Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Fenol

O fenol é uma função orgânica oxigenada em que o grupo hidroxila se liga a um anel aromático.

Fórmula estrutural condensada do fenol, uma das funções orgânicas oxigenadas.
O fenol é uma função orgânica oxigenada em que o grupo hidroxila se liga a um anel aromático.
Crédito da Imagem: shutterstok
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O fenol é uma função orgânica oxigenada que ocorre quando uma ou mais hidroxilas (−OH) se ligam diretamente a um anel aromático. Desses grupos, o mais conhecido é o fenol mais simples, que ocorre quando a hidroxila está ligada a um anel benzênico e, por recomendações da Iupac, também pode ser chamado de fenol.

O fenol costuma apresentar baixa acidez (sendo mais ácidos que os álcoois, também hidroxilados), além de ser orto-para dirigentes em reações de substituição eletrofílica aromática. A principal forma de obtenção é por meio da oxidação do cumeno (isopropilbenzeno). Boa parte do fenol produzido é utilizado na produção da resina fenólica.

Leia também: Álcoois — função orgânica oxigenada que tem uma hidroxila ligada a um ou mais carbonos saturados

Tópicos deste artigo

Resumo sobre fenol

  • Fenol é um grupo orgânico caracterizado pela presença de um ou mais grupos hidroxilas ligados diretamente a um anel aromático.

  • Desses grupos, o mais famoso é o que apresenta uma hidroxila ligada ao anel benzênico, que também recebe o nome de fenol.

  • Em comparação aos álcoois, os fenóis são mais ácidos.

  • A hidroxila do fenol direciona substituições nas posições orto e para em reações de substituição eletrofílica aromática.

  • Boa parte do fenol é produzida via oxidação do cumeno (processo Hock).

  • Os principais fenóis são cresol, xilenol, propofol e BHT (hidroxitolueno butilado).

  • O fenol tem muitas aplicações, sendo a principal na produção de uma resina fenólica.

  • O fenol é um composto tóxico em altas concentrações e pode causar envenenamento.

Videoaula sobre o fenol

O que é fenol?

Segundo a União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac), fenóis são compostos que têm um ou mais grupos hidroxila (−OH) ligados a um anel benzênico ou outro anel arênico (aromático). O fenol mais conhecido (e simples) é aquele em que o anel benzênico está ligado a uma única hidroxila, e, segundo a própria Iupac, tal estrutura pode também ser chamada de fenol, sendo um caso em que o composto recebe o mesmo nome da classe a que pertence.

Exemplo de fenol.
Um exemplo de fenol. A Iupac permite que tal composto, em que o benzeno tem uma única hidroxila ligada, também seja chamado de fenol.

Propriedades do fenol

As propriedades aqui listadas são referentes ao fenol (substância, não classe).

  • Fórmula molecular: C6H6O

  • Massa molecular: 94,111 u.m.a

  • Ponto de solidificação/fusão: 40,91 °C

  • Ponto de ebulição: 181,8 °C

  • Densidade: 1,0545 g.cm−3

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Características do fenol

O fenol (C6H6O) tem um baixo ponto de fusão, sendo que sua forma sólida se apresenta por meio de cristais incolores. Apresenta odor característico e levemente pungente. Na forma líquida, é incolor, e, em temperaturas inferiores a 68,4 °C, a sua miscibilidade com água é limitada, sendo completamente miscível em temperaturas superiores.

Além disso, o fenol dissolve-se prontamente em solventes orgânicos, como hidrocarbonetos aromáticos, álcoois, cetonas, éteres, ácidos orgânicos, derivados halogenados, entre outros, porém é um pouco menos solúvel em hidrocarbonetos alifáticos (não aromáticos).

Quando misturado à água, o ponto de fusão do fenol cai substancialmente, e, além disso, forma-se uma mistura azeotrópica (o ponto de ebulição da solução é constante, comportando-se como uma substância pura).

A presença da hidroxila faz crer que o fenol possa estar dentro da classe dos álcoois, no entanto, há algumas diferenças. A principal delas diz respeito à acidez, em que o fenol apresenta uma maior acidez que os álcoois, pois o anel aromático permite a estabilização do íon fenóxido por ressonância, aumentando-se a concentração de íons H+ em solução.

Ionização do fenol, com formação do íon fenóxido.
Ionização do fenol, com formação do íon fenóxido.

Dessa forma, o fenol pode formar sais por meio da reação com compostos alcalinos, os fenolatos. Contudo, é considerado um ácido fraco (pKa = 9,94 em água). Assim como outros aromáticos, o fenol sofre reações de substituição eletrofílica, porém o grupo hidroxila é um grupo orto-para dirigente, ou seja, favorece que a substituição ocorra nas posições 2 e 4 em relação a ele.

Estruturas de ressonância do íon fenóxido, que tem fenol, as quais contribuem para estabilização do ânion.
Estruturas de ressonância do íon fenóxido, as quais contribuem para estabilização do ânion.

Nomenclatura do fenol

A questão da nomenclatura para o fenol tem uma particularidade. A Iupac considera o nome “fenol”, para se referir ao anel benzênico com uma única hidroxila, uma nomenclatura trivial, porém permite que assim o seja designado oficialmente. No entanto, para casos diferentes desses, em que há dois ou mais grupos hidroxilas ligados ao anel benzênico, ou que a hidroxila esteja ligada a outro anel aromático, considera-se o tipo de aromático que formou o fenol e pode-se utilizar o sufixo −ol, como nos álcoois.

Fórmula estrutural condensada e nomenclatura de três fenóis mostrando como é a nomenclatura do fenol.

Para saber mais detalhes sobre a nomenclatura dos fenóis, clique aqui.

Obtenção do fenol

Atualmente, a melhor e mais difundida forma de obtenção do fenol (C6H6O), inclusive em larga escala, é por meio da oxidação do cumeno (isopropilbenzeno), conhecido como processo Hock, desenvolvido em 1952 e que tem como subproduto um outro importante composto orgânico, a propanona (acetona).

Oxidação do cumeno para obtenção de fenol e de propanona.
Oxidação do cumeno para obtenção de fenol e de propanona.

Contudo, outras formas comerciais de obtenção também são de grande interesse. Uma delas é o processo Raschig, em que o benzeno é convertido a clorobenzeno em um reator catalisado por cobre (ou ferro), em uma temperatura que deve variar entre 200-300 °C na presença de ar. O clorobenzeno é então hidrolisado pela água ao passar por um catalisador de SiO2 aquecido em temperatura de 500 °C, produzindo assim fenol.

Simplificação do processo Raschig, também utilizado para obtenção do fenol.
Simplificação do processo Raschig, também utilizado para obtenção do fenol.

Já o processo Dow, desenvolvido em 1920, faz a reação direta e vigorosa de clorobenzeno e solução de hidróxido de sódio em 300 °C e 4000 psi de pressão.

 Processo Dow, também utilizado para obtenção do fenol.
Processo Dow, também utilizado para obtenção do fenol.

 

O fenol também pode ser produzido de sulfonatos de metais alcalinos, na presença de um pouco de água. A ideia é fazer a conversão do benzeno em ácido benzenossulfônico, o qual é convertido em um sal benzenossulfonato de metal alcalino (como sódio), que será transformado em fenol. Esse método também pode funcionar se o ácido benzenossulfônico for posto junto a uma quantidade de hidróxido de sódio sólido e aquecer o sistema até a fusão completa, formando, no fim, o fenol.

 

Para que serve o fenol?

Imagem aproximada do rosto de uma mulher pouco tempo após a realização de peeling com fenol.
O peeling com fenol é um dos tratamentos mais eficazes contra rugas e flacidez da pele.

O uso do fenol se iniciou em 1865, como um desinfetante, por meio do cirurgião britânico Joseph Lister (na Universidade de Glasgow, Escócia), que utilizava o composto para esterilização. Entretanto, seus usos em produtos farmacêuticos têm sido restringidos por conta de sua toxicidade. Mesmo assim, hoje se utiliza muito a técnica de peeling com fenol, que consiste num tratamento muito eficaz para o combate às rugas e flacidez da pele. Contudo, tal técnica exige muitos cuidados, dada a sua agressividade.

Um dos grandes usos do fenol é na produção do bisfenol-A (BPA). Tal composto é de grande importância para a indústria de plásticos, sendo aplicado em policarbonatos e resinas epóxi. O fenol também é usado em aditivos para óleos lubrificantes, na produção do nylon, herbicidas, fungicidas, entre outros diversos usos.

Seu principal uso está na produção de resinas fenólicas, que são polímeros termorrígidos, as primeiras produzidas por seres humanos e sintetizadas por meio da reação entre o fenol e um aldeído (em geral, o formaldeído). Por conta disso, as resinas fenólicas também podem ser chamadas de resinas fenol-formaldeído. Destacam-se pela boa resistência e estabilidade térmica, alta resistência e estabilidade mecânica, além de poderem agir como excelentes isolantes térmicos e elétricos.

São usadas em diversos setores, seja na forma líquida, seja na forma sólida, como na produção de produtos moldados (como em bolas de bilhar), no setor de peças automobilísticas (como em pastilhas de freio e discos de embreagem), para revestimentos, tintas, vernizes e adesivos. Em um dos usos de adesivo, a resina fenólica é empregada na madeira compensada e em painéis de madeira aglomerados.

Principais fenóis

  • Cresóis: são do tipo metilfenol (orto, meta ou para), usados como desinfetantes, solventes, desodorizantes ou precursores de outras moléculas orgânicas.

Fórmulas estruturais condensadas dos cresóis, um dos principais fenóis.

 

  • Xilenóis: são do tipo dimetilfenol (existem seis isômeros de posição), podendo ser usados na manufatura de antioxidantes e pesticidas.

 

Fórmula estrutural condensada do xilenol, um dos principais fenóis.

  • Propofóis: do tipo diisopropilfenol, são usados como agentes anestésicos intravenosos de curta duração, sendo adequados para indução e manutenção de anestesia geral em processos cirúrgicos. A ação anestésica se inicia em cerca de 30 segundos.

Fórmula estrutural condensada do propofol, um dos principais fenóis.

  • BHT (hidroxitolueno butilado): usado como antioxidante pela indústria alimentícia, farmacêutica, cosmética e em derivados do petróleo. Pode ser comercializado como suplemento alimentar também.

Fórmula estrutural condensada do BHT (hidroxitolueno butilado), um dos principais fenóis.

Saiba mais detalhes sobre os principais fenóis clicando aqui.

Riscos do fenol à saúde

O fenol é considerado um composto tóxico quando em altas concentrações. Pode ser absorvido pela pele, por inalação ou via oral, sendo a via epidermial a mais frequente, pela qual o fenol é absorvido mais rapidamente, causando queimaduras na área afetada e/ou aumento da sensibilidade.

Um envenenamento mais contundente pelo fenol pode causar uma rápida paralisia do sistema nervoso central, fazendo decair nossa temperatura corporal e havendo perda de consciência. Se houver penetração de fenol em nossos tecidos, pode desencadear em uma gangrena fenólica por meio de danificação de vasos sanguíneos.

Não sendo um envenenamento fatal, o fenol pode, ainda, causar danos em diversos órgãos, como rins, fígado, pulmões e coração. Além disso, distúrbios neuropsiquiátricos já foram relatados após sobrevivência de envenenamento agudo por fenol.

Exercícios resolvidos sobre fenol

Questão 1

(USS) O ácido pícrico, cuja molécula é representada a seguir, é utilizado no preparo de pomadas para o tratamento de queimaduras.

Fórmula estrutural condensada do ácido pícrico em uma questão da USS sobre fenol.

Esse composto pertence à função orgânica oxigenada nomeada como:

  1. éter

  2. fenol

  3. álcool

  4. amida

Resolução:

Alternativa B

A função oxigenada do ácido pícrico é consequência da hidroxila ligada ao anel benzênico. Nesse caso, trata-se de um fenol.

Questão 2

(Imepac) Os fenóis são compostos orgânicos oxigenados que apresentam na sua constituição o grupo hidroxila ligado ao anel aromático. A mononitração dos fenóis é de grande aplicabilidade industrial nos processos de produção de tintas e corantes.

Os produtos obtidos da mononitração dos fenóis, além da água, são uma mistura isomérica de nitrofenol

  1. orto e meta.

  2. orto e para.

  3. meta e para.

  4. orto, meta e para.

Resolução:

Alternativa B

A hidroxila do fenol ativa as posições orto e para em reações de substituição eletrofílica aromática. Sendo assim, ao se fazer a nitração de um fenol, os nitrofenóis isômeros de posição formados serão do tipo orto e para.

Fontes

BRUICE, P. Y. Organic Chemistry. 8. ed. Upper Saddle River, Nova Jersey: Pearson Education Inc., 2015.

CHEMEUROPE. Xylenol. ChemEurope, c1997-2024. Disponível em: https://www.chemeurope.com/en/encyclopedia/Xylenol.html.

CASTRO, L. S. Contribuições para o conhecimento dos efeitos do BHT e outros antioxidantes no fígado. 2017. Dissertação (Mestrado em Ciência de Alimentos) – Centro de Ciências Agrárias, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Paraná, 2017.

ECYCLE. Entenda o que são resinas fenólicas. Portal eCycle, [s.d.]. Disponível em: https://www.ecycle.com.br/entenda-o-que-sao-as-resinas-fenolicas/.

HAYNES, W. M. (ed.) CRC Handbook of Chemistry and Physics. 95a ed. CRC Press: 2014.

HEPWORTH, J. D.; WARING, D. R.; WARING, M. J. Aromatic Chemistry. In: Tutorial Chemistry Texts. v. 13. Cambridge: Royal Society of Chemistry, 2002.

HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS. Propofol. Guia Farmacêutico, 24 abr. 2023. Disponível em: https://guiafarmaceutico.hsl.org.br/propofol.

IBEH, C. C. Phenol-Formaldehyde Resins. In: Handbook of Thermoset Plastics. Ed. 2. Cap. 2. p. 23-71. Norwich, Nova Iorque: William Andrew Inc., 1999.

INTERNATIONAL UNION OF PURE AND APPLIED CHEMISTRY – IUPAC. Glossary of terms used in physical organic chemistry. Pure and Applied Chemistry, Reino Unido, 1994.

PORTAL DRAUZIO VARELLA. Peeling de fenol é usado contra rugas e flacidez, mas pode ser perigoso quando feito de forma inadequada. Portal Drauzio Varella, 30 dez. 2022. Disponível em: https://drauziovarella.uol.com.br/dermatologia/peeling-de-fenol-e-usado-contra-rugas-mas-pode-ser-perigoso/.

PUBCHEM. Cresol. PubChem, [s.d.]. Disponível em: https://pubchem.ncbi.nlm.nih.gov/compound/Methylphenol.

RAPPOPORT, Z. (ed.) The chemistry of phenols – part 1. In: Patai Series: The Chemistry of Functional Groups. Londres: John Wiley & Sons Ltd., 2003.

SOLOMONS, T. W. G.; FRYHLE, C. B.; SNYDER, S. A. Química Orgânica: volumes 1 e 2. 12. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2018. 

Escritor do artigo
Escrito por: Stéfano Araújo Novais Stéfano Araújo Novais, além de pai da Celina, é também professor de Química da rede privada de ensino do Rio de Janeiro. É bacharel em Química Industrial pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e mestre em Química pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

NOVAIS, Stéfano Araújo. "Fenol"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/quimica/fenois.htm. Acesso em 13 de abril de 2024.

De estudante para estudante


Videoaulas


Lista de exercícios


Exercício 1

(UFPR)

O bactericida Fomecin A, cuja fórmula estrutural é:

apresenta as funções:

a) cetona, fenol e hidrocarboneto

b) éter, álcool e aldeído

c) álcool, fenol e éter

d) álcool, fenol e aldeído

e) ácido carboxílico e fenol
 

Exercício 2

(UFMG)

Considere as estruturas moleculares do naftaleno e da decalina, representadas pelas fórmulas abaixo:

Substituindo, em ambas as moléculas, um átomo de hidrogênio por um grupo hidroxila (OH), obtém-se dois compostos que pertencem respectivamente às funções:

a) álcool e fenol

b) fenol e álcool

c) álcool e álcool

d) fenol e fenol
 

Artigos Relacionados


Classificação dos Alcoóis

A diferença entre alcoóis quanto à posição da Hidroxila.
Química

Compostos Aromáticos

Compostos aromáticos, arenos, polaridade, insolúvel, solúvel, solventes apolares, éter, tetracloreto de carbono, hidrocarbonetos, inseticidas, corantes, solventes, explosivos, cancerígeno, tolueno, metilbenzeno, drogas, cola de sapateiro.
Química

Estados físicos da matéria

Saiba mais sobre os estados físicos da matéria e veja quais são. Aprenda também o que é o Bose-Einstein e onde podemos encontrar matéria no estado de plasma.
Química

Funções oxigenadas

Saiba o que são as funções oxigenadas e aprenda a identificá-las. Conheça algumas características das funções oxigenadas e suas principais substâncias.
Química

Nomenclatura dos fenóis

Clique e aprenda, a partir de vários exemplos, todos os detalhes sobre a regra de nomenclatura dos fenóis.
Química

Nomenclatura oficial dos álcoois

As regras de nomenclatura de álcoois são as mesmas dos hidrocarbonetos, porém com o sufixo ol.
Química

Principais fenóis

Principais fenóis, aspirina, ácido pícrico, baquelites, fenolftaleína propriedade repelente do cresol, creolina, lisol, Cresóis, óleo retirado do alcatrão da hulha, fabricação de conservantes para madeira.
Química

Propriedades da matéria

Clique e conheça, por meio de exemplos simples, as particularidades das principais propriedades da matéria!
Química

Tipos de forças intermoleculares

Aprenda sobre as forças dipolo-induzido, dipolo-dipolo e Pontes de hidrogênio.
Química

Álcoois

Grupo funcional hidroxila, álcoois primários, Álcoois secundários, Álcoois terciários, Metanol, Glicerol, Etanol, preparação de nitroglicerina, fabricação de tintas, produção de bebidas alcoólicas, ácido acético, combustível de automóveis.
Química