Variabilidade genética

Biologia

PUBLICIDADE

Variabilidade genética é um termo utilizado para referir-se aos diferentes alelos (formas alternativas de um gene que ocupam a mesma posição em cromossomos homólogos) existentes nos indivíduos de uma espécie. Essa variabilidade determina as diferentes características dos indivíduos, ou seja, é responsável por propiciar as variações fenotípicas naquela espécie.

A variabilidade genética é fundamental para a ocorrência da seleção natural, sem ela a evolução não seria possível. A ocorrência de diferentes alelos em uma espécie é resultado, principalmente, de mutações.

Leia também: Genótipo e fenótipo – dois conceitos na genética que estão interligados

O que é variabilidade genética?

A variabilidade genética, também chamada de biodiversidade molecular, pode ser definida como a variedade de alelos presentes nos indivíduos de uma determinada espécie. Isso significa que os organismos de uma espécie apresentam diferenças na composição dos seus genes, diferenças essas que determinam também variações em seus fenótipos.

A diversidade de alelos dos indivíduos da mesma espécie é o que chamamos de variabilidade genética.
A diversidade de alelos dos indivíduos da mesma espécie é o que chamamos de variabilidade genética.

Cor do cabelo, dos olhos, da pele, altura e voz, por exemplo, são características presentes nos seres humanos que nos fazem compreender rapidamente que temos variações fenotípicas em relação aos outros. Vale destacar, no entanto, que a variabilidade genética promove alterações no fenótipo, entretanto, algumas dessas variações não ocorrem em resposta às diferenças genéticas e sim à influência do meio.

A variabilidade genética pode ser quantificada analisando-se a porcentagem média de loci (locais dos cromossomos onde está um gene) que são heterozigotos.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Mutação

A variabilidade genética é conseguida, principalmente, quando um processo de mutação leva ao surgimento de novos alelos. A mutação leva a mudanças na sequência de nucleotídeos que compõem o DNA, e, mesmo que essas mudanças afetem apenas uma base em um gene, os impactos no indivíduo podem ser significativos. A mutação é uma importante fonte, portanto, de variabilidade.

Como a mutação ocorre ao acaso, não podemos prever qual sequência de DNA será afetada, nem se essa alteração será benéfica ou maléfica para o organismo. Em alguns casos, a seleção natural promove a retirada rápida de alelos danosos de circulação, entretanto, quando são recessivos, podem permanecer por várias gerações, mesmo que provoquem o desenvolvimento de características desfavoráveis.

No caso das alterações benéficas, ele tendem a permanecer na população, uma vez que podem aumentar a chance de sobrevivência do indivíduo e, desse modo, garantir sua passagem aos descendentes.

As mutações podem afetar, em organismos multicelulares, as células somáticas ou os gametas. Nesse último caso, temos uma mutação que poderá ser passada para seus descendentes. Nos animais, as mutações geralmente não são passadas para a próxima geração por afetarem, principalmente, as células somáticas. Caso queira saber mais sobre essa importante fonte de variabilidade, leia: O que é mutação?

Reprodução sexuada

 A reprodução sexuada promove variabilidade por combinar os alelos de diferentes formas.
A reprodução sexuada promove variabilidade por combinar os alelos de diferentes formas.

A reprodução sexuada é também responsável por promover a variabilidade genética, entretanto, diferentemente da mutação, ela não produz novos alelos. A variabilidade, nesse caso, é resultado da combinação dos diferentes alelos, que se rearranjam de diferentes formas.

Isso acontece devido a três mecanismos: o processo de crossing-over, que ocorre durante a meiose; a segregação independente dos cromossomos na formação dos gametas; e a fecundação, que garante a união de gametas de indivíduos diferentes. Para aprofundar-se sobre o tema deste tópico, leia: Reprodução sexuada.

Variabilidade genética e seleção natural

A variabilidade genética é responsável por determinar as características fisiológicas e morfológicas dos indivíduos. São elas que tornam os seres vivos capazes de responder, de diferentes formas, às mudanças no ambiente.

Quanto maior a variabilidade, maior a chance de sobrevivência daquela espécie, pois uma população com grande variabilidade genética possui maior chance de possuir indivíduos que apresentem a capacidade de sobreviver caso ocorra uma mudança drástica no ambiente.

Quando a variabilidade genética é baixa, a probabilidade de existirem indivíduos capazes de sobreviver diante de uma modificação do ambiente diminui. Desse modo, a variabilidade genética permite que existam indivíduos mais aptos à sobrevivência em um determinado ambiente do que outros, tornando possível a ação da seleção natural.

 

Por Vanessa Sardinha dos Santos
Professora de Biologia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Variabilidade genética"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biologia/variabilidade-genetica.htm. Acesso em 13 de agosto de 2020.