Topo
pesquisar

Órgãos que podem ser doados em vida

Biologia

Os órgãos que podem ser doados em vida são os rins, fígado, pulmão e medula óssea. Aqui explicaremos como é possível doar esses órgãos sem causar riscos ao doador.
A doação de órgãos pode salvar vidas
A doação de órgãos pode salvar vidas
PUBLICIDADE

Quando falamos em doação de órgãos, muitas pessoas pensam que é necessário decretar a morte encefálica para que a doação seja realizada. Entretanto, o que muitos não sabem é que a doação de alguns órgãos pode sim ocorrer em vida.


Quais são os órgãos que podem ser doados em vida?

Segundo o Ministério da Saúde, os órgãos que podem ser doados em vida são rins, fígado, pulmão e medula óssea. A seguir falaremos um pouco mais sobre cada um desses casos.

  • Doação de rins: Os seres humanos apresentam dois rins, sendo possível sobreviver com apenas um. Na doação, o doador dará seu rim por completo, pois, diferentemente de outros órgãos, não é possível doar fragmentos.

  • Doação de fígado: O fígado, diferentemente do rim, pode ser doado em porções, sendo possível doar até metade do órgão. Isso é possível porque o fígado apresenta grande capacidade de regeneração.

A doação do rim pode ocorrer em vida
A doação do rim pode ocorrer em vida

  • Doação de pulmão: também pode ser feita em porção, sendo geralmente doado o lobo inferior do órgão. Entretanto, diferentemente do rim, esse órgão não se regenera, mas a retirada de uma porção não coloca em risco a vida do doador.

  • Doação de medula óssea: A medula óssea é um tecido presente no interior de certos ossos que contém células-tronco responsáveis pela geração de células sanguíneas. O transplante é recomendado normalmente para pacientes que possuem doenças que afetam o sangue, tais como leucemias. Depois do procedimento, o doador de medula continua com a vida normal, e a medula óssea recupera-se em, aproximadamente, 15 dias. Os doadores retornam às suas atividades normais após cerca de uma semana.

    Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Leia também: Importância do transplante de órgãos e tecidos.


O que diz a lei sobre a doação de órgãos em vida?

A Lei Nº9.434, de 4 de fevereiro de 1997, dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. De acordo com o artigo 9 dessa lei, “é permitida à pessoa juridicamente capaz dispor gratuitamente de tecidos, órgãos e partes do próprio corpo vivo, para fins terapêuticos ou para transplantes em cônjuge ou parentes consanguíneos até o quarto grau, inclusive, na forma do § 4o deste artigo, ou em qualquer outra pessoa, mediante autorização judicial, dispensada esta em relação à medula óssea.”

De acordo com a mesma lei, “só é permitida a doação referida neste artigo quando se tratar de órgãos duplos, de partes de órgãos, tecidos ou partes do corpo cuja retirada não impeça o organismo do doador de continuar vivendo sem risco para a sua integridade e não represente grave comprometimento de suas aptidões vitais e saúde mental e não cause mutilação ou deformação inaceitável, e corresponda a uma necessidade terapêutica comprovadamente indispensável à pessoa receptora.”

Vale salientar que nem todas as pessoas podem ser doadoras de órgãos em vida. Para ser um doador vivo, a pessoa deve apresentar boas condições de saúde (comprovadas por exames médicos) e deve concordar com a doação. A doação de órgãos e tecidos por gestante também é vedada, exceto quando se tratar de tecido para transplante de medula óssea e esse procedimento não oferecer risco para a sua saúde.

Por Ma. Vanessa Sardinha dos Santos

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

SANTOS, Vanessa Sardinha dos. "Órgãos que podem ser doados em vida"; Brasil Escola. Disponível em <https://brasilescola.uol.com.br/biologia/orgaos-que-podem-ser-doados-vida.htm>. Acesso em 21 de outubro de 2018.

  • SIGA O BRASIL ESCOLA
Brasil Escola