Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Neoconcretismo

Neoconcretismo é um movimento artístico de origem brasileira que surgiu no final da década de 1950. A principal característica de suas obras é seu caráter interativo.

“O bicho linear”, obra de Lygia Clark, um dos principais nomes do neoconcretismo.
O bicho linear, obra neoconcreta de Lygia Clark. [1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Neoconcretismo é um movimento artístico que surgiu no Brasil na década de 1950. O ápice do movimento ocorreu em 1959, quando Ferreira Gullar publicou o Manifesto neoconcreto.

As obras neoconcretas apresentam caráter interativo e abstrato. E se opõem ao racionalismo excessivo do Concretismo. Dois importantes nomes do Neoconcretismo são Ferreira Gullar e Lygia Clark.

Leia também: Neorrealismo — movimento artístico de origem europeia cujas obras denunciam problemas sociais

Tópicos deste artigo

Resumo sobre neoconcretismo

  • O Neoconcretismo é um movimento artístico surgido no final da década de 1950.

  • A principal característica das obras neoconcretas é seu caráter interativo.

  • O Manifesto neoconcreto foi publicado em 1959 por Ferreira Gullar e critica o racionalismo concretista.

  • Ferreira Gullar, Lygia Clark e Hélio Oiticica são os principais representantes do movimento.

  • O Neoconcretismo tende à abstração, em oposição à racionalidade concretista.

O que foi o neoconcretismo?

O Neoconcretismo foi um movimento artístico e literário que surgiu no Brasil no final da década d 1950. Ele é um desdobramento da estética concretista. E seu principal fundador é o poeta Ferreira Gullar, que escreveu o Manifesto neoconcreto, em 1959.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Contexto histórico do neoconcretismo

Em 1959, quando o Neoconcretismo chegou ao seu auge, o mundo estava sob a ameaça da Guerra Fria (1947-1981). Esse conflito político entre países capitalistas e socialistas teve início em 1947 e perduraria até 1991. Durante esse período, a humanidade estava de sobreaviso, temerosa da eclosão de uma guerra nuclear.

No Brasil, predominava o regime capitalista no governo desenvolvimentista de Juscelino Kubitschek (1902-1976), quando foi construída Brasília, a sede do poder estatal. Era um período marcado pela industrialização e pelo estímulo ao consumo. Nesse contexto, valorizar a participação do receptor-leitor-consumidor se mostrava pertinente.

Características do Neoconcretismo

O Neoconcretismo apresenta as seguintes características:

  • multiplicidade de sentidos;

  • cunho interativo;

  • apoliticidade;

  • caráter visual-semântico;

  • geometrismo;

  • aspecto sensorial;

  • experimentalismo;

  • subjetivismo.

Além destas, a poesia do Neoconcretismo também apresenta estas particularidades:

  • dobras e recortes na página;

  • verbo no imperativo;

  • palavra simbólica.

Manifesto neoconcreto

O Manifesto neoconcreto foi escrito pelo autor Ferreira Gullar e publicado, em 1959, no Jornal do Brasil. Além de Gullar, assinaram o manifesto os seguintes artistas: Franz Weissmann, Lygia Clark, Reynaldo Jardim, Lygia Pape, Amilcar de Castro e Theon Spanudis. Nesse documento, são explicitados os princípios do movimento.

O texto critica a arte concreta, “levada a uma perigosa exacerbação racionalista”. O manifesto é escrito por ocasião da I Exposição Neoconcreta, acontecida em 1959. E propõe “uma reinterpretação do neoplasticismo, do construtivismo e dos demais movimentos afins, na base de suas conquistas de expressão e dando prevalência à obra sobre a teoria”.

O neoconcreto, portanto, é contrário ao cientificismo e ao positivismo na arte. Para Gullar, o “racionalismo rouba à arte toda a autonomia e substitui as qualidades intransferíveis da obra de arte por noções da objetividade científica”. De forma que a arte concreta, em relação à recepção, estaria baseada apenas em “estímulo e reflexo” e não em participação do receptor ou leitor.

Segundo o manifesto, a arte neoconcreta valoriza o “espaço expressivo”. Além disso, defende também “a independência da criação em face do conhecimento objetivo (ciência) e do conhecimento prático (moral, política, indústria etc.)”. Por fim, o manifesto afirma que os participantes da I Exposição Neoconcreta não são um “grupo”, mas apenas pessoas que compartilham de uma “afinidade” artística.

Portanto, no manifesto, sobressaem as seguintes ideias:

  • oposição ao racionalismo e, consequentemente, ao Concretismo;

  • visibilidade da obra em detrimento da teoria;

  • enaltecimento da expressão e da subjetividade;

  • valorização da interação do receptor com a obra de arte;

  • defesa da arte independente da ciência e de valores morais, políticos e comerciais.

