Whatsapp icon Whatsapp
Copy icon

Santo Agostinho

Biografia

PUBLICIDADE

Aurelius Agostinus, Agostinho de Hipona ou Santo Agostinho foi um dos filósofos da filosofia patrística, considerado um dos pais ou um dos doutores da Igreja Católica. Seu período, o período patrístico, consiste no primeiro esforço de criar-se uma base teológica e doutrinária para o cristianismo, que já existia enquanto religião, mas carecia de uma doutrina que fundamentasse todo o embasamento institucional da Igreja. Agostinho é um dos responsáveis por criar esse embasamento com a sua filosofia cristã.

Leia também: Escolástica – período filosófico que sucedeu a patrística         

Biografia de Santo Agostinho

Santo Agostinho nasceu Aurélio Agostinho, em 354 d.C. Seu local de nascimento foi a cidade de Tagaste, no território atualmente composto pela Argélia, na época sob domínio do Império Romano. O pai de Agostinho era pagão (algo comum na época, pois o cristianismo era recente e tinha deixado marcas problemáticas no império por conta da imagem subversiva de Jesus Cristo). Sua mãe, Mônica (mais tarde canonizada como Santa Mônica), era cristã devota.

A verdade da fé de Santo Agostinho.
A verdade da fé de Santo Agostinho.

Agostinho cresceu no caminho considerado pelo cristianismo como pecaminoso e pagão, por conta da influência de seu pai. As biografias de Agostinho e de Mônica afirmam que a mãe viveu muito angustiada pela conduta do filho e sempre rezou por sua conversão. No entanto, ela sabiamente nunca forçou ou impôs a religião ao filho, mesmo quando ele era criança.

Agostinho estudou lógica, filosofia e retórica. Tornou-se um grande professor de retórica, sendo reconhecido no Império Romano. Ele procurou, com base em seus estudos, vários modos de encontrar um certo conforto espiritual. Agostinho aproximou-se do maniqueísmo, doutrina religiosa com base sincrética (cristã e pagã, advinda do zoroastrismo), que enxergava um dualismo moral no mundo, o qual seria dividido apenas entre duas forças em equilíbrio: o bem e o mal. Além disso, Agostinho aproximou-se de doutrinas filosóficas gregas antigas, como o hedonismo e o ceticismo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Agostinho envolveu-se com uma mulher, teve um filho com ela aos 18 anos de idade, Adeodato, e manteve um relacionamento considerado pela Igreja como pecaminoso por 13 anos. Ao separar-se dela, Agostinho teve casos com outras mulheres.

Por volta de seus 30 anos de idade, o intelectual começou a ouvir as pregações do Bispo Ambrósio, um importante clérigo, por conta de questões retóricas. O momento vivido por Agostinho era conturbado: ele tinha dificuldades interpessoais em seus relacionamentos amorosos e com a mãe de Adeodato, além de encontrar-se espiritualmente desamparado por todas as doutrinas que procurou: maniqueísmo, hedonismo e ceticismo.

Não obstante, a proximidade entre Agostinho e seu filho era muito grande. Eles estavam imersos numa cultura cada vez mais cristã, até que Agostinho optou pelo cristianismo como religião, quando Adeotado tinha 15 anos de idade.

Diz a sua história que o santo, em um dia de muita angústia, recebeu a visita de um ser iluminado, provavelmente um anjo, que o entregou um livro e ordenou-o: “Toma e lê!”. Agostinho obedeceu-o, e, a partir daquele momento restaurador, cederia ao cristianismo como religião. Após esse episódio, o Bispo Ambrósio batizou Agostinho e Adeodato. Pouco tempo depois, seu filho morreu. Não bastasse o sofrimento pela morte do filho, Agostinho enfrentou também a morte da mãe pouco tempo depois.

Sua vida após a conversão e as perdas foi dedicada à Igreja Católica. Agostinho fundou uma ordem religiosa, e, após a aproximação e morte do velho Bispo de Hipona, o religioso foi consagrado bispo da mesma cidade, ocupando o cargo até 430, ano de sua morte.

Santo Agostinho após o bispado.
Santo Agostinho após o bispado.

Filosofia de Santo Agostinho

É difícil traduzir a filosofia de Agostinho em poucas palavras, pois ele tratou sobre os mais variados temas ao defender as primeiras bases teológicas do cristianismo. Agostinho escreveu, por exemplo, sobre o tempo. Algo que intriga religiosos, cientistas e filósofos, o tempo é, segundo o filósofo patrístico, algo que ele sabe o que é, mas não sabe responder caso seja perguntado. Isso leva o interlocutor a pensar algo que seria muito importante na contemporaneidade: o conhecimento intuitivo.

Além do tempo e de outros assuntos importantes para a filosofia e para a Igreja Católica, Agostinho escreveu sobre o bem e o mal. Na visão do filósofo, ao tentar-se resolver o antigo paradoxo da onipotência e da suprema benevolência de Deus sobre o mal, afirma-se que Deus é o supremo bem e o único caminho possível para o bem. No entanto, há a possibilidade deixada pelo livre arbítrio de que o homem afaste-se do bem e vá em direção ao mal. Deus seria o bem e a distância de Deus seria o mal, o caminho oposto à iluminação divina.

Veja também: Tomás de Aquino – filósofo que abordou o conflito entre razão e fé na Idade Média

Patrística

Agostinho está inserido no período denominado filosofia patrística. O grande problema enfrentado pelos patrísticos era conseguir estabelecer as bases de um pensamento cristão que convencesse os fiéis e, mais que isso, desse uma base para a formulação do cristianismo. Antes de Agostinho, temos o neoplatonismo como um princípio filosófico de resgate da filosofia platônica, mas temos também o período dos chamados padres apologistas, aqueles que se dedicaram a tecer verdadeiras defesas (ou apologias) do cristianismo em suas épocas.

Entre os principais apologistas, temos Justino e Tertuliano. Agostinho posicionou-se como um defensor da tese de Justino: de que a filosofia grega antiga, mesmo sendo pagã, forneceria um meio de compreensão de questões fundamentais para o cristianismo. Assim, Agostinho tornou-se um dos “pais” da Igreja, sendo um importante nome da filosofia patrística. Para saber mais sobre esse período da filosofia medieval, leia: Patrística.

Obras de Santo Agostinho

As principais obras escritas por Santo Agostinho são Confissões e Cidade de Deus. Confissões tem um tom altamente autobiográfico. Nesse livro, o filósofo fala do período de sua vida em que não era convertido, fala com propriedade do pecado, do maniqueísmo e do hedonismo. Também conta como foi convertido tardiamente na fé cristã.

Em Cidade de Deus, o filósofo fala de dogmas relacionados ao cristianismo, como a vida eterna da alma e a bem-aventurança, além do paraíso e da bondade de Deus. Os escritos contidos nessa obra mostram-se como o princípio para a compreensão de uma filosofia cristã.

Santo Agostinho redigindo suas obras.
Santo Agostinho redigindo suas obras.

Dia de Santo Agostinho

Em 28 de agosto é celebrado o Dia de Santo Agostinho em decorrência de sua morte na mesma data, no ano de 430. A celebração a Santa Mônica, sua mãe, acontece no dia 27 de agosto, também em decorrência da data de morte da matriarca.

 

Por Francisco Porfírio
Professor de Filosofia

Gostaria de fazer a referência deste texto em um trabalho escolar ou acadêmico? Veja:

PORFíRIO, Francisco. "Santo Agostinho"; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/biografia/santo-agostinho.htm. Acesso em 24 de outubro de 2021.

Assista às nossas videoaulas
Artigos Relacionados
Clique aqui para descobrir o que foi a Escolástica, quem foram os principais pensadores e como este período está situado dentro da história da Filosofia.
O desenvolvimento da Filosofia Medieval, um importante campo do conhecimento durante a Idade Média.
Clique aqui para entender o conceito de hedonismo bem como para conhecer a história e os autores com diferentes visões sobre essa doutrina.
Conheça o significado de imanência e transcendência, dois conceitos importantes para a Filosofia, e entenda as principais diferenças entre eles. Platão foi o primeiro filósofo a reconhecer a diferença entre realidades imanentes e transcendentes, ideias que passaram a ser muito difundidas, especialmente nas religiões.
Clique aqui para descobrir o que foi a Filosofia Patrística, quem eram seus principais pensadores e o que defendiam os patrísticos.
Pensamentos sobre a doutrina da iluminação divina.
Clique aqui para conhecer a trajetória de São Tomás de Aquino, filósofo canonizado pela Igreja Católica por suas contribuições para a teologia cristã.