Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Competência 4 da redação do Enem

Redação

Competência 4 é responsável por avaliar a estrutura superficial do texto, isto é, as ligações entre frases e parágrafos por meio dos chamados elementos coesivos.
Na redação do Enem, a competência 4 é conhecida pelos seus operadores argumentativos.
Na redação do Enem, a competência 4 é conhecida pelos seus operadores argumentativos.
PUBLICIDADE

A competência 4 da redação do Enem verifica a capacidade do aluno de utilizar os mecanismos linguísticos na construção de seus argumentos. É nela que estão presentes os chamados operadores argumentativos, fundamentais na construção de um texto dissertativo argumentativo.

Leia mais: Coesão textual na redação do Enem

Resumo sobre competência 4 da redação do Enem

  • A competência 4 avalia o que chamamos de “amarração textual”, que faz com que as informações, dados e argumentos sejam dispostos de maneira sequencial, fluída e lógica ao leitor.

  • A coesão é a principal preocupação da competência 4; pode ser classificada em coesão referencial ou sequencial.

  • Os elementos coesivos são responsáveis pela amarração das frases e sentenças e pela ligação dos parágrafos. Os dois casos são avaliados pela competência 4.

  • Para alcançar a nota máxima na competência 4, é importante estudar os conectivos, ter noção do uso inter e intraparágrafo e ler bastante para aumentar o vocabulário.

Videoaula sobre a competência 4 da redação do Enem

O que se avalia na competência 4 da redação do Enem?

A dissertação argumentativa é um gênero textual que demanda uma “amarração textual”, ou seja, as informações, os dados e os argumentos precisam se apresentar de forma fluída e sequencial. Esse sistema de amarração é chamado de coesão textual.

A coesão pode ser classificada de duas formas: coesão referencial e coesão sequencial. Ambas atuam para garantir a sequência das ideias, a ligação entre frases, orações e até mesmo entre parágrafos, e elas também evitam repetições e determinadas incoerências semânticas.

A seguir, temos a matriz de referência da competência 4 do Enem:

Nível

Competência 4

Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação

0

Não articula as informações.

1

Articula as partes do texto de forma precária.

2

Articula as partes do texto de forma insuficiente, com muitas inadequações, e apresenta repertório limitado de recursos coesivos.

3

Articula as partes do texto de forma mediana, com inadequações, e apresenta repertório pouco diversificado de recursos coesivos.

4

Articula as partes do texto, com poucas inadequações, e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.

5

Articula bem as partes do texto e apresenta repertório diversificado de recursos coesivos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Para melhor compreensão da competência 4, vejamos o exemplo a seguir:

Segundo Steve Jobs, um dos fundadores da empresa “Apple”, a tecnologia move o mundo. Contudo, os avanços tecnológicos não trouxeram apenas avanços à sociedade, uma vez que bilhões de pessoas sofrem a manipulação oriunda do acesso aos seus dados no uso da internet. Nesse sentido, esse processo é executado por empresas que buscam potencializar a notoriedade dos seus produtos e conteúdos no meio virtual. Sob tal ótica, esse cenário desrespeita princípios importantes da vida social, a saber, a liberdade e a privacidade.

De acordo com Jean Paul Sartre, o homem é condenado a ser livre. Nessa lógica, o uso de informações do acesso pessoal para influenciar o usuário confronta o pensamento de Sartre, visto que o indivíduo tem sua liberdade de escolher impedida pela imposição de conteúdos a serem acessados. Dessa forma, a internet passa a ser um ambiente pouco democrático e torna-se um reflexo da sociedade contemporânea, na qual as relações de lucro e interesse predominam. Faz-se imprescindível, portanto, a dissolução dessa conjuntura.

Outrossim, é válido ressaltar que, conforme Immanuel Kant, o princípio da ética é agir de forma que essa ação possa ser uma prática universal. De maneira análoga, a violação da privacidade pelo acesso aos dados virtuais sem a permissão das pessoas vai de encontro à ética kantiana, dado que se todos os cidadãos desrespeitassem a privacidade alheia, a sociedade entraria em profundo desequilíbrio. Com base nisso, o uso de informações virtuais é prejudicial à ordem social e, por conseguinte, torna-se contestável quando executado sem consentimento.

