Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Pioneirismo inglês na Revolução Industrial

O pioneirismo inglês na Revolução Industrial foi possível graças a uma série de fatores relacionados à história, política, sociedade e geografia inglesas.

Mulheres trabalhando na indústria têxtil, símbolo do pioneirismo inglês na Revolução Industrial.
A Inglaterra foi o país pioneiro no processo de industrialização.
Crédito da Imagem: Shutterstock.com
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

O pioneirismo inglês na Revolução Industrial é o que entendemos do papel precursor que a Inglaterra teve no processo de formação da indústria, no final do século XVIII. O surgimento da indústria em caráter inicial na Inglaterra se explica por uma série de fatores históricos, sociais, políticos, ideológicos, entre outros.

Entre esses fatores, podem ser destacados: a acumulação de capital realizada pela burguesia inglesa; os cercamentos; a disponibilidade de mão de obra barata; o desenvolvimento tecnológico; a estabilidade política; a grande disponibilidade de ferro e carvão, entre outros.

Confira no nosso podcast: O que se precisa saber sobre a Primeira Revolução Industrial?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre pioneirismo inglês na Revolução Industrial

  • O pioneirismo inglês é entendido como o papel precursor e fundamental que a Inglaterra teve no desenvolvimento da indústria.

  • Permitiu que a Inglaterra fosse o primeiro país a se industrializar.

  • Fatores políticos, históricos, sociais, ideológicos, entre outros, explicam esse fenômeno.

  • A Inglaterra tinha a seu favor: estabilidade política, uma burguesia que acumulou capital, disponibilidade de ferro e carvão etc.

  • A industrialização causou transformações profundas na Inglaterra.

O que foi o pioneirismo inglês na Revolução Industrial?

O pioneirismo inglês é o que se entende pelo papel precursor e fundamental que a Inglaterra teve no contexto da Primeira Revolução Industrial, na segunda metade do século XVIII. A Inglaterra é reconhecida como a primeira nação do planeta a passar pelo processo de industrialização, que desencadeou uma série de transformações no mundo desde então.

As razões do pioneirismo inglês são variadas, passando por questões históricas, sociais, científicas, ideológicas, geográficas, entre outras. Essas motivações, juntas, fizeram com que a Inglaterra desse origem à indústria.

  • Videoaula sobre Revolução Industrial

Causas do pioneirismo inglês na Revolução Industrial

A Revolução Industrial aconteceu inicialmente na Inglaterra por uma série de fatores, que, juntos, convergiram nesse acontecimento histórico. Primeiramente, a ascensão da burguesia como elite política inglesa permitiu que essa classe defendesse os seus interesses econômicos.

Sendo assim, desde o século XVII, essa classe passava por um enorme processo de acumulação capital, o que tinha relação com a transformação da Inglaterra em uma potência comercial por ocasião dos Atos de Navegação. Esse capital acumulado foi usado para o desenvolvimento da indústria no país.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além disso, a burguesia atuava para cercar as terras comuns inglesas, resultando nas Leis dos Cercamentos. Essas leis permitiam que a burguesia ocupasse as terras comuns, transformando-as em pasto para a criação de ovelha — animal que fornecia matéria-prima importante para a indústria têxtil.

Essas terras, ocupadas por camponeses, passaram para as mãos da burguesia, que os expulsou delas. Isso criou um intenso êxodo rural na Inglaterra, forçando milhares de camponeses a se mudarem para as grandes cidades atrás de empregos. Com a Revolução Industrial, essa população se tornou mão de obra barata, que passou a trabalhar nas indústrias.

Sendo assim, a disponibilidade de mão de obra precária foi um dos fatores que contribuíram diretamente para o pioneirismo inglês. Além disso, a Inglaterra tinha leis contra a “vadiagem”, o que forçava muitas pessoas a aceitarem um trabalho para que não fossem presas por estarem desempregadas no país. Do ponto de vista geográfico, a Inglaterra, ainda, possuía grandes reservas de ferro e carvão, itens fundamentais para a industrialização.

A seguir, outros fatores que contribuíram para a formação da indústria na Inglaterra:

  • desenvolvimento tecnológico;

  • expansão colonial;

  • desenvolvimento agrícola;

  • estabilidade política.

Quais foram as consequências do pioneirismo inglês?

Evidentemente, a grande consequência do pioneirismo inglês foi a industrialização do país, alçando-o à posição de grande potência industrial e comercial do planeta. Com isso, as mercadorias inglesas passaram a ser vendidas para todo o planeta, o que permitiu enorme enriquecimento do país de origem.

O desenvolvimento da indústria alterou profundamente as relações de trabalho na Inglaterra, garantindo o surgimento da classe dos proletariados, que, explorada, viu sua jornada de trabalho aumentar progressivamente, enquanto o seu salário encolheu rapidamente. A industrialização dispensou, em grande medida, a necessidade por mão de obra especializada, resultando em quedas salariais.

Os trabalhadores, portanto, eram obrigados a encarar jornadas de trabalho extenuantes por salários diminutos. Além disso, as condições do trabalho eram as piores possíveis, e acidentes de trabalho eram comuns. Trabalhadores que adoeciam eram demitidos e outros rapidamente eram contratados em seu lugar. Mulheres e crianças ainda sofriam com o fato de terem salários menores que os dos homens.

O desenvolvimento da indústria permitiu enorme desenvolvimento tecnológico mas também deu impulso a um novo ciclo colonial das nações europeias. Conhecido como neocolonialismo, ou imperialismo, esse novo ciclo de colonização foi motivado pelo desejo das nações europeias por mais matérias-primas e por novos mercados consumidores.

Outras consequências do pioneirismo inglês e do desenvolvimento da indústria foram:

  • consumismo de mercadorias;

  • degradação ambiental;

  • surgimento do movimento de trabalhadores;

  • crescimento urbano;

  • aprimoramento dos meios de transporte.

Leia mais: Neocolonialismo — ciclo colonizador iniciado no século XIX, ocupou os continentes africano e asiático

Contexto histórico do pioneirismo inglês na Revolução Industrial

O pioneirismo inglês no contexto da Revolução Industrial se passou no século XVIII, o século das luzes. Foi o século de valorização da razão e do progresso científico. Nesse cenário desenvolveu-se o conhecimento que permitiria que a indústria surgisse no território inglês.

Além disso, a Inglaterra havia passado, algumas décadas antes, por uma grande transformação política que estabilizou o país e lhe garantiu enorme desenvolvimento econômico e tecnológico. A Revolução Gloriosa encerrou, em 1688, a monarquia absolutista no território inglês, permitindo o estabelecimento da monarquia constitucional encabeçada por Maria II e Guilherme de Orange.

O estabelecimento de uma monarquia constitucional marcou também a ascensão da burguesia, classe que atuou para defender os seus interesses econômicos. Foi essa classe a responsável por conduzir a Revolução Industrial na Inglaterra.

Exercícios sobre pioneirismo inglês na Revolução Industrial

Questão 01

Acontecimento da história inglesa que trouxe estabilidade política ao país, sendo um dos motivos que contribuíram para o desenvolvimento industrial:

a) Revolução Gloriosa

b) Guerra dos Cem Anos

c) Guerra das Rosas

d) Cruzadas

e) Guerra dos Sete Anos

Resposta: Letra A

A Revolução Gloriosa, realizada em 1688, finalizou o absolutismo na Inglaterra, garantindo o estabelecimento da monarquia constitucional, com Maria II e Guilherme de Orange sendo coroados. A partir daí, a Inglaterra conquistou estabilidade política, fundamental para o seu desenvolvimento econômico e tecnológico.

Questão 02

Qual grande consequência da Revolução Industrial para os trabalhadores ingleses:

a) precarização das condições de trabalho e redução salarial.

b) aprimoramento das técnicas de trabalho.

c) facilitação do trabalho e aumento salarial.

d) fim do trabalho infantil.

e) período áureo nas relações trabalhistas.

Resposta: Letra A

Fontes

HOBSBAWM, Eric J. A Era das Revoluções 1789-1848. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

LIMA, Elaine Carvalho de et al. Revolução Industrial: considerações sobre o pioneirismo industrial inglês. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/32912/19746

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Pioneirismo inglês na Revolução Industrial"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/pioneirismo-ingles-na-revolucao-industrial.htm. Acesso em 13 de julho de 2024.

De estudante para estudante