Vozes verbais

Gramática

PUBLICIDADE

As vozes verbais informam a relação entre a coisa referida e os participantes daquilo que é relatado. Existem três vozes verbais: voz ativa, voz passiva e voz reflexiva. Confira abaixo como elas funcionam.

Leia também: O que são modos verbais?

Voz ativa

Adiantamos que a voz ativa ocorre quando o sujeito pratica a ação expressa pelo verbo, sendo tradicionalmente chamado de agente. Assim:

O gato

apanhou

o rato.

(sujeito agente)

(verbo)

(objeto paciente)


Porém, nem sempre o sujeito desempenha o papel de agente, apesar do verbo estar na voz ativa. Vejamos como exemplo a oração:

O gato caiu do telhado.

Nesse caso, o verbo está na voz ativa, mas o gato, apesar de sujeito, apresenta passividade em vez de atividade, pois sofre uma ação em vez de agir.

O mesmo acontece neste exemplo que se refere ao jogo que eliminou o Brasil da copa em casa:

A seleção brasileira apanhou feio da Alemanha.

A frase está na voz ativa, mas a seleção brasileira (sujeito) não é agente, porque está recebendo e não praticando a ação expressa pelo verbo.

O fato expresso pelo verbo pode ser representado de três formas: praticado pelo sujeito, sofrido pelo sujeito ou praticado e sofrido pelo sujeito.
O fato expresso pelo verbo pode ser representado de três formas: praticado pelo sujeito, sofrido pelo sujeito ou praticado e sofrido pelo sujeito.

Desse modo, apesar de servir à nomenclatura, o nível semântico é secundário. Ou seja, não importa se o sujeito está de fato agindo no mundo real para que exista a estrutura da voz ativa. Por isso, é importante não tomar como sinônimos os termos sujeito e agente para definir a voz ativa.

Voz passiva

  • Voz passiva analítica

Voz passiva é uma construção em que o objeto direto passa a ocupar a função de sujeito. Assim, a estrutura sintática sujeito–verbo–objeto da frase original se inverte, mas o sentido do enunciado permanece.

O rato

foi apanhado

pelo gato.

(sujeito paciente)

(auxiliar + particípio)

(agente da passiva)


Em quase todos os casos o sujeito é paciente, isto é, sofre, recebe ou desfruta a ação. O núcleo da forma passiva é o verbo sempre no particípio, variável em número (singular/plural) e gênero (masculino/feminino), ou seja, concordando com o sujeito.

Ao observar o exemplo, é possível notar que a passiva é constituída de um verbo auxiliar (frequentemente ser) que acompanha o verbo no particípio. Por isso, esse tipo de voz passiva é conhecido como analítica.

  • Voz passiva sintética

Além da passiva analítica, também temos em português a passiva chamada pronominal. É formada pelo pronome se, que tem a função apassivadora. Nesse tipo de construção, não há verbo auxiliar, por isso alguns gramáticos a denominam passiva sintética. Além disso, não existe o agente da passiva.

Pinturas preciosas

salvaram-se

no incêndio do museu.

(sujeito paciente)

(voz passiva pronominal)

(adjunto adverbial)

 

Pinturas preciosas

foram salvas

no incêndio do museu.

(sujeito paciente)

(voz passiva analítica)

(adjunto adverbial)


Saiba mais: Dez dicas de português sobre verbos

Como passar da voz ativa para passiva e vice-versa

Voltemos aos primeiros exemplos de voz ativa e voz passiva:

O gato

apanhou

o rato.

(sujeito agente)

(verbo)

(objeto paciente)

 

O rato

foi apanhado

pelo gato.

(sujeito paciente)

(auxiliar + particípio)

(agente da passiva)


A partir desse esquema é possível depreender que, para converter a voz ativa em voz passiva, o verbo ativo é colocado no particípio e o verbo auxiliar é conjugado na mesma forma em que estava o verbo ativo. O sujeito da voz ativa passa a agente da passiva; o objeto direto da voz ativa passa a sujeito da passiva e o particípio concorda com o novo sujeito.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Mas nem todas as construções ativas podem ser transformadas em passivas. Se tentássemos aplicar o esquema em:

Paula levou um tiro.

A frase obtida seria:

Um tiro foi levado por Paula.

Vemos que é impossível, simplesmente porque precisa existir um sujeito agente para ser convertido em paciente. Paula, no caso, não está agindo, está apenas vivenciando uma ação como sujeito.