Principais artistas do neoconcretismo

  • Franz Weissman (1911-2005).

  • Lygia Clark (1920-1988).

  • Wyllis de Castro (1926-1988).

  • Lygia Pape (1927-2004).

  • Ferreira Gullar (1930-2016).

  • Hélio Oiticica (1937-1980).

Obras do Neoconcretismo

Um dos bólides de “Bólides”, uma obra neoconcreta de Hélio Oiticica, um importante nome do neoconcretismo.
Um dos bólides de Bólides, obra neoconcreta de Hélio Oiticica. [2]
  • Coluna neoconcreta (1957), de Franz Weissman.

  • Poema enterrado (1959), de Ferreira Gullar.

  • Livro da criação (1959), de Lygia Pape.

  • Objetos ativos (1959), de Wyllis de Castro.

  • Os bichos (1960), de Lygia Clark.

  • Bólides (1963), de Hélio Oiticica.

Diferenças entre Neoconcretismo e Concretismo

A principal diferença entre Neoconcretismo e Concretismo está no papel do receptor diante da obra. Assim, é a interação do receptor, com o objeto artístico ou literário, que vai ser responsável pelo sentido da obra. Portanto, as obras neoconcretas existem em função da interação com leitor ou receptor.

O Concretismo é mais racional, já o Neoconcretismo tende à abstração, à imaginação. O Concretismo valoriza o espaço da folha, enquanto o Neoconcretismo busca a obra tridimensional. O Concretismo se opõe ao caráter simbólico da palavra, mas o Neoconcretismo o valoriza. Para saber mais detalhes sobre o Concretismo, movimento ao qual o Neoconcretismo se opõe, clique aqui.

Exercícios resolvidos sobre neoconcretismo

Questão 1

(Enem)

“Bicho de bolso”, objeto escultórico produzido por Lygia Clark, em uma questão do Enem sobre neoconcretismo.

O objeto escultórico produzido por Lygia Clark, representante do Neoconcretismo, exemplifica o início de uma vertente importante na arte contemporânea, que amplia as funções da arte. Tendo como referência a obra Bicho de bolso, identifica-se essa vertente pelo(a)

A) participação efetiva do espectador na obra, o que determina a proximidade entre arte e vida.

B) percepção do uso de objetos cotidianos para a confecção da obra de arte, aproximando arte e realidade.

C) reconhecimento do uso de técnicas artesanais na arte, o que determina a consolidação de valores culturais.

D) reflexão sobre a captação artística de imagens com meios óticos, revelando o desenvolvimento de uma linguagem própria.

E) entendimento sobre o uso de métodos de produção em série para a confecção da obra de arte, o que atualiza as linguagens artísticas.

Resolução:

Alternativa A.

A principal característica do Neoconcretismo é a interação do receptor com a obra de arte, a qual é estimulada pela obra de Lygia Clark.

Questão 2

Lembra é um poema espacial de Ferreira Gullar. A obra consiste em um cubo que, ao ser levantado pelo leitor, deixa visível o verbo LEMBRA. Assim, esse poema neoconcreto apresenta:

A) limitação semântica.

B) cunho interativo.

C) aspecto sociopolítico.

D) racionalismo.

E) caráter antissensorial.

Resolução:

Alternativa B.

A obra de Gullar exige a participação do leitor/ receptor. Portanto, apresenta caráter interativo. Tal ação é sensorial e subjetiva, e gera uma multiplicidade de sentidos.

Créditos de imagem

[1] Lygia Clark / Wikimedia Commons (reprodução)

[2] elefteria1 / Hélio Oiticica / Wikimedia Commons (reprodução)

Fontes

ABAURRE, Maria Luiza M.; PONTARA, Marcela. Literatura brasileira: tempos, leitores e leituras. 3. ed. São Paulo: Editora Moderna, 2015.

GERHEIM, Fernando. Cruzamentos entre palavra e imagem em três momentos da arte brasileira. ARS, São Paulo, v. 18, n. 39, maio/ ago. 2020.

LYGIA CLARK. Manifesto do neoconcretismo. Disponível em: https://portal.lygiaclark.org.br/acervo/5741/manifesto-do-neo-concretismo.

SALZSTEIN, Sonia. Construção, desconstrução: o legado do neoconcretismo. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, v. 90, jul. 2011. 

Escritor do artigo
Escrito por: Warley Souza Professor de Português e Literatura, com licenciatura e mestrado em Letras pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SOUZA, Warley. "Neoconcretismo"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/artes/neoconcretismo.htm. Acesso em 22 de maio de 2024.

De estudante para estudante