Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Uso da crase e a regência verbal: estreitando relações

Gramática

O uso da crase se mantém com estreita ligação com a regência verbal, haja vista a predicação que se atribui a alguns verbos.
Uma estreita relação tende a se estabelecer entre o uso da crase e a regência verbal
Uma estreita relação tende a se estabelecer entre o uso da crase e a regência verbal
PUBLICIDADE

O conhecimento que adquirimos mediante o estudo dos fatos gramaticais por vezes nos conduz à seguinte constatação: mais do que apreendê-los, torna-se necessário compreendermos acerca das razões que os concebem como tais.  Assim, com base nessa premissa, cabe ressaltar que se trata de uma diversidade deles e que citá-los em sua totalidade seria por demais inviável, em se tratando desse nosso encontro. Dessa forma, elegemos como prioridade para nossa discussão a estreita relação que se estabelece entre o uso da crase e a regência verbal.

Dessa forma, a compreensão que se estabelece acerca dos aspectos conceituais, sobretudo os que se atém à junção do artigo “a” + a preposição “a” tornam-se insuficientes, concisos e um tanto quanto superficiais. Nesse sentido, emerge daí (ou ao menos precisa emergir) o seguinte questionamento: a presença da preposição se deve exatamente a quê? Ora, é simples, basta nos atermos aos exemplos seguintes:

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Iremos À praia, caso não chova.

Entregamos as encomendas ÀQUELES clientes.

Analisando ambos os verbos, segundo a ótica da regência, constatamos que, de acordo com a predicação, classificam-se como transitivos indiretos, a saber:

Quem vai, vai a algum lugar, por isso “à praia”.

Quem entrega, entrega algo a alguém, por isso “àqueles clientes”.

Como pôde perceber, nada de excepcional norteia os preceitos atribuídos a essa ocorrência linguística, haja vista que apenas um pouco mais de análise acerca dos conhecimentos antes adquiridos (regência) para constatarmos  as razões desta ou daquela classificação.


Por Vânia Duarte
Graduada em Letras

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. "Uso da crase e a regência verbal: estreitando relações"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/uso-crase-regencia-verbal-estreitando-relacoes.htm. Acesso em 19 de outubro de 2021.

Lista de Exercícios
Questão 1

Indique a alternativa em que a crase não foi usada corretamente.

  1. Assisti à última sessão de cinema.

  2. Assisti à um ótimo filme.

  3. Não assisto à novela.

  4. Você assistiu à corrida.

Questão 2

Assinale a única alternativa em que a crase foi corretamente utilizada:

  1. Só um projeto que vise à eliminação da corrupção pode ajudar o Brasil.

  2. O caçador visou à galinha.

  3. O ensino deve visar à progresso.

  4. Não visou à melhorar.

Mais Questões
Artigos Relacionados
Quando colocar crase nos pronomes? Clique aqui e veja!
Acerte em cheio na Gramática! Leia nossas dicas de redação sobre erros gramaticais e escreva melhor!
Dúvidas? Analisar o contexto pode ser a solução definitiva!
Aprenda quando não usar a crase e descubra que é mais fácil do que se pensa.
Descubra o que é a regência verbal e como ela influencia o significado dos verbos. Veja os principais casos de regência e aprenda o seu uso na norma padrão.
Entre as preposições e a regência verbal há uma estreita relação. Veja aqui mais informações acerca dessa ocorrência linguística!
Neste artigo você vai entender quando usar ou não a crase na indicação de horas. Vamos lá?