Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Cleópatra

Cleópatra, rainha do Egito por mais de 20 anos, foi uma das mulheres mais famosas da Antiguidade, sendo reconhecida por sua habilidade política e personalidade forte.

Cleópatra em um antigo papiro egípcio.
Cleópatra foi rainha do Egito por mais de 20 anos, sendo uma das mulheres mais influentes da Antiguidade.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Cleópatra foi rainha do Egito de 51 a.C. a 30 a.C., reconhecida como uma das mulheres mais importantes da Antiguidade. Era dotada de uma grande personalidade e boa habilidade política, procurando governar o seu reino de maneira autônoma. Ela pertencia à dinastia ptolomaica, sendo culturalmente grega, apesar de ter nascido no Egito.

Ela também ficou marcada por ter se envolvido com dois dos mais poderosos homens da república romana, Júlio César e Marco Antônio. Cleópatra teve um curto romance com Júlio César, tendo um filho com ele. Já com Marco Antônio a rainha egípcia teve um romance que durou dez anos, e juntos tiveram três filhos.

Leia também: Joana d’Arc — uma das mulheres mais famosas da Idade Média

Tópicos deste artigo

Resumo sobre Cleópatra

  • Cleópatra nasceu em Alexandria, em 69 a.C.

  • Era filha de Ptolomeu XII, sendo parte da dinastia ptolomaica.

  • Era culturalmente grega, sendo que o grego era o seu idioma nativo.

  • Foi rainha do Egito de 51 a.C. a 30 a.C, sendo também a última governante dessa civilização.

  • Teve romances com Júlio César e com Marco Antônio.

  • Cometeu suicídio para não ser levada como prisioneira de Otávio.

Quem foi Cleópatra?

Cleópatra é uma das mulheres mais conhecidas da Antiguidade e esteve no centro de uma das maiores disputas da república romana. Ela foi rainha do Egito de 51 a.C. a 30 a.C., pertencendo à dinastia ptolomaica, a qual se estabeleceu no poder após a morte de Alexandre, o Grande. Cleópatra ficou conhecida por ser dotada de uma personalidade forte e por ser muito influente.

Ela foi a última governante do Egito, antes de o território se tornar uma província anexada ao território romano. Cleópatra ficou conhecida por falar diversos idiomas, por governar de maneira firme e autônoma e por ser amante de dois importantes personagens da história romana: Júlio César e Marco Antônio.

Juventude de Cleópatra

Cleópatra nasceu no ano de 69 a.C., sendo filha do faraó egípcio Ptolomeu XII. Não se sabe exatamente quem foi a mãe de Cleópatra, mas supõe-se que foi Cleópatra V, esposa do faraó egípcio. Ela nasceu em Alexandria, no Egito, mas era culturalmente grega.

Nessa época, o Egito era governado pela dinastia ptolomaica, a dinastia que se estabeleceu no poder depois da morte de Alexandre, o Grande. O Egito foi conquistado por Alexandre e tornou-se parte da Macedônia no século IV a.C. Depois que Alexandre morreu, em 323 a.C., o Egito passou para o controle de um de seus generais, Ptolomeu I.

Como Ptolomeu era grego, a dinastia ptolomaica era culturalmente grega. Por isso, a língua nativa falada por Cleópatra era o grego, e sua formação educacional seguiu os padrões da cultura grega.

Ela aprendeu filosofia, oratória, artes, entre outros saberes. Cleópatra, diferentemente de outros membros da dinastia ptolomaica, aprendeu a falar a língua nativa dos egípcios, embora falasse outros idiomas também.

Cleópatra como rainha do Egito

Cleópatra assumiu o trono do Egito em 51 a.C., ano em que seu pai faleceu. Ela herdou um Egito cheio de problemas financeiros causados pelo seu pai e sob forte ameaça de ser anexado ao território romano.

Para que governasse o Egito, era necessário que ela estivesse casada com algum homem, e acredita-se que ela casou-se forçadamente com seu irmão, Ptolomeu XIII.