O primeiro motivo para alguém escolher utilizar a voz passiva, em vez da voz ativa, é o desejo de modificar a perspectiva da cena. Em uma passagem de “Os Maias”, de Eça de Queirós, temos: “O Carlos da Maia foi ofendido aí por um sujeito muito conhecido”.

O Carlos da Maia

foi ofendido

por um sujeito muito conhecido.

(sujeito paciente)

(auxiliar + particípio)

(agente da passiva)


Nesse trecho, a voz passiva tem a função de realçar a ofensa proferida na Corneta do Diabo contra Carlos da Maia. Tanto que quem ofende é designado apenas como um sujeito muito conhecido. Caso o intuito fosse salientar o ofensor, teríamos: Um sujeito muito conhecido ofendeu o Carlos da Maia.

Um sujeito muito conhecido

ofendeu

o Carlos da Maia.

(sujeito agente)

(verbo)

(objeto paciente)

Voz reflexiva

Além da ativa e da passiva, também existe a voz reflexiva. Na voz reflexiva o sujeito/agente e o objeto/paciente coincidem. Isso significa que o sujeito faz uma ação, expressa pelo verbo, que ele mesmo sofre ou recebe.

Tomemos como exemplo a oração abaixo:

O prisioneiro

se

matou.

(sujeito agente)

(objeto paciente)

(verbo)


O pronome se significa que o prisioneiro matou a si mesmo. É exatamente desse modo que a reflexiva é formada, juntando às formas ativas os pronomes oblíquos me, te, se, nos, vos e se, respectivamente com o sentido de a mim mesmo, a ti mesmo, a si mesmo, a nós mesmos, a vós mesmos e a si mesmos.

Mas a voz reflexiva não deve ser confundida com a voz ativa formada por verbos que expressam sentimento, como queixar-se, alegrar-se, zangar-se. Tanto é que não podemos dizer, por exemplo, zango-me a mim mesmo.

Muitas vezes pode haver ambiguidade resolvida pelo contexto, por exemplo:

O operário feriu-se.

Essa oração pode ser interpretada como passiva pronominal (O operário foi ferido) ou como reflexiva (O operário feriu a si mesmo). Na primeira interpretação, foi ferido acidentalmente; na segunda, se feriu por vontade própria.

Exercícios

1 - Reorganize as colunas, fazendo as frases corresponderem à voz adequada dos verbos:

(   ) Não vejo rosas neste jardim.                               ( 1 ) reflexiva

(   ) A garotinha penteou-se sozinha.                       ( 2 ) passiva analítica

(   ) Regam-se as plantas de manhã cedo.             ( 3 ) ativa

(   ) A noiva vinha acompanhada pelo pai.              ( 4 ) passiva pronominal

Solução: 3, 1, 4, 2.

2 - (MED. ITAJUBÁ) – Todas as frases estão na voz passiva, exceto:

a) Fazia-se a relação dos livros novos.

b) Estuda-se novo processo de irrigação.

c) Trata-se sempre do mesmo problema.

d) Projetava-se um grande frigorífico.

e) Arrisca-se a vida por tão pouca coisa.

Solução: c, pois todas as outras podem ser reescritas na passiva analítica, exceto “Trata-se sempre do mesmo problema”.

a) A relação dos livros novos era feita.

b) Novo processo de irrigação é estudado.

c) Trata-se sempre do mesmo problema.

d) Um grande frigorífico era projetado.

e) Por tão pouca coisa a vida a vida é arriscada.

 

Por Paula Piva
Professora de Gramática

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PIVA, Paula. "Vozes verbais"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/vozes-verbais.htm. Acesso em 02 de junho de 2020.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

Eis as seguintes frases em evidência, as quais encontram-se na voz passiva. Permute-as para a voz ativa:

a – Os conteúdos foram estudados pelos alunos.

b – Todos os comentários foram discutidos durante a reunião.

c – Todas as questões discursivas do concurso foram anuladas.

d – As crianças eram estimuladas constantemente ao hábito da leitura.

e – Os jogadores eram comandados por um técnico bastante exigente.
 

Questão 2

Diante das alternativas expostas, assinale a que se encontra na voz reflexiva:

a – Antigamente contavam-se muitas histórias. 
b – O garoto feriu-se com o objeto pontiagudo. 
c – Os artistas foram aplaudidos pela plateia. 
d – As mercadorias foram repostas conforme a demanda. 
e – Questões polêmicas permeiam a sociedade. 

Mais Questões