Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Elizabeth II

Elizabeth II foi a monarca com o reinado de maior duração na história da monarquia britânica. Assumiu o trono em 1952 e reinou por 70 anos.

Elizabeth II
Elizabeth II era a filha mais velha de George VI, rei do Reino Unido entre 1936 e 1952. Quando se tornou rainha, ela tinha 25 anos de idade.[1]
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

Elizabeth II foi a rainha do Reino Unido por 70 anos. Assumiu o trono britânico em 1952, após o falecimento de seu pai, o rei George VI. No entanto, sua cerimônia de coroação só foi realizada em 1953. Elizabeth nasceu em 1926, e sua coroação como rainha era improvável, uma vez que seu pai não era o primeiro na linha de sucessão.

Durante sua juventude, ela serviu como mecânica em um grupamento de mulheres do exército britânico. Logo após completar 21 anos, casou-se com Philip, príncipe da Grécia e Dinamarca. Ao todo, eles tiveram quatro filhos. A monarca com o reinado de maior duração da história britânica morreu aos 96 anos, no dia 8 de setembro de 2022.

Acesse também: Big Ben — conheça detalhes desse importante cartão-postal londrino

Tópicos deste artigo

História de Elizabeth II

Elizabeth Alexandra Mary nasceu em Mayfair, um bairro de Londres, no dia 21 de abril de 1926. Seu pai era Albert Frederick Arthur George, mais conhecido como duque de York, e sua mãe era Lady Elizabeth Bowes-Lyon, duquesa de York. No momento do nascimento de Elizabeth, o rei do Reino Unido era George V.

O pai de Elizabeth era o segundo filho de George V, sendo que Edward Albert, seu tio, era o filho mais velho do rei. Portanto, no momento em que nasceu, Elizabeth tornou-se a terceira na linha de sucessão do trono britânico. Suas chances de tornar-se rainha não eram muito animadoras, por isso, seu nascimento foi pouco repercutido.

Isso porque, se Edward tivesse filhos, eles teriam a preferência ao trono, e, ainda, caso ele não os tivesse e o pai de Elizabeth, George, por sua vez, tivesse algum filho do sexo masculino, ele também teria a preferência antes dela. No Reino Unido, existia uma preferência pelo primogênito em relação às herdeiras mulheres.

Sendo assim, Elizabeth cresceu sabendo que ocupar o trono era possível, mas não muito provável. Recebeu uma educação consistente, sendo tutorada por Marion Crawford, que também cuidou da educação de sua irmã, Margaret.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Reinado de George VI

Em janeiro de 1936, seu avô, o rei George V, faleceu. A sucessão do trono então passou para o seu filho mais velho, coroado como Eduardo VIII. O reinado de Eduardo VIII foi muito curto porque ele decidiu abdicar do trono britânico por questões pessoais. Ele tinha um relacionamento com Wallis Simpson, uma norte-americana divorciada.

A decisão de Eduardo VIII de casar-se com Simpson criou um grave problema na monarquia britânica. A sociedade inglesa da época era extremamente conservadora, e casar-se com uma mulher divorciada não era nada bem-visto. Percebendo que problemas de todas as ordens aconteceriam caso ele se casasse com ela, Eduardo VIII decidiu pela abdicação.

Assim, em dezembro de 1936, o pai de Elizabeth assumiu o trono como George VI. Isso fez de Elizabeth a sucessora imediata, caso seu pai falecesse ou abdicasse do trono. Como George VI não teve filhos, Elizabeth seguiu como herdeira direta. Nesse momento, ela tinha quase 11 anos de idade.

Leia mais: Guerra das Rosas — a história dessa importante guerra dinástica que aconteceu na Inglaterra

Elizabeth II na Segunda Guerra Mundial

Um dos momentos bem conhecidos e destacados da vida de Elizabeth foi a sua participação na Segunda Guerra como voluntária do Auxiliary Territorial Service. Esse era um grupamento de mulheres que se voluntariaram no exército britânico e desempenhavam funções variadas. Ela recebeu treinamento como motorista e como mecânica.

Quando os Aliados venceram a Segunda Guerra Mundial, Elizabeth tinha 19 anos. Seus biógrafos relatam que, no dia da vitória, ela e sua irmã saíram às ruas de Londres para celebrar a derrota dos nazistas. Durante todo o período da Segunda Guerra, Elizabeth trocou cartas com o homem que se transformou em seu marido, o príncipe Philip.

Casamento de Elizabeth II e príncipe Philip

Elizabeth II e Philip
Elizabeth II e Philip se casaram em 1947.[2]

Elizabeth conheceu Philip pouco antes da Segunda Guerra Mundial. Ela tinha 13 anos, e conheceu-o quando seus pais visitaram o Britannia Royal Naval College, uma escola naval. Nessa ocasião, Philip, aos 18 anos, era um cadete e tinha recebido ordens de entreter as filhas do rei George VI. Elizabeth impressionou-se com ele, e os dois começaram a trocar cartas.

Eles se aproximaram à medida que trocavam correspondências, e nessa aproximação foi iniciada uma relação que resultou em um casamento. Uma curiosidade a respeito deles é que são primos de 3º grau, por descendência da rainha Vitória, e primos de 2º grau, por descendência de Cristiano IX da Dinamarca.

O casamento de Elizabeth com Philip teve polêmicas porque alguns dos parentes do noivo foram apoiadores do nazismo. Philip ainda teve que abdicar de seus títulos das Coroas grega e dinamarquesa, converter-se ao anglicanismo e mudar seu sobrenome para Mountbatten, originário de sua família de parte britânica.

Superados todos os entraves, Philip e Elizabeth casaram-se em 20 de novembro de 1947, na Abadia de Westminster, Londres. Após o casamento, Philip recebeu o título de duque de Edimburgo. Da união nasceram quatro filhos: Charles, Anne, Andrew e Edward. O matrimônio durou 73 anos e se encerrou em 9 de abril de 2021, quando Philip faleceu, aos 99 anos.

Coroação de Elizabeth II

Em 6 de fevereiro de 1952, o pai de Elizabeth, o rei George VI, faleceu. Ele tinha sérios problemas de saúde e tinha adquirido câncer de pulmão por conta do tabagismo. O falecimento do rei aconteceu quando Elizabeth estava de passagem pelo Quênia por conta de uma viagem que tinha feito à Austrália e Nova Zelândia.

Assim que soube da notícia, Elizabeth retornou para Londres, e, durante sua viagem, já havia sido anunciado no Reino Unido que ela sucederia ao trono britânico. Assim, ela se tornou Elizabeth II, mas os preparativos para a cerimônia de coroação só foram realizados em 6 de junho de 1953. Sua cerimônia de coroação foi a primeira a ser televisionada na história britânica.

Acesse também: Por que a Revolução Industrial aconteceu primeiro na Inglaterra?

Falecimento de Elizabeth II e sucessão do trono britânico

Família Real Britânica
O rei Charles III e seus filhos, William e George.[3]

O falecimento da Rainha Elizabeth II aconteceu em 8 de setembro de 2022, no Castelo Balmoral, localizado na Escócia. O anúncio oficial mencionou que a rainha havia feito sua passagem de maneira pacífica. Na ocasião de seu falecimento, ela tinha 96 anos.

O reinado de Elizabeth II teve 70 anos de duração. Sua longevidade levou a celebrações rotineiras no Reino Unido. No ano de 2017, por exemplo, ela celebrou o Jubileu de Safira por completar 65 anos como rainha britânica. Já em 2022, foi celebrado o Jubileu de Platina pelos seus 70 anos no trono britânico. Ela foi a monarca com o reinado de maior duração na história do Reino Unido.

A extensão do seu reinado foi tamanha que, ao longo dele, ela presenciou o trabalho de 16 primeiros-ministros diferentes no Reino Unido. Quando ela assumiu o trono, o primeiro-ministro britânico era Winston Churchill, e, no seu falecimento, a primeira-ministra britânica era Liz Truss.

Com o falecimento de Elizabeth II, o seu filho mais velho, Charles de Gales, se tornou rei do Reino Unido. Com 73 anos na ocasião, adotou o nome de Charles III do Reino Unido. Atualmente, a sucessão do trono britânico segue esta ordem:

  1. Príncipe William, filho mais velho do rei Charles III;

  2. Príncipe George, filho mais velho de William;

  3. Princesa Charlotte, filha de William;

  4. Príncipe Louis, filho de William.

Os protocolos para a sucessão do trono britânico no caso do falecimento da rainha Elizabeth II estavam definidos desde a década de 1960, sendo conhecidos como London Bridge. Esse protocolo, por exemplo, estipulou que o enterro da rainha Elizabeth II só aconteceria 10 dias depois do seu falecimento.

→ Infográfico com a linha de sucessão do trono britânico

Infográfico com a linha de sucessão do trono britânico

Créditos da imagem

[1] Thoom e Shutterstock

[2] Featyreflash Photo Agency e Shutterstock

[3] Lorna Roberts e Shutterstock

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Escritor do artigo
Escrito por: Daniel Neves Silva Formado em História pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e especialista em História e Narrativas Audiovisuais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como professor de História desde 2010.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Elizabeth II"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historia/elizabeth-ii.htm. Acesso em 23 de fevereiro de 2024.

De estudante para estudante