close
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Reino Unido 3

Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Inglaterra normanda

Eduardo, último rei saxão, era homem virtuoso, porém fraco. Mais preocupado com a salvação de sua alma do que com o destino do reino, educado na Normandia e grato pelo acolhimento recebido durante o domínio dinamarquês, prometeu o trono da Inglaterra a seu primo, o duque Guilherme o Bastardo, depois Guilherme o Conquistador. A mesma promessa teria sido feita a Sweyn II da Dinamarca e a Haroldo, filho de Godwin, conde de Wessex e Kent.

Com a morte de Eduardo em 1066, o conselho de sábios decidiu entregar a coroa a Haroldo, de preferência ao jovem Edgard Atheling, neto de Edmundo Ironside. Guilherme da Normandia reivindicou imediatamente a sucessão ao trono britânico. Moveu campanha em toda a Europa, sobretudo em Roma, acusando "seu vassalo" Haroldo de arrebatar-lhe "uma coroa prometida pelo soberano desaparecido", em violação das leis feudais e de um juramento solene.
O papa, a quem o duque normando prometera a reforma da igreja na Inglaterra, segundo as idéias de Hildebrando (papa Gregório VII), abençoou a empresa. A célebre tapeçaria de Bayeux, atribuída à rainha Matilde, mulher de Guilherme, mostra como florestas foram abatidas para construir os 750 navios necessários ao transporte de 12.000 a 15.000 homens, recrutados em toda a França, sob promessa de terras na Inglaterra e recompensas financeiras.
Haroldo foi morto na batalha de Hastings, e Guilherme o Conquistador foi coroado rei da Inglaterra em Westminster, em 25 de dezembro de 1066. Com ele começou a governar o país uma dinastia normanda, de cultura e língua francesas, com grandes possessões territoriais no continente europeu, o que haveria de conduzir à intervenção da coroa inglesa nos assuntos da França durante séculos.

Plantagenetas, casas de Lancaster e York

Estabeleceu-se na Inglaterra um eficaz sistema administrativo centralizado e instaurou-se um feudalismo de amplitude continental. O monarca Henrique II, da casa de Anjou, conquistou a Irlanda na segunda metade do século XII. Teve início, em sua época, uma sucessão de conflitos entre a coroa, a nobreza e o alto clero. Thomas à Becket, arcebispo de Canterbury, foi assassinado por ordem de Henrique. Os nobres obrigaram seu filho, João Sem Terra, a outorgar em 1215 a Magna Carta, que se considera tradicionalmente como o ponto de partida das liberdades e do sistema parlamentar inglês.

No final do século XIII, Eduardo I apoderou-se de Gales. Instituiu o título de príncipe de Gales, que ainda corresponde ao de herdeiro da coroa britânica, e iniciou as primeiras reuniões de um corpo deliberativo, integrado por nobres, funcionários do Tesouro e representantes dos diversos condados, que se denominou "parlamento modelo", germe da moderna instituição. Também tentou apoderar-se da Escócia, mas a resistência de seus habitantes conseguiu garantir a independência do país.

Em 1337 começou a guerra dos cem anos, que se prolongaria, com escassos períodos de trégua, até 1453. Os poderosos reis ingleses, senhores de grandes domínios continentais, enfrentaram o rei da França, com sorte diversa. A guerra desenvolveu-se no continente e, ao seu final, os ingleses viram-se expulsos dali. A partir de então acentuou-se a insularidade do país e fortaleceu-se o nacionalismo inglês.

A corte deixou paulatinamente de utilizar o idioma francês e desde 1362 os procedimentos judiciais começaram a desenvolver-se em língua inglesa. Geoffrey Chaucer, nos Canterbury Tales (Contos de Canterbury), escritos entre 1390 e 1400, deu dimensão literária ao idioma do povo, atestando que este se impunha sobre o da nobreza normanda.

Em 1455 começou um período turbulento, de quase permanente guerra civil ao longo de trinta anos. Foi a guerra das duas rosas, entre a casa de Lancaster e a de York, que deixou a Inglaterra exaurida. A entronização, em 1485, de Henrique VII, fundador da dinastia Tudor, restabeleceu a unidade do país.

Absolutismo Tudor. Depois de derrotar Ricardo III na batalha de Bosworth Field (1485), Henrique Tudor, conde de Richmond, inaugurou a dinastia Tudor, com o nome de Henrique VII. Durante seu reinado, de 1485 a 1509, mostrou-se autoritário e prudente, transformou a Inglaterra num país próspero e favoreceu a classe emergente dos comerciantes e armadores.
Seu filho Henrique VIII, soberano de 1509 a 1547, foi, além de excelente político, um extraordinário poeta e músico. Ante a Reforma religiosa que abalava a Europa, definiu-se a princípio favorável a Roma. Mais tarde, quando o papa se negou a conceder-lhe o divórcio de Catarina de Aragão, erigiu-se em chefe da Igreja da Inglaterra, cisma sancionado em 1534 pelo Estatuto de Supremacia. Os mosteiros foram suprimidos e seus bens confiscados em favor da coroa. As execuções de luteranos (tidos como hereges) e de católicos (como traidores à coroa) sucederam-se em seu reinado.

Os três filhos que Henrique teve com três esposas diferentes reinaram na Inglaterra. Eduardo VI (1547-1553), por sua pouca idade, apenas pôde intervir nas tarefas do governo. Maria I (1553-1558) restabeleceu o catolicismo e perseguiu com violência os protagonistas do cisma anterior, pelo que recebeu o nome de Maria a Sanguinária (Bloody Mary). No mesmo ano de sua morte, a França apoderou-se de Calais, o último local do continente em poder da Inglaterra.

Período elisabetano

Elizabeth I (1558-1603), filha de Henrique VIII e de Ana Bolena, rechaçou de novo o catolicismo. Reformou a Igreja da Inglaterra e aproximou-a do protestantismo. Com isso conquistou a simpatia da burguesia cada vez mais poderosa e o apoio decidido da nobreza latifundiária, que enriquecera com os bens confiscados a conventos e mosteiros.

O Parlamento não opôs obstáculos às ambições da rainha, que coincidiam com as da maioria dos parlamentares. A Lei dos Trinta e Nove Artigos, em 1563, deu forma definitiva à Igreja Anglicana.
Ao longo do reinado de Elizabeth I, a Inglaterra transformou-se em adversária do poder espanhol, cujas colônias americanas começaram a ser atacadas por navios ingleses. Os comerciantes londrinos fizeram da capital inglesa um empório econômico de primeira grandeza. A cobiçada lã inglesa, antes exportada para a manufatura em Flandres, passou a ser trabalhada na ilha. Começaram a surgir poderosas empresas comerciais, como a Companhia das Índias.

Nessa etapa, o rei espanhol Filipe II, em várias ocasiões, tentou derrubar Elizabeth, mediante o apoio às facções católicas dispostas a destronar a rainha, mas fracassou nesse intento. Em revanche, Elizabeth favoreceu abertamente a rebelião dos Países Baixos contra o monarca espanhol, que tentou a invasão das ilhas Britânicas com a Invencível Armada. Sua destruição, em 1558, pelos navios ingleses, mais leves e manobráveis, marcou o princípio do declínio do império espanhol.

Os Stuarts e as revoluções inglesas

Quando Elizabeth I morreu sem deixar descendentes diretos, herdou o trono da Inglaterra o rei da Escócia, Jaime VI Stuart, que tomou o nome de Jaime I da Inglaterra (1603-1625). A partir de 1603, os quatro países britânicos -- Inglaterra, Irlanda, Gales e Escócia -- ficaram unidos politicamente sob a mesma coroa, embora o Parlamento inglês e o escocês só se unificassem em 1707.
Jaime I começou seu reinado seguindo os passos de Elizabeth. A partir de 1611, porém, suas relações com o Parlamento ficaram bastante tensas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Seu filho Carlos I (1625-1649), que manifestou abertamente tendências absolutistas, também logo perdeu o favor do Parlamento. Empenhado em unificar religiosamente o país sob a Igreja Anglicana, teve de enfrentar a rebelião da Escócia, que era quase totalmente presbiteriana. Depois da derrota das tropas reais em Newburn, em agosto de 1640, Carlos I precisou convocar o "Parlamento longo", com o objetivo de reunir fundos para preparar novo exército.
O Parlamento, então, ergueu-se diante do rei, a quem apresentou em junho de 1642 as Dezenove Propostas, cuja aceitação teria significado, para Carlos I, a perda de todo o poder. A negativa do rei deu início a uma guerra civil entre a coroa e o Parlamento, que terminou com a derrota e a prisão do monarca. Condenado por alta traição, ele foi executado em 30 de janeiro de 1649.

Instaurou-se um regime de soberania parlamentar, denominado Commonwealth, durante o qual se promulgou o Estatuto de Navegação (1651) que, ao obrigar a realização do comércio britânico com navios britânicos, impôs o crescimento da frota própria, e prejudicou a similar holandesa. Oliver Cromwell, o homem que organizara o exército do Parlamento e forçara a execução de Carlos I, era o verdadeiro dono do poder. A partir de 1653 transformou-se em ditador e dissolveu o Parlamento.

Com a morte de Cromwell, em 1658, sucedeu-lhe seu filho Richard, que não se sustentou mais de um ano no poder. O general George Monck, chefe do Exército da Escócia, convocou de novo o Parlamento, o qual chamou de volta o filho do decapitado Carlos I, que do exílio prometera a anistia. Em maio de 1660, Carlos II entrava em Londres.

Carlos II tinha convicções absolutistas, como o pai, e desejava empreender uma política exterior de altos vôos. Estava, contudo, economicamente preso ao Parlamento, o que tornou vacilante sua intervenção nas guerras que Luís XIV da França travava com os Países Baixos. Sua política interna também foi contraditória: contra a Declaração de Tolerância, que de fato favorecia os católicos, o Parlamento decretou que todos os funcionários deveriam fazer um juramento que rechaçasse os dogmas do catolicismo.

Os parlamentares, a partir daí, começaram a dividir-se em dois partidos: os whigs, decididos a defender suas prerrogativas, e os tories, partidários do rei. Os primeiros conseguiriam, em 1679, o reconhecimento do habeas corpus, lei por meio da qual se garantiu a liberdade individual ante detenções e prisões arbitrárias. Com a morte de Carlos II, em 1685, subiu ao trono seu irmão Jaime II, católico fervoroso. O descontentamento logo invadiu o país inteiro e um grupo de nobres ofereceu secretamente a coroa ao holandês Guilherme de Orange, protestante casado com uma das filhas de Jaime II.

Em novembro de 1688, Guilherme desembarcou na ilha e, quase sem resistência, avançou em direção a Londres. Jaime II teve de exilar-se na França. O Parlamento ofereceu a coroa a Guilherme (Guilherme III) e sua esposa, Maria II, ao mesmo tempo que os fazia aceitar, em 1689, uma Declaração de Direitos que subordinava as decisões do monarca à autoridade do Parlamento. A revolução de 1688, dita revolução gloriosa, e quase incruenta, fixou definitivamente o sistema político britânico, que desde então evoluiu sem sobressaltos notáveis.

A rainha Maria morreu em 1694, sem filhos. Guilherme, concentrado na política externa e submetido ao Parlamento, reinou até 1702. Sucedeu-lhe Ana Stuart (1702-1714), segunda filha do destronado Jaime II, que também não teve filhos. Nesses primeiros anos do século XVIII, a Grã-Bretanha (nome oficial do país desde 1707 até 1801), empenhada na luta contra a França e a Espanha, assentou as peças principais de seu império colonial.

Os tratados de Utrecht (1713), que deram fim à guerra de sucessão ao trono espanhol, consagraram a soberania britânica sobre Gibraltar e Minorca, que constituíram as bases de uma frota britânica no Mediterrâneo.
A França teve de ceder a Terra Nova e outros territórios da América do Norte, onde as colônias da Nova Inglaterra se desenvolviam rapidamente. O comércio britânico estendeu-se pela Índia, pelas costas africanas e pequenas Antilhas, assim como a economia de Portugal e suas possessões ficou em parte submetida aos intermediários britânicos.

Dinastia Hanover. De 1714 a 1789, a Inglaterra viveu um período de sólida unidade política, social e econômica, somente interrompida pelas conseqüências da queda da Bastilha, em 14 de julho de 1789. Fase de grande atividade econômica e financeira, novos portos, entre eles Bristol, Liverpool e Glasgow, foram abertos na costa ocidental, dilatando os horizontes comerciais britânicos.

A aquisição do Canadá, o aumento do poderio da Companhia da Índias Ocidentais e as viagens de James Cook ao Pacífico (1768-1779) ilustram o expansionismo imperialista que caracterizou essa época. Ao lado disso, o clima cultural, traduzido por grandes conquistas na literatura, filosofia, história, ciências naturais e economia política, contribuiu decisivamente para fomentar o novo substrato econômico.

A rainha Ana morreu repentinamente, em 1714. Ante o perigo de que lhe sucedesse no trono seu irmão Jaime Eduardo, católico, exilado na França, o Parlamento apressou-se em proclamar o rei Jorge de Hannover, como Jorge I, rei de 1714 a 1727. Tanto este como seu filho Jorge II (1727-1760) continuaram a ser mais alemães do que britânicos. Preocuparam-se diretamente com os assuntos de seus estados alemães e deixaram o Parlamento dirigir os destinos da Grã-Bretanha sem interferências.

Ao longo do século XVIII, foi-se estabelecendo o costume de que os assuntos de governo fossem dirigidos por um gabinete escolhido entre homens que contavam com a confiança da maioria dos parlamentares. No final do século surgiu, já reconhecida, a figura do primeiro-ministro.

O Parlamento estava longe de ser um órgão eleito democraticamente. A Câmara dos Lordes foi perdendo importância, mas a Câmara dos Comuns, em que residia o verdadeiro poder, estava composta de representantes da aristocracia territorial e do dinheiro, em muitos casos coincidentes, já que a nobreza britânica, à diferença da continental, nunca temeu manchar as mãos com o emprego de seu patrimônio no comércio ou nas manufaturas.

O sufrágio era restrito e as circunscrições eleitorais praticamente não se haviam modificado desde a Idade Média. O voto não era secreto e a corrupção era a norma. O sistema só começou a experimentar reformas no início do século XIX. No resto da Europa, porém, o sistema político britânico passou a ser visto com admiração.

Página Anterior - Próxima Página

Países - Geografia - Brasil Escola

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

ESCOLA, Equipe Brasil. "Reino Unido 3"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/reino-unido3.htm. Acesso em 21 de maio de 2022.

De estudante para estudante


Relacione a conferência de Berlim com o mapa do continente africano. 

Por Alice de Amorim da Silva
Responder
Ver respostas

Verdadeiro ou Falso?

Mapas são representações gráficas em escala reduzida da superfície terrestre ou de parte dela sobre um plano podem ainda representar especialmente determinadas informações gráficas, compondo, assim, os mapas temáticos

Por Anna Clara
Responder
Ver respostas

Estude agora


O que é o Hamas?

Assista à nossa videoaula e entenda o que é o Hamas. Conheça o histórico de formação desse grupo político...

As meninas

Assista a nossa videoaula para conhecer um pouco mais da obra As meninas, romance da escritora brasileira Lygia...