Notificações
Você não tem notificações no momento.
Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

História da fotografia

A história da fotografia começou em 1826, quando a primeira fotografia foi feita. Atualmente bilhões de fotografias são tiradas todos os dias.

Câmeras antigas.
A história da fotografia começou antes do desenvolvimento da primeira máquina fotográfica.
Imprimir
Texto:
A+
A-
Ouça o texto abaixo!

PUBLICIDADE

A história da fotografia se iniciou no século XIX, mas o desenvolvimento da máquina fotográfica só foi possível, depois, pelos estudos feitos sobre câmaras escuras de orifício. Joseph Niépce desenvolveu uma placa metálica revestida de betume e a utilizou em conjunto com uma câmara escura para produzir a primeira fotografia. Sucedendo o invento de Niépce, o daguerreótipo foi a primeira “máquina de fotografar” que se popularizou.

A primeira fotografia tirada em solo brasileiro foi feita em daguerreótipo, em 1840. Dom Pedro II comprou o primeiro dispositivo do tipo no mesmo ano, sendo esse considerado o primeiro do Brasil.

A Kodak, empresa norte-americana fundada no final do século XIX, foi responsável por grandes inovações nas máquinas de fotografar e de seus acessórios e ajudou na popularização da fotografia. A primeira câmera digital comercializada foi criada por essa empresa, em 1975. O primeiro celular com câmera digital foi lançado no mercado em 1999.

Leia também: História da televisão — da invenção à popularização do aparelho no Brasil e no mundo

Tópicos deste artigo

Resumo sobre a história da fotografia

  • A história da fotografia se iniciou com Joseph Nicéphore Niépce. Ele registrou a vista de sua janela em 1826. Essa é considerada a fotografia mais antiga.

  • Horas eram necessárias para se produzir uma fotografia quando as primeiras máquinas de fotografar foram criadas.

  • O daguerreótipo diminuiu o tempo de produção de uma fotografia para cerca de 30 segundos, possibilitando que pessoas fossem fotografadas.

  • Diversos inventos modificaram a forma de fotografar, como o rolo fotográfico, o negativo, o filme colorido e a câmera digital.

  • Na atualidade, mais de 10 bilhões de fotografias são tiradas por dia, milhões delas são postadas diariamente nas redes sociais.

Como surgiu a fotografia?

A história da fotografia começou há dois séculos, mas, para alguns historiadores, ela pode ser ainda mais antiga. A palavra fotografia é formada por duas outras palavras: foto, que significa “luz”; e grafia, que significa algo como “escrita” ou “registro”. Portanto, fotografia significa literalmente “escrever com a luz”.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

→ Registro de imagens com câmara escura de orifício

A fotografia só foi possível por causa de um fenômeno natural em que a luz, que viaja em linha reta, ao passar por um orifício da parede de uma câmara escura, projeta a imagem do exterior na parede interna oposta ao orifício, com a imagem projetada de ponta cabeça.

Algumas vezes esse fenômeno ocorre naturalmente em cavernas, o que poderia ter levado o ser humano a desenvolver as pinturas rupestres. Na Antiguidade, ele foi estudado por gregos e chineses, e, na Idade Média, foram os árabes que se destacaram no seu estudo.

No renascimento, diversos estudiosos se dedicaram a estudar câmaras escuras com orifício. O italiano Leonardo da Vinci produziu mais de 200 experimentos com câmaras escuras e foi o primeiro a explicar o funcionamento do olho, comparando-o à câmara escura.

O registro mais antigo da forma de funcionamento de uma câmara escura com orifício foi produzido por Gemma Frisius, no qual ele observou o fenômeno do eclipse solar de 24 de janeiro de 1544. Ainda no período renascentista, foram utilizadas lentes de vidro pela primeira vez nas câmaras escuras, o que melhorou muito a resolução da imagem projetada.

Alguns especialistas em arte do século XVII afirmam que o pintor Johannes Vermeer, conhecido pela obra Moça com o brinco de pérola, utilizou uma câmara escura para produzir algumas de suas obras. Talvez essa tenha sido a primeira vez que alguém “escreveu com a luz”.

Desenho de uma câmara escura, instrumento que faz parte da história da fotografia.
Registro mais antigo conhecido sobre o funcionamento da câmara escura, de 1544.

→ A primeira fotografia e a invenção do daguerreótipo

Foi o francês Joseph Nicéphore Niépce que desenvolveu a primeira câmara escura que conseguiu registrar o que era projetado nela, ou seja, ele desenvolveu o primeiro mecanismo que tirou uma fotografia.

A grande invenção de Niépce foi uma placa retangular feita de estanho e coberta com uma camada de betume, fixada no fundo de uma câmara escura. A luz do Sol entrava na câmara e queimava o betume na placa, criando a fotografia. Para produzir a primeira fotografia, Niépce deixou a placa exposta à luz por oito horas.

A história da fotografia teve início com Joseph Niépce, em1826. Ele fotografou o telhado das casas vizinhas à sua.
A história da fotografia teve início com Joseph Niépce, em1826. Ele fotografou o telhado das casas vizinhas à sua.

Louis Jacques Mandé Daguerre fez um acordo com Niépce e recebeu o direito de utilizar sua invenção, aperfeiçoando-a e criando o daguerreótipo, que demorava cerca de 30 segundos para tirar uma fotografia. Ele foi o primeiro mecanismo que tirava fotografias produzido em larga escala.

A patente do daguerreótipo foi vendida para o Estado francês, que a colocou em domínio público. A partir daí, as máquinas fotográficas passaram por grande desenvolvimento em diversos países.

Veja também: Óculos, lupa, câmera fotográfica e outros instrumentos ópticos

Evolução da fotografia

1839

O daguerreótipo começa a ser comercializado. Ele foi muito popular durante quase todo o século XIX. Permitia ajustar o foco da imagem, movimentando a lente para a frente e para trás.

 

Daguerreótipo

 

1851

Frederick Scott Archer desenvolveu o processo do colódio úmido, que permitiu a impressão de muitas imagens com base em um negativo. Fotografias de pessoas famosas, lugares e guerras passaram a ser vendidas em grande quantidade.

 

Negativo de retrato antigo de noivos.
Negativo de retrato de noivos da década de 1940.[1]

 

1889

A Kodak, empresa de George Eastman, criou o primeiro rolo de filme. Antes, após realizar a fotografia, o fotógrafo deveria submeter a placa que captou a imagem por um processo demorado, que exigia diversas etapas e produtos químicos. Com o rolo de filme, diversas fotos passaram a ser feitas na sequência e reveladas posteriormente.

 

Rolo de filme.
Rolo de filme.[2]

 

1912

A Kodak passou a vender as câmeras chamadas Vest Pocket, ou câmera de “bolso do colete”, a primeira máquina fotográfica que cabia no bolso. Foram vendidas milhões de Vest Pockets. Elas foram muito utilizadas por soldados na Primeira Guerra.

 

Câmera de bolso da Kodak.
Câmera fotográfica de bolso, da Kodak.[3]

 

 1936

A Kodak novamente revolucionou o mundo da fotografia ao lançar o Kodachrome, primeira máquina fotográfica largamente comercializada a utilizar filme colorido.

 

Câmera Kodachrome, da Kodak.
Câmera Kodachrome, da Kodak.[4]

 

1972

 

Foram desenvolvidas as primeiras câmeras fotográficas digitais. Em 1975, a Kodak lançou a Cromemco Cyclops, primeira câmera digital comercializada em larga escala.

 

Cromemco Cyclops.
Cromemco Cyclops, primeira câmera totalmente digital. [5]

 

1999

Foi lançado, no Japão, o Kyocera VP-210, o primeiro celular com câmera fotográfica da história. As imagens tinham 0,1 megapixels e o celular tinha capacidade para armazenar 20 fotos.

 

Kyocera VP-210.
Primeiro celular com câmera, Kyocera VP-210.[6]

 


História da fotografia no Brasil

Em 1840, o abade francês Louis Comte tirou a primeira fotografia no Brasil. O abade e o daguerreótipo utilizado chegaram ao Rio de Janeiro no navio francês L’Oriental-Hydrographe, uma espécie de navio escola que na época fazia uma expedição científica pelo globo. Ele deveria realizar uma viagem de dois anos e meio, mas o navio acabou naufragando na costa chilena, seis meses depois da primeira fotografia feita do Brasil.

Toda a tripulação de 80 membros sobreviveu ao naufrágio, assim como parte da carga que o navio carregava, inclusive a primeira fotografia feita no Brasil. Um dia depois da primeira fotografia, o Jornal do Comércio noticiou o feito de Louis Comte, afirmando que a imagem ficou pronta em “apenas nove minutos”.

Dias depois, Louis Comte apresentou o daguerreótipo para Dom Pedro II. O imperador do Brasil adquiriu um daguerreótipo em março de 1840, apenas três meses após a primeira fotografia tirada no Brasil. Dom Pedro II foi um apaixonado pelas novas tecnologias do período, como o telégrafo, o telefone, a lâmpada e a fotografia.

Durante sua vida, ele tirou centenas de fotos e comprou milhares de outras. Sua coleção de fotografias foi doada em testamento para a Biblioteca Nacional e passou a ser chamada de Coleção Thereza Christina Maria. A coleção possui mais de 20 mil fotografias.

A partir da década de 1850, fotógrafos abriram estúdios nas principais capitais do país, produzindo principalmente retratos. Na década de 1860, alguns fotógrafos passaram a fotografar o cotidiano das ruas brasileiras e a fotografar paisagens urbanas e rurais, e alguns dele foram patrocinados por Dom Pedro II.

Marc Ferrez foi um dos mais populares fotógrafos brasileiros do século XIX. A partir de 1875, ele participou de expedições cientificas pelo interior do Brasil, fotografando estados como Bahia, Mato Grosso e Goiás. Ferrez também fotografou diversas atividades econômicas praticadas no Brasil e diversas obras estatais, como a construção de estradas, ferrovias e portos.

No início do século XX, surgiram os primeiros fotógrafos ambulantes do Brasil, conhecidos popularmente como fotógrafos “lambe-lambe”. A presença deles com suas grandes câmeras com tripé foi comum nas grandes cidades do Brasil até a década de 1970. Ainda hoje existem alguns lambe-lambe na ativa em nosso país.

Duas teorias tentam explicar a origem do apelido lambe-lambe. Uma delas afirma que os fotógrafos lambiam as placas de vidro para saber qual lado deveria ser utilizado para produzir a fotografia; a outra defende que eles lambiam o envelope no qual a fotografia era entregue para o cliente.

Qual a importância da fotografia?

A primeira grande importância da fotografia é a preservação da memória. A fotografia permitiu ao ser humano perpetuar memórias de lugares, pessoas e acontecimentos históricos. Ela nos conecta diretamente a nosso passado, nossos ancestrais, nosso país e nossa humanidade.

A fotografia também é um eficaz meio de denúncia, tendo grande poder de influenciar a opinião pública e até mesmo de modificar os rumos da história. Em 1904, a missionária Alice Harris fotografou Nsala de Wala, que observava as mãos e um pé da filha dele, de cinco anos, que foram cortados pelos belgas (que dominavam o Congo), por ele não ter atingido a cota estabelecida para a produção de borracha.

Fotografia de 1904 tirada no Congo, muito importante para a história da fotografia.
Fotografia de 1904 que ajudou o mundo a entender os horrores praticados pelos europeus na África.

A imagem foi divulgada em todo o planeta e foi importante para as pessoas entenderem e protestarem contra os horrores que ocorriam no chamado Congo Belga. Em 1908, o Congo deixou de ser uma propriedade pessoal do rei belga Leopoldo II.

A fotografia também é uma expressão artística, pela qual fotógrafos expressam seus sentimentos, opiniões e, muitas vezes, fazem críticas. Como qualquer manifestação artística, a fotografia pode nos dar a sensação de bem-estar, de incômodo, de prazer, de alegria e tristeza. Muitas vezes, nos faz refletir e pode servir como fonte de inspiração.

A fotografia também é largamente utilizada em diversas áreas do conhecimento e em diversas profissões, como na antropologia, história, jornalismo, medicina, geografia, astronomia, entre outras.

Saiba mais: Mitos e verdades sobre a viagem do homem à Lua

Curiosidades sobre a fotografia

→ Fotografia mais vista no mundo

A fotografia mais vista no mundo é a imagem da tela de abertura do Windows XP, chamada de Bliss. Ela foi feita por Charles O´Rear, ex-fotógrafo da National Geographic, em 1996.

→ Fotografia mais curtida da história

A fotografia mais curtida da história é a do jogador Leonel Messi levantando a taça da Copa do Mundo de 2022. Ela foi postada por ele no Instagram e alcançou mais de 70 milhões de likes. Antes dela, a fotografia com mais likes era a foto de um ovo, com mais de 50 milhões de curtidas.

→ Primeiras fotografias de nudes da história

É atribuída ao fotógrafo Jacques Felix Antoine Moulin a produção dos primeiros nudes da história. No final da década de 1840, ele passou a fotografar mulheres nuas e seminuas, principalmente prostitutas e dançarinas de Paris. Na época, tirar esse tipo de fotografia era considerado crime. Ele foi preso em 1851, e condenado por obscenidade, passando um mês na cadeia.

→ Primeiro registro de pessoas em uma fotografia

Em 1828, Louis Daguerre registrou sem querer as primeiras pessoas em uma fotografia. Ele fotografava um boulevard de Paris e registrou um engraxate e um homem. As pessoas que caminhavam pela calçada não foram fotografadas, uma vez que demorava para a luz produzir a foto, mas os homens fotografados se moveram pouco durante a realização da imagem.

→ Fotografias com dispositivos da Apple

Em 2022, a Apple divulgou que cerca de três trilhões de fotografias foram tiradas pelos dispositivos da empresa no ano anterior. Isso dá aproximadamente oito bilhões de fotos por dia, ou seja, uma foto por habitante do planeta Terra. Vale lembrar que esse dado se relaciona somente com as fotos tiradas com dispositivos Apple.

→ Fotografias tiradas na Lua

As icônicas primeiras fotografias tiradas na Lua foram feitas por câmeras desenvolvidas pela empresa norte-americana Hasselblad. As câmeras eram adaptadas para suportar a baixa gravidade, grandes trepidações no lançamento do foguete e as temperaturas extremas enfrentadas na viagem à Lua.

Na Missão Apollo 11, duas câmeras foram utilizadas, e, após retirar os rolos de filmes delas, os astronautas as deixaram na Lua para reduzir o peso do módulo Eagle, que carregava peso extra por causa das rochas e amostras de solo coletadas. Em todo Projeto Apollo, um total de 14 câmeras foi deixado no nosso satélite natural.

→ Críticas contra a invenção da fotografia

A invenção da fotografia não deixou todas as pessoas felizes. Diversas manifestações ocorreram contra a nova invenção na França. Entre os principais críticos estavam grupos religiosos que eram contrários à captura de imagens de coisas feitas por Deus e pintores, principalmente retratistas, que temiam que a nova tecnologia acabaria com a profissão.

Créditos das imagens

[1] Museu de Auckland/ Wikimedia Commons

[2] Wikimedia Commons

[3] Berthold Werner/ Wikimedia Commons

[4] Wikimedia Commons

[5] Wikimedia Commons

[6] Wikimedia Commons

Fontes

AMAR, Pierre-Jean. História da fotografia. Edições 70, Lisboa, 2017.

KOSSOY, Boris. Fotografia e história. Ateliê Editorial, São Paulo, 2014.

SONTANG, Susan. FIGUEIREDO, Rubens. Sobre fotografia. Companhia das Letras, São Paulo, 2004. 

Escritor do artigo
Escrito por: Jair Messias Ferreira Junior Pós-graduado em História pela Unicamp e professor da Educação Básica há mais de 20 anos. Também é formador de professores e produtor de materiais didáticos há mais de 10 anos.

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

JUNIOR, Jair Messias Ferreira. "História da fotografia"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/curiosidades/historia-da-fotografia.htm. Acesso em 20 de abril de 2024.

De estudante para estudante