Ptolomeu XIII seria então cogovernante do Egito, mas Cleópatra fazia questão de tomar as próprias decisões, não deixando seu irmão interferir nos seus julgamentos e nas suas ações. Isso levou a uma disputa entre Cleópatra e Ptolomeu XIII, e uma guerra se iniciou. Em 48 a.C., ela teve de fugir de Alexandria.

A disputa travada em Roma entre Júlio César e Pompeu se entrelaçou com a disputa travada no Egito por Cleópatra e Ptolomeu XIII. Isso porque após ser derrotado em uma batalha, Pompeu decidiu se abrigar no Egito, mas Ptolomeu XIII queria conquistar o apoio de Júlio César, então decidiu matar Pompeu, enviando sua cabeça para César.

Júlio César tentou fazer com que Cleópatra e Ptolomeu XIII governassem conjuntamente o Egito, o que não foi aceito pelo segundo. Tropas de Ptolomeu XIII atacaram a Júlio César no Egito, e ele permaneceu cercado durante meses até que tropas de Roma chegaram para libertá-lo dessa situação. Júlio César então atacou Ptolomeu XIII, e ele acabou morrendo afogado em uma batalha.

Após a morte de Ptolomeu XIII, Cleópatra se tornou amante de Júlio César, e juntos eles tiveram um filho chamado Cesarião. Cleópatra chegou a visitar Roma, se hospedando na residência do próprio Júlio César, que era casado com Calpúrnia. O caso extraconjugal de César com Cleópatra não era popular entre os romanos.

Em 44 a.C., Júlio César foi assassinado, e então Cleópatra retornou ao Egito ao descobrir que seu filho com César não havia sido indicado como o principal herdeiro do ditador romano.

Cleópatra e Marco Antônio

Depois do assassinato de Júlio César, que integrava o primeiro triunvirato romano com Crasso e Pompeu, foi formado um segundo triunvirato, composto por Marco Antônio, Otávio e Lépido. Inicialmente, os membros do triunvirato procuraram se vingar da morte de César e iniciaram uma intensa perseguição a Cássio e Bruto, os idealizadores do crime.

Depois que a vingança foi obtida, Marco Antônio se tornou governante do Egito e outras províncias do Oriente. Ele se estabeleceu em Tarso e enviou cartas convocando Cleópatra a se apresentar diante dele. Cleópatra compareceu posteriormente, e um pouco depois de serem apresentados, Cleópatra e Marco Antônio tornaram-se amantes. Isso aconteceu em 41 a.C.

O relacionamento durou mais de dez anos, e juntos eles tiveram três filhos: Alexandre Hélio, Cleópatra Selene II e Ptolomeu Filadelfo. O relacionamento de Marco Antônio e Cleópatra nunca foi o relacionamento oficial do romano, que foi casado com outras duas mulheres romanas, sendo que uma delas era Otávia, irmã de seu arquirrival, Otávio.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O relacionamento de Marco Antônio e Otávio foi se desgastando a partir de 40 a.C. e tornou-se bastante ruim em 32 a.C., quando Marco Antônio repudiou sua esposa Otávia para assumir um casamento com Cleópatra. Isso desagradou Otávio, e ele usou a ação de Marco Antônio como motivo para que o Senado romano autorizasse que uma guerra fosse lançada.

Acesse também: Quatro casais que marcaram a História

Morte de Cleópatra

O desfecho desse conflito para Marco Antônio e Cleópatra foi trágico. Em 31 a.C., as forças egípcias foram derrotadas na Batalha de Áccio, e isso fez com que Cleópatra e Marco Antônio ficassem em uma posição delicada.

As tropas de Otávio invadiram o Egito, e Marco Antônio cometeu suicídio depois de ser falsamente informado da morte de Cleópatra. Posteriormente, Cleópatra tornou-se prisioneira de Otávio, mas, para evitar ser levada para Roma, cometeu suicídio em 30 a.C.

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Cleópatra"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historia/cleopatra.htm. Acesso em 27 de maio de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas