Topo
pesquisar

Quatro casais que marcaram a História

História

Apresentamos aqui quatro casais da Antiguidade Clássica e da Idade Média que marcaram a História e ainda hoje chamam nossa atenção.
Uma união pode produzir uma história que ficará marcada na grande História
Uma união pode produzir uma história que ficará marcada na grande História
PUBLICIDADE

Desde as primeiras civilizações que apareceram na História, há sempre histórias e estórias (lendas, mitos) de casais que, de alguma forma, acabaram mudando o rumo dos fatos ou marcando profundamente as circunstâncias de determinada época. Contudo, é sabido que o estabelecimento de laços conjugais nem sempre correspondeu a anseios amorosos (ou ao menos não apenas a isso), mas, sim, a pactos políticos e sociais. Nesse sentido, apresentamos abaixo quatro casais da Antiguidade Clássica e da Idade Média que entraram para a História por motivos diversos e que até hoje alimentam o imaginário popular.

  • Alexandre Magno e Roxane

Alexandre Magno, ou Alexandre, o Grande, que viveu no século IV a.C., foi o responsável pela fundação do Império Macedônio, ou Império Helenístico, que expandiu a cultura grega para várias partes do “Velho Mundo”, sobretudo para a Ásia Menor e Oriente Médio. Para Alexandre, o ponto alto da expansão em direção ao Oriente foi a vitória sobre o Império Persa, comandado por Dario III. A vitória permitiu ao jovem imperador incorporar ao seu domínio vastas extensões de terras do Oriente Médio e da Ásia, bem como submeter à sua autoridade os novos povos conquistados.

O imperador Alexandre Magno desposou uma nobre persa chamada Roxane
O imperador Alexandre Magno desposou uma nobre persa chamada Roxane

Como Alexandre evitava a tirania, uma das formas que encontrou para manter uma boa relação com os povos conquistados foi respeitar as bases fundamentais de suas culturas. No caso específico da conquista da Pérsia, algo imprevisto ocorreu: Alexandre apaixonou-se por uma nobre bactriana (pertencente à região da Báctria, uma das províncias do Império Persa) de nome Roxane, filha de Oxiartes, um dos homens mais próximos a Dario III.

Historiadores, como Johan Droysen, suspeitam de que a paixão tenha sido realmente verdadeira. Roxane e Alexandre acabaram casando-se e selando a união entre as culturas grega e persa. Tiveram um filho, Alexandre IV, que mais tarde foi assassinado com a mãe e a avó, Olímpia (mãe de Alexandre), por Cassandro, um dos generais do imperador.

  • Marco Antônio e Cleópatra

Outro casal do período da Idade Antiga a ter grande destaque foi Marco Antônio e Cleópatra. Marco Antônio foi um dos generais da República Romana e participou do chamado Segundo Triunvirato, no século I a.C., ao lado de Lépido e Otávio. Marco Antônio conheceu Cleópatra, à época rainha do Egito helenístico, após o assassinato de Júlio César por um grupo de senadores romanos.

A paixão de Marco Antônio por Cleópatra acabou por gerar um conflito que pôs fim à República
A paixão de Marco Antônio por Cleópatra acabou por gerar um conflito que pôs fim à República

Cleópatra havia tido um relacionamento com Júlio César e tinha ido do Egito a Roma na expedição de retorno de César. Com a morte de Júlio César, algumas suspeitas foram levantadas contra Cleópatra, e Marco Antônio ficou encarregado de interrogá-la. Mas ao ver a jovem rainha, o triúnviro, seguindo o mesmo caminho de César, acabou deixando-se seduzir pela egípcia.

A “devoção” de Marco Antônio por Cleópatra foi tão grande que ele chegou a deixar sua esposa patrícia, Otávia, para viver na cidade de Alexandria (capital do Egito helenístico) com Cleópatra e os filhos desta. Quase toda a região asiática dominada por Roma e também o Egito estavam sob a responsabilidade de Marco Antônio. A paixão cega por Cleópatra fez o general passar todas as posses para a rainha e seus descendentes.

Tal gesto culminou na revolta dos nobres romanos e na campanha militar vitoriosa de Otávio (futuro imperador Otávio Augusto) contra Marco Antônio. Tal vitória deu a Otávio a ocasião de tornar-se imperador e receber títulos como o de augustus (divino).

  • Abelardo e Heloísa

No contexto da Idade Média, um dos casais mais conhecidos é Pedro Abelardo e Heloísa. Pedro Abelardo era um jovem mestre de filosofia e estudos diversos, como alquimia e astrologia, muito conhecido pelos estudantes da Escola Catedral de Notre-Dame, em Paris. Heloísa, uma das alunas, era tutelada por seu tio Fulbert.

Abelardo e Heloísa: casal marcado pela relação proibida
Abelardo e Heloísa: casal marcado pela relação proibida

A atenção dedicada aos mesmos interesses intelectuais fez com que Abelardo e Heloísa apaixonassem-se. A moça fez de tudo para que seu tio contratasse Abelardo para ser o seu preceptor e dar-lhe aulas em casa. Ocorreu que, passado um tempo, Fulbert descobriu que a relação entre os dois ia além da condição de professor e aluna, o que resultou na expulsão de Abelardo. Os dois, contudo, continuaram encontrando-se às escondidas. Heloísa acabou ficando grávida e foi encaminhada pelo próprio Abelardo à vila de Pallet para que ficasse aos cuidados de sua irmã.

Abelardo voltou a Paris e decidiu pedir perdão ao tio de Heloísa e a mão dela em casamento. O tio concordou, masreticente. Os dois conseguiram casar-se. No entanto, as pessoas próximas a Fulbert começaram a zombar daquela condição de ter uma sobrinha casada depois de grávida com um marido que, provavelmente, estaria interessado apenas no dote.

O orgulho fez Fulbert cometer uma barbaridade: ordenou a alguns capangas que fossem à casa de Abelardo e castrassem-no. Assim foi feito. Diante de tal tragédia, Abelardo decidiu ir para um monastério seguir carreira religiosa. Heloísa optou pelo mesmo destino, retirando-se para um convento. De seus aposentos religiosos, ambos seguiram trocando inúmeras cartas, nas quais transparece o amor que resistiu a várias provações.

  • Fernando de Aragão e Isabel de Castela

Na transição da Idade Média para a Idade Moderna (século XV), um casal fez toda a diferença no contexto da formação da Europa: Isabel I, do reino de Castela, e Fernando II, do reino de Aragão, ambos de origem hispânica.

Isabel de Castela e Fernando de Aragão foram os chamados “reis católicos”, cujo casamento unificou a Espanha
Isabel de Castela e Fernando de Aragão foram os chamados “reis católicos”, cujo casamento unificou a Espanha

O casamento dos dois unificou o território do que conhecemos hoje como Espanha. A eles foi dado o título de “reis católicos” pelo papa Alexandre VI por meio da bula Si convenit, de 19 de dezembro de 1496. Tal união sob o signo do catolicismo fez com que o reino espanhol unificado logo se tornasse um vasto império marítimo transatlântico, a começar pela ação de expulsar, em definitivo, os mouros (muçulmanos) do território ibérico.

Isabel e Fernando fomentaram o projeto do navegador genovês Cristóvão Colombo de atravessar o Oceano Atlântico (fato que dependia da crença na esfericidade da Terra) para se chegar às Índias, sem ter que seguir a mesma rota que os portugueses já faziam, contornando a costa da África. Tal empreendimento, como sabemos, ocorreu em 1492 e resultou no domínio do continente americano e o contato com os nativos das civilizações asteca e maia (inicialmente).


Por Me. Cláudio Fernandes

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

FERNANDES, Cláudio. "Quatro casais que marcaram a História"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/historia/quatro-casais-que-marcaram-historia.htm>. Acesso em 18 de agosto de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA