Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

O que é diplomacia?

A diplomacia é a prática de relações internacionais entre diferentes países, visando promover interesses mútuos, resolver conflitos e manter a paz.

Imagem explicando o que é diplomacia.
A diplomacia é uma prática milenar.
Imprimir
Texto:
A+
A-

PUBLICIDADE

Você sabe o que é diplomacia? A diplomacia é uma atividade milenar que consiste na prática de relações internacionais entre diferentes países, visando promover interesses mútuos, resolver conflitos e manter a paz. A diplomacia opera através de negociações e diálogos entre Estados, facilitando tratados e acordos bilaterais ou multilaterais. Um diplomata desempenha diversas funções, como representar o país em negociações internacionais, fornecer análises políticas e promover a imagem do país no exterior.

Leia também: O que é política?

Tópicos deste artigo

Resumo sobre diplomacia

  • A diplomacia é a prática de relações internacionais entre diferentes países, visando promover interesses mútuos, resolver conflitos e manter a paz
  • Os objetivos da diplomacia visam proteger os interesses nacionais, promover a paz e estabilidade internacional, além de fortalecer relações bilaterais e multilaterais entre os Estados.
  • A diplomacia funciona por meio de negociações, diálogos e cooperação entre Estados, utilizando instrumentos como tratados e acordos internacionais para resolver disputas, promover interesses e manter relações diplomáticas.
  • Existem diversos tipos de diplomacia, incluindo a bilateral, multilateral, pública, econômica e cultural, cada uma com abordagens específicas para promover relações internacionais, comércio, cultura e cooperação em diferentes áreas.
  • Um diplomata representa seu país no exterior, negociando tratados e acordos, participando de organizações internacionais, fornecendo análises sobre questões internacionais, protegendo interesses nacionais e promovendo a imagem e valores do país.
  • A diplomacia brasileira busca promover os interesses do país no exterior, defender os princípios da paz e da cooperação internacional e contribuir para o desenvolvimento global.
  • A diplomacia é crucial para prevenir conflitos, promover a cooperação internacional, resolver disputas de forma pacífica, impulsionar o desenvolvimento econômico e enfrentar desafios globais, como mudanças climáticas e terrorismo.
  • Ao longo da história, a diplomacia evoluiu desde formas rudimentares na Antiguidade até a diplomacia moderna, marcada por conferências internacionais, organizações multilaterais e a busca por uma ordem global mais justa e equilibrada.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Afinal, o que é diplomacia?

A diplomacia é uma atividade milenar que consiste na prática de relações internacionais entre diferentes países, visando promover interesses mútuos, resolver conflitos e manter a paz. Essa prática engloba uma série de habilidades e técnicas que são empregadas por diplomatas e representantes governamentais em negociações, tratados e acordos bilaterais ou multilaterais.

Quais os objetivos da diplomacia?

A diplomacia possui uma série de objetivos fundamentais que orientam suas ações e negociações entre Estados. Um dos principais objetivos é promover e proteger os interesses nacionais de um país, sejam eles políticos, econômicos, culturais ou de segurança. Isso pode incluir a busca por acordos comerciais vantajosos, a garantia de segurança nas fronteiras ou a promoção da cultura e dos valores do país no exterior.

Além disso, a diplomacia busca manter a paz e a estabilidade internacional, prevenindo conflitos entre nações por meio do diálogo e da negociação. A resolução pacífica de disputas e crises é um dos pilares da atuação diplomática, contribuindo para a segurança global e a proteção dos direitos humanos.

Outro objetivo importante da diplomacia é fortalecer as relações bilaterais e multilaterais entre os Estados, construindo alianças estratégicas e parcerias que possam beneficiar todas as partes envolvidas. Isso pode envolver desde a cooperação em áreas como comércio, meio ambiente e saúde até o compartilhamento de conhecimentos e recursos para enfrentar desafios globais, como a pobreza e as mudanças climáticas.

Com funciona a diplomacia?

A diplomacia funciona por meio de uma série de processos e práticas que envolvem a negociação, o diálogo e a cooperação entre os Estados. Os principais instrumentos da diplomacia incluem tratados, acordos e convenções internacionais, que estabelecem regras e normas de conduta entre os países.

As negociações diplomáticas podem ocorrer em diferentes níveis, desde conversas informais entre representantes de governos até reuniões formais em organizações internacionais, como a ONU (Organização das Nações Unidas) e a OMC (Organização Mundial do Comércio). Os diplomatas desempenham um papel central nessas negociações, atuando como intermediários e representantes dos interesses de seus países.

Além das negociações formais, a diplomacia também envolve uma série de práticas informais, como trocas de visitas entre líderes políticos, intercâmbios culturais e diplomacia pública, que visam promover uma imagem positiva do país no exterior.

Um dos princípios fundamentais da diplomacia é o respeito pela soberania e autonomia de cada Estado, reconhecendo suas diferenças culturais, políticas e econômicas. Isso implica buscar soluções que sejam mutuamente benéficas e respeitem os interesses de todas as partes envolvidas.

Encontro diplomático entre os generais James Mattis e Ryamizard Ryacudu como exemplo de diplomacia.
Encontro diplomático entre os generais James Mattis e Ryamizard Ryacudu durante a 16ª Cúpula de Segurança da Ásia em Cingapura em 2017. [1]

Tipos de diplomacia

Os principais tipos de diplomacia são os seguintes:

  • Diplomacia bilateral: envolve as relações entre dois países, com o objetivo de promover interesses mútuos e resolver questões bilaterais.
  • Diplomacia multilateral: envolve a participação de vários países em negociações e acordos que abordam questões de interesse comum, como segurança internacional, meio ambiente e direitos humanos.
  • Diplomacia pública: visa promover uma imagem positiva do país no exterior, por meio de intercâmbios culturais, programas de cooperação acadêmica e iniciativas de comunicação.
  • Diplomacia econômica: concentra-se em promover o comércio e os investimentos entre países, buscando abrir mercados e facilitar o intercâmbio de bens e serviços.
  • Diplomacia cultural: visa promover o entendimento e o respeito entre diferentes culturas, por meio do intercâmbio de arte, música, literatura e outras formas de expressão cultural.

Acesse também: O que é poder?

O que faz um diplomata?

Um diplomata é um profissional treinado e capacitado para representar seu país nas relações internacionais e promover seus interesses no exterior. As principais funções de um diplomata incluem:

  • negociar acordos e tratados bilaterais e multilaterais;
  • representar o país em organizações internacionais e conferências;
  • fornecer informações e análises sobre questões internacionais;
  • proteger os interesses dos cidadãos e empresas do país no exterior;
  • promover a imagem e os valores do país por meio de diplomacia pública;
  • prestar assistência consular a cidadãos do país em outros países;
  • desenvolver e manter relações com outros diplomatas e representantes estrangeiros.

Diplomacia brasileira

Palácio Itamaraty, sede da diplomacia brasileira.
O Palácio Itamaraty é a sede da diplomacia brasileira.[2]

A diplomacia brasileira tem uma longa história que remonta aos tempos coloniais, quando o país ainda era uma colônia de Portugal. Desde então, o Brasil desenvolveu uma política externa ativa e engajada, buscando promover seus interesses no cenário internacional e contribuir para a paz e a estabilidade global.

Um dos pilares da diplomacia brasileira é o princípio da não intervenção, que defende o respeito pela soberania e autonomia dos Estados. Isso se reflete na política externa do país, que busca resolver conflitos de forma pacífica e promover o diálogo entre as nações.

Além disso, o Brasil tem desempenhado um papel importante em organizações internacionais, como a ONU e a OMC, defendendo os interesses dos países em desenvolvimento e buscando uma ordem internacional mais justa e equitativa.

A diplomacia brasileira também tem como objetivo promover o desenvolvimento econômico e social do país, por meio da abertura de novos mercados e do estabelecimento de parcerias estratégicas com outros países e blocos econômicos.

Em resumo, a diplomacia brasileira busca promover os interesses do país no exterior, defender os princípios da paz e da cooperação internacional e contribuir para o desenvolvimento global.

Importância da diplomacia

A diplomacia desempenha um papel fundamental na promoção da paz, da estabilidade e do desenvolvimento global. Ao facilitar o diálogo e a negociação entre os países, a diplomacia ajuda a prevenir conflitos e resolver disputas de forma pacífica, contribuindo para a segurança internacional e a proteção dos direitos humanos.

Além disso, a diplomacia é essencial para promover o desenvolvimento econômico e social, por meio da abertura de mercados, do estabelecimento de acordos comerciais e do incentivo ao investimento estrangeiro. Isso pode ajudar a impulsionar o crescimento econômico e reduzir a pobreza em todo o mundo.

A diplomacia também desempenha um papel crucial na promoção da cooperação internacional para enfrentar desafios globais, como as mudanças climáticas, o terrorismo e as pandemias. Ao unir esforços e recursos, os países podem encontrar soluções mais eficazes para esses problemas, que afetam a todos nós.

História da diplomacia

→ História da diplomacia no mundo

  1. Antiguidade:
  • Na Antiguidade, as civilizações da Mesopotâmia, Egito, Grécia e Roma praticavam formas rudimentares de diplomacia, principalmente através de tratados de paz e alianças militares.
  • Exemplos incluem os tratados de paz entre o Egito e a Mesopotâmia, e as negociações entre cidades-estados gregas durante as Guerras Médicas.
  1. Idade Média:
  • Durante a Idade Média, a diplomacia foi influenciada pela Igreja Católica e pelo sistema feudal europeu.
  • As Cruzadas e as negociações entre os reinos cristãos e muçulmanos foram exemplos de diplomacia religiosa e política.
  • O estabelecimento de embaixadas e consulados começou a se tornar mais comum, facilitando as relações entre os Estados.
  1. Idade Moderna:
  • Na Idade Moderna, o Renascimento trouxe uma nova ênfase na diplomacia cultural e comercial, especialmente nas cidades-estados italianas, como Veneza e Florença.
  • O Tratado de Westfália, em 1648, marcou o fim da Guerra dos Trinta Anos e estabeleceu os princípios básicos do sistema diplomático moderno, incluindo o reconhecimento da soberania dos Estados.
  • O Congresso de Viena, em 1815, reorganizou a Europa após as Guerras Napoleônicas e estabeleceu as bases para o equilíbrio de poder na região.
  1. Idade Contemporânea:
  • Século XX:
    • Após as duas Guerras Mundiais, a diplomacia desempenhou um papel crucial na reconstrução da Europa e na criação de instituições internacionais como a ONU e a Otan.
    • A Guerra Fria trouxe um período de intensa diplomacia entre os Estados Unidos e a União Soviética, marcado por negociações de controle de armas e crises como a Crise dos Mísseis Cubanos.
    • A globalização e o surgimento de novas potências como a China e a Índia mudaram o cenário diplomático, exigindo novas abordagens para questões como comércio, segurança e meio ambiente.
  • Século XXI:
    • O século XXI trouxe novos desafios e oportunidades para a diplomacia, incluindo o surgimento de novas tecnologias de comunicação e o aumento da interdependência econômica.
    • Questões como terrorismo, mudanças climáticas e migração exigem uma cooperação internacional mais estreita e novas formas de diplomacia multilateral.
    • A ascensão de movimentos nacionalistas e o declínio da ordem liberal internacional representam novos desafios para a diplomacia no mundo contemporâneo.

→ História da diplomacia no Brasil

  1. Período colonial:
  • Durante o período colonial, a diplomacia brasileira estava sob o controle de Portugal.
  • O Brasil servia principalmente como uma colônia de exploração e era governado pela Coroa Portuguesa através de capitanias hereditárias e depois do sistema de vice-reinados.
  1. Independência e Primeiro Reinado (1822-1831):
  • Após a Independência do Brasil em 1822, o país começou a desenvolver sua própria política externa.
  • A primeira missão diplomática brasileira foi enviada à Europa em 1823, liderada por José Bonifácio, para buscar o reconhecimento da Independência.
  1. Período imperial (1831-1889):
  • Durante o período imperial, o Brasil expandiu suas relações diplomáticas com outras nações.
  • Destaque para a atuação do Visconde de Uruguai, José Maria da Silva Paranhos, que estabeleceu as bases para a política externa brasileira moderna.
  • O Brasil participou ativamente da diplomacia internacional, incluindo conferências como a Conferência de Londres de 1867, que discutiu a abolição do tráfico de escravos.
  1. República Velha (1889-1930):
  • Com a Proclamação da República em 1889, o Brasil continuou a expandir suas relações diplomáticas.
  • Destaque para a atuação de Barão do Rio Branco, que foi responsável por resolver diversas disputas territoriais com os países vizinhos, como o Acre, a Guiana Francesa e o Uruguai. Rio Branco é reconhecido como um dos maiores diplomatas da história brasileira, ajudando a consolidar as fronteiras do país e a fortalecer sua posição no cenário internacional.
  1. Era Vargas (1930-1945):
  1. Período democrático (1946-1964):
  • Após a Segunda Guerra Mundial, o Brasil buscou fortalecer suas relações diplomáticas com outros países em desenvolvimento, incluindo os países africanos e asiáticos.
  • O Brasil também desempenhou um papel ativo na criação da ONU e em outras organizações internacionais.
  • Nesse período, foi criado o Ministério das Relações Exteriores, popularmente conhecido como Itamaraty, responsável por formular e executar a política externa brasileira.
  1. Ditadura Militar (1964-1985):
  • Durante a Ditadura Militar, a diplomacia brasileira foi marcada por um alinhamento mais próximo com os Estados Unidos e uma postura mais conservadora em relação a questões internacionais.
  • Destaque para a atuação do chanceler Azeredo da Silveira, que buscou promover uma política externa independente e não alinhada.
  1. Redemocratização e atualidade (1985-presente):
  • Com o fim da Ditadura Militar em 1985, o Brasil retomou uma política externa mais ativa e independente.
  • Destaque para a atuação do presidente Fernando Henrique Cardoso na promoção da integração regional na América do Sul e na busca por uma reforma do Conselho de Segurança da ONU.
  • Nos governos do Partido dos Trabalhadores, houve um fortalecimento das relações com os países em desenvolvimento e uma maior ênfase na cooperação Sul-Sul.

Créditos de imagem

[1] Jim Mattis / Wikimedia Commons (reprodução)

[2] Xenïa Antunes / Wikimedia Commons (reprodução)

Fontes

BATH, Sergio. O que é diplomacia. São Paulo: Brasiliense, 1989.

KISSINGER, Henry, Diplomacia. São Paulo: Saraiva, 2012.

Escritor do artigo
Escrito por: Tiago Soares Campos Bacharel, licenciado e doutorando em História pela USP. Bacharel em Direito e pós-graduado em Direito pela PUC. É professor de História e autor de materiais didáticos há mais de 15 anos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

CAMPOS, Tiago Soares. "O que é diplomacia?"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/historia/o-que-e-diplomacia.htm. Acesso em 25 de maio de 2024.

De estudante para estudante


PUBLICIDADE