Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Joana d’Arc

História

PUBLICIDADE

Joana d’Arc foi uma camponesa que teve participação relevante na Guerra dos Cem Anos, liderando as tropas de Carlos VII em conquistas importantes. Capturada pelos ingleses, foi julgada e condenada à morte na fogueira por bruxaria, sendo executada aos 19 anos de idade. No século XX, teve sua imagem reabilitada e hoje é um dos grandes nomes da história francesa.

Acesse também: Carolíngios, a importante dinastia franca do século VIII

Nascimento

Joana d’Arc nasceu em Domrémy, vila no nordeste da França, no ano de 1412. Atualmente, a vila onde ela nasceu se chama Domrémy-la-Pucelle, como forma de homenageá-la, pois pucelle significa “donzela” e uma das formas pelas quais ela ficou conhecida foi “Donzela de Orleans”. O dia do nascimento de Joana é alvo de debate e muitos acreditam que tenha sido em 6 de janeiro.

Joana d’Arc era uma camponesa e filha de Jacques d’Arc e Isabelle Romée. Os pais dela possuíam uma pequena terra, de onde tiravam seu sustento, e Jacques ainda cumpria funções como coletor de impostos local. Joana d’Arc foi a filha caçula do casal, que ao todo teve cinco filhos. Sua criação foi bastante católica.

França no século XV

No século XV, a França enfrentava as consequências da Guerra dos Cem Anos, um conflito dinástico que se estendeu ao longo de 116 anos e que foi marcado por alguns intervalos. O desentendimento entre franceses e ingleses se iniciou em 1328, quando Carlos IV, rei francês, faleceu e não deixou herdeiros diretos para assumir o trono.

O rei da Inglaterra, Eduardo III, alegou ter direito ao trono francês, porque possuía descendência com Carlos IV por via materna. Acontece que a possibilidade de um monarca inglês ser coroado como rei da França não agradou à nobreza francesa, que temia que isso fosse se transformar em perda de autonomia.

Assim, a pretensão de Eduardo III foi rejeitada com base na Lei Sálica, lei francesa que proibia que mulheres e seus descendentes assumissem o trono do país. Assim, Filipe VI foi coroado rei francês, o que criou um certo desgaste nas relações entre ingleses e franceses. A aliança da França com a Escócia acabou motivando o início da Guerra dos Cem Anos em 1337.

Acesse também: Guerra das Rosas e a disputa do trono inglês

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Qual o envolvimento de Joana d’Arc com a guerra?

A guerra com a Inglaterra se relacionava com Joana d’Arc da mesma forma como se relacionava com a vida de milhares de outros camponeses. O conflito trazia destruição para a terra; a terra destruída produzia menos; uma produção reduzida causava fome, e a fome enfraquecia uma população paupérrima, trazendo-lhe doenças.

A coroação de Carlos VII em Reims só foi possível porque Joana d’Arc liderou a conquista dessa cidade.
A coroação de Carlos VII em Reims só foi possível porque Joana d’Arc liderou a conquista dessa cidade.

Além disso, os camponeses viam suas vidas sendo ameaçadas toda vez que um ataque inimigo acontecia. A própria vila em que Joana d’Arc nasceu já tinha sido atacada por borguinhões (aliados dos ingleses). A criação religiosa somada à vontade de ver a guerra acabar transformou Joana d’Arc em um dos grandes nomes da história francesa.

Joana d’Arc alegava que tinha visões e ouvia as vozes do arcanjo Miguel, da Santa Catarina de Alexandria e da Santa Margarida de Antioquia. Nessas aparições sobrenaturais, ela era orientada a tomar parte na guerra contra os ingleses para expulsá-los da França e para garantir a coroação de Carlos VII, o rei da França.

Segundo Joana d’Arc, as aparições sobrenaturais aconteciam desde que ela tinha 13 anos e, aos 16, ela decidiu tomar parte na guerra. Assim, ela pediu para ser levada para Vaucouleurs, local onde existia uma guarnição francesa liderada por Robert de Baudricourt. Lá ela foi falar com Baudricourt para que ele arranjasse um transporte que a levesse a Chinon para encontrar o rei.

O comandante se negou a dar ouvidos a Joana d’Arc, mas a camponesa conseguiu convencer a população local de seu propósito e logo muitos exigiam que Baudricourt fizesse o que Joana d’Arc pedia. Assim ele fez e então Joana d’Arc se preparou para encontrar o rei francês. Ela conseguiu uma reunião privada com Carlos VII, mas como ela obteve isso é um mistério.

Outro mistério que envolve o encontro de Joana d’Arc com o rei francês foi como ela conseguiu convencer Carlos VII a dar tudo de que ela precisava: homens, armas, armaduras e o comando das tropas. Assim, Joana d’Arc participou ativamente da Guerra dos Cem Anos, mas entre os historiadores existe certa polêmica acerca do grau de envolvimento dela.

Muitos historiadores desacreditam que ela tenha lutado no campo de batalhas. De acordo com eles, ela apenas cumpriu papéis que envolviam a montagem da estratégia e preparação das tropas, assim como a motivação dos soldados. Apesar disso, Joana d’Arc foi fundamental para duas vitórias expressivas da França: em Orleans e em Reims.

Reims, inclusive, era o local onde tradicionalmente os monarcas franceses eram coroados. A conquista dessa cidade permitiu a coroação de Carlos VII, em 17 de julho de 1429. Apesar das vitórias expressivas, Joana d’Arc também conheceu derrotas, como foi no caso do fracassado cerco de Paris, ainda em 1429. De toda forma, o envolvimento da jovem quebrou um ciclo de derrotas francesas.

Acesse também: Cátaros, grupo ativamente perseguido pela Inquisição

Morte

Em 1430, borguinhões capturaram Joana d’Arc durante a Batalha de Compiègne. Ela foi vendida para os ingleses e permaneceu aprisionada, pois seria levada para julgamento. Os ingleses queriam tirar a credibilidade da francesa para tornar a coroação de Carlos VII sem validade. A Santa Inquisição foi utilizada para julgá-la.

O julgamento estendeu-se por quatro semanas e dezenas de acusações se acumularam. No final, o fato de usar roupas masculinas e a alegação de que ouvia vozes se tornaram os fatores para a sua condenação. Em virtude da acusação de bruxaria (as vozes que ela ouvia foram tidas como vozes emitidas pelo demônio), Joana d’Arc foi condenada à morte na fogueira.

A execução aconteceu no dia 30 de maio de 1431, em praça pública, na cidade de Rouen. Conta-se que no dia ela recebeu o sacramento da Eucaristia, foi vestida de branco e levada para a sua execução. Joana d’Arc foi queimada viva, e os relatos contam que ela gritava por Jesus. Na ocasião, ela tinha 19 anos.

Reabilitação de Joana d’Arc

No século XX, a imagem de Joana d’Arc foi inteiramente reabilitada. Assim, ela foi canonizada em 1920 por Bento XV. [1]
No século XX, a imagem de Joana d’Arc foi inteiramente reabilitada. Assim, ela foi canonizada em 1920 por Bento XV. [1]

Carlos VII não interveio no processo de Joana d’Arc e não tentou salvá-la do destino que ela teve. Entretanto, depois que ela faleceu, ele procurou atuar para que ela tivesse o seu processo anulado, pois ter a sua imagem ligada com a de uma mulher condenada por bruxaria não era bom para seu reinado. Assim, ele obteve do papa Calisto III a anulação da condenação de Joana d’Arc.

A reabilitação da imagem de Joana d’Arc se completou no século XX, quando ela foi beatificada e canonizada. Sua beatificação aconteceu em 1909, e a canonização foi realizada pelo papa Bento XV, em 1920. Esse acontecimento foi parte de um esforço da Igreja Católica de reatar laços com a França, país que foi extremamente secularizado a partir da Revolução Francesa.

Atualmente, a Santa Joana d’Arc é considerada padroeira nacional da França e existe até uma data comemorativa para ela: 30 de maio.

Créditos da imagem

[1] Nancy Bauer e Shutterstock

 

Por Daniel Neves Silva
Professor de História

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SILVA, Daniel Neves. "Joana d’Arc"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historia/joana-d-arc.htm. Acesso em 20 de setembro de 2021.

Assista às nossas videoaulas
Lista de Exercícios
Questão 1

(FEI-SP) Há seiscentos anos nascia Santa Joana D’Arc em Domrémy (França). Aos 19 anos, tornou-se uma heroína nacional e mártir da religião. A vida de Joana D’Arc está associada à:

a) Guerra dos Cem Anos, que indica os conflitos armados entre a França e Sacro Império Romano-Germânico resultantes das rivalidades entre católicos e protestantes.

b) Guerra das Duas Rosas, lutas dinásticas realizadas pela sucessão do trono da França durante o século XV.

c) Guerra dos Trinta Anos, ocorrida entre a França e a Espanha durante a dinastia dos Habsburgos. Neste conflito, Joana D’Arc foi queimada na fogueira pela Inquisição espanhola.

d) Guerra dos Cem Anos, que indica uma série de conflitos armados entre Inglaterra e França entre os séculos XIV e XV.

e) Expansão do Reino Franco, que, ao incorporar a maior parte da Europa Ocidental e Central, configurou o Império Carolíngio.

Questão 2

Como combatente em defesa do reino francês durante a Guerra dos Cem Anos, Joana D'Arc conseguiu agrupar cerca de 5.000 camponeses sob seu comando. A primeira grande vitória de Joana e sua tropa foi:

a) a Batalha de Termópilas

b) a Batalha de Lepanto

c) o Cerco de Versalhes

d) o Cerco do Forte de Orleãs

e) a Batalha de Rouen

Mais Questões
Artigos Relacionados
Clique e conheça informações relativas à Baixa Idade Média. Entenda as principais características desse período e veja as transformações que a Europa sofreu nele.
Guerra dos Cem Anos, Monarquia Britânica, Monarquia Francesa, Eduardo III, Filipe, O Belo; Baixa idade Média, formação das monarquias nacionais, Tratado de Troyes, Joana D’Arc, Carlos VII.
Acesse o site e conheça quais foram as causas que levaram França e Inglaterra à Guerra dos Cem Anos. Acompanhe seu desenrolar e quais foram suas consequências.
Inquisição, Santa Inquisição, Tribunal da Santa Inquisição, Inquisição Católica, Idade Média, Idade Moderna, judeus, cátaros, feitiçaria, perseguição religiosa, fogueira, torturas, processos investigativos.
As conquistas e reis que marcaram a formação do mais poderoso Estado da Alta Idade Média.