Em suma, são necessárias medidas que atenuem a manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet. Logo, a fim de dar liberdade de escolha ao indivíduo, cabe às empresas de tecnologia solicitar a autorização para o uso dessas informações, por meio de advertências com linguagem clara, tendo em vista a linguagem técnica utilizada, atualmente, por avisos do tipo. Ademais, compete ao cidadão ficar atento a essa questão, de modo a cobrar e pressionar essas empresas. Enfim, a partir dessas ações, as tecnologias, como disse Steve Jobs, moverão o mundo para frente.

Redação escrita por André Bahia, 18 anos, de Janaúba-MG
Disponível em: https://vestibular.brasilescola.uol.com.br/enem/conheca-as-redacoes-nota-mil-enem-2018/345063.html


Na redação, marcamos em negrito alguns dos principais elementos coesivos presentes. Os termos “outrossim” e “em suma” fazem as ligações entre os parágrafos. O termo “contudo” marca uma ideia de oposição, enquanto “portanto” refere-se a uma ideia conclusiva. Expressões como “sob tal ótica”, “nesse sentido”, “com base nisso” retomam as ideias abordadas, trazendo sequência e fluidez para o texto.

5 dicas para tirar a nota máxima da competência 4 da redação do Enem

1) Compreensão e uso da coesão referencial

O primeiro passo para alcançar a nota máxima da competência 4 é justamente conhecer os tipos de coesão e saber usá-los adequadamente. Nesse sentido, a coesão referencial é utilizada no intuito de evitar principalmente a repetição de termos e sentenças. Vejamos:

O governo precisa investir em educação. Esse processo resultará em avanço na sociedade brasileira.

No trecho é possível perceber que a ação de investir em educação da primeira oração é substituída por “esse processo”. A coesão referencial evita que termos sejam repetidos e tornem a produção de sentido ruim por conta desse excesso.

Há várias formas de se utilizar a coesão referencial, como por meio de artigos, numerais, pronomes, advérbios, expressões adverbiais, expressões nominais, sinônimos, hiperônimos etc. Todas essas classes de palavras ou expressões podem ser utilizadas como substitutos em uma frase.

2) Compreensão e uso da coesão sequencial

A coesão sequencial funciona por meio do uso de conectores que ajudam um tema a progredir de forma argumentativa no interior do texto. Dessa forma, a coesão sequencial é definida por usar os chamados operadores argumentativos. A seguir, vejamos alguns deles:

Conectores de junção: acrescentam argumentos em consonância com uma conclusão. Os mais usados são: “e”, “nem”, “e também”, “como também” etc. Exemplo: Ele é bom e eficaz.

Conectores de oposição: relacionam ideias opostas. Os mais conhecidos são: “mas”, “porém”, “contudo”, “todavia”, “entretanto”, “no entanto” etc. Exemplo: O Brasil é uma nação com muito potencial, porém alguns problemas estruturais impedem seu crescimento.

Conectores de causa: apresentam um enunciado como causa ou explicação para a ocorrência de outro. Os principais são: “porque”, “pois”, “como”, “por isso”, “já que”, “visto que” etc. Exemplo: Devemos cuidar do meio ambiente, uma vez que o futuro de nossa geração depende disso.

Conectores de condição: por meio deles, um enunciado é introduzido como sendo condição para a introdução de outro. São eles: “se”, “caso”, “desde que”, “contanto que”, “a menos que”, “a não ser que”. Exemplo: Eu limpo a casa desde que você lave as roupas.

Conectivos de comparação: estabelecem uma relação de comparação entre elementos do enunciado. Os mais conhecidos são: “tão… quanto”, “tão menos… quanto”, “tão mais… quanto”, “tanto... quanto” etc. Exemplo: Ele é tão bom quanto você.

Ter conhecimento dos elementos coesivos sequenciais evita que ocorram contradições e raciocínios ilógicos.

3) Noção de coesão intra e interparágrafos

A coesão funciona de maneira micro e macro, ou seja, ela está presente internamente, fazendo a ligação entre ideias de sentenças anteriores com as seguintes (micro), e externamente, conectando e retomando os parágrafos (macro). Para ficar mais claro, vejamos o quadro abaixo.

Texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto. Contudo, texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto.

Sob tal ótica, texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto. Porém, texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto. Assim, texto texto texto texto texto texto.

Conforme foi dito, texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto. Ele texto texto texto texto texto texto texto texto texto. Por outro lado, texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto.

Texto texto texto texto, portanto, texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto texto.


No esquema, temos marcado em vermelho os elementos coesivos intraparágrafo e em verde os elementos coesivos interparágrafos. Os usos de “contudo”, “porém”, “assim”, “por outro lado” e “ele” conectam informações anteriores (de frases e sentenças); já os termos “sob tal ótica”, conforme mencionado, retomam ideias de parágrafos anteriores. Assim, por exemplo, o uso de “sob tal ótica” retoma uma ideia do primeiro parágrafo, apenas introduzida e que o autor resolve desenvolver na sequência.

A competência 4 avalia o uso dos conectivos dentro de cada parágrafo e fora dele. Sendo assim, é importante, após conhecer os tipos de coesão, compreender os lugares em que eles se encontram (interna ou externamente aos parágrafos).

  • Videoaula sobre conectivos para a redação do Enem

4) Revisão do texto

Com os estudos sobre coesão em dia, é importante lembrarmos que o processo de escrita é passível de falhas pontuais e que a ausência de uma revisão detalhada do texto pode resultar em algumas penalidades.

É natural que, durante o processo de escrita, as ideias e inspirações venham de forma que nós acabamos ignorando alguns aspectos formais da produção textual. A ausência de coesão, em alguns momentos, não é consequência de uma falha nos estudos ou na compreensão de seu uso e sim apenas resultado de um pensamento direcionado para outros aspectos do texto.

Assim, é importante uma revisão cuidadosa para identificar possíveis falhas argumentativas ou mesmo repetições.

5) Leitura

Pode parecer repetitivo, mas uma boa escrita é resultado de uma atividade de leitura constante. Apenas decorar as regras de uso dos conectores não é suficiente, pois a leitura ajuda principalmente a aumentar o vocabulário de elementos coesivos.

Com um conhecimento básico sobre o uso da coesão e pouca leitura, o estudante é capaz de produzir textos dentro das exigências da competência 4, mas pode falhar ao não encontrar variações para, por exemplo, operadores argumentativos que passem a ideia de oposição e ficar limitado a apenas alguns, repetindo-os diversas vezes no texto.

Por outro lado, com muita leitura e suficiente conhecimento sobre os conectivos, o estudante é capaz de utilizar uma quantidade diversificada de elementos coesivos, enriquecendo o texto e não sendo penalizado pelo vocabulário limitado.

Quais são as 5 competências da redação do Enem?

Além da competência 4, a redação do Enem é avaliada em outras quatro competências. Abaixo, a lista completa das competências do exame.

Competência 1: avalia questões gramaticais, ortografia, separação de sílaba, concordância, crase, regência e paralelismo.

Competência 2: avalia a adequação ao tema e o uso do repertório sociocultural.

Competência 3: analisa a presença de um projeto de texto coeso.

Competência 4: é responsável pela estrutura superficial do texto, isto é, a presença de elementos coesivos (conectivos) ao longo da redação.

Competência 5: verifica se há uma proposta de intervenção e se ela é bem elaborada, atendendo a todos os critérios exigidos pela competência.

Caso queira se aprofundar no tema deste tópico, leia: As 5 competências da redação do Enem.

 

Por Rafael Camargo de Oliveira
Professor de Redação

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

OLIVEIRA, Rafael Camargo de. "Competência 4 da redação do Enem"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/redacao/competencia-4-da-redacao-do-enem.htm. Acesso em 06 de dezembro de 2021.

Artigos Relacionados
Você sabe quais são as 5 competências da redação do Enem? Sabe o que cada uma delas avalia? Conheça-as, neste artigo, e aprenda como ter um bom desempenho no texto.
Saiba o que é a coesão textual e quais são os seus tipos. Entenda a diferença entre coesão e coerência textual. Faça exercícios para fixar o conteúdo.
Você sabe para que serve a coesão textual?
Saiba como articular as informações e argumentos necessários para conseguir a nota máxima na competência 3 do Enem.
Aprenda o que são os operadores argumentativos. Conheça quais são as suas diferentes funções no texto, e veja exemplos. Resolva os exercícios sobre o tema.