Topo
pesquisar

Quarta Cruzada e a conquista de Constantinopla

História Geral

A conquista da cidade de Constantinopla pelos europeus depois da Quarta Cruzada (1202-1204) mostrou que não eram apenas aspectos religiosos que moviam os cruzados.
PUBLICIDADE

A Quarta Cruzada (1202-1204) ou “Cruzada de Veneza” resultou no saque e na tomada da cidade de Constantinopla (atual Istambul) e na instauração do Império Latino, levando o mundo cristão da época a ter três impérios: além do Latino, o Sacro Império Romano-Germânico e o Império Bizantino. Apesar de ter durado apenas meio século, o Império Latino de Constantinopla, comandado por Veneza, contribuiu para o ressurgimento do comércio entre o Ocidente e o Oriente.

O objetivo inicial da cruzada era tentar retomar a cidade de Jerusalém. Entretanto, os comerciantes venezianos, liderados pelo Dodge Enrique Dandalo, que estavam financiando essa cruzada, pretendiam desviar a rota da expedição. A pressão sobre os comandantes dos navios fez com que o objetivo da cruzada fosse a cidade de Constantinopla. Com esse desvio, os venezianos pretendiam atacar o principal porto comercial do Mar Mediterrâneo.

O primeiro local tomado pelos cruzados foi o porto de Zara, no território da atual Croácia, dominado pelos húngaros. Este local era um ponto estratégico na liberação da navegação no mar Adriático. Depois, cerca de 150 navios e galeras se deslocaram para a capital do Império Bizantino, tomando a cidade de assalto por duas vezes, em julho de 1203 e abril de 1204. Após longas e sangrentas batalhas, os cruzados tomaram a cidade e formaram um parlamento de 12 votantes, que elegeram Balduíno, conde de Flandres, como o novo monarca de Constantinopla, sendo coroado em maio de 1204, na Catedral de Santa Sofia, conhecida como Hagia.

Os cruzados ainda infligiram pesados prejuízos financeiros à cidade, como o intenso saque realizado em quase todos os templos da rica cidade bizantina. Ouro, prata, joias preciosas e demais tesouros foram enviados a Veneza e comercializados na Europa. As relíquias religiosas foram encaminhadas para Roma ou mesmo para outras cidades europeias. A exibição dessas mesmas relíquias garantiam visitas e peregrinações, fomentando o comércio das cidades que as abrigavam.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A conquista de Constantinopla e a formação do Império Latino demonstraram que os objetivos das cruzadas não eram apenas religiosos. Sendo o objetivo inicial a retirada dos muçulmanos de Jerusalém, por que os europeus invadiram e saquearam um império cristão, como o Bizantino? Talvez pelo fato de o Império Latino de Constantinopla ter garantido aos venezianos o controle comercial no Mar Mediterrâneo. Essa situação contribuiu também para o renascimento comercial europeu nos séculos XII e XIII e na consequente desagregação do mundo feudal.

A cidade foi retomada pelos bizantinos em 1261, quando Miguel VIII Paleólogo derrubou Beduíno II, pondo fim ao Império Latino de Constantinopla. Mas as marcas de tal invasão ficaram impressas na relação entre as igrejas católicas do Ocidente e do Oriente, que haviam se separado em 1054, no conhecido Cisma do Oriente. Os ressentimentos gerados pela invasão à Constantinopla e a pilhagem de inúmeras relíquias religiosas bizantinas só seriam amenizados quase 800 anos depois. Em 2004, o papa João Paulo II devolveu as relíquias dos mártires da Igreja Cristã Ortodoxa, que foram roubadas na Igreja de Santa Sofia, ao patriarca ecumênico ortodoxo.

* Crédito da Imagem: muharremz e Shutterstock.com


Por Tales Pinto
Graduado em História

A Catedral de Santa Sofia foi um dos locais saqueados pelos cristãos europeus durante a Quarta Cruzada.*
A Catedral de Santa Sofia foi um dos locais saqueados pelos cristãos europeus durante a Quarta Cruzada.*

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PINTO, Tales dos Santos. "Quarta Cruzada e a conquista de Constantinopla"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/quarta-cruzada-conquista-constantinopla.htm. Acesso em 14 de dezembro de 2019.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola