Topo
pesquisar

Sofistas

Filosofia

PUBLICIDADE

Os sofistas foram amplamente criticados desde Sócrates até meados do século XIX. Em sua maioria, esses pensadores estiveram na cidade de Atenas, em razão da organização política dessa cidade-estado no século V a.C., mas não eram cidadãos. Por cobrarem para ensinar, principalmente retórica e gramática, foram chamados por Platão de enganadores hábeis, e por Henry Sidgwick, de charlatães.

Há indícios de que a palavra sofista teve conotação positiva nos escritos dos grandes poetas gregos e em Heródoto, o pai da história. A crítica histórica aos sofistas não se iniciou com Sócrates, contudo é inegável a influência dos escritos de Platão e Aristóteles na caracterização desses pensadores.

Os sofistas foram um grupo de filósofos da Grécia Antiga que teve seus métodos e técnicas criticados durante séculos.
Os sofistas foram um grupo de filósofos da Grécia Antiga que teve seus métodos e técnicas criticados durante séculos.

Características dos sofistas

O grupo de pensadores identificado como sofistas caracterizou-se principalmente pela ausência de uma doutrina em comum e pelo ensino voltado a um fim instrumental. Eram vistos como habilidosos oradores pelas pessoas, reconhecendo-se a importância das palavras e do uso da lógica. Eles podem ser considerados instrutores itinerantes contratados para ensinar retórica para fins políticos.

O que restou de seus pensamentos foram poucos fragmentos e menções em outros textos. Muito do que sabemos sobre esses pensadores está contido nos diálogos platônicos e nos escritos de Aristóteles, nos quais são diretamente criticados. As críticas contrastam com a etimologia da palavra “sofista”, cuja origem é sophós e significa sábio ou habilidoso, mas passa a denotar aqueles que aparentam ser sábios, entretanto não alcançam a verdade.

A tentativa de identificar um pensador como sofista não é uma dificuldade historiográfica, mas sim indicar o que seria comum nesses pensadores, conforme Platão afirma em seu diálogo O sofista. Alguns pesquisadores concordam que esse fator seria a crença de que a virtude é ensinável, a qual é justamente o foco da crítica de Sócrates.

Leia também: Metafísica de Aristóteles – conjunto de tratados aristotélicos

Principais sofistas

Quem foi o primeiro ou principal sofista? Essa resposta não pode ser afirmada com facilidade, já que Protágoras, considerado o primeiro sofista, teria afirmado, conforme lemos no diálogo Protágoras, de Platão, que outros antes dele já praticavam a sofística, mas com métodos distintos do seu. Já no livro As vidas dos sofistas, do grego Filóstrato, escrito em meados do século III, essa arte é identificada com a retórica.

Protágoras, da antiga cidade grega Abdera (na região da Trácia), nasceu em 490 a.C. e é considerado o primeiro sofista. É indicado como discípulo de Demócrito e conhecido por afirmar que “o homem é a medida de todas as coisas”. Um conhecimento além das opiniões, em outras palavras, das aparências, não seria possível. Muitos filósofos indicam nessa afirmação a base do pensamento relativista.

Hípias foi um sofista natural do oeste da Grécia (atual cidade da Élida) que atribuía a si a capacidade de versar sobre assuntos variados, fruto de sua excelente memória, como astronomia, matemática, pintura e poesia. Xenofonte indica que Hípias teria debatido com Sócrates sobre justiça diferenciando as leis naturais e das convencionais.

Trasímaco figura principalmente no início de A república, em que expressa a opinião de que “a justiça seria apenas a vantagem do mais forte”. Há certeza apenas de que nasceu na antiga cidade da Calcedônia (atual Kadıköy, na província de Istambul), sendo poucas as informações sobre sua vida e seus possíveis escritos.

Górgias nasceu em Leontinos, atual Lentini (localizada na província italiana de Siracusa), e não é apresentado como um sofista por Sócrates. Essa observação resulta de sua recusa em acreditar que a virtude é ensinável. Grande parte de seu livro Sobre o que não é chegou até nós e apresenta um problema: mesmo que se algo existisse, não poderíamos conhecê-lo e não se pode comunicar o que não é conhecido. Estaria, assim, apresentando uma crítica a Parmênides.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A crítica de Sócrates

O aspecto negativo que atribuímos aos sofistas é baseado na crítica de Sócrates a esse grupo de pensadores. Vemos nos diálogos platônicos, por meio de Sócrates, que os sofistas propõem apenas verdades relativas. Na ausência de uma verdade absoluta, torna-se mais fácil praticar a erística, a saber, a tentativa de alcançar sucesso em qualquer debate. Uma das descrições, que alguns sofistas atribuíam a si mesmos, era a habilidade de refutar qualquer assunto. Sua elogiável oratória favorecia a aparência de sábios, mas o interesse pela verdade não estava presente.

O que o sofista oferecia, então, era um produto àqueles que pagavam pelo seu serviço. A proposta socrática, por outro lado, visava transformar aqueles com os quais dialogava, libertando-os do domínio das sombras e conduzindo-os para um conhecimento real. Sem esse procedimento dialético, que inclui o abandono das opiniões, qualquer discurso belo pode convencer tanto da falsidade quanto da verdade sobre um assunto.

Leia também: Pré-socráticos – filósofos que iniciaram a filosofia ocidental

Importância dos sofistas para a filosofia

Embora os fragmentos que restaram sejam pouquíssimos, estudos recentes procuram observar as contribuições próprias desses pensadores para uma cultura que começava a questionar seus valores religiosos. A valorização do cuidado com as palavras e a distinção entre leis naturais e leis artificiais são as propostas mais relevantes para os períodos posteriores da filosofia. Não se pode esquecer, também, que o estudo da retórica foi em grande parte motivado pelo uso que esses pensadores fizeram do discurso na política ateniense.

O que não se pode duvidar, em todo caso, é que esses pensadores foram considerados sábios, no sentido próprio da palavra, e representaram um momento importante na história da filosofia.

Trechos selecionados

Sobre a verdade, atribuído a Antifonte:

"A justiça consiste, então, em não transgredir as prescrições da cidade na qual se é cidadão. Isso dito, um homem utilizaria a justiça em seu maior proveito se, na presença de testemunhas, respeitasse as leis, mas, uma vez só e sem testemunhas, se respeitasse as prescrições da natureza; pois as prescrições das leis são impostas, enquanto as da natureza são necessárias; e as da lei são o resultado de um acordo, não se produzindo naturalmente, enquanto que as da natureza se produzem naturalmente, não sendo o resultado de um acordo." |1|

Elogio de Helena, de Górgias:

“[E]xiste uma mesma relação entre poder do discurso e disposição da alma, dispositivo das drogas e natureza dos corpos: assim como tal droga faz sair do corpo um tal humor, e que umas fazem cessar a doença, outras a vida, assim também, dentre os discursos, alguns afligem, outros encantam, fazem medo, inflamam os ouvintes, e alguns, por efeito de alguma má persuasão, drogam a alma e a enfeitiçam." |1|

Notas
|1|
CASSIN, Barbara. O efeito sofístico: Sofística, filosofia, retórica, literatura. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina Franco Ferraz, Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2005.


Por Marco Oliveira
Professor de Filosofia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

OLIVEIRA, Marco. "Sofistas"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/os-sofistas.htm. Acesso em 24 de dezembro de 2020.

Assista às nossas videoaulas
  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola