Topo
pesquisar

O Cisma do Oriente

História Geral

As diferenças de fé e autoridade levaram à separação das igrejas - Oriental e Ocidental.
As diferenças de fé e autoridade levaram à separação das igrejas - Oriental e Ocidental.
PUBLICIDADE

No século I, após a morte de Cristo, observamos a consolidação de uma nova religião que viria a se espalhar pelos quatro cantos do mundo. Apesar de tamanha capacidade, bem sabemos que o Cristianismo não era uma crença muito bem determinada desde o momento em que os discípulos ficaram como responsáveis pela disseminação da nova religião. Os detalhes, leis e estatutos transformaram-se em um grande campo de discussão que, na verdade, ainda continua em pleno movimento.

No primeiro século, a definição sobre as interpretações e práticas cristãs foi deixada de lado. A principal preocupação desse momento inicial era estabelecer a pregação do cristianismo em novos territórios e a ampliação das congregações já existentes. Somente no século segundo é que vemos o desenvolvimento de uma discussão sobre a data de comemoração da Páscoa. Já no século III, a expansão do cristianismo avança de forma notável entre os povos latinos, abrindo assim, portas para maiores divergências.

Avançando pelo tempo, observamos que as igrejas controladas por Roma (Ocidente) e por Constantinopla (Oriente) foram se distanciado em relação às questões de natureza teológica e política. Em vários momentos, os concílios ocorridos nas cidades orientais e ocidentais exprimiam diferentes concepções de fé. Logicamente, o desenvolvimento dessas querelas não só determinavam o enfraquecimento de uma Igreja una, mas também estabelecia uma tensa disputa de autoridade.

Em princípio, o poder de influência da Igreja de Constantinopla era mais visível, tendo em vista a prosperidade econômica e política de todo o seu território. Até então, os clérigos ocidentais não tinham condições de impor regras que pudessem se contrapor à sustentação teórica e política dos cristãos orientais. Entretanto, chegando ao século VI, vemos que o desenvolvimento e a expansão do reino dos Francos ofereceram os meios necessários para que os líderes romanos viessem a ter maior independência.

Nesse contexto de maior autonomia, os cristãos passaram a diferenciar-se em questões de fé e liturgia bastante significativas. Os orientais acreditavam que o Espírito Santo, a força ativa que exprime o poder espiritual, emanava somente do Pai. Ou seja, Cristo teria uma posição inferior ao não ter esse mesmo dom de seu criador. Em contrapartida, os cristãos do Ocidente acreditavam que o Espírito Santo era uma força que emanava tanto do Pai quanto do Filho, determinando uma condição de igualdade entre eles.

Além disso, podemos observar que a estrutura religiosa oriental esteve marcada por uma falta de limites entre a autoridade do governador imperial e os chefes da Igreja. Considerado um eleito de Deus, o imperador tinha poder e influência suficientes para discutir a nomeação de seus clérigos. Em contrapartida, a experiência cristã no Ocidente tomou uma orientação contrária, ao estabelecer que a autoridade sobre os assuntos religiosos estivesse reservada às ações tomadas pelo cardeal de Roma.

O auge dessa diferença concretizou-se quando o cardeal romano Humberto (1015) determinou a excomunhão de Miguel Celulário (1000 - 1054), patriarca de Constantinopla. Nesse instante, estava aberta a possibilidade de um conflito interno de poder entre os cristãos. Contudo, no ano de 1054, a crise de poder acabou determinando a realização do Cisma do Oriente, que originou a criação da Igreja Ortodoxa (Oriente) e a Igreja Católica Apostólica Romana (Ocidente).

Em termos práticos, vemos que os ortodoxos ainda seguem vários dos sacramentos existentes na igreja ocidental. Contudo, os orientais não permitem a construção de imagens de santos esculpidos. Além disso, não acreditam que o papa seja um interlocutor infalível da verdade cristã ou na existência do purgatório. Dessa forma, observamos a consolidação de outra perspectiva religiosa no interior do cristianismo.


Por Rainer Sousa
Graduado em História

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUSA, Rainer Gonçalves. "O Cisma do Oriente"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/historiag/o-cisma-oriente.htm>. Acesso em 15 de dezembro de 2018.

Lista de Exercícios
Questão 1

(Fuvest) Do Grande Cisma sofrido pelo cristianismo no século XI, resultou:

a) o estabelecimento dos tribunais da Inquisição pela Igreja católica.

b) a Reforma protestante, que levou à quebra da unidade da Igreja católica na Europa Ocidental.

c) a heresia dos albigenses, condenada pelo papa Inocêncio II.

d) a divisão da Igreja em católica romana e ortodoxa grega.

e) a Querela das Investiduras, que proibia a investidura de clérigos por leigos.

Questão 2

A ocorrência do Cisma entre a Igreja do Oriente e a Igreja Católica (ou a do Ocidente) resultou de uma série de divergências políticas e teológicas. Entre essas últimas, estava:

a) a ausência do ritual litúrgico da missa na Igreja do Oriente.

b) a não aceitação do Novo Testamento pela Igreja do Ocidente.

c) a não aceitação do Antigo Testamento pela Igreja do Oriente.

d) a forma de se conceber a criação do mundo por Deus.

e) a forma de se compreender a emanação do Espírito Santo.

Mais Questões
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola