Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Período Cretáceo

O Período Cretáceo foi o último período geológico da Era Mesozoica. Foi marcado pelo reordenamento dos continentes, pela diversificação biológica e por uma extinção em massa.

Representação gráfica de alguns dinossauros, animais que foram extintos no Período Cretáceo, em um ambiente de vegetação.
O Cretáceo foi marcado pelo surgimento de novas espécies de dinossauros, como os tiranossauros, e também pela extinção desses animais.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Período Cretáceo é o último período geológico da Era Mesozoica. Foi, também, o período mais longo dessa era, durando entre 146 e 65,5 milhões de anos no passado geológico.

Os movimentos tectônicos de separação dos continentes durante o Cretáceo promoveram a maior abertura do Oceano Atlântico e a formação da Dorsal Mesoatlântica, além da separação definitiva entre América do Sul e África. Os demais continentes começaram a tomar forma semelhante à atual, organizando-se em posições próximas das que conhecemos hoje. O nível do mar estava mais de 200 metros acima do seu atual nível, e o clima quente do planeta foi se tornando mais ameno com o passar do tempo.

Os dinossauros continuaram a ser dominantes durante o Período Cretáceo, e junto deles novos mamíferos, insetos e pássaros passaram a habitar o nosso planeta. A cobertura vegetal foi se tornando cada vez mais densa, com as primeiras florestas e o surgimento das angiospermas. Ao final do Cretáceo, entretanto, parte significativa dessas formas de vida desapareceu por conta da extinção em massa que marcou o fim da Era Mesozoica. Dentre as extinções se destaca a dos dinossauros.

Veja também: Período Jurássico — o período geológico da Era Mesozoica que antecedeu o Cretáceo

Tópicos deste artigo

Resumo sobre o Período Cretáceo

  • O Período Cretáceo foi o último período da Era Mesozoica. Foi, também, o mais longo dos três períodos dessa era geológica.

  • Estendeu-se de 146 a 65,5 milhões de anos no passado geológico.

  • Divide-se em duas épocas geológicas: Cretáceo Inferior e Cretáceo Superior.

  • Os continentes continuaram a se afastar durante o Cretáceo, havendo o rifteamento na costa da África e da América do Sul e a formação da Dorsal Mesoatlântica.

  • Ao final do Cretáceo, o ordenamento dos continentes na superfície terrestre já era semelhante ao que conhecemos hoje.

  • O clima era mais quente do que o atual. As diferenças entre o clima dos polos e da região equatorial eram menores também.

  • Durante o Cretáceo, o nível do mar foi o maior registrado em toda a história do planeta Terra, chegando a 250 metros acima do atual.

  • Florestas densas começaram a se formar no Cretáceo, junto do surgimento das angiospermas.

  • As terras eram dominadas pelos dinossauros, muitos dos quais também estavam presentes nos ares e no oceano. Nesse período, também, muitos insetos e mamíferos surgiram.

  • O fim do Cretáceo aconteceu há 65,5 milhões de anos, marcado pelo impacto de um grande asteroide e por uma extinção em massa que causou o desaparecimento dos dinossauros.

O que foi o Período Cretáceo?

O Período Cretáceo foi o terceiro e último período geológico da era conhecida como Mesozoica. Essa é a subdivisão mais longa da Era Mesozoica, estendendo-se de 146 a 65,5 milhões de anos no passado geológico. O Cretáceo é antecedido pelo Período Jurássico e sucedido pelo Período Paleógeno, que inaugura a Era Cenozoica.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Antecedentes do Período Cretáceo

O Cretáceo é o último período da Era Mesozoica. Portanto, o período que o antecede é o Jurássico, que se estendeu de 200 a 146 milhões de anos atrás. Durante o Jurássico a configuração do planeta Terra se alterou profundamente, especialmente quando tratamos do ordenamento dos continentes.

Representação gráfica de dinossauros, animais que foram extintos durante o Período Cretáceo, na Era Mesozoica.
O Período Jurássico antecede o Período Cretáceo, sendo marcado pela diversificação das espécies de dinossauros.

A Pangeia se fragmentou no início do Período Jurássico, e os movimentos das placas tectônicas promoveram a continuidade da separação desse continente em dois outros supercontinentes: Laurásia e Gondwana. Como resultado dessa movimentação, intensas atividades tectônicas e vulcânicas aconteceram, com o depósito de camadas de rochas basálticas em diversos pontos do mundo, como aconteceu na América do Sul.

