Topo
pesquisar

Acento circunflexo - O que muda

Acordo Ortográfico

PUBLICIDADE

A respeito do acento circunflexo, algumas regras mudaram. Vejamos:

1. Não existe mais acento circunflexo nas formas verbais paroxítonas que possuem o “e” tônico fechado em hiato na 3ª pessoa do plural do presente do indicativo ou do subjuntivo. Isso ocorre com os verbos: crer, dar, ler, ver e seus derivados, como: prever, reler, descrer, etc.

Assim, o certo era: crêem, dêem, lêem, vêem, relêem, prevêem.

Agora, fica: creem, deem, leem, veem, releem, preveem.

Importante: A acentuação dos verbos ter e vir e seus derivados não modifica: eles têm, eles vêm.

         2. De igual modo, o acento circunflexo deixa de existir na vogal tônica “o” de palavras paroxítonas, assim como: enjoo, povoo, voo, abençoo, perdoo. 

         3. O acento circunflexo ou agudo será aceito em palavras proparoxítonas, cujas vogais tônicas sejam “e” ou “o” no final de sílaba e seguidas nas consoantes nasais “m” e “n”, conforme a pronúncia na norma culta.

Por exemplo: a palavra fenômeno/fenómeno tem a vogal tônica “o” que termina a segunda sílaba “no” (fe –no- me- no), a qual é seguida da consoante nasal “m” (me), assim esse vocábulo poderá vir grafado ou com acento circunflexo ou com agudo, dependendo da língua culta. Dessa maneira, no Brasil a pronúncia culta é feita com timbre fechado e, portanto, é mais certo que acentuemos tal palavra com circunflexo: fenômeno.

De acordo com essa regra acima, também podemos apontar: acadêmico/académico, gênero/género, tônico/tónico, blasfêmia/blasfémia, fêmea/ fémea, anatômico/anatómico, gênio/génio, tênue/ténue, cômodo/cómodo, Amazônia/Amazónia.

Por Sabrina Vilarinho
Graduada em Letras
 

Veja mais!

Acento grave - E a crase como fica com o acordo?

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

VILARINHO, Sabrina. "Acento circunflexo - O que muda"; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/acordo-ortografico/acento-circunflexo-o-que-muda.htm>. Acesso em 01 de outubro de 2016.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
  • SIGA O BRASIL ESCOLA