Topo
pesquisar

Cólica menstrual

Saúde e Bem-estar

A cólica menstrual inicia-se normalmente um dia antes da menstruação e pode perdurar por todo o ciclo. Comumente está associada à liberação de prostaglandinas.
A cólica menstrual pode ser minimizada através de uma bolsa de água quente
A cólica menstrual pode ser minimizada através de uma bolsa de água quente
PUBLICIDADE

Todo mês as mulheres ficam menstruadas. O período, que normalmente já causa bastante incômodo, pode vir ou não acompanhado de dor: a cólica menstrual. Uma grande quantidade de mulheres, cerca de 50%, apresenta essa dor durante o período menstrual, que algumas vezes é tão forte que as impede de realizar suas atividades normais, como ir ao trabalho.

A cólica menstrual, também chamada de dismenorreia, é uma dor uterina que ocorre durante o período menstrual e é sentida logo abaixo do ventre. Além da dor, a cólica menstrual pode vir associada a fortes dores de cabeça, enjoos, vômitos, diarreias, desmaios e dores nas mamas. Normalmente esses sintomas surgem um dia antes da menstruação e desaparecem completamente ao final desse período.

Mas, afinal, por que as mulheres têm cólica menstrual? A resposta é simples: o útero, que é um órgão musculoso, contrai-se pela ação das chamadas prostaglandinas para que ocorra a liberação do endométrio. É essa substância que está associada à dor e que normalmente se apresenta em maior quantidade em mulheres que possuem cólicas muito intensas.

Apesar da cólica ser, na maioria das vezes, normal, é importante verificar se a dor é muito intensa e por períodos muito longos, pois, nesses casos, pode estar associada a outros problemas.

A dismenorreia pode ser classificada em primária ou secundária. A primária é aquela que não está relacionada com nenhuma doença e vai diminuindo de intensidade após os 20 anos ou uma gravidez. Já a secundária está associada a algum problema do sistema reprodutor feminino, normalmente a casos de endometriose. Além disso, as dismenorreias secundárias podem ser resultantes de miomas, tumores, pólipos, infecções e problemas na anatomia do útero e vagina.

Mas o que pode ser feito para diminuir ou acabar com as cólicas? São encontrados em farmácias vários remédios que possuem como ação principal o bloqueio da produção das prostaglandinas. Outro produto amplamente utilizado são as pílulas anticoncepcionais, que apresentam a função de reduzir a cólica, além, é claro, de evitar uma gravidez indesejada. Além da intervenção com medicamentos, recomenda-se a diminuição de alimentos com gordura animal, ovos, leite e derivados. A prática de exercícios físicos regularmente também pode ajudar.

Caso você já esteja com cólicas e deseja diminuir os sintomas, recomenda-se colocar uma bolsa de água quente no local e tomar um banho morno. Além disso, massagens relaxantes, acupuntura, pilates e repouso também podem diminuir a dor. Se achar necessário, peça afastamento do trabalho nesse dia.

IMPORTANTE: Não se automedique! Utilize apenas medicamentos indicados pelo seu médico. Lembre-se de que a cólica pode ter outras causas!


Por Ma. Vanessa dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Cólica menstrual"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/saude/dismenorreia.htm>. Acesso em 19 de agosto de 2017.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA