são responsáveis pela proteção desses animais. São encontradas, principalmente, na região dorsal, entretanto, a posição das glândulas bem como sua quantidade variam de uma espécie para outra. No sapo-cururu, por exemplo, além de observar-se as glândulas no dorso do animal, verifica-se a presença de glândulas grandes e desenvolvidas, como a paratoide, localizada na região atrás dos olhos.

O sistema cardiovascular dos anfíbios é fechado e a circulação é dupla, ou seja, o sangue corre no interior dos vasos sanguíneos e, para completar um circuito, passa duas vezes pelo coração. O coração dos anfíbios é dividido em três cavidades, sendo dois átrios e um ventrículo. Devido à presença de apenas um ventrículo, o sangue rico em oxigênio entra em contato com o sangue rico em gás carbônico, portanto, diz-se que a circulação é incompleta.

No que diz respeito ao sistema excretor, vale destacar a presença de rins. Muitos anfíbios excretam amônia quando estão na sua fase aquática e mudam completamente sua forma de excreção quando estão no ambiente terrestre, passando a excretar ureia.

Uma característica interessante a respeito dos anfíbios é o fato de que esses animais são os únicos vertebrados que apresentam quatro dígitos nas mãos (caudados e anuros). Além disso, anuros e caudados são os vertebrados que utilizam os olhos para ingerir uma presa. Isso porque esses animais são capazes de abaixar e levantar os olhos dentro da órbita, uma movimentação que ajuda a empurrar os alimentos.

Leia mais: Tipos de respiração dos animais

Reprodução dos anfíbios

A forma como os anfíbios reproduzem-se é extremamente variada, apresentando diferenças marcantes de uma espécie para outra. A seguir, falaremos um pouco a respeito da reprodução dos anuros, os quais incluem sapos, pererecas e rãs. Além da reprodução, abordaremos um pouco o ciclo de vida desses animais, que envolve fases aquática e terrestre.

Os anuros geralmente se reproduzem na época de chuva, sendo que algumas espécies apresentam períodos reprodutivos muito curtos. Os machos, em geral, emitem sons (coaxo) para atrair a fêmea, a qual escolhe o macho avaliando as características de seu canto. Em algumas espécies, a fêmea aproxima-se do macho e toca-o, o que leva ao acasalamento por meio do chamado amplexo, que é o abraço nupcial. Esse abraço pode ser feito de diferentes formas, sendo uma delas o abraço do macho segurando a região da cintura pélvica da fêmea.

Observe o ciclo de vida do anuro, o qual envolve uma fase larval aquática e um adulto que vive no ambiente terrestre.
Observe o ciclo de vida do anuro, o qual envolve uma fase larval aquática e um adulto que vive no ambiente terrestre.

A fecundação na maioria dos anuros é externa, sendo o espermatozoide lançado sobre os ovócitos quando a fêmea deposita-os. Nos anuros é possível observar diferentes tipos de desova, verificando-se, por exemplo, espécies que depositam seus ovos na água, em ninhos de espuma e sobre rochas. Vale destacar que, em algumas delas, os ovos ficam retidos no corpo da fêmea.

Dos ovos eclodem os girinos, a fase larval dos anuros. Os girinos, em sua grande maioria, alimentam-se de detritos vegetais encontrados na água e no limo. A fase larval apresenta brânquias e um formato hidrodinâmico. Possuem uma cauda que é reabsorvida à medida que eles se desenvolvem e surgem membros.

Inicialmente se observa o surgimento dos membros posteriores, depois, dos membros anteriores. Durante a metamorfose, desenvolve-se no girino também pulmões, tímpanos, e o sistema digestório adapta-se a uma dieta carnívora, observada nos adultos. O anuro adulto vive no ambiente terrestre e retorna ao ambiente aquático para sua reprodução.

Leia também: Anfíbios anuros e seus coaxos

Classificação dos anfíbios

Os anfíbios são classificados em três ordens: Urodela, Anura e Apoda. Veja, a seguir, as principais características de cada uma delas:

Os axolote é um urodelo que apresenta características larvais mesmo quando já está em sua fase reprodutiva.
Os axolote é um urodelo que apresenta características larvais mesmo quando já está em sua fase reprodutiva.
  • Urodela ou Caudata: como o nome sugere, essa ordem é constituída por anfíbios que possuem cauda, a qual é geralmente maior ou do tamanho do corpo do animal. Como representantes, temos as salamandras e tritões.

    O corpo dos representantes desse grupo, geralmente, é longilíneo e apresenta membros anteriores e posteriores com tamanhos similares. Algumas espécies vivem toda a vida na água, outras, no entanto, vivem nesse ambiente apenas durante a fase larval. Além disso, existem espécies terrestres. A retenção de características larvais (pedomorfose) é comum em salamandras, sendo esse o caso do axolote.

Alguns anuros apresentam coloração forte, que indica a presença de veneno.
Alguns anuros apresentam coloração forte, que indica a presença de veneno.
  • Anura: destaca-se por ser a ordem mais diversificada e conhecida de anfíbio. Nesse grupo estão inclusos sapos, rãs e pererecas, animais que, diferentemente dos urodelos, não possuem cauda. O corpo desses animais é curto e apresenta quatro membros locomotores nos adultos, sendo os membros posteriores maiores que os anteriores, o que lhes garante a capacidade de saltar. Muitas espécies são venenosas e apresentam coloração de aviso que afasta os predadores. A maioria dos representantes desse grupo tem a capacidade de vocalização.

As cecílias não possuem patas e são praticamente cegas.
As cecílias não possuem patas e são praticamente cegas.
  • Apoda ou Gymnophiona: não apresentam patas e vivem, com exceção das espécies que são predominantemente aquáticas, grande parte da sua vida em galerias no solo. O corpo é alongado e os olhos são reduzidos e pouco funcionais. Como representantes, temos as cecílias, também chamadas de cobras-cegas. Para saber mais sobre esses animais tão interessantes, leia: Classificação dos anfíbios.

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Anfíbios"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/anfibios.htm. Acesso em 29 de novembro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(PUCC-SP) O coração dos anfíbios possui:

a)      Um átrio e um ventrículo, ambos sem septos.

b)     Um átrio com septo parcial e um ventrículo sem septo.

c)      Um átrio e um ventrículo, ambos com septos parciais.

d)     Dois átrios e um ventrículo.

e)      Dois átrios e dois ventrículos.

Questão 2

(UFMS – 2010) Leia o texto abaixo e, a seguir, assinale a(s) proposição(ões) correta(s):

"Um sapo sem pulmão acaba de ser descoberto na ilha de Bornéu, na Indonésia. Trata-se do primeiro caso confirmado do tipo e, segundo os cientistas responsáveis pelo estudo, a espécie aquática Barbourula kalimantanensis aparentemente respira através da pele. (...) Duas populações da espécie, sobre a qual havia relatos, foram encontradas durante recente expedição dos pesquisadores. (...) De todos os tetrápodes, vertebrados terrestres com quatro membros, sabe-se que a ausência de pulmões ocorre apenas em anfíbios. São conhecidas algumas espécies de salamandras sem o órgão, além de uma cobra-cega. Para os autores do estudo, a descoberta de uma rara espécie de sapo em Bornéu reforça a ideia de que pulmões sejam uma característica maleável nos anfíbios. Como a B. kalimantanensis vive em água corrente e fria, a ausência de pulmões poderia ser uma adaptação para uma combinação de fatores, como um meio com mais oxigênio, o baixo metabolismo do animal, o achatamento do corpo que aumenta a área superficial da pele e a preferência por afundar em relação a boiar."

Os sapos, as salamandras e as cobras-cegas são anfíbios.

I.                   Além dos anfíbios, minhocas também possuem respiração cutânea.

II.                Apesar do baixo metabolismo, a B. kalimantanensis é um animal endotérmico, como todos os anfíbios.

III.             Por ter somente respiração cutânea, a B. kalimantanensis precisa manter a pele sempre úmida. Por essa razão, sua dependência de viver no meio aquático é maior do que a dos sapos que possuem pulmões.

IV.             Nos anfíbios, quando os pulmões estão ausentes, há apenas a circulação do sangue venoso.

V.                O baixo metabolismo está associado com rápida digestão do alimento e alta taxa de natalidade.

Mais Questões