Muitas oscilações foram registradas no clima do planeta Terra. No geral, entretanto, localidades situadas até 60º de latitude, norte e sul, possuíam clima tropical típico. Com a intensificação da emissão de gases do efeito estufa, houve aumento das temperaturas por um período de tempo, com quedas ao final do Jurássico, na época que ficou conhecida como Jurássico Superior. Por conta do clima propício, plantas como samambaias, coníferas e cicadáceas eram predominantes.

Os animais que dominavam a superfície terrestre no período que antecedeu o Cretáceo eram os dinossauros, e assim continuaram até o final da Era Mesozoica. Muitas novas espécies desses répteis gigantes surgiram durante o Jurássico, algumas das quais foram extintas antes mesmo do início do Cretáceo, como aconteceu com os estegossauros.

Divisão do Período Cretáceo

O Período Cretáceo é dividido em duas épocas geológicas:

  • Cretáceo inferior: período inicial do Cretáceo, estendendo-se de 146 a 100,5 milhões de anos atrás. Pode ser, ainda, dividido em outras seis idades geológicas.

  • Cretáceo superior: período final do Cretáceo, estendendo-se de 100,5 a 65,5 milhões de anos atrás. Divide-se, também, em seis idades geológicas.

Características do Período Cretáceo

O Cretáceo é o período mais longo da Era Mesozoica, com duração aproximada de 84 milhões de anos. Esse período é o último antes da atual era geológica, a Era Cenozoica, e foi nele que o planeta Terra começou a adquirir os principais aspectos que apresenta hoje com relação ao clima e ao ordenamento das terras emersas.

O afastamento dos continentes teve continuidade durante o período Cretáceo. Esse movimento é, hoje em dia, testemunhado por meio das serras que foram esculpidas pela ação dos agentes intempéricos em áreas de rifteamento da América do Sul e da África, resultante da separação dos blocos que continham esses territórios. Com isso, houve a maior abertura do Oceano Atlântico, que também se expandiu no Hemisfério Norte.

Além da separação entre a América do Sul e a África, esse último continente e outras porções de terra, como a América do Norte, o subcontinente indiano, parte da Ásia e a Europa, por exemplo, tornaram-se enormes ilhas flutuando sobre o oceano. Foi somente no final do Cretáceo que a Índia se chocou com o restante da Ásia, onde permanece até a atual era geológica.

Os continentes da época, então, já representavam massas de terra em menores dimensões do que antes, considerando a Pangeia, Laurásia e Gondwana, e independentes. Ao final do Cretáceo, eles já apresentavam uma forma muito semelhante à que conhecemos hoje. Cabe ressaltar, entretanto, que algumas dessas terras se encontravam submersas total ou parcialmente nesse período, seja pelo oceano, seja por mares rasos ainda em fase de abertura. A seguir, veja como se distribuíam as terras emersas do planeta ao fim do Cretáceo:

Mapa-múndi mostrando a superfície terrestre durante o fim do período Cretáceo.
A superfície terrestre chegava perto de sua configuração atual durante o fim do Cretáceo.

O clima do planeta Terra era mais equilibrado durante o Período Cretáceo, quando consideramos as diferenças de temperaturas entre as áreas próximas do Equador terrestre e aquelas mais distantes. Isso acontecia por conta das correntes marítimas que se formaram a partir da abertura de novos mares, carregando as águas quentes de baixas para altas latitudes, afetando o clima em escala global. Assim, o Cretáceo começou com clima quente no Equador e temperado nos polos, e terminou com clima geral mais ameno, sem a formação de camadas de gelo nos polos.

Durante o Cretáceo, o nível do mar permaneceu cerca de 200 a 250 metros acima do atual nível. Em nenhum outro período ou época do tempo geológico, o nível do mar permaneceu tão elevado quanto no Cretáceo. Uma das explicações para que isso tenha acontecido se encontra no soerguimento da Dorsal Mesoatlântica e na expansão do assoalho oceânico, que começou ainda no Jurássico e seguiu durante o Cretáceo.

Formas de vida do Período Cretáceo

Dinossauros terrestres e voadores, animais que foram extintos durante o Período Cretáceo, em um ambiente de vegetação.
Os dinossauros continuaram a ser os animais dominantes no planeta durante o Cretáceo.

A cobertura vegetal do planeta Terra se diversificou muito durante o Período Cretáceo. As florestas densas que conhecemos atualmente, como muitas florestas equatoriais e tropicais, formaram-se durante esse período geológico. Por conta do clima favorável, coberturas florestais formadas por coníferas surgiram, também, nas regiões dos polos. Além disso, as angiospermas, que são as plantas com frutos, originaram-se no Cretáceo.

Nos mares, existia uma diferença muito clara entre as formas de vida que habitavam as águas do Mar de Tétis e aquelas que viviam em águas boreais. Essa distinção era principalmente com relação aos organismos que compunham os recifes de corais. Determinados tipos de caramujos somente existiam no Mar de Tétis, bem como algas calcárias e animais invertebrados, como os equinoides. Por sua vez, belemnites (tipo de animal carnívoro) e algumas espécies com conchas tinham habitat em mares boreais. No Cretáceo, também, o plâncton começou a adquirir seu aspecto moderno, e os tubarões e outros grandes animais marinhos continuaram a sua existência.

Sobre os continentes o domínio continuava sendo dos dinossauros, com um número cada vez maior de espécies. Grandes comunidades desses répteis se formaram especialmente onde hoje fica a América do Norte e a Ásia. Entre as espécies de dinossauros que viveram na Terra do Cretáceo estavam os tiranossauros, os tricerátopes, os saurópodes e os titanossauros, sendo esta a maior espécie de dinossauros existente. Nos ares, eram os pterossauros os animais preponderantes.

Os marsupiais, como cangurus, e os mamíferos placentários surgiram durante o Cretáceo Superior, e se expandiram em quantidade de indivíduos após a extinção dos dinossauros. Novas espécies de insetos apareceram nesse período geológico, como formigas, abelhas, gafanhotos e borboletas.

Fim do Período Cretáceo

Representação gráfica da queda do asteroide que levou à extinção dos dinossauros e pôs fim ao Período Cretáceo.
Uma grande extinção em massa marcou o fim do Período Cretáceo.

O fim do Período Cretáceo aconteceu há 65,5 milhões de anos, tendo ficado marcado por uma extinção em massa que eliminou 80% da vida animal e vegetal do planeta, como os dinossauros, que desapareceram da Terra nesse episódio. Essa extinção, a última do Mesozoico e que marcou a transição para a Era Cenozoica, foi provocada por um conjunto de fatores que se iniciam com o impacto de um asteroide no Golfo do México, na Península de Yuacatán, onde hoje fica a cratera de impacto denominada de Chicxulub. Para além da queda, fenômenos como a alteração no nível do mar e mudanças no clima também contribuíram para que houvesse a extinção das espécies.

Diferenças entre o Período Cretáceo e o Período Jurássico

  • Período Cretáceo: esse é o período que encerra a Era Mesozoica. Trata-se do intervalo mais longo dessa era geológica, com duração superior a 80 milhões de anos, estendendo-se entre 146 e 65,5 milhões de anos no passado. Durante o Cretáceo, a Terra passou a adquirir sua atual configuração, especialmente em se tratando de clima e do formato e posição dos continentes. Foi também no Cretáceo que os dinossauros foram extintos, ao final do Cretáceo Superior.

  • Período Jurássico: esse é o período intermediário da Era Mesozoica, que se estende entre 200 e 146 milhões de anos. Durante o Jurássico o supercontinente Pangeia se fragmentou e as massas continentais começaram a se separar, enquanto o clima terrestre passou por diversas variações. Os dinossauros eram os animais dominantes no continente durante o Jurássico, com o surgimento de novas espécies e a extinção de outras.

Era Mesozoica

A Era Mesozoica é a segunda era geológica do Éon Fanerozoico, tendo iniciado há 251 milhões de anos e se encerrado há 65,5 milhões de anos. Essa subdivisão do tempo geológico é dividida em três períodos geológicos:

  • Período Triássico (251 a 100 milhões de anos);

  • Período Jurássico (200 a 146 milhões de anos);

  • Período Cretáceo (146 a 65,5 milhões de anos).

Conhecida como a era dos répteis, a Era Mesozoica ficou marcada pelo surgimento dos dinossauros durante o Período Triássico. Esses répteis gigantes conviveram com outras espécies de animais dessa mesma classe, tanto terrestres quanto marinhos, bem como pequenos mamíferos, aves e insetos. As plantas que recobriam os continentes passaram de gimnospermas, no início da era, para angiospermas, durante o período que estudamos.

Ademais, é importante lembrar que a Pangeia começou a se fragmentar durante essa era geológica, e a Terra foi adquirindo a configuração que conhecemos no Cretáceo Superior. A Era Mesozoica teve fim com uma grande extinção em massa que resultou no desaparecimento dos dinossauros. Para saber mais sobre a Era Mesozoica, clique aqui.

Exercícios resolvidos sobre Período Cretáceo

Questão 1

(Enem) A partir da análise da imagem, o aparecimento da Dorsal Mesoatlântica está associada ao(à):

Reorganização dos continentes nos períodos Permiano, Triássico, Jurássico, Cretáceo e Quaternário, em questão do Enem 2014.

Disponível em: www.telescopionaescola.pro.br. Acesso em: 3 abr. 2014 (adaptado).

A) separação da Pangeia a partir do período Permiano.

B) deslocamento de fraturas no período Triássico.

C) afastamento da Europa no período Jurássico.

D) formação do Atlântico Sul no período Cretáceo.

E) constituição de orogêneses no período Quaternário.

Resolução:

Alternativa D.

O aparecimento da Dorsal Mesoatlântica está associado à abertura do Oceano Atlântico, um processo que teve início no Jurássico, mas que se concretizou durante o Cretáceo.

Questão 2

(UFRGS) Há 65 milhões de anos, no final do Período Cretáceo, ocorreu a extinção em massa de diversos organismos, entre eles a dos dinossauros. As evidências indicam que esse evento ocorreu em consequência da queda de um asteroide que desencadeou drásticas mudanças climáticas no planeta.

A partir do processo de extinção dos dinossauros, é correto afirmar que:

A) os anfíbios, que passaram a habitar a terra firme, expandiram-se.

B) as grandes florestas de samambaias gigantes e cavalinhas de pequenas folhas extinguiram-se, formando os atuais depósitos de carvão mineral.

C) os insetos desenvolveram asas, tornando-se os primeiros seres vivos que podiam voar.

D) os peixes diversificaram-se, surgindo formas mandibuladas.

E) os mamíferos primitivos que sobreviveram à queda do meteoro diversificaram-se e expandiram-se.

Resolução:

Alternativa E.

Com a extinção dos dinossauros e de parte dos animais do planeta Terra, os mamíferos se diversificaram e expandiram-se em quantidade de indivíduos.

Fontes

HANSEN, Thor Arthur; KOCH, Carl Fred. Cretaceous Period. Encyclopaedia Britannica, [s.d.]. Disponível em: https://www.britannica.com/science/Cretaceous-Period.

OSTERLOFF, Emily. The Cretaceous Period: What was Earth like before dinosaurs went extinct? Natural History Museum, [s.d.]. Disponível em: https://www.nhm.ac.uk/discover/the-cretaceous-period.html.

TEIXEIRA, Wilson.; FAIRCHILD, Thomas Rich.; TOLEDO, Maria Cristina Motta de; TAIOLI, Fabio. (Orgs.) Decifrando a Terra. São Paulo, SP: Companhia Editora Nacional, 2009, 2ª ed.

WAGGONER, Ben. The Cretaceous Period. University of Californa Museum of Paleontology, 26 set. 1995. Disponível em: https://ucmp.berkeley.edu/mesozoic/cretaceous/cretaceous.php.

YOUTH AND EDUCATION IN SCIENCE (YES). Mesozoic. United Stated Geological Survey (USGS), [s.d.]. Disponível em: https://www.usgs.gov/youth-and-education-in-science/mesozoic.

Escritor do artigo
Escrito por: Paloma Guitarrara Licenciada e bacharel em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e mestre em Geografia na área de Análise Ambiental e Dinâmica Territorial também pela UNICAMP. Atuo como professora de Geografia e Atualidades e redatora de textos didáticos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

GUITARRARA, Paloma. "Período Cretáceo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/geografia/periodo-cretaceo.htm. Acesso em 23 de fevereiro de 2024.

De estudante para